Uma bruxa em uma garrafa
Você pode ter ouvido falar de um navio em uma garrafa - mas você já ouviu falar de uma bruxa em uma garrafa? Este é o conto de uma bruxa muito problemática.

No Priorado de St. Peter Dunstable, numa manhã de inverno frio, uma mulher chamada Sally foi condenada por feitiçaria pelos monges do Priorado. Ela foi lentamente queimada na estaca. Seu gato e vassoura sofreram o mesmo destino.

Mas Sally não escolheu ir calmamente como algumas fizeram. Morreu gritando e amaldiçoando seu último suspiro. Ela ameaçou uma vingança terrível contra os monges que a condenaram.
Uma bruxa em uma garrafa
Os monges descobriram rapidamente que Sally estava perturbando muito mais depois de morta do que quando vivia. Muitas coisas misteriosas começaram a acontecer. Mãos invisíveis puxavam as orelhas dos monges; as velas do altar da igreja cintilavam e cuspiam com um brilho verde malvado.

Onde os dedos fantasmais de Sally tocavam os livros de oração, as capas queimavam. Os monges não podiam orar em paz nem dormir à noite. Isso estava deixando-os loucos!

Um exorcista foi finalmente chamado para exorcizar o fantasma de Sally, em um serviço religioso especial, mas a bruxa problemática ainda não iria em silêncio.

Quando o exorcista começou o serviço, ele foi atingido na cabeça com uma poderosa força que o jogou no chão. Enquanto o exorcista atordoado se colocava de pé, a congregação congelava de medo enquanto o riso ameaçador da bruxa soava das vigas acima.

Mas o exorcista era astuto e ele finalmente superou a bruxa, chamando a atenção da bruxa para uma garrafa. A atração era uma mistura secreta, conhecida apenas por algumas pessoas, de ervas e poções. Era muito parecido como o feitiço de uma bruxa!

A atração era tão forte, que logo atraiu a atenção da bruxa e, quando o fantasma curioso de Sally foi investigar, o exorcista empurrou-a para dentro da garrafa e tapou com uma rolha!

Ele advertiu que a garrafa nunca deveria ser quebrada ou a bruxa escaparia e executaria uma vingança terrível contra todos.

A garrafa foi enterrada em um lugar secreto nas terras do convento, apenas para garantir que nenhum amigo da bruxa pudesse recuperá-la.

No entanto, como ninguém sabia onde a garrafa foi enterrada, foi dito que não havia mais enterros no cemitério do priorado, para não correr o rico da garrafa enterrada ser acidentalmente quebrada, liberando o fantasma da bruxa perversa de Dunstable.

Até onde sabemos, nenhuma garrafa estranha foi desenterrada perto do local do antigo convento, mas, se você se encontrar na área, lembre-se de anda com muito, muito cuidado.
A sereia e o pente mágico
A costa, perto de Lizard Point, na Cornualha, é um lugar de grande beleza, com acantilados escarpados, dominando pequenas enseadas escondidas e praias. Ali, o mar sempre moldou a vida daqueles que vivem por perto. E, como muitos pescadores sabem, esconde muitos segredos e mistérios.

Se você caminhar ao longo da costa, você encontrará muitas coisas estranhas que ficaram presas na costa. Mas nenhuma tão estranha como a encontrada por um velho cornish, há cerca de quatrocentos anos atrás.

O nome do homem era Lutey e ele morava em uma casa de campo na pequena aldeia de Corantyn (agora Cury) perto de Mullion.

Era um ótimo dia de verão: o sol brilhava em um céu sem nuvens. Ele estava caminhando em uma das enseadas perto do Lizard Point. A maré havia baixado, deixando uma ampla barra de areia.

Ele estava andando olhando as conchas e os destroços que haviam sido lavados na praia, quando viu, numa lagoa profunda deixada pela maré baixa, uma bela dama. Ela tinha longos cabelos dourados e estava sentada em uma rocha. Ela parecia muito chateada e estava chorando com lamentação.
A sereia e o pente mágico
Quando ele se aproximou, ela correu da rocha para a lagoa e ele viu, para espanto dele, que ela era uma sereia.

Ele estava curioso e um pouco alarmado, pois ouvira muitos contos sobre o perigo de tais "sereias marinhas" dos pescadores de Gunwalloe.

Ele queria fugir para casa, mas, pensando em seus lamentáveis ​​gritos, ele se moveu cuidadosamente para a lagoa.

Ele podia ver que a sereia também tinha muito medo, enquanto tentava se esconder nas rochas entre as ervas do mar.

"Você não precisa se preocupar", disse ele. "Eu sou um homem velho. Eu não vou machucar você. O que você está fazendo, o que está acontecendo?"

No começo, ela tinha muito medo de falar, depois chorando amargamente, pediu-lhe que fosse embora.

O velho novamente disse a ela que ele não queria fazer mal, mas não podia deixá-la quando estava tão chateada.

"O que está lhe deixando triste, jovem?" Ele disse. Sua voz era gentil e a sereia nadou um pouco mais perto da rocha. Ela olhou para ele com grandes olhos verdes e, depois de um pouco mais persuasiva, ela contou-lhe a história dela.

Ela estava nadando perto da costa com seu marido e filhos. Cansado pelo sol quente, o marido dela sugeriu nadar para uma caverna que eles gostavam, em Kynance Cove.

Eles entraram na caverna quando a maré estava média. Havia uma boa erva suave e a caverna estava deliciosamente fresca. Seu marido se deitou e disse que não o acordassem até a virada da maré. Cansados ​​das brincadeiras, os pequenos também adormeceram.

Ela tinha deixado a enseada para procurar comida e apreciava o lindo aroma à brisa do verão. Ele vinha das flores que cresceram sobre o ponto, então ela entrou nas ondas, para se aproximar o mais possível. Com a mente dominada pelo doce perfume, ela não tinha notado o recuo da maré, até que ela se viu isolada na lagoa de pedra.

Agora, ela não podia voltar para o marido e a família.

Ela olhou de novo para o mar. Vendo mais uma vez a longa barra seca de areia, ela novamente começou a chorar.

"O que devo fazer?" Ela disse. "Eu preciso voltar para a caverna".

O velho tentou confortá-la, mas ela disse a ele que, se o marido acordasse e achasse que ela estava desaparecida, ele ficaria terrivelmente bravo. Ela deveria estar procurando comida para o jantar. Ele está esperando que eu o acorde no recuo da maré, ela disse, já que era a hora do jantar. Se nenhum alimento chegasse, ele criaria uma tempestade com sua fúria e, com a mesma probabilidade, comeria as crianças, pois os homens peixes eram muito selvagens quando estavam com fome.

O velho ficou horrorizado com o que ela disse e perguntou o que ele poderia fazer para ajudar. Ela implorou para levá-la para o mar. Se ele fosse tão gentil, ela lhe concederia três desejos.

De repente, ele se ajoelhou sobre a rocha e a sereia cruzou seus braços ao redor de seu pescoço. Ele se levantou da rocha e lentamente levou a sereia pelas areias das costas.

Ao colocá-la gentilmente no mar, ela agradeceu e perguntou o que ele desejava.

"Não peço", disse ele, "prata ou ouro, mas pelo poder de fazer o bem: quebrar feitiços malignos, tirar doenças e encontrar propriedades roubadas".

A sereia concordou feliz em dar-lhe esses poderes. Ela disse que ele deveria voltar à rocha na maré média no dia seguinte, e ela lhe contaria como conseguir as coisas que ele queria. Então, tirando o pente de seus cabelos dourados, deu-o e disse-lhe para pentear a água quando ele chegasse à rocha.

No dia seguinte, ele foi até a rocha, penteou a água e a sereia apareceu. Ela agradeceu novamente por sua ajuda, e começou a contar-lhe muitas coisas mágicas: ele aprendeu a quebrar os feitiços das bruxas, como preparar um copo de água que mostra a cara de um ladrão e o poder de cura das algas e ervas.

Ela disse a ele que, enquanto ele guardasse o pente, ela viria até ele quando ele penteasse a água com ele. Então, com um sorriso, ela deslizou da rocha e desapareceu. Eles se encontraram várias vezes depois disso e o velho aprendeu muitas coisas secretas.

Um dia a curiosidade da sereia se apoderou dela. Ela persuadiu seu velho amigo a levá-la a um lugar secreto, de onde ela poderia ver mais terra seca e as pessoas estranhas, com caudas divididas, que viviam nela.

Quando ele a levou de volta ao mar, ela pediu que ele visse sua casa, e até mesmo prometeu torná-lo jovem se ele fizesse isso. Para isso, o velho disse suavemente que não.

Em vez disso, ele ficou em sua casa e tornou-se conhecido como um curandeiro poderoso que poderia encantar a pior das sortes. E esta aprendizagem, ele passou para seus filhos, juntamente com o pente mágico.

A rocha em que se conheceram tornou-se conhecida como 'Rocha da Sereia'. E se você dúvida desta história, visite a costa e pergunte pela rocha da sereia. Logo lhe será apontada. Você pode até mesmo ter a sorte de ver uma sereia; mas lembre-se, tal mágica só acontece com aqueles que realmente acreditam.