Quem Foi Hórus na Mitologia Egípcia?

O deus Hórus com cabeça de falcão desempenha um papel proeminente na mitologia egípcia. Continue lendo para descobrir quem ele era e o que ele representava!

Os falcões são um dos temas mais comuns na arte e na arquitetura do antigo Egito. Eles estavam presentes em joias, esculpidos em templos e incluídos nos hieróglifos de cada nome de Faraó.

Os pássaros se destacaram fortemente porque eram identificados com o deus Hórus. Normalmente representado com a cabeça ou o corpo inteiro de um falcão, Hórus era uma figura central na visão egípcia do universo e do poder terreno.

Como um deus do céu e filho de Osíris, Hórus fazia mais do que zelar pelo céu. Seu olho que tudo vê vigiava os vivos e os mortos, afastando as forças caóticas do mal.

O filho de Osíris também era o herdeiro vivo da autoridade do deus-rei. Ganhando a coroa de seu tio usurpador, Hórus se tornou o rei eterno do Egito e do mundo.

Quem Foi Hórus na Mitologia Egípcia?

As Primeiras Formas de Hórus

O culto a Hórus foi provavelmente um dos primeiros no Egito.

Seu nome é atestado desde o período pré-dinástico, a era antes de o Egito ser unificado sob um rei poderoso. Os arqueólogos encontraram obras de arte ainda mais antigas que exibem uma forma semelhante.

Hórus costumava ser mostrado com a cabeça de um falcão. Esta é uma característica identificável na arte de todo o Egito em alguns dos primeiros locais do país.

A associação de Hórus com um pássaro provavelmente começou cedo porque ele era considerado um deus do céu.

A mitologia egípcia mudou significativamente ao longo dos milhares de anos da antiga civilização do país. Embora a maioria dos leitores modernos esteja familiarizada com a deusa do céu Nut, há evidências de que uma tradição mais antiga imaginava o céu como um deus-falcão.

Alguns egiptólogos acreditam que essas tradições anteriores seguiram o padrão mostrado em outras culturas de atribuição de partes do corpo às características do céu. O padrão pontilhado das asas de um falcão, por exemplo, pode ser visto como estrelas.

Como em muitas outras culturas, acreditava-se que o sol e a lua eram os olhos do deus. Mesmo que Hórus não tenha permanecido o principal deus do céu, esse aspecto de sua mitologia continuou por muitos séculos.

O Nascimento Incomum de Hórus

De acordo com o mito mais comum, Hórus era filho de Osíris e Ísis. Seu nascimento, no entanto, foi tudo menos comum.

Osíris foi feito rei por seu pai, o deus da terra Geb ou Gebe. Ele se casou com sua irmã Ísis e governou bem sua terra.

Seu irmão Set ou Seth, no entanto, tinha ciúmes eternos de Osíris. Ele matou seu irmão e usurpou o trono.

No Novo Reino, uma história se tornou popular que afirmava que Set também profanou o cadáver de Osíris. Para impedi-lo de tomar seu lugar na vida após a morte, Set cortou o corpo em pedaços e os espalhou por todo o Egito.

Ísis e sua irmã, Néftis, encontraram e juntaram todas as peças. De acordo com uma tradição, a única parte do corpo de Osíris que eles não puderam recuperar foi seu falo.

Ísis e Néftis trabalharam junto com Anúbis e Thoth ou Tote para remontar e proteger o corpo de seu marido. Ela moldou um novo órgão masculino para torná-lo completo, garantindo que um dia ele pudesse passar para o outro mundo.

Antes disso, porém, Ísis trouxe Osíris de volta à vida por um curto período de tempo. Ela concebeu um filho para que Osíris tivesse um herdeiro diferente do filho dela.

Sabendo que Set tentaria destruir a criança, Isis e seu recém-nascido se esconderam nos pântanos do Baixo Egito. Mais tarde, surgiram histórias folclóricas sobre a rainha dos deuses disfarçando-se para se mover entre a população humana e protegendo seu filho de vários perigos.

O Conflito Entre Hórus e Set

Quando Hórus cresceu, ele foi até os outros deuses para reivindicar seu lugar como rei.

O relato mais conhecido sobre isso vem do centro de culto de Heliópolis, onde os nove deuses principais eram chamados de Enéade. Ele e Ísis se aproximaram deles com a alegação de que, como filho de Osíris, ele tinha mais direito ao trono do que seu tio.

Os deuses estavam divididos entre os dois pretendentes. Enquanto muitos apoiavam Hórus como herdeiro, Geb preferia seu próprio filho a um jovem sem experiência.

Os dois travaram muitas batalhas e se engajaram em uma série de tarefas para afirmar seu domínio um sobre o outro.

Em uma dessas disputas, os dois se transformaram em hipopótamos para ver quem conseguia ficar submerso por mais tempo. Tentando ajudar seu filho, Isis jogou um arpão de bronze na água, mas acertou Hórus em vez de Set.

A luta se arrastou por oito anos. Em um ponto, Set até tentou atacar Hórus para provar que ele era um homem mais dominante.

Eventualmente, os dois concordaram em uma corrida pelo Nilo. Seus barcos seriam feitos de pedra, no entanto, para dificultar as coisas para os dois.

O barco de Set afundou rapidamente e ele quase se afogou no rio. Hórus enganou seu tio e os juízes, no entanto, fazendo um barco de madeira que ele pintou apenas para parecer que era feito de pedra sólida.

Hórus, filho de Ísis, foi levado, e a Coroa Branca foi colocada em sua cabeça e ele foi instalado na posição de seu pai Osíris.

Geb inicialmente dividiu o Egito entre os dois, dando o Baixo Egito a Hórus e o Alto Egito a Set. Ele logo reverteu essa decisão, entretanto, e declarou Hórus o governante de ambos.

Essa história não foi universalmente aceita e mudou, pois foi repetida em diferentes épocas e lugares. Alguns historiadores, entretanto, acreditam que ela pode revelar informações sobre o mundo político do Egito pré-dinástico.

A divisão entre o Alto e o Baixo Egito nunca foi totalmente apagada da cultura egípcia, mas muitos faraós governaram um reino unido. Alguns historiadores acreditam que a história do conflito de Hórus e Set pode ser baseada na unificação original dessas regiões.

Hórus, cujo culto foi conhecido pela primeira vez na região norte do Baixo Egito, recebeu a Coroa Branca que simbolizava aquele país. Set recebeu inicialmente o Alto Egito no sul.

A história rapidamente unificou os dois países. Embora Ísis quisesse que Set fosse preso, Geb permitiu que ele permanecesse livre e na companhia de outros deuses enquanto Hórus assumia o controle de todo o Egito.

Alguns acreditam que um resultado semelhante pode ter acontecido quando os dois reinos foram unidos pela primeira vez por um rei humano por volta do início da Primeira Dinastia. A unificação foi simbolizada pela coroa vermelha e branca usada pelos Faraós que combinavam os de Baixo e Alto Egito.

Outros acreditam que as origens da história podem ser ainda mais antigas.

Antes que o próprio Alto Egito fosse colocado sob um único governante, cidades individuais competiam pelo controle. Durante este tempo, alguns historiadores acreditam, uma cidade que tinha Hórus como seu patrono pode ter dominado outra devotada a Set.

Outras Formas do Deus Hórus

Como Hórus foi reverenciado por um longo período de tempo em um vasto país, surgiram várias versões diferentes de sua história. Muitos delas também incluíam o deus assumindo diferentes formas.

A forma mais conhecida de Hórus é a de parte da Enéade, os deuses mais elevados de Heliópolis. Embora esse centro religioso fosse politicamente importante o suficiente para influenciar a crença nacional em certos períodos da história egípcia, outras áreas tinham suas próprias lendas em torno de Hórus.

Algumas dessas variantes diferem apenas no título e em certos aspectos de sua iconografia. Outras, no entanto, tinham histórias radicalmente diferentes. Elas incluíam:

  • Hórus, o Jovem (Harpócrates - Heru-pa-khered): Hórus às vezes era mostrado como uma criança usando a coroa dupla do Egito. Sua juventude foi enfatizada por mostrá-lo chupando um dedo e usando o penteado de mecha única característico dos meninos.
  • Hórus o velho (Her-ur): A versão de Hórus era nativa da cidade de Nequém (Nekhen), mais tarde conhecida como Hieracômpolis. Ele era filho de Geb e Nut em uma versão da narrativa da realeza que não se centrava em Osíris.
  • Hórus de Behedet (Heru-Behdeti): popular em Behedet, uma cidade hoje conhecida como Edfu, esta versão de Hórus era mais frequentemente mostrada com o corpo de um falcão em vez de um homem. A imagem era popular em detalhes arquitetônicos.
  • Hórus no horizonte (Her-em-akhet): Outra versão de Hórus com um corpo não humano, ele pode ser mostrado com a cabeça de um homem ou de um falcão. Muitos acreditam que Hórus no horizonte, com cabeça humana, um símbolo do amanhecer, foi a inspiração para a forma da Grande Esfinge de Gizé.
  • Ra-Horakhty: Como o deus do sol nascente e poente, Horakhty, ou Hórus dos Dois Horizontes, eventualmente se fundiu com o deus solar Rá. Fazer do deus-falcão um aspecto do deus do disco solar reconciliou os mitos opostos de diferentes cultos.
  • Iunmutef: Uma representação sacerdotal de Hórus foi importante nos ritos fúnebres de certos lugares do Egito.

Muitas das lendas de Hórus envolviam sua reencarnação.

Ele era frequentemente considerado um aspecto de Rá, o deus do disco solar. Outras lendas dizem que ele era uma reencarnação de seu pai, Osíris.

Em algumas tradições, mais de um deus com o nome de Hórus nasceu no início da história. O deus reencarnou uma ou mais vezes para trazer equilíbrio e estabilidade ao Egito, o que significa que às vezes ele era considerado seu próprio pai ou avô.

Nem todas as representações de Hórus mostravam seu corpo inteiro, fosse de um humano, falcão ou animal híbrido. Alguns focaram apenas em uma parte do deus.

O Olho de Hórus

Quem Foi Hórus na Mitologia Egípcia?

Um dos símbolos mais duradouros do antigo Egito é o Olho de Hórus.

Ao longo da história dos cultos de Hórus, quase sempre existiram mitos que o ligaram à criação do sol e da lua. Frequentemente, isso assumia uma forma bem conhecida em outras mitologias mundiais.

A história mais comumente repetida foi a de Heliópolis. Acreditava-se que quando Hórus e Set lutaram, o sol foi criado.

As contendas de Hórus e Seth dizem que o deus falcão perdeu um olho durante a batalha pelo poder. Os fragmentos sobreviventes dos Textos das Pirâmides indicam que o olho foi gravemente ferido.

Alguns textos também sugerem que o olho de Hórus foi lançado para o céu. Lá, tornou-se o sol.

Outra história semelhante diz que o olho de Hórus foi transformado em um lótus antes de ser colocado no céu. Alguns disseram que seu olho ileso era o sol, enquanto o olho danificado, que não brilhava tanto, se tornou a lua.

Essas histórias são comuns em muitas mitologias. Nas lendas nórdicas, por exemplo, os olhos do gigante Ymir também se tornaram o sol e a lua.

Os contos de Hórus eram muito mais antigos do que os dos noruegueses, mas mesmo eles não eram os mais antigos da região.

A iconografia do olho no Egito começou com uma deusa do sol mais velha chamada Wadjet. Seu olho não era apenas o sol literal, mas também representava sua capacidade de ver tudo de seu lugar no céu.

Conforme o culto de Hórus e a mitologia de Osíris se tornava mais prevalente, o culto de Wadjet desapareceu. Seu olho que tudo vê tornou-se um símbolo de Hórus, ou às vezes de Rá, embora ainda fosse chamado por seu nome.

O Olho de Hórus recebeu uma marca distinta em forma de lágrima para se assemelhar às feições de um falcão. Às vezes, sua imagem no espelho, o olho esquerdo, era usada para representar o poder da lua.

De acordo com uma lenda, Hórus ofereceu seu olho restaurado a Osíris na esperança de que o rei morto pudesse ser restaurado da mesma forma. Por isso, o olho tornou-se um símbolo de sacrifício e lealdade.

Também era um símbolo de cura e restauração. Acreditava-se que Thoth e Hórus poderiam curar seus seguidores assim como o próprio Hórus havia sido curado.

Mais do que tudo, entretanto, o Olho de Hórus é conhecido como um símbolo protetor.

Amuletos e pinturas do Olho foram encontrados em muitas tumbas antigas. Hórus manteria vigilância sobre a alma dos mortos enquanto seu pai ajudava a guiá-los para a vida após a morte.

O Olho também pode proteger os vivos.

Na época em que os escritores gregos registraram suas interações com a cultura egípcia, havia uma forte crença de que o Olho de Hórus tinha o poder de neutralizar o Olho do Mal. Se infortúnio e problemas de saúde pudessem ser transmitidos por um olhar malicioso, o Olho de Hórus poderia neutralizar a maldição.

Marinheiros, por exemplo, eram conhecidos por pintar o Olho na proa de seus navios. O Olho não apenas observava os perigos práticos, como rochas submersas, mas também neutralizava quaisquer desejos negativos enviados por seus rivais.

Como um amuleto protetor para os vivos e os mortos, vários exemplos do Olho de Hórus sobreviveram na arte funerária e como amuletos. O Wedjat ou Udyat é um dos símbolos mais conhecidos na cultura e religião egípcias antigas.

O Deus Dos Reis

Por milhares de anos, os egípcios adoraram Hórus como um deus do céu e do sol. Eles também acreditavam que ele tinha uma presença mais próxima da Terra.

Na mitologia de Osíris, Hórus prevaleceu sobre seu tio e se tornou o rei de todo o Egito. Enquanto Osíris foi enviado para a vida após a morte e se tornou rei lá, Hórus governou a terra dos vivos.

Os egípcios acreditavam que o reinado de Hórus nunca terminou.

De acordo com a crença egípcia, o Faraó tinha uma linhagem complexa. Ele era o descendente e a reencarnação de muitas divindades importantes.

Acreditava-se que os faraós eram as encarnações vivas de Rá e Hórus. Dessa forma, a linha da realeza divina era inteiramente ininterrupta e, embora o poder mudasse de mãos com frequência, o mesmo deus governou toda a história egípcia.

Os egípcios acreditavam que toda a criação, incluindo os deuses, começou com Atum. Ele estabeleceu a linhagem de reis divinos e deu-lhes poder sobre o Egito.

Osíris tinha sido o deus-rei que personificava a estabilidade. Após sua morte, Set governou durante um período de caos e desunião.

O nascimento de Hórus simbolizou um retorno do equilíbrio e estabilidade. Osíris passou para o Submundo, também conhecido como Tuat, Tuaut, Akert, Amenthes ou Neter-khertet, para trazer uma ordem semelhante para lá.

Os faraós incorporaram Hórus como a figura central do sistema político egípcio. Enquanto o Faraó fosse identificado com Hórus, ele seria um símbolo de ordem que manteve o caos do vale do Nilo.

Essa crença também justificou a autoridade e o poder dos reis. Como primeiro representante simbólico, depois como encarnação física de Hórus, sua posição era dada por mandato divino e era inquestionável.

Assim como Hórus costumava ser visto como uma reencarnação de Osíris, os Faraós também eram vistos como reencarnações. De acordo com essa crença, eles eram aspectos de Hórus em vida e de Osíris na morte.

Hórus, o Deus Real

Hórus é um dos deuses mais antigos conhecidos do antigo Egito. A evidência do deus-falcão do céu foi encontrada desde o período pré-dinástico, há mais de cinco mil anos.

O primeiro culto a Hórus provavelmente acreditava que ele era a personificação do céu, mas conforme a crença evoluiu e o centro do culto de Heliópolis ganhou destaque, sua posição tornou-se amplamente simbólica.

Seu olho, entretanto, ainda estava associado ao sol. Existem vários mitos que, semelhantes a histórias de outras culturas, afirmam que o sol já foi o olho do deus.

Hórus supostamente perdeu esse olho em uma batalha com seu tio, Set, pelo poder. Nascido após a morte de Osíris, Hórus acabou conquistando seu lugar de direito como rei divino do Egito.

Este lugar foi posteriormente ocupado por Faraós mortais que alegaram ser encarnações vivas de Hórus. Dessa forma, o poder real foi legitimado e a sucessão de reis evitou o caos e a desordem.

Além das muitas formas que o próprio deus assumia, os símbolos de seus olhos também eram importantes na cultura antiga. Originário de uma forma mais antiga de uma divindade solar, o Olho de Hórus se tornou um conhecido símbolo de proteção tanto para os vivos quanto para os mortos.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem