Símbolos Budistas e Seus Significados
Ao longo dos tempos, a humanidade usou vários símbolos diferentes para representar sua fé e crenças religiosas. E quando se trata de simbolismo, podemos dizer que o budismo é certamente uma das principais religiões que fizeram uso dele de forma significativa. Neste artigo, examinaremos os símbolos budistas e seus significados extensivamente para ajudá-lo a ter uma melhor compreensão deles dentro do contexto da fé.

O símbolo mais proeminente no budismo é o Grande Buda, é claro, que contém alguns símbolos menores em si, como as três linhas curvas ao redor do pescoço. Acredita-se que esta característica representa sua voz profunda e retumbante.
Símbolos Budistas e Seus Significados
Dito isto, há mais no simbolismo budista do que no Grande Buda. Sem mais demoras, aqui estão os Oito Símbolos Auspiciosos do Budismo, que se originaram na Índia e foram usados ​​para representar coroações.

Os oito símbolos auspiciosos do budismo - Ashtamangala

O grupo de oito símbolos é conhecido em sânscrito como "Ashtamangala". Ashta significa oito e mangala significa promissor. Cada símbolo do grupo de oito é associado ao Buda em sua forma física. Este grupo de símbolos está entre os mais populares de vários símbolos intrincados. Quando esses símbolos se tornaram parte do budismo, eles foram feitos para simbolizar as oferendas feitas a Buda pelos outros deuses depois que ele foi iluminado.

A maioria das escolas de budismo usa visualmente os Oito Símbolos Auspiciosos do Budismo, particularmente no Tibete. Há também um número de mosteiros chineses exibindo os símbolos em pedestais de lótus, que são colocados diretamente na frente das estátuas de Buda. Eles podem ser usados ​​para decoração e como ponto de foco enquanto meditam. Vamos dar uma olhada nesses oito símbolos e seus significados.

O Guarda-Sol

O significado por trás do guarda-sol é duplo: fornece proteção contra o sol e também é um símbolo da realeza. Acredita-se também que protege as pessoas de doenças.

O guarda-sol é um símbolo altamente ornamentado, com uma cúpula que representa a sabedoria. A cúpula é cercada por uma saia que representa a compaixão. Em alguns casos, a cúpula pode ser vista como octogonal, para mostrar o que é chamado de Caminho Óctuplo. Também pode ser visto como um quadrado que significa os quatro quartos direcionais.

Dois Peixes Dourados

Outrora um símbolo dos rios Ganges e Yamuna, o símbolo Dois Peixe Dourado tornou-se o símbolo de boa sorte para os budistas, Jainistas e Hindus.

Como um símbolo budista, os Dois Peixe Dourado também dizem aos praticantes que todos os humanos que seguem o dharma não devem ter medo de se afogar no “oceano do sofrimento”, e que eles podem renascer no hospedeiro de sua escolha.

A Concha

A concha tem sido usada como símbolo por milhares de anos, muito antes de se tornar um símbolo budista. Foi usado como um chifre de batalha na Ásia. Para os antigos hindus, a concha branca era uma representação da casta brâmane.

Como um símbolo budista, a concha também é branca, e tem uma bobina para a direita. Esta é uma representação do som do alcance distante do darma, que é feito para nos fazer ver a nossa ignorância e fazer algo em relação a isso.

O Lótus

A flor de lótus é linda, mas sua beleza esconde uma parte inferior escura, com raízes que crescem profundamente na lama sob a água. Mas, desta lama vem uma haste que produz a bela flor no topo.

A flor de lótus é um símbolo da nossa verdadeira natureza, dos nossos lugares mais escuros ao objetivo final da iluminação. Não só a flor de lótus é um símbolo budista muito significativo em si, como as várias cores também têm seu próprio significado. Por exemplo, um lótus branco é um símbolo de pureza mental e espiritual. Outras cores e seus significados incluem:
  • Vermelho - Representa o coração, amor e compaixão.
  • Rosa - Representa o Buda histórico.
  • Roxo - Representa o misticismo.
  • Azul - Representa sabedoria, bem como controle dos sentidos

A Bandeira da Vitória

A Bandeira da Vitória é um símbolo da vitória de Buda sobre o demônio Mara e o que ele representa (orgulho, luxúria, paixão e medo da morte), bem como a vitória da sabedoria sobre a ignorância. Diz a lenda que esta bandeira da vitória foi erguida sobre o Monte Meru pelo próprio Buda, para simbolizar o seu triunfo.

O Vaso

Os ensinamentos de Buda são intermináveis ​​e abundantes, o que é representado no vaso cheio de tesouros que são sagrados e preciosos.

Acredita-se que, não importa quantos tesouros sejam removidos, o vaso sempre permanece cheio. O vaso também é um símbolo de uma vida longa, bem como de prosperidade, porque, não importa quanto seja tirado, nunca estará vazio.

A Roda do Darma

A Roda do Dharma, também conhecida como a Dhammachakka e como a Dharmachakra, é provavelmente um dos símbolos budistas mais emblemáticos.

Para entender a Roda do Darma, é preciso entender que existem oito raios, cada um representando o Caminho Óctuplo. Quando Buda ofereceu seu primeiro sermão após sua iluminação, a Roda do Darma foi girada. Mais duas vezes, quando o Grande Buda estava ensinando sobre o vazio e a natureza búdica, a roda girou.

O Nó Infinito

O nó infinito é feito com uma única linha ou fio, que é entrelaçada em um padrão fechado. Esse padrão representa a dependência da origem e a união de todos os fenômenos.

Também pode ser usado como um símbolo do casamento da vida secular e da doutrina religiosa, assim como o casamento da sabedoria e da compaixão. Quando alguém é iluminado, pode representar o casamento da caridade e do vazio.

Mais um Símbolo Budista: O Leão

Além dos Oito Símbolos Auspiciosos do Budismo, há outro símbolo que achamos que deveríamos mencionar. O Leão, que é um dos mais importantes símbolos budistas, representa o passado real do Buda.

Também representa o poder dos ensinamentos do Buda, pois são considerados tão poderosos quanto o rugido de um leão.

Espero que tenham gostado do nosso artigo sobre símbolos budistas e seus significados e que poderia ser de alguma ajuda. Compartilhe o conteúdo se você gostou, obrigado!
Martelo e Foice, Símbolo da União Soviética / URSS e Seu Significado
O martelo e a foice lembram a maioria das pessoas instantaneamente do comunismo, da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), e provavelmente também da cor vermelha. Tem sido desde a muito tempo um símbolo do poder do povo que trabalha com as mãos em comparação com a elite - esta é a base da sua popularidade na esfera comunista. Aqui, neste artigo, vamos dar uma olhada detalhada no símbolo da foice e do martelo e o significado e simbolismo por trás dele.

As Origens do Emblema do Martelo e da Foice

Martelo e Foice, Símbolo da União Soviética / URSS e Seu Significado
A imagem do martelo e da foice como a conhecemos hoje foi formalmente criada em 1917, como uma entrada para uma competição organizada por Vladimir Lenin para encontrar um emblema para o estado soviético. O design original foi completado por um artista russo chamado Yevgeny Kamzolkin.

A criação de Kamzolkin era muito mais complexa do que apenas o martelo e a foice, mesmo que esse elemento estivesse no centro. No desenho completo, foi sobreposto a um globo iluminado por baixo pelos raios de um sol dourado. De cada lado do globo havia uma coroa de grãos e no topo uma estrela vermelha de cinco pontas.

Diz-se que o desenho original também carregava uma espada, mas que Lenin a rejeitou pelas violentas conotações que ela teria transmitido.

Algumas pessoas apontam para a semelhança entre a foice e o martelo soviético e o retrato de Crook e Flail do antigo passado do Egito que foram encontrados nos sarcófagos dos faraós. Os faraós são mostrados com os braços cruzados e seguravam um objeto em cada mão, criando uma aparência muito semelhante em estilo à comunista com a qual estamos familiarizados.

Associação de Gênero do Martelo e da Foice

Como é frequentemente o caso em que dois componentes formam um único símbolo, o martelo e a foice gradualmente adotaram o gênero na União Soviética - o martelo, o macho e a foice, a fêmea.

Embora não haja literatura formal que tenha investigado oficialmente esse conceito em particular, pode-se conjeturar que a forma do martelo aludia ao falo, enquanto a curva da foice prontamente se aproveitou de uma associação com a fêmea.

Esta interpretação foi transferida para outros países também, e um quadro encomendado pelo Partido Comunista no estado indiano de Kerala apresenta a foice mantida por uma mulher e o martelo por um homem. Esse projeto em particular é muito semelhante ao de uma estátua localizada no centro de exposições Vystavka Dostizheniy Narodnogo Khozyaystva (VDNKh) em Moscou.

Além das interpretações óbvias do martelo e da foice como o falo masculino e as curvas femininas respectivamente, o uso de ambas as ferramentas na história da civilização humana também desempenhou um papel nessa associação de gênero.

A História do Martelo

O uso de um martelo para representar a força masculina não é um conceito novo, porque os martelos são facilmente associados à construção, edificação e guerra. Eles eram a ferramenta do ferreiro que usava todos os outros implementos para uso doméstico, bem como armaduras defensivas e armas ofensivas como espadas, pontas de lança e também o temido martelo de guerra.

Martelos de guerra eram uma arma empunhada no campo de batalha pelos guerreiros nos tempos antigos. Em combate corpo-a-corpo, eles poderiam causar danos massivos como um ataque até mesmo contra oponentes fortemente blindados, porque eles não precisavam penetrar para causar ferimentos incapacitantes ou mesmo fatais. Um martelo de guerra não tinha favoritos no campo de combate - poderia ser usado com a mesma eficácia em cavalos para desalojar seus cavaleiros.

O mais famoso de todos os martelos de combate, particularmente como resultado da recente avalanche de filmes que caracterizam o personagem de quadrinhos, Thor, é seu mágico martelo de guerra, Mjolnir. Na mitologia nórdica, a arma confiável do Deus do Trovão nunca perde sua marca e sempre retorna à sua mão.

Em um sentido menos destrutivo, o martelo era a ferramenta dos construtores. Os maçons usam o martelo e o cinzel para representar a construção e, simbolicamente, a manifestação dos objetivos. Na sociedade ocidental, ele também está ligado à justiça e o martelo que encontramos nos tribunais de todo o mundo pode traçar suas origens para essa crença.

A História da Foice

A foice foi desenvolvida como uma ferramenta de colheita e capina, e desempenhou um papel fundamental na evolução da humanidade de uma sociedade de caçadores-coletores para uma de agricultura de subsistência, o primeiro passo para a agricultura em grande escala.

Enquanto os homens ainda faziam as partes mais difíceis, como cultivar e arar a terra, as tarefas relativamente menos rigorosas de colher safras e limpar a terra de plantas indesejadas ficavam para as mulheres. Ambas as tarefas eram mais facilmente realizadas com uma foice.

No entanto, a foice, mesmo quando manejada por uma mulher, não precisa necessariamente ser uma representação da domesticidade. É mais famosa empunhada por uma entidade feminina em um contexto totalmente diferente pela deusa hindu Kali.

Kali é o aspecto feminino de Shiva, o Destruidor, um dos três deuses da Trindade Hindu. Representações de Kali a mostram com uma guirlanda de cabeças decepadas e uma saia de braços decepados. Em um de seus muitos braços há uma foice, em outro, a cabeça de um demônio. Outra de suas mãos segura uma tigela sob a cabeça do demônio para recolher seu sangue.

Ela é muitas vezes erroneamente chamada de "Deusa da Morte" por causa desse aspecto aterrorizante. Na verdade, ela é na verdade a deusa da justiça, punindo os ímpios. A tigela de sangue de demônio não é para beber, como algumas pessoas imaginam, mas porque a lenda era que dez novos demônios brotariam de cada gota de seu sangue que tocasse a terra.

O Martelo e a Foice na Cultura Popular Hoje

O martelo e a foice estão gradualmente caindo fora de moda tanto na Rússia quanto no resto do mundo, e várias entidades comunistas optaram nos últimos anos por abandonar a imagem de seus próprios emblemas.

O símbolo ainda é comum na Rússia, e uma versão estilizada nunca foi removida do logotipo da empresa estatal Aeroflot.
O Símbolo Yin Yang, Seu Significado, Origens e História
Quando pensamos nas culturas do Extremo Oriente e no simbolismo associado a elas, um dos primeiros símbolos que vêm à mente é certamente o Yin Yang.

Sendo uma parte integrante da filosofia chinesa, o símbolo Yin Yang é considerado como a representação da natureza dual de coisas como o bem e o mal, brilhante e escuro, positivo e negativo.

Neste artigo, vamos dar uma olhada mais de perto na história e fundo do símbolo Yin Yang e examinar o significado e simbolismo por trás dele.

Símbolo Yin Yang: Significado e Simbolismo

O Símbolo Yin Yang, Seu Significado, Origens e História
Com as metades branca e preta em total contraste, o símbolo do Yin Yang representa o bem e o mal, a luz e a escuridão do mundo.

Ela mostra como forças como o bem e o mal, que são aparentemente opostas, estão, na verdade, profundamente interligadas e interconectadas e complementares entre si, sendo ao mesmo tempo entidades independentes no mundo natural.

A dualidade do Yin Yang pode ser simbolizada por muitos pares diferentes, como fogo e água, luz e escuridão, bem e mal, expansão e contração, etc.

A dualidade do Yin Yang sempre foi um conceito central para a filosofia, ciência e medicina chinesas. Além disso, nas artes marciais chinesas, os praticantes treinados para alcançar o equilíbrio de Yin e Yang são bem-sucedidos.

Em geral, o símbolo Yin Yang é usado para representar a simultânea unidade e dualidade da natureza e tudo na terra.

No símbolo, vemos um equilíbrio entre os dois opostos, escuro e claro, com um pouco de cada presente no outro.

A História do Conceito Yin e Yang

Embora desempenhe um papel importante para a filosofia chinesa, não se sabe exatamente quando surgiu a teoria do Yin e do Yang. Dito isto, textos de tempos antigos mostram que existe desde o século 3 aC e poderia ter surgido vários séculos antes disso.

O conceito de Yin e Yang foi primeiramente introduzido pela Escola Chinesa de Naturalistas / Escola de Yin Yang, que estudava cosmologia e filosofia.

O Yin Yang foi primeiramente usado por Zou Yan, um cosmologista e renomado filósofo e acadêmico na China antiga.

Zou Yan teorizou que a vida passou por 5 fases diferentes; fogo, água, metal, madeira e terra e essas fases sempre mudaram dependendo de se elas estão em um estado Yin ou Yang.

Acredita-se que o Yin e o Yang tenham sido criados a partir do caos que surgiu quando o universo nasceu.

Algumas pessoas acreditam que a conquista do equilíbrio entre o Yin e o Yang permitiu a criação e o nascimento do primeiro ser humano.

Por outro lado, algumas pessoas acreditam que os primeiros deuses chineses nasceram do Yin e do Yang.

Tanto o taoísmo quanto o confucionismo seguem os princípios do Yin Yang, com o taoísmo focando no yin e no confucionismo focalizando o yang.

Ao mesmo tempo, os taoístas se concentram mais na reclusão e na reclusão, enquanto os confucionistas acreditam que o envolvimento na vida é mais importante.

Aspectos Gerais do Yin e do Yang

O Yin está associado à ocultação e negatividade, bem como aspectos sinistros e traiçoeiros das coisas.

Por outro lado, o Yang está associado a aspectos positivos, ativos, brilhantes, ensolarados e que aliviam as coisas.

O ponto aqui é que o bem e o mal podem viver juntos e coincidir como um só, desde que haja um equilíbrio entre os dois. Diz-se que o significado composto de Yin Yang é "opostos", o que faz todo o sentido, especialmente com base na representação visual do próprio símbolo.

Conceitos Básicos que Definem Yin e Yang

Existem vários princípios do Yin e Yang que trabalham para a sua definição geral. Aqui estão os 5 aspectos básicos que definem o que é o conceito Yin e Yang.

Yin e Yang não são absolutos

O primeiro princípio sugere que nada é completamente Yin ou Yang, ou em outras palavras, nada é 100% escuro ou claro.

Yin e Yang contêm o ponto de partida um do outro. Tanto o Yin quanto o Yang dependem da definição do oposto para ser verdadeira e completa. O dia se transformando em noite e a noite se transformando em dia é o exemplo perfeito para isso.

Yin e Yang não são estáticos

O segundo princípio sugere que nem Yin nem Yang são estáticos. Eles mudam com o tempo e estão em constante fluxo.

Yin e Yang podem aumentar e diminuir de tamanho em relação ao outro. Por exemplo, à medida que as estações mudam, as noites ficam mais e mais curtas.

Há várias frases que podem ser usadas para ilustrar essa dualidade constantemente fluente, como “desastres acabam sendo bênçãos”, “tragédia transforma-se em comédia” e “doença é a porta para a saúde”.

Yin e Yang é um Todo

Nem Yin nem Yang podem existir ou podem ser completos sem o outro. Quando um aspecto de um aumenta ou diminui, o outro será afetado de maneira oposta.

Yin e Yang Podem Ter um Desequilíbrio

A relação entre Yin e Yang pode ser torta e desequilíbrios podem ser observados entre os dois.

Esses desequilíbrios incluem uma deficiência ou excesso de Yin ou Yang. Quer se trate de um excesso ou de uma deficiência, o excesso de inclinação não é considerado bom. Por exemplo, em relação à medicina chinesa, o excesso de Yang pode levar a febre e o excesso de Yin pode levar a um acúmulo de líquidos.

Cada lado precisa ser equilibrado com o outro para uma boa saúde. Este conceito de desequilíbrio é também sublinhado no mundo das artes marciais, com muitos professores de artes marciais enfatizando a necessidade de equilíbrio para dominar estas artes.

Existem também vários sub-aspectos do Yin e do Yang. Estes podem ser associados a estados específicos de Yin e Yang. Por exemplo, o Yin é considerado morno enquanto o Yang é considerado quente.

Demos uma olhada detalhada no símbolo do Yin Yang, seu significado, origens e história. Compartilhe em mídias sociais se você gostou, por favor. Muito obrigado!
O Olho Que Tudo vê, o Olho da Providência: Significado, Origens e Simbolismo
O olho que tudo vê, mais comumente conhecido como o Olho da Providência, é um dos símbolos mais populares e proeminentes do mundo, que existe há muitos séculos. Neste artigo, estaremos examinando o olho que tudo vê, os significados atribuídos a ele e o simbolismo.

O olho que tudo vê tem sido usado para fins seculares e religiosos ao longo dos anos. O símbolo é representado como um único olho realista dentro de um triângulo ou no topo de uma pirâmide, cercado por nuvens, bem como uma explosão de luz solar.

O Olho da Providência pode ser visto em todo o mundo, como nos selos de muitas cidades ou nos vitrais de várias igrejas, bem como na Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão.

O Olho da Providência e o Significado

O Olho Que Tudo vê, o Olho da Providência: Significado, Origens e Simbolismo
O Olho da Providência, como mencionado antes, também é conhecido como o olho que tudo vê, referindo-se ao olho de Deus sendo capaz de ver tudo. Parece estar em relação direta com a onipresença, onipotência e onisciência de Deus.

A implicação geral aqui é que Deus olha favoravelmente para todas as pessoas ou grupos que usam este símbolo como uma forma de representação. Supõe-se simbolizar quão poderoso e onisciente Deus é e que ele está sempre observando e favorecendo aqueles que carregam este símbolo.

O Olho da Providência também usa vários outros símbolos que são vistos como significativos, especialmente na religião cristã. Por exemplo, o triângulo dentro do qual o Olho da Providência se encontra representa a trindade cristã. Para aqueles de vocês que não estão familiarizados, a trindade cristã é a crença de que existem três partes totalmente distintas, mas completamente idênticas a Deus. De acordo com a crença, a trindade consiste no Pai, Filho e Espírito Santo, todos os quais são os mesmos, mas também diferentes.

Quanto aos outros elementos usados ​​junto com o elemento do olho, as nuvens e as rajadas de luz vindas do Olho da Providência e do triângulo que ele contém são usadas para ilustrar a divindade, a santidade e o próprio Deus. Como você pode ver, o Olho da Providência tem suas raízes nas crenças cristãs.

Além disso, em relação a essas explosões de luz, o símbolo também representa uma forma de iluminação ou revelação espiritual. Na verdade, existem numerosas cruzes, imagens, pinturas e outros símbolos que também usam essas explosões de luz em suas imagens. Há muitos exemplos em que esta explosão de luz ou as nuvens podem ser vistas. Por exemplo, em latim, a palavra Deus costumava ser escrita cercada por uma explosão de luz.

Porque o Nome, o Olho da "Providência"?

Você pode estar se perguntando o que a palavra “providência” em si significa. Literalmente traduzido, significa "orientação divina".

Em outras palavras, muitos acreditam que o Olho da Providência é uma forma de orientação espiritual e piedosa que os bons cristãos devem seguir para serem piedosos.

No entanto, a partir do século XVIII, houve muitos que não acreditavam mais no Deus cristão. Portanto, após esse tempo, o significado da providência mudou da orientação divina do Deus cristão para a orientação de qualquer poder divino ou superior que exista.

O Olho da Providência e os Estados Unidos

Talvez uma das representações mais famosas e icônicas do Olho que Tudo Vê é na América. O Grande Selo dos Estados Unidos, que é um dos símbolos mais importantes para os EUA, apresenta o Olho da Providência. A imagem foi projetada em 1792 e tem sido usada desde então, especificamente no verso de notas de um dólar.

Se você perguntar às pessoas que projetaram este selo, a pirâmide deve representar força, integridade e resistência. O selo apresenta o lema “Annuit Coeptis Novus ordo seclorum”. A tradução para isso é “Ele tem favorecido nossos empreendimentos, uma nova ordem dos séculos”. Isso significou oficialmente o início dos Estados Unidos da América.

Declaração Francesa Dos Direitos do Homem e do Cidadão

Em 1789, no auge da Revolução Francesa, a recém-formada Assembleia Nacional apresentou a nova Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.

A Declaração também apresenta o Olho da Providência, como muitas pessoas eram cristãs na época. O simbolismo aqui sugere que Deus está observando a revolução e também implica que há orientação divina de Deus para superar a revolução e construir uma França melhor.

O Olho da Providência e a Maçonaria

Depois de 1797, a ordem muito misteriosa dos maçons começou a usar o Olho da Providência como um símbolo público de sua força, influência e poder. Agora, existem muitas teorias de conspiração em torno do Olho da Providência, especialmente em relação aos maçons e sua influência na construção dos Estados Unidos e do governo dos EUA.

Muitas pessoas teorizam que o governo dos EUA recebeu o selo e o Olho da Providência dos maçons e, portanto, as pessoas acreditam que os maçons organizaram o programa. No entanto, ficou provado que o selo americano apresentava o Olho da Providência uns bons 10 anos antes que os maçons o adotassem publicamente.

O Olho da Providência e o Olho de Hórus

Houve muitas comparações entre o Olho da Providência e o Olho de Hórus. Uma coisa é certa, esse é o olho que tem sido usado em iconografia e simbolismo há milhares de anos. Parece que o Olho da Providência pode ter tomado algumas notas e aspectos-chave do Olho de Hórus. Ambos representam um poder superior e divino que vigia os crentes e não-crentes. Os símbolos, além de serem olhos, não parecem tão parecidos, mas ainda parecem ter alguma relação.

Espero que tenham gostado deste artigo sobre o olho que tudo vê, também conhecido como o Olho da Providência, um símbolo com uma longa e rica história em muitas partes do mundo. Compartilhe o conteúdo, se você gostou, obrigado!
A Cruz de Cabeça Para Baixo / Cruz Invertida / Cruz de São Pedro, Seu Significado e Origens
Alguns símbolos se transformam em algo mais com o tempo, enquanto alguns ganham novos significados e são atribuídos a muitas coisas diferentes. Aqui está um deles, o símbolo conhecido como a cruz invertida, seu significado, origens e o simbolismo por trás explicado.

Ao longo da história, a cruz invertida foi chamada de muitos nomes diferentes, incluindo "a cruz invertida", "a cruz da cruz de São Pedro" e "a cruz petrina".

A cruz de São Pedro é literalmente uma versão invertida da cruz regular conhecida, a cruz cristã virada de cabeça para baixo. Tem suas raízes na história como um símbolo latino, mas na história mais recente tem sido incorretamente associada ao satanismo e aos ideais anticristãos. Por uma questão de precisão histórica, vale a pena notar que o símbolo sempre foi neutro no que diz respeito à crença religiosa.

Origens Religiosas da Cruz de Cabeça Para Baixo

A Cruz de Cabeça Para Baixo / Cruz Invertida / Cruz de São Pedro, Seu Significado e Origens
As origens deste símbolo remontam à Bíblia e aos seus ensinamentos, que remontam a aproximadamente 200 dC. Dentro desses textos religiosos, existia um homem conhecido como São Pedro, que era um missionário do Império Romano, e que foi um dos fundadores da Igreja de Roma.

Depois que a igreja foi fundada, um imperador chamado Nero viu a Igreja de Roma como uma ameaça ao seu governo e assumiu a responsabilidade de expulsar os responsáveis ​​de sua posição. Esta decisão provocou a morte de São Pedro.

Acredita-se amplamente que Jesus foi crucificado em uma cruz e algumas pessoas acreditam que São Pedro também foi morto da mesma maneira. No entanto, na Bíblia está escrito que São Pedro não se considerava digno de morrer da mesma maneira que Jesus. Assim, a seu próprio pedido e como um sinal de sua própria humildade, ele foi crucificado em uma cruz invertida, dando a este símbolo o nome de "Cruz de São Pedro".

Devido a essa crença, muitas seitas cristãs agora usam a cruz invertida como um sinal de humildade, apesar das conotações negativas existentes, muitas vezes ligadas a ela.

A cruz invertida também é comumente vinculada ao papa, cuja liderança e autoridade costumam ser consideradas pelos católicos como sendo rastreáveis ​​até o próprio São Pedro. Além disso, os pagãos também colocam algum significado na cruz, uma vez que se assemelha a Mjolnir, o martelo de Thor, na lenda nórdica.

Conotações Negativas da Cruz de Cabeça para Baixo

Como mencionado anteriormente, há conotações negativas associadas a cruz invertida, embora não por quaisquer razões que sejam apoiadas com evidência ou justificativa de qualquer tipo.

Alguns grupos anticristãos usam a cruz invertida como um sinal do satanismo, como o símbolo aponta para baixo (e o inferno é comumente visto como estando abaixo da Terra); esses grupos costumam usar o símbolo para zombar da fé cristã. O primeiro uso registrado da cruz de São Pedro para algo anticristão foi visto no século XIX, durante um período do ocultismo francês.

No entanto, não há antecedentes históricos por trás sugerindo o símbolo representado pelo mal; é uma conjectura da nossa sociedade moderna, que se tornou mais popular na segunda metade do século XX.

Em parte, tem sido alimentado por setores de cinema e TV que frequentemente usam o símbolo, às vezes em combinação com outros símbolos, como pentagramas, como parte de uma peça de cenário.

É também um símbolo muito usado em certos gêneros musicais, incluindo heavy metal e punk rock, onde seu uso é visto como um anti-estabelecimento e desafiando as normas culturais.

Outros Usos da Cruz Invertida

A cruz de São Pedro pode ser vista em todo o mundo em várias peças de arte e arquitetura. Nos locais em que é usado, o símbolo é muitas vezes visto como aparecendo com duas chaves colocadas em uma formação de cruz diagonal na parte superior.

O significado religioso por trás dessa variação do símbolo é para sugerir que São Pedro possui as chaves para o céu; como resultado, esta versão é frequentemente apresentada nos lugares de descanso final de pessoas proeminentes da fé.

Algumas outras variações incluem outros elementos de design, como anjos ou figuras importantes com o peso da cruz.
A Estrela de Davi, (A Estrela Judaica) Seu Significado, Definição e História
Quando se pensa em símbolos religiosos, um dos primeiros que vem à mente é a “estrela judaica” de seis pontos, sem dúvida. Também visto na bandeira de Israel, a Estrela de Davi é um dos símbolos mais importantes do judaísmo. Neste artigo sobre a Estrela de Davi, seu significado e definição, estaremos examinando o símbolo e sua história em profundidade.

Também chamado de "Magen David" ou "o escudo de David" em hebraico, "a estrela de David" é um símbolo universalmente reconhecido como uma representação da herança e das crenças judaicas modernas. O nome oficial para "o Escudo de David" é "Magen David", que é um nome que foi usado há muito tempo (no século 11) como outro nome para "o Deus de Israel".
A Estrela de Davi, (A Estrela Judaica) Seu Significado, Definição e História
Em forma de hexagrama, o símbolo da Estrela de Davi tornou-se mais comum como um ícone judaico no século XIX, especialmente em toda a Europa Oriental. Acredita-se que isso tenha acontecido porque mais pessoas começaram a querer representar sua identidade judaica da mesma forma que a cruz cristã representou o cristianismo.

Em uma nota lateral, além das sinagogas judaicas, a Estrela de Davi também foi usada em várias igrejas cristãs como peça decorativa.

A história da Estrela de Davi

Os primeiros usos do hexagrama visto na Estrela de Davi podem ser vistos remontando à história, onde foi usado puramente como uma decoração em antiguidades.

Alguns estudiosos sugerem que essa forma pode ter sido usada como um ornamento nas sinagogas, mesmo antes que suas conotações religiosas fossem formadas. Um dos primeiros usos ligados à identidade judaica foi no século XI, quando o famoso manuscrito Tanakh o caracterizou como um ornamento em 1008.

Cem anos depois, a Estrela de Davi foi usada novamente no Códice de Leningrado em 1108. Este livro é conhecido por ser a mais longa e completa edição da Bíblia Hebraica que ainda existe nos dias modernos.

No século XVII, o movimentado bairro judeu localizado em Viena apresentava marcas que continham hexagramas, a mesma forma usada na Estrela de Davi. Isto pretendia distinguir este bairro da cidade do resto da arquitetura, fornecendo um claro marcador da identidade judaica dentro da cidade. Foi na mesma época que o símbolo começou a ser usado em massa em sinagogas em toda a Europa, África e Oriente Médio.

No final do século XIX, a Estrela de Davi tornou-se um símbolo do movimento sionista, impulsionando seu simbolismo da identidade judaica no cenário internacional.

Em uma nota triste e infeliz, mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, no século 20, a Estrela de Davi foi escolhida pelos nazistas como o símbolo para marcar e identificar indivíduos judeus para a perseguição. O símbolo usado era tipicamente amarelo, ou azul com fundo branco, e o uso de um era imposto pela população nazista. Tornou-se obrigatório e qualquer pessoa da população judaica que não o usasse era punida severamente.

Apesar desse uso desumano do símbolo, alguns judeus escolheram usar o símbolo voluntariamente como demonstração de desafio contra a invasão nazista.

Depois do Holocausto, a Estrela de Davi foi usada na bandeira nacional de Israel.

A Estrela de Davi – Significados e Simbolismo

Embora muitos significados diferentes tenham sido atribuídos à Estrela de Davi, nenhum significado único é completamente aceito por todos os membros da comunidade judaica.

Um texto judaico medieval sugere que as seis pontas da Estrela de Davi são indicativos dos seis atributos masculinos de Deus.

Além disso, desde o século 20, a Estrela de Davi tem sido associada ao número sete, e assim com a Menorá, a saber, o antigo candelabro hebreu de sete lâmpadas que aparece na Bíblia e foi usado por Moisés.

Outras sugestões ligam o desenho da Estrela de Davi com as seis direções do espaço descritas no Sêfer Yetzirá (Norte, Sul, Leste, Oeste, Centro, Cima e Baixo); os seis dias da criação, e o sétimo dia de descanso, e os seis dias úteis de cada semana no calendário.

Existem várias outras interpretações ao longo da história, cada uma com seu próprio significado, embora as listadas acima sejam as mais comumente reiteradas entre a comunidade judaica.

Independentemente do número de definições e significados atribuídos ao símbolo da Estrela de Davi, há um ponto comum entre todas essas atribuições; cada ponto da estrela é indicativo de algo em si, com o centro do hexagrama também representando algo.

A Estrela de Davi e seu uso em todo o mundo

No mundo moderno, a Estrela de Davi tem vários usos, embora estes não tenham mudado muito ao longo da história.

Desde 1948, a bandeira de Israel apresenta um hexagrama azul sobre um fundo branco.

Também pode ser comumente usado em esportes, com estrelas notáveis de Israel ou da herança judaica escolhendo usar o símbolo para representar sua herança. As sinagogas modernas também continuam a usar a Estrela de Davi em sua arquitetura.

Espero que tenham gostado do nosso artigo sobre a Estrela Judaica de seis pontas, a Estrela de Davi, seu significado e história. Por favor, compartilhe o conteúdo se você gostou, muito obrigado!