O mito de Odisseu ou Ulisses e o Ciclopes é um dos mitos gregos mais conhecidos, narrado por Homero em sua Odisseia.

O mito de Odisseu e o Ciclope é sobre o Ciclope gigante de um olho só, que ameaçou e quase pôs fim ao herói Odisseu. O Ciclope é um dos personagens memoráveis ​​da mitologia grega.

Odisseu e seus companheiros encontraram os ciclopes em seu malfadado retorno da Guerra de Tróia.

O Retorno de Odisseu da Guerra de Tróia

Este conflito de nove anos colocou os gregos contra a cidade de Tróia, na costa oeste do que hoje é a Turquia. Os gregos tinham finalmente triunfado, mas muitos não viveriam para apreciar a vitória.

Os companheiros de Odisseu foram levados longe do curso, e depois de uma série de perigos chegaram a uma pequena ilha arborizada, onde encalharam as embarcações e pensaram em provisões.

Odisseu havia notado uma ilha maior nas proximidades, da qual vinha o som das cabras. Isso foi encorajador para o seu estômago roncando, e ele detalhou uma festa de reconhecimento e levou-a para a margem distante.

Ali encontraram uma imensa cabra de cabra em frente a uma caverna e, por dentro, todos os queijos e carne que podiam desejar. Eles estavam descansando em contentamento sonolento quando o pastor chegou em casa.

O Ciclope Polifemo

O Mito de Odisseu [ Ulisses] e os Ciclopes
A visão dele trouxe os gregos à mais completa atenção. Ele era tão grande quanto um celeiro, com um único olho brilhante no meio da testa. Ele era um dos Ciclopes, ferreiros gigantes que construíram o Olimpo para os deuses. Este Ciclope em particular foi nomeado Polifemo. Ele e seus vizinhos viviam como eremitas com seus rebanhos. Se os gregos ficaram chocados, Polifemo ficou agradavelmente surpreso. Pois aqui, diante dele, em seu próprio lar, havia um deleite que variaria muito sua dieta.

Tomando cuidado para rolar uma pedra na boca da caverna - uma pedra tão grande que até mesmo uma tripulação completa de heróis não poderia mexer - ele prontamente pegou os dois homens mais próximos de Odisseu, bateu a cabeça deles no chão e estalou-os em sua boca.

Então, com um arroto, ele se encolheu num canto e adormeceu feliz. Odisseu naturalmente estava fora de si com preocupação. Onde ele tinha levado seus homens?

Não havia nada a fazer, senão, esperar a noite aterrorizado, pois a pedra bloqueava a porta. De manhã, o Ciclope rolou a enorme pedra para o lado, chamou suas cabras e as soltou, algumas para pastar e outras para o cercado no quintal. Então ele selou a entrada novamente. Naquela noite, ele tinha mais gregos para o jantar.

O Plano de Odisseu Para Escapar do Ciclope

Desesperado, Odisseu concebeu um plano. Para começar, ele ofereceu vinho ao Ciclope. Este era um vinho especialmente potente, que ele e seus homens tinham trazido para a praia em peles.

Os gregos costumavam misturar água com o vinho para diluir sua força. Mas o Ciclope nunca tinha bebido vinho antes, diluído ou não, e o vinho foi direto para a cabeça.

O Ciclope e Ninguém

Antes que ele saísse, perguntou a Odisseu seu nome. "Ninguém", respondeu o herói.

"Bem, Sr. Ninguém, eu gosto de você", disse o ciclope sonolento. “Na verdade, eu gosto tanto de você que vou te fazer um favor. Eu vou comer você por último”.

Com essas palavras encorajadoras, ele caiu no sono. Odisseu ou Ulisses pulou e colocou seus homens para trabalhar. Eles colocaram uma ponta afiada no final de um pau e endureceram no fogo. Então, com um poderoso “suspiro”, eles o cravam no olho do Ciclope.

Em agonia, Polifemo apalpava cegamente por seus algozes, mas os gregos se esquivaram dele a noite toda. "Socorro, venha depressa!", Ele gritou em um ponto, e seus companheiros Ciclopes vieram correndo. "Qual é o problema?" Eles chamaram na boca da caverna. "Estou cego e em agonia", rugiu Polifemo.

"De quem é a culpa?" Eles gritaram de volta.

De "Ninguém", disse Polifemo.

"Bem, nesse caso", responderam os ciclopes quando partiram, "você tem muita coragem nos incomodando". De manhã, como de costume, Polifemo chamou seu rebanho e rolou a pedra de lado para deixá-los sair. Ele se plantou na porta para barrar a fuga dos gregos. Resmungando longamente ao seu carneiro, ele buscou simpatia por sua aflição.

“O que quer que você faça”, ele disse à besta, “não confie nos gregos”. Assim dizendo, ele acariciou as costas lanosas do animal e o mandou da caverna. Pouco sabia ele que o próprio Odisseu se agarrou à barriga do carneiro. E, de maneira semelhante, seus companheiros escaparam debaixo do resto do rebanho.

Quando Polifemo percebeu o engano, ele correu para o litoral, onde Odisseu e seus homens estavam remando por segurança. O herói não resistiu a uma provocação. "Só para esclarecer as coisas, o meu nome é Odisseu", gritou ele outro lado da água. "Mas você não tem ninguém para agradecer por seus problemas - ninguém além de si mesmo"

Com uma poderosa maldição, Polifemo atirou uma pedra que quase inundou o navio. Mas os remadores redobraram seus esforços. Eles deixaram o Ciclope cego, enfurecido e impotente na praia.

O Mito de Odisseu [ Ulisses] e os Ciclopes

O Mito de Odisseu e os Ciclopes na Arte

O mito de Odisseu ou Ulisses e o Ciclope Polifemo inspirou muitos artistas devido ao brilho e astúcia do herói grego.

Esse mito grego não é apenas retratado nas artes e nos filmes, mas também nos livros escolares e nos quadrinhos, alimentando a imaginação das pessoas com histórias sobre o gigantesco Ciclope e o homenzinho minúsculo com a mente genial.

Postar comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem