A mitologia grega evoluiu milhares de anos atrás. Havia a necessidade de explicar eventos naturais, desastres e eventos na história. Mitos foram criados sobre deuses e deusas que tinham poderes sobrenaturais, traços humanos e emoções humanas.

Personificação das leis da natureza

Zeus, Deus Supremo dos Antigos Gregos
Para os antigos gregos, Zeus é o deus comandante do universo, o governante do céu e da terra. Ele é o deus de todos os fenômenos aéreos, a personificação das leis da natureza, o senhor do estado e o pai de deuses e homens.

Como o deus dos fenômenos aéreos, ele pode produzir tempestades, chuvas e escuridão intensa. Ao seu comando, o poderoso trovão rola, o relâmpago cintila e as nuvens se abrem e despejam suas correntes refrescantes sobre a Terra.

Como personificação das leis da natureza, ele representa a ordem imutável e harmoniosa pela qual o mundo é governado. Ele é o deus do tempo regulamentado, marcado pelas mudanças das estações e pelo padrão regular do dia e da noite. Seu pai Cronus, por outro lado, representa o tempo todo, ou a eternidade.

Como o senhor do estado, Zeus é o fundador do poder real e defensor de todas as instituições ligadas ao Estado. Ele é o amigo especial e defensor dos príncipes, a quem ele guarda e ajuda com seus conselhos e conselhos. Ele protege a assembleia do povo e, de fato, cuida do bem-estar de toda a comunidade.

Pai dos deuses e dos homens

Como o pai dos deuses, Zeus vê que cada deus executa seu dever individual, pune seus erros e resolve suas disputas. Para cada um deles, ele age como conselheiro e poderoso amigo.

Como pai dos homens, ele tem um interesse protetor nas ações e no bem-estar dos mortais. Ele cuida deles com cuidado, recompensando a verdade, a caridade e a retidão, mas punindo severamente a mentira, a crueldade e a falta de hospitalidade. Até mesmo o mais pobre errante encontra em Zeus um poderoso defensor, pois ele ordena que os poderosos da Terra ajudem os necessitados.

Os gregos acreditavam que a casa de seu deus poderoso e onipotente estava no topo do Monte Olimpo, a montanha mais alta da Grécia. Seu cume, envolto em nuvens e névoa, estava oculto da visão mortal. Zeus viveu lá com sua esposa Hera em um palácio feito de ouro, prata e marfim. Mais abaixo na montanha estavam as casas dos outros deuses e dos palácios onde os heróis, ou semideuses, viviam.

Adorando Zeus

A adoração de Zeus era incrivelmente importante para a religião dos gregos, então as estátuas dele eram numerosas e magníficas. Ele é geralmente representado como um homem nobre e imponente, seu rosto expressando toda a grandiosa majestade do governante supremo do universo. Ele é reconhecido por sua rica barba fluente e pelas espessas massas de cabelo que caem em seus ombros.

Ele é sempre acompanhado por uma águia, que se equilibra em cima de seu cetro ou se senta a seus pés. Em sua mão erguida, Zeus geralmente carrega um feixe de raios, pronto para ser arremessado, enquanto na outra mão ele segura o raio. Sua cabeça é frequentemente cercada por uma coroa de folhas de carvalho.

Zeus foi adorado em Dodona, na região de Épiro, no noroeste da Grécia. Este famoso oráculo ao pé do Monte Tomaros era o mais antigo da Grécia. Aqui, a voz do eterno e invisível deus deveria ser ouvida nas folhas farfalhantes de um carvalho gigante, anunciando à humanidade a vontade do céu e o destino dos mortais. Mais tarde, Zeus foi adorado em Olímpia em Elis, um antigo distrito no sul da Grécia. Em Olímpia, havia um magnífico templo dedicado a ele, contendo uma estátua colossal. Multidões de adoradores devotos reuniram-se a este templo de todas as partes da Grécia.

Recompensas e punições

Os gregos acreditavam que Zeus ocasionalmente assumia uma forma humana e descia de seu lar celestial. Ele descia para visitar a humanidade e observar seus procedimentos, com o objetivo de punir os culpados e recompensar os bons.

Em uma ocasião Zeus desceu com seu filho Hermes e fez uma viagem através da Frígia, na atual Turquia. Eles procuravam abrigo em todos os lugares, mas em nenhum lugar recebiam uma gentil boa vinda até chegarem à humilde cabana de um velho e sua esposa. O casal entreteve-os com grande bondade e deu-lhes a pouca comida que podiam. Para recompensá-los por sua generosidade, Zeus pediu ao casal para dizer qualquer desejo que desejassem e que seria concedido. O velho casal implorou que eles pudessem servir aos deuses pelo resto de suas vidas e terminar a vida juntos. Depois de viver o restante de suas vidas em adoração, ambos morreram no mesmo instante. Eles foram transformados por Zeus em árvores, para permanecerem sempre lado a lado.

Em outra ocasião, Zeus fez uma viagem por Arcádia, uma região da Grécia. O povo de Arcádia reconheceu-o como o rei do céu e honrou-o com grande respeito. Mas Licaão, seu rei, duvidou da divindade de Zeus. Ele ridicularizou seu povo e prometeu assassinar o deus supremo. Antes que Licaão pudesse executar seu plano maligno, no entanto, Zeus transformou o rei Arcadiano em um lobo.

Deuses da confusão

O deus romano Júpiter, frequentemente confundido com o deus grego Zeus, é idêntico a ele apenas por ser o chefe dos deuses olímpicos. Júpiter é o senhor da vida, tendo poder absoluto sobre a vida e a morte. A esse respeito, ele difere de Zeus, que era até certo ponto controlado pela influência dos destinos.

Os destinos eram três deusas que controlavam os destinos de deuses e homens. Zeus frequentemente desce para visitar a humanidade, seja como um mortal ou sob vários disfarces. Júpiter, no entanto, permanece sempre essencialmente o deus supremo do céu e nunca aparece na Terra.