Fúrias (Erínias) na mitologia grega são divindades ctônicas míticas que perseguiam aqueles que haviam cometido crimes contra a ordem física e moral das coisas. De acordo com Hesíodo, as Fúrias nasceram do sangue de Titã Urano, que gotejou quando seu filho, Cronos, castrou-o.

De acordo com outros autores, Hades e Perséfone eram considerados pais de Fúrias, enquanto Ésquilo acreditava que eles eram as filhas da Noite e Sófocles que eram as filhas da Terra e da Escuridão.

As Fúrias (Erínias) eram demônios alados perseguindo suas presas voando. Elas tinham proporções semelhantes com as outras divindades infernais e ctônicas, como Queres e Harpias. Elas tinham a capacidade de se transformar rapidamente e com frequência.
Fúrias (Erínias) - Criatura Mítica
Sua pele negra estava coberta por vestidos negros. Seus rostos eram assustadores e horríveis e elas tinham cobras como cabelos como Medusa (Górgona). O hálito das fúrias era venenoso, assim como a espuma saindo de suas bocas. Elas respiravam chamas e faíscas saiam de seus olhos. As fúrias espalhavam todo o tipo de doenças e impediam que até as plantas crescessem.

Um dos deveres mais importantes das Fúrias era perseguir os infratores, especialmente aqueles que não cumpriam suas obrigações ditadas pelo afeto familiar. Ou seja, o cuidado e amor dos pais em relação aos filhos, bem como vice-versa. Além disso, as Fúrias puniam e perseguiam vingativamente todos aqueles que cometiam assassinato, eram obcecados por ódio e malícia, cometiam perjúrio ou eram enganosos. Elas também puniam todos os atos que eram contrários à ordem e harmonia natural do mundo. As fúrias chegavam a punir até mesmo aqueles que pegavam os filhotes nos ninhos dos pássaros.

Podemos dizer que, através das Fúrias, os antigos gregos simbolizavam o remorso e a culpa que enchiam a alma e a mente de uma injustiça, um mal ou um criminoso e que levaram à sua destruição, provando que o olho da justiça divina vê tudo e distribuindo todos corretamente com a remuneração que merecem. Nenhum culpado é salvo de sua vingança abismal, mesmo que ele possa acreditar que está seguro. De repente, as terríveis Fúrias saem em sua direção, não deixando-o em paz, saqueando sua casa, expulsando-o de lá e perseguindo-o, até ele cair cansado e louco das canções que constantemente tocavam seus ouvidos.

Eurípides diz que as Fúrias eram três: Aleto (antropomorfismo de raiva e mania), Tisífone (antropomorfismo de vingança a matanças) e Megera (antropomorfismo de ódio e inveja). Aleto era a Fúria que liberava a punição de crimes morais (como a raiva), especialmente se dirigida contra outras pessoas. O poder é semelhante ao de Nêmeses, exceto que o poder do último é punir crimes contra os deuses. Aleto é referido a Eneida de Virgílio e na Divina Comédia de Dante (Inferno) como uma das três Fúrias.
Fúrias (Erínias) - Criatura Mítica
Na mitologia grega, Megera está especificamente associada à inveja e ciúmes (a etimologia da palavra) e punia especialmente a infidelidade conjugal. Nos tempos modernos, a palavra "Megera" passou a significar qualquer mulher sinistra e implacável, tanto no grego moderno, como também em outras línguas: no francês moderno (mégère) e português (megera), a palavra sugere uma mulher revoltante e invejosa, enquanto a palavra italiana megera significa uma mulher má e feia.

Acredita-se que a Fúria Tisífone, como sugere o nome dela, estivesse agindo como uma punidora dos assassinos. Na Eneida de Virgílio, Tisífone é uma guarda truculenta e resistente dos portões do Tártaro. Na Ilíada de Homero, vemos o deus Ares (Marte) perseguido pelas Fúrias porque ele ajudou os troianos, contra os desejos de sua mãe Hera. Uma ameaça semelhante pairava sobre Telêmaco se ele decidisse afastar Penélope da casa da família. A mãe de Meleagro invoca as Fúrias contra seu filho, que matou seus irmãos.

As Fúrias, sendo vigilantes do mais horrível de todos os crimes, o patricídio, serviu de inspiração para os trágicos gregos, especialmente nos mitos de Orestes e Édipo. As desgraças de Édipo vêm do fato de que, sem querer, foram consideradas culpadas por seus pais. Na terceira tragédia da trilogia de Oresteia de Ésquilo, as Fúrias perseguem Orestes, filho de Agamenon e Clitemnestra pelo assassinato de sua mãe. Em outra lenda, Megera, atacou tanto as mulheres da antiga Nysa até enlouquecerem e matarem seus próprios filhos.

Ao mesmo tempo, as divindades infernais também podem perder o caráter de divindades impiedosas e brutais. Quando as pessoas são respeitadas pelas leis da ética, é quando as Fúrias são transformadas em Eumênides, divindades benéficas, consideradas protetores de visitantes estrangeiros e mendigos.

Eumênides também removia de um homem ou de um país, a destruição, a doença, o perigo, a seca, os ventos prejudiciais e trazem a euforia, saúde e prosperidade.

Por favor, deixe um comentário se você gostou deste artigo 🙂

Postar comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem