Quem Era Néftis na Mitologia Egípcia?

Os reinos da vida e da morte estavam intimamente ligados na mitologia egípcia, e em nenhum lugar isso era mais aparente do que na deusa Néftis.

Néftis não é uma das divindades egípcias mais conhecidas hoje, mas no mundo antigo ela era vista como uma protetora vital.

Ela costumava ser associada à morte, aos ritos funerários e ao luto. Para o povo do antigo Egito, entretanto, isso não a tornava uma figura malévola.

Vida, morte e renascimento eram todos conceitos intimamente ligados no pensamento egípcio, então Néftis frequentemente trabalhava ao lado de sua irmã Ísis, deusa do amor e da magia. Ambas compartilhavam aspectos de uma deusa-mãe vivificante e se complementavam em seus papéis.

Como exatamente a deusa das trevas também deu vida? Continue lendo para descobrir!

Quem Era Néftis na Mitologia Egípcia?

Néftis Como a Senhora da Casa

O nome Néftis é uma forma grega do egípcio nbt-hwt. Transliterado como Nebet-hut, Nebet-Het ou Nebt-Het, o nome geralmente é dito como "Senhora da Casa".

Essa tradução deu origem à interpretação errônea de seu papel como deusa doméstica ou padroeira das donas de casa. Na verdade, a “casa” mencionada em seu título é provavelmente uma casa dos deuses, e não de um indivíduo.

Este era provavelmente um título em vez do nome de batismo da deusa e referia-se apenas a uma de suas muitas funções.

Néftis provavelmente estava associada a um aspecto específico do ritual do templo na religião egípcia.

Os hieróglifos que a representavam combinavam os símbolos de "senhora" e "templo". O símbolo do recinto sagrado do templo era uma casa, o que conduzia a uma interpretação errónea do seu título, enquanto o símbolo da “senhora” que o encimava era um cesto.

Alguns historiadores acreditam que Néftis e sua irmã Ísis representaram especificamente o pilar, ou entrada monumental, no templo. Isso a tornava uma deusa dos espaços liminais e da transição, um papel que fica claro em sua associação com a morte e a vida.

A Companheira de Seth

Néftis é tradicionalmente considerada a esposa do deus Set ou Seth. A maioria das versões da mitologia mostra Seth como uma força violenta que representa os perigos do deserto, dos estrangeiros e das tempestades, mas as interpretações modernas colocaram esse papel em questão.

Muitos egiptólogos agora acreditam que Seth apareceu em duas formas na mitologia antiga. Néftis foi associada à forma benevolente de Seth que se associou a para destruir Apep, a serpente do caos.

O casamento de Néftis e Seth foi registrado apenas em fontes romanas. Plutarco, escrevendo milhares de anos após os primeiros textos egípcios, provavelmente estava se referindo a um mito localizado das bordas ocidentais do deserto egípcio, em vez de crenças convencionais do delta do Nilo.

Embora poucas fontes egípcias liguem Néftis e Seth de alguma forma significativa, ela estava mais intimamente ligada a Anúbis, o deus do Submundo com cabeça de chacal.

De acordo com Plutarco, Néftis e Set eram os pais de Anúbis, embora fontes mais antigas nomeiem Bastet como sua mãe e Osíris ou Rá como seu pai.

Plutarco pode ter sido influenciado pelos papéis que Néftis e Anúbis desempenhavam nas práticas mortuárias do Egito. Ambas as divindades tinham conexões importantes com o Mundo Inferior e um papel importante na prática da mumificação.

Néftis e Sua Irmã

Embora as identidades de seu marido e filho possam ser debatidas, a relação entre Néftis e sua irmã era muito mais clara.

Néftis era irmã de Ísis. Enquanto a outra deusa é mais conhecida hoje, no antigo Egito ela desempenhava funções complementares.

Ísis e Néftis foram associadas à morte e ao diário da alma para o Mundo Inferior.

Quando Osíris, marido e irmão de Ísis, foi assassinado, as duas deusas trabalharam juntas para recolher seus restos mortais. Aqui, as duas desempenharam um papel na morte, mas assumiram aspectos diferentes.

Ísis ressuscitou seu esposo assassinado e concebeu seu filho Hórus, tornando-a uma deusa da vida e do nascimento. Néftis serviu como a principal enlutada de seu irmão, tornando-a uma deusa dos ritos funerários e da morte.

As duas estavam intrinsecamente ligadas à morte e à vida. Os Textos das Pirâmides, os textos funerários e religiosos mais antigos conhecidos do antigo Egito, instruíram as almas dos mortos a seguir Néftis e Ísis em sua jornada:

Suba e desça; desça com Néftis, afunde na escuridão com a casca da Noite. Suba e desça; suba com Ísis, suba com a casca do dia. - Enunciado do texto das pirâmides 222, linha 210

Néftis pode ter sido a contraparte mais sombria de Ísis, mas no pensamento egípcio isso não a tornava uma personagem má ou mórbida.

Na religião egípcia, a morte era considerada o fim de uma vida e o início de outra. Néftis, que conhecia os feitiços e rituais necessários para passar com segurança para a vida após a morte, não era uma deusa destrutiva, mas aquela que protegia as almas em seu nascimento no outro mundo.

Como suas naturezas eram semelhantes e se complementavam, Néftis e sua irmã muitas vezes compartilhavam papéis. Ambas eram reverenciadas em alguns aspectos do nascimento e da morte e deusas que protegiam a transição da alma de um estado para o outro.

Símbolos da Senhora

Quem Era Néftis na Mitologia Egípcia?

A arte egípcia foi notoriamente padronizada e formulada. A representação artística era tão estritamente regulamentada que, com poucas exceções, a arte egípcia permaneceu virtualmente inalterada ao longo de vários milhares de anos.

Isso significava que os deuses egípcios, sem dúvida mais do que os de qualquer outra religião, eram mostrados com um conjunto de atributos e símbolos consistentemente reconhecíveis. As imagens de Néftis e dos outros deuses da Primeira Dinastia, cerca de três mil anos a.C, seriam quase idênticas às da trigésima.

Néftis foi retratada na arte egípcia quando jovem. Seus símbolos de identificação incluíam:

  • Seu hieróglifo: Néftis era coroada pelos símbolos “templo” e “senhora” até mesmo em escultura.
  • Milhafre: Em certos contextos, como em potes canópicos, Néftis era simbolizada por uma ave de rapina ou por uma mulher com asas de falcão. Diz-se que os gritos de um Milhafre lembram às pessoas os gritos de mulheres enlutadas em um funeral.
  • Isis: Néftis era mais frequentemente mostrada como parte de um grupo de divindades, ao invés de um agente independente. Na maioria das vezes, ela estava ao lado de Ísis, às vezes acompanhada por Osíris, Anúbis, Hórus ou Min.
  • Ankh: Néftis era uma das muitas divindades que frequentemente carregavam o símbolo da vida em uma das mãos.

A inclusão do Ankh, conhecida também como cruz ansata entre os símbolos de Néftis referenciados além de sua divindade. Também chamou a atenção para o papel especial que ela exercia entre os governantes do Egito.

A Relação Dos Faraós Com Néftis

A partir do século 13 a.C, o povo do Egito se referia a seus reis como faraós. O Faraó ocupava uma posição importante não apenas na política egípcia, mas também em sua religião.

O Faraó foi identificado com o deus Hórus, seja como sua encarnação mortal ou seu representante na terra. Ao longo de grande parte da história egípcia, acreditava-se que o Faraó governava como um deus vivo.

O Faraó também era associado a Osíris, que usava a coroa do Alto Egito e a barba faraônica. Ele era o pai de Hórus e, portanto, simbolicamente, se não literalmente, o pai do Faraó.

Osíris era particularmente importante no culto ao Faraó porque ele, como eles, havia sido restaurado à realeza após sua morte. O mito da morte e ressurreição de Osíris forneceu a base para a crença de que o Faraó seria elevado à divindade após sua própria morte.

Ísis, esposa e irmã de Osíris, possibilitou seu segundo nascimento. Ela e Néftis, no entanto, desempenharam um papel importante no nascimento de Hórus.

Ísis foi descrita como a mãe biológica de Hórus, mas Néftis foi chamada de babá de seu sobrinho. Embora Ísis tenha inicialmente dado a vida, Néftis serviu como ama-de-leite e, assim, alimentou o deus em sua juventude.

Esse relacionamento com as irmãs deusas continuou na forma mortal de Hórus, o Faraó. Ísis era a mãe do rei, mas Néftis era vista como sua nutridora e protetora.

Néftis era a segunda mãe do rei, mas ela também poderia ser uma protetora feroz. Demônios tremiam de medo dela e ela poderia afastar os inimigos do Faraó com um sopro de fogo e magia potente.

Seu papel, entretanto, não era nutrir e proteger o Faraó por seu papel como rei do Egito. Sua associação com a morte continuou e pensava-se que ela lhe daria força ao longo de sua vida mortal para prepará-lo para sua passagem pelo submundo e ascensão à divindade.

A Deusa Útil

Néftis era amplamente vista como uma deusa que poderia ser útil e protetora, principalmente para o Faraó. Sua ajuda às vezes assumia formas bastante surpreendentes.

Como uma deusa das trevas, por exemplo, ela ajudava o Faraó a ver ao luar e navegar pela noite. Isso não era apenas prático, mas também ajudava o rei a ver as verdades ocultas das trevas e, portanto, do submundo.

Em Heliópolis, ela provavelmente foi considerada a protetora do pássaro mitológico Bennu. Uma parte independente da alma de Rá, o pássaro ajudou na criação do mundo e representou o renascimento e a ressurreição.

Junto com Ísis e outras deusas, ela também foi uma protetora das mulheres no parto. Em uma história, ela, sua irmã e duas outras deusas se disfarçaram de dançarinas para ajudar no nascimento de quatro meninos humanos que se tornariam guerreiros e sacerdotes famosos.

Talvez o mais surpreendente seja o fato de ela também ser considerada uma deusa da folia. Ela era particularmente associada à cerveja.

Em várias esculturas em relevo, Néftis foi mostrada recebendo ofertas de cerveja do Faraó. Ela então devolvia as bebidas para ele, permitindo-lhe desfrutar de sua embriaguez sem nunca sofrer de ressaca.

Claro, o papel protetor final de Néftis era como um psicopompo. Enquanto guiava os mortos, ela podia assustar os demônios que os ameaçavam e contar-lhes os feitiços e caminhos secretos a seguir para encontrar o caminho para a próxima vida.

Néftis Como Uma Deusa da Vida e da Morte

O nome Néftis vem de um título egípcio que significava vagamente "Senhora da Casa". Em vez de uma deusa doméstica, no entanto, Néftis era a senhora do templo.

Mais especificamente, ela era uma deusa dos espaços liminares. No templo, ela representava a passagem pela porta do mundo material para o espiritual; em outro lugar, ela era uma deusa que cruzava as barreiras entre a vida e a morte.

Nisso, ela era a companheira íntima de sua irmã, Ísis. As duas eram vistas como deusas complementares da vida, morte e renascimento.

Um de seus papéis mais importantes foi como psicopompa. Néftis era uma das principais divindades que guiavam os mortos com segurança pelos níveis do Submundo.

Ela também foi uma padroeira do Faraó. Como a forma mortal de Hórus, o Faraó nasceu de Ísis, mas foi cuidado e protegido por Néftis.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem