Amon: O Rei Dos Deuses Egípcios

No antigo Egito, Amon era um deus tão importante que seu culto se tornou quase monoteísta. Continue lendo para aprender como o deus local de Tebas absorveu as identidades de muitos dos outros deuses-chave do Egito.

Embora muitas vezes pensemos nos antigos egípcios como tendo um único panteão, havia muitos deuses e lendas diferentes a serem encontrados.

O Egito era um grande reino, então variações locais na religião existiam ao longo do Nilo. Mais importante ainda, foi uma das culturas mais duradouras do mundo que se desenvolveu e mudou ao longo do tempo.

Embora essas mudanças possam ser encontradas em muitas partes da antiga religião egípcia, talvez sejam mais evidentes no caráter de Amon. Outrora um deus criador local, seu culto se tornou tão importante que quase engoliu muitos dos outros deuses centrais do Império.

Amon, Ámon, Amun, também soletrado Ammon, porque como o patrono protetor da cidade de Tebas. Ao longo de milhares de anos, entretanto, sua influência se expandiu não apenas pelo Egito, mas também por muitos outros países.

Como um deus do vento local se tornou o rei da religião do império? A resposta está nas mudanças políticas do Egito durante sua longa e tumultuada história.

Amon: O Rei Dos Deuses Egípcios

Como Amon Subiu ao Poder

No Primeiro Período Intermediário, a cultura do Egito já tinha quase mil anos. As dinastias do Reino Antigo unificaram o Vale do Nilo, estabeleceram um comércio de longo alcance e construíram as Pirâmides de Gizé em uma época de paz.

Por volta de 2180 a.C, no entanto, a estabilidade do Reino Antigo havia se dissolvido. Uma série de reis concorrentes e senhores da guerra menores dividiram o Egito por pouco mais de cem anos.

Nesse período, um dos lugares mais estáveis ​​da região era a cidade de Tebas. Lá, o deus local do vento ganhou destaque.

Amun ou Amon fazia parte de um trio de deuses regionais que protegiam a cidade e seus governantes. A oitocentos quilômetros do Mediterrâneo, a cidade comercial era amplamente protegida do norte e das lutas pelo poder ali.

Tebas assumiu o controle das áreas ao sul do Alto Egito, as áreas mais distantes do Delta do Nilo. Seu deus protetor, Amon, tornou-se importante nas regiões que controlavam, mas era amplamente desconhecido no resto do Egito.

O culto a Amon se tornou mais difundido com os primeiros reis do Império do Meio na 11ª Dinastia. Esses reis, que afirmavam ser descendentes de um príncipe tebano, reunificaram o Egito e estabeleceram a cidade do sul como um centro religioso.

Os templos foram construídos em homenagem a muitos deuses. Quando as pessoas saiam de todo o Egito para adorar lá, eram apresentadas ao deus protetor local e sua esposa, Mut, como os pais do deus lua Quespisiquis ou Consu.

Algumas centenas de anos depois, a 18ª Dinastia chegou ao poder após outro período de instabilidade e domínio estrangeiro, inaugurando o Novo Reino. Seu primeiro Faraó, Amósis I, Ahmose ou Ahmés, escolheu sua cidade de origem, Tebas, como o novo centro do poder político.

Com Tebas como capital e o trono nas mãos de um de seus cidadãos, as crenças locais da área assumiram uma nova importância.

Amun foi reverenciado como o protetor da cidade por mais de 1.500 anos. Agora que Tebas era a capital, isso o tornava o protetor de todo o Egito.

O deus também se tornou um símbolo da unidade egípcia e do poder nacional. Ahmose I derrotou governantes estrangeiros, os Hicsos, então Amon veio a ser o patrono de todas as pessoas e classes que eram oprimidas.

Essa conexão com o Faraó e a sede do poder deu início à evolução de Amon de um dos muitos deuses ao símbolo máximo da divindade no Novo Reino do Egito.

Interpretação Moderna

Os reis do Egito haviam se associado pessoalmente aos deuses muito antes de Ahmose I mudar a capital para Tebas. Eles alegaram ser descendentes de Hórus, filho de Osíris e neto de Rá.

Rá foi o primeiro rei dos deuses egípcios. Seu neto, Hórus, assumiu seu lugar como rei e deus do sol depois que Rá foi para o Mundo Inferior.

Os egípcios acreditavam que o rei herdou a divindade e a proteção especial de seus ancestrais. Ele não era apenas um governante, mas a personificação de seus principais deuses.

A 18ª Dinastia, porém, já tinha um protetor antes de assumir o trono. Como nativos de Tebas, eles viam Amon como o protetor de seu lar e liderança.

O culto a Amon ainda era menor no resto do Egito, mas era muito antigo e poderoso em Tebas para ser simplesmente substituído pelo de Rá. Em vez disso, os dois deuses foram combinados.

Na própria Tebas, Amon continuou sendo o deus mais importante. Mas em todo o reino, ele foi rebatizado como Amon-Rá, outro aspecto do deus dos Faraós.

Na maior parte do Egito, os cultos de Rá e Amon tornaram-se tão interligados que os dois eram completamente inseparáveis. Seus nomes foram usados ​​alternadamente em todo o Novo Reino e, sob a influência da corte de Tebas, a iconografia de Amon e seu nome tornaram-se mais intimamente associados ao rei do que os de Rá.

O fato de Amon ser um deus do sul também o ajudou a se expandir além das fronteiras tradicionais do Egito.

Com mares ao norte e leste e um vasto deserto a oeste, quando o reino se expandiu, o fez ao sul. Durante o Império Novo, o Egito oficialmente assumiu o controle de seus vizinhos do sul, Cuxe e Núbia.

O povo de Cuxe adotou grande parte da religião de seus novos governantes. Eles identificaram Amon, o deus dos reis, com sua própria divindade principal.

Esse deus sempre foi retratado com a cabeça de um carneiro, e essa iconografia voltou ao Egito. A influência de Cuxe fez com que Amon fosse mostrado com chifres espirais.

No Egito, os carneiros eram tradicionalmente associados à fertilidade e virilidade. Já associado a Rá, o deus criador, Amon passou a ser reverenciado como o criador dos animais e da humanidade.

Nas formas de Amon-Rá e Amon-Min, seu aspecto como um criador associado ao deus da fertilidade, o deus outrora local tornou-se a divindade principal do panteão. Ele agora era o deus do sol e o criador, e sua associação com o Faraó fez dele um deus da lei, da verdade e da justiça.

O poder de Amon se tornou tão abrangente que alguns historiadores descreveram o Novo Reino como sendo quase monoteísta. O culto a Amon se fundiu com tantos outros que quase todos os aspectos do mundo caíram sob sua autoridade.

A importância de Amon é evidente nos escritos de outras culturas contemporâneas. Amon, a grafia grega do nome, é mencionado na Bíblia como um deus falso e era adorado na Grécia e em Roma, como Amon ou como um aspecto de Zeus.

A crença em Amon tornou-se tão poderosa e difundida que durou fora do Egito, mesmo depois que o reino se tornou um estado vassalo de Roma.

Tanto na Núbia quanto no Sudão, evidências de templos a Amon, sob o nome local de Amani, mostram que seu culto persistiu pelo menos até o século 1 d.C. Diodoro Sículo, um escritor romano do século 1 a.C, disse que o governo núbio era inteiramente controlado pelo sacerdócio de Amon.

Na Líbia, o culto a Amon foi introduzido pelos gregos e logo se tornou centrado em um oráculo de oásis. Ainda em 540 a.C, fontes bizantinas mencionaram um grupo berbere que adorava Amon como o pai de seu próprio deus principal.

Na Grécia, os templos de Amon foram construídos em Esparta e Megalópole. Uma estátua dele foi dedicada em Delfos e o poeta Píndaro escreveu odes em louvor ao deus egípcio.

Os romanos o identificaram com seu próprio deus principal, Júpiter. Amon-Júpiter era amplamente adorado no norte da África latina, onde seu nome passou para a nossa própria língua.

O clorito de amônio recebeu esse nome não apenas pelo lugar em que foi coletado, próximo a um templo líbio de Amon-Júpiter, mas também pela forma espiral dos fósseis encontrados ao seu redor. Os amonitas, as criaturas pré-históricas com conchas que criaram esses fósseis, receberam esse nome porque sua forma se assemelhava ao chifre de carneiro que ainda era associado a Amon em Roma.

Parte do cérebro também recebeu esse nome devido a esta forma espiral. O cornu Ammonis, ou “chifres de Amon”, faz parte do hipocampo.

Amon começou como um deus relativamente local em uma cidade egípcia que era, nos primeiros tempos, de menor importância. A política da Nova Dinastia, no entanto, significou que ele se tornou uma divindade principal não apenas no Vale do Nilo, mas em muitas outras culturas com as quais os egípcios entraram em contato.

Resumindo

Amon começou como o deus local do vento em Tebas, mas com o tempo seu culto se espalhou além do sul do Egito.

Tebas tornou-se cada vez mais poderosa após o Primeiro Período Intermediário e sua influência foi eventualmente expandida pelo Alto e Baixo Egito. Como centro religioso na 11ª Dinastia, a cidade promoveu o culto a Amon.

A 18ª Dinastia, no entanto, viu o maior aumento na influência do deus quando um nativo de Tebano se tornou Faraó. Ele mudou a capital do império para sua cidade natal, tornando sua cultura local repentinamente mais central para o Egito como um todo.

Amon há muito era considerado um protetor da cidade, mas agora era considerado um protetor do Faraó e, portanto, de todo o Egito.

Esse papel era tradicionalmente desempenhado pelo deus do sol Rá. Os cultos eventualmente se fundiram, resultando na adoração de Amon-Rá.

O culto a Amon também foi associado ao deus da fertilidade, Min. Como Amon-Rá e Amon-Min, ele era tão central na religião egípcia que alguns estudiosos descreveram o Novo Reino como quase monoteísta.

O Novo Reino também foi uma época de expansão para o Egito, resultando no culto a Amon se espalhando muito além de sua terra natal tradicional. Ele permaneceu um deus popular no Sudão, Núbia, Líbia, Grécia e Roma muito depois de o poder dos reis egípcios ter diminuído.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem