Ishtar, a Primeira Deusa do Amor e da Guerra

A mitologia começou há milhares de anos. Havia uma necessidade de explicar por que havia o nascer do sol, inundações, doenças e guerras. Mitos eram histórias sobre deuses e deusas que tinham superpoderes. Eles também tinham sentimentos humanos e pareciam humanos. Essas ideias foram passadas em histórias. Este mito vem da antiga Mesopotâmia.

Como o cantor Pat Benatar disse uma vez, o amor é um campo de batalha. Afinal, o amor pode ser uma coisa linda, mas também pode contundir e confundir.

Assim foi com a primeira deusa do mundo do amor e da guerra, Ishtar e seu amante Tamuz. Ishtar era reverenciada em toda a antiga Mesopotâmia, uma região aproximadamente correspondente ao Iraque moderno, partes do Irã, Síria, Kuwait e Turquia. Para os mesopotâmios, o amor era uma força poderosa capaz de perturbar a ordem terrena.
Ishtar estava intimamente relacionada ao amor romântico, mas também ao amor familiar, aos laços amorosos entre as comunidades e ao amor sexual.

Ela também era uma deusa guerreira com uma grande capacidade de vingança, como seu amante descobriria. Sua beleza era o tema da poesia de amor, mas ela era aterrorizante no campo de batalha e sua ira era comparada a uma tempestade destrutiva.

Jogando com o destino

Os primeiros poemas de Ishtar foram escritos por volta de 2300 a.C. por Enheduanna, a filha do lendário imperador acadiano, Sargão de Acádia. Em sua poesia, Enheduanna descreve Ishtar como capaz de provocar mudanças abruptas de fortuna. Essa habilidade foi bem adequada a uma deusa do amor e da guerra, pois ambos podem diminuir o poder ou elevar os humildes.

A habilidade de Ishtar de mudar o destino garantiu a vitória no campo de batalha e esse mesmo poder também poderia alterar a sorte romântica. Nos antigos encantos de amor, a ajuda de Ishtar era convocada para capturar o coração do amante desejado.

Ishtar foi descrita como uma jovem bonita com olhos marcantes. Ela e seu amante, Tamuz, foram os temas de uma das primeiras histórias de amor do mundo. Os dois foram descritos como profundamente apaixonados, mas, como muitas grandes histórias de amor, sua união terminou tragicamente.

Descida de Ishtar para o submundo

O mais famoso relato desse mito é um relato conhecido como "Descida de Ishtar ao submundo", cujo autor é desconhecido. Começa com a decisão de Ishtar em visitar o reino de sua irmã, Ereshkigal, rainha do submundo.

Ishtar disse que ela estava visitando o submundo para lamentar a morte de seu cunhado, o Touro do Céu, que também está na "Epopeia de Gilgamesh". No entanto, os outros deuses da história viram sua visita como parte de um plano para assumir o controle do submundo. Ishtar era conhecido por ser extremamente ambiciosa - em outro mito, ela invadiu os céus e tentou conquistar os deuses lá.

Quaisquer dúvidas sobre os motivos de Ishtar foram resolvidas pela descrição de sua preparação para sua jornada. Ela cuidadosamente aplicou maquiagem e joias e se envolveu em roupas bonitas. Ishtar era frequentemente descrita como aplicando cosméticos e embelezando sua aparência não só antes de encontrar um amante, mas também antes de empreender uma batalha.

Quando Ereshkigal descobriu como Ishtar estava vestida, ela percebeu que sua irmã tinha vindo para conquistar o submundo, então ela planejou um plano para literalmente tirar Ishtar de seu poder. Depois de chegar à casa de Ereshkigal, Ishtar desceu pelos sete portões do submundo. Em cada portão, ela foi instruída a remover uma peça de roupa ou joias. Quando ela chegou diante de sua irmã, Ishtar estava nua e impotente, e Ereshkigal a matou imediatamente.

Encontrando uma substituição

A morte de Ishtar teve consequências terríveis, já que levou os casais na Terra a não mais terem interesse em amar ou ter filhos. Em resposta a essa calamidade, o deus da sabedoria - providenciou que Ishtar fosse revivida e retornada ao mundo superior.

No entanto, a partida de Ishtar criou um espaço no submundo que não poderia ser deixado vazio. Ishtar foi instruída a encontrar seu próprio substituto e foi enviada de volta do submundo com um bando de demônios. Quando ela voltou ao mundo, Ishtar viu Tamuz vestido regiamente e relaxando em um trono, aparentemente não afetado por sua morte. Enfurecida, ela instruiu os demônios para levá-lo embora com eles.

Antes de se deparar com Tamuz relaxando após sua morte, Ishtar encontrou pela primeira vez sua criada Ninshubur e seus dois filhos. Todos os três foram poupados pela deusa devido a suas expressões de intenso pesar pela morte de Ishtar. Assim, a lealdade era o principal teste que Ishtar usava para escolher quem a substituiria no submundo.

A busca frequente por vingança de Ishtar é uma extensão de sua conexão íntima com a justiça e sua necessidade de manter a ordem universal. O amor e a guerra podem criar caos e confusão, então a deusa associada a eles precisava ser capaz de restaurar a ordem e derrubá-la. Ainda assim, mesmo na antiga Mesopotâmia, o amor poderia vencer a vingança no final. Por causa do amor fiel de sua irmã, Geshtinanna, Tamuz acabou sendo perdoado e foi permitido retornar do submundo.

O legado de Ishtar

Ishtar era uma das deusas mais populares do panteão mesopotâmico, mas nos dias modernos, ela foi quase completamente esquecida. No entanto, seu mito foi uma influência sobre o desenvolvimento da mais famosa deusa do amor de todos eles, a deusa grega Afrodite.

Por sua vez, Afrodite é creditada com a imagem da super-heroína Mulher Maravilha. Esta conexão pode explicar parcialmente as semelhanças intrigantes entre Ishtar e Mulher Maravilha: ambas são guerreiras que enfeitam o campo de batalha usando pulseiras e uma tiara e brandindo uma arma de corda. Ambas demonstram amor, lealdade e um forte compromisso com a justiça.

Nos dias modernos, diz-se que o amor conquista a todos e, no mundo antigo, Ishtar fez exatamente isso.

Postar um comentário

0 Comentários