Anúbis: O Deus Egípcio Dos Mortos

Os egípcios tinham muitos deuses da morte e do submundo. Um dos mais icônicos, Anúbis, também era um deus cujo papel mudou constantemente ao longo dos milhares de anos da história do Egito.

Anúbis, o deus egípcio com cabeça de chacal, é frequentemente referido simplesmente como o deus dos mortos. Embora ele certamente estivesse associado à morte e ao submundo, seu papel era muito mais complexo do que este epíteto pode sugerir.

Na verdade, o papel específico de Anúbis estava em constante evolução na religião egípcia. Foi seu primeiro dever como governante e protetor dos mortos, mudar as prioridades na cultura logo deu a ele um papel muito mais especializado.

Anúbis é mais conhecido hoje não como um deus geral da morte, mas como o deus da mumificação. Ao fazer a primeira múmia real, ele se tornou o especialista em preservar os mortos para que pudessem alcançar a vida após a morte em condições quase intocadas.

Sem os serviços e proteção de Anúbis, as almas estariam para sempre presas no espaço entre a vida e a morte. Como ele conseguiu esse papel e como ele se encaixa nas crenças mais amplas do antigo Egito é uma história que se estende por mais de três mil anos de história registrada.

Anúbis: O Deus Egípcio Dos Mortos

As Primeiras Origens de Anúbis

Evidências arqueológicas mostram que Anúbis foi provavelmente um dos primeiros deuses reconhecíveis a surgir no Egito Dinástico Inferior.

Esse período, de aproximadamente 3.100 a 2.686 a.C, marcou o início de uma cultura que prosperaria por mais de três mil anos.

Esculturas da Primeira Dinastia mostram um deus com cabeça de chacal que é quase definitivamente o precursor de Anúbis. No Egito, pode-se dizer com quase certeza que essas primeiras imagens de chacais estavam relacionadas à morte.

As evidências mostram que, mesmo antes da Primeira Dinastia, os chacais eram associados aos mortos.

Os egípcios pré-dinásticos enterravam seus mortos em covas relativamente rasas à beira do deserto. Lá, eles eram alvos fáceis para necrófagos, incluindo caninos selvagens.

A cultura egípcia, no entanto, acreditava que um problema era melhor combatido pela própria força que o causou. Assim, o melhor protetor para os mortos era aquele na imagem dos animais que reviravam seus restos mortais.

Imagens do deus chacal como protetor dos mortos, portanto, podem ser encontradas no início da cultura egípcia.

Na época dos gregos, esse deus era conhecido na língua local como Anpu. Foi escrito no alfabeto fonético grego como Anúbis.

O deus com cabeça de chacal existiu durante os três milênios da cultura egípcia, o que significa que ele assumiu diferentes papéis e significados ao longo do tempo.

Na Antiga Dinastia, ele era considerado o deus principal da morte e dos mortos. As evidências de imagens da época mostram que ele era considerado o governante do submundo e o principal guardião dos mortos.

Isso não duraria, no entanto. Como a maioria dos deuses, milhares de anos de mudanças sutis deixaram Anúbis reconhecível, mas com um papel e mitologia significativamente diferente do que ele teria na história primitiva do Egito.

O Deus Dos Embalsamadores

À medida que o culto de Osíris se tornava mais central na religião egípcia, o deus real passou a ser reverenciado como o governante do Mundo Inferior.

O papel de Anúbis como deus dos mortos foi mudado, portanto. Sua história foi mudada para fazer parte da nova mitologia que colocava Osíris e Ísis em papéis centrais.

Osíris foi assassinado por seu irmão, Set, que então usurpou sua posição como rei. Para evitar que Osíris fosse para o Mundo Inferior, Set cortou seu corpo em pedaços e os escondeu por todo o Egito.

Isis e sua irmã, Nephthys, passaram anos procurando pelos restos mortais de seu marido. Até que fossem reunidos, a alma de Osíris nunca seria capaz de morrer.

Depois de juntar todas as peças, eles levaram o corpo para Anúbis para ser preparado para o enterro. O deus chacal tinha experiência em lidar com os mortos, mas teria que fazer preparações especiais para o corpo do deus-rei.

Anúbis preparou ervas e encantamentos mágicos para prevenir a decomposição do corpo. Trabalhando com Thoth, o deus dos escribas e do conhecimento, eles mantiveram o corpo de Osíris em um estado quase indistinguível da vida.

Eles fizeram um trabalho tão magistral que Ísis foi capaz de reanimar temporariamente o corpo de seu marido e conceber um filho, Hórus, para um dia desafiar Set como o herdeiro legítimo.

Hórus eventualmente retomou o trono, mas o corpo de Osíris ainda não pôde ser colocado para descansar. Seu herdeiro teve que construir uma tumba adequada para permitir que ele viajasse com segurança para o submundo.

Enquanto a tumba ainda estava em construção, Set continuou a ameaçar o legado de seu irmão morto. Ele tentou várias vezes roubar o corpo e destruí-lo para evitar que Osíris governasse o Mundo Inferior.

Três vezes, Set tentou passar pelos guardas que Anúbis designou para proteger o cadáver. Por duas vezes, ele tentou entrar furtivamente na loja do embalsamador disfarçado de Anúbis.

Na única ocasião em que Set conseguiu roubar o corpo, Anúbis o perseguiu. Ele perseguiu Set no deserto e levou de volta o cadáver, aprisionando o irmão perverso de Osíris até que Osíris estivesse seguro no Submundo.

Quando Set escapou, no entanto, Anúbis o matou para garantir que o deus nunca mais fosse ameaçado. Anúbis queimou seu corpo e matou todos os seguidores de Set, finalmente livrando o Egito das forças do usurpador para sempre.

O episódio não apenas incorporou Anúbis ao novo culto à morte de Osíris, mas também lhe deu um novo papel na cultura egípcia.

Anúbis se tornou o deus dos embalsamadores e, com o aumento da prática, da mumificação. Ele era o patrono daqueles que preparavam os corpos para a jornada para a vida após a morte, uma prática que era tanto uma tarefa física quanto um ritual religioso.

Ele também manteve sua posição como o guardião dos mortos, embora tenha assumido um novo significado. Em vez de cuidar daqueles que já estavam no Submundo, Anúbis protegia aqueles que ainda estavam sendo preparados para fazer a jornada.

Muitas tumbas egípcias, portanto, incluíam orações a Anúbis esculpidas ao redor de suas portas e no interior. Esperava-se que essas orações em nome dos mortos não apenas protegessem a alma em sua jornada para a vida após a morte, mas também protegessem a tumba de ser saqueada e danificada.

O Nascimento e Abandono de Anúbis

Uma das histórias sobre Anúbis que mudou significativamente foi como ele veio a existir.

No geral, a religião egípcia parece colocar relativamente pouca ênfase nas origens de seus deuses. A menos que a sucessão fosse um problema, como com Osíris e Hórus, essas reservas variaram amplamente com o tempo.

Eles também variaram por região. Os cultos locais deram aos deuses origens ligadas aos seus centros de adoração, criando muitas tradições concorrentes em todo o Vale do Nilo.

Inicialmente, Anúbis era o filho mais poderoso de Rá. O deus do sol, que mais tarde se tornou poderoso no submundo, era a divindade proeminente das primeiras dinastias egípcias.

Eventualmente, no entanto, outro dos filhos de Rá tornou-se mais amplamente reverenciado em todo o Egito. Osíris tornou-se não apenas o arquétipo da realeza, mas também um deus da vida e da morte.

Em 2000 a.C, a história do nascimento de Anúbis foi mudada para refletir o fato de que ele agora era muito menos poderoso do que Osíris. A história que surgiu nesta época é a história mais conhecida e detalhada de seu nascimento e continuou a ser contada até o século I d.C, quando Plutarco registrou seus pensamentos sobre a mitologia egípcia.

Pois quando Ísis descobriu que Osíris amava sua irmã e tinha relações com ela por confundir sua irmã com ela mesma, e quando ela viu uma prova disso na forma de uma guirlanda de trevo que ele havia deixado para Néftis - ela estava procurando por um bebê, porque Néftis o abandonou imediatamente depois que nasceu, por medo de Set; e quando Ísis encontrou o bebê ajudado pelos cães que com grande dificuldade a conduziam até lá, ela o criou e ele se tornou seu guarda e aliado com o nome de Anúbis.

Nesta versão do mito, está fortemente implícito que Set e Nephthys eram casados ​​assim como Osíris e Ísis. Embora isso seja frequentemente sugerido, uma relação entre eles nunca é esclarecida.

Esse mito fez de Anúbis o meio-irmão mais velho de Hórus. Como Osíris e Néftis não eram casados, no entanto, Anúbis não ameaçou a posição de Hórus como herdeiro.

Em uma versão alternativa desta história, Anúbis era na verdade filho de Set em vez de Osíris. Quando Hórus, filho de Osíris com Ísis, recuperou o trono de seu tio, Anúbis aceitou sua autoridade e viveu pacificamente sob seu governo.

Com o passar do tempo, as histórias de origem de Anúbis e dos outros deuses tornaram-se mais variadas em vez de menos. Mitos alternativos o chamavam de filho da deusa gata Bastet, um verdadeiro filho de Ísis, ou, na era greco-romana, uma versão alternativa de Hermes.

Epítetos do Chacal

Com os muitos papéis que desempenhou ao longo da longa história da mitologia egípcia, Anúbis também ficou conhecido por muitos títulos e epítetos.

Muitos deles estão registrados em outras línguas, o que nos permite decifrar claramente a linguagem poética e os títulos nobres dados ao deus embalsamador.

Outros, escritos apenas em hieróglifos, podem ser discernidos por meio de nosso conhecimento desse sistema. Ao compará-los com outras frases e títulos escritos pictograficamente, os estudiosos podem decifrar seu significado, mesmo que a linguagem falada seja desconhecida.

Os nomes de Anúbis frequentemente se referiam ao oeste, onde o sol poente deveria marcar o caminho para a terra dos mortos. Outros relembraram as práticas de embalsamamento e mumificação.

Títulos e epítetos para Anúbis incluíam:

  • O Senhor da Múmia Embrulhada
  • Primeiro dos ocidentais
  • Filho das Terras Altas Ocidentais
  • Chefe da Necrópole
  • Pesador de Corações
  • Mestre dos segredos
  • Senhor da terra sagrada
  • Príncipe do Tribunal de Justiça
  • Aquele que come seu pai
  • Aquele que está no local de embalsamamento
  • O Cão que engole milhões

A referência a Anúbis como Aquele que Come Seu Pai lembra tanto seu papel como um necrófago quanto um aspecto terrível do processo de mumificação. Alguns registros dizem que os embalsamadores comiam pequenos pedaços dos órgãos internos do corpo em um ritual de lembrança, talvez inspirado nas origens necrófagas de seu deus patrono.

Anúbis, o Psicopompo

Muitos dos nomes do deus também fazem referência ao seu papel dentro do próprio submundo.

Quando Anúbis não governava mais os mortos, ele se tornou uma figura importante na orientação das almas dos mortos para o outro mundo. Ele assumiu o papel de um psicopompo que viajava com os mortos e os protegia em sua jornada.

O Livro dos Mortos e outros registros especificam o papel que Anúbis desempenhou em guiar os mortos.

Um de seus principais papéis foi como o "Guardião da Balança", que pesava os corações dos mortos contra uma pena das asas de Maat ou Ma'at, a deusa da verdade.

Anúbis conduzia cada alma a uma balança que pesaria o coração da pessoa. Um coração leve significava que a pessoa não se incomodava para que pudesse continuar no caminho, mas um coração que estava pesado com crimes e más ações não poderia seguir em frente na vida após a morte.

Essas almas seriam alimento para Ammit ou Ammut, um monstro quimera aterrorizante e seriam destruídas para sempre.

Nessa tarefa, assim como no embalsamamento, Anúbis era auxiliado por Thoth. O escriba com cabeça de íbis registrava os resultados de cada pesagem e verificava constantemente a precisão da balança.

Em épocas posteriores, o papel de Anúbis como guia dos mortos levava os visitantes gregos a compará-lo a seu próprio psicopompo, Hermes. Vendo os deuses com cabeça de animal do Egito como bizarros e primitivos, os gregos se referiam a Anúbis como "O Cão".

Identificando o Canino

Como a maioria dos deuses egípcios, a iconografia associada a Anúbis mudou muito pouco ao longo dos milhares de anos de história egípcia.

Ele foi representado com a cabeça de um chacal em todas as suas imagens e, geralmente, com a cauda também. Sua cabeça e frequentemente o corpo eram pretos, uma cor há muito associada à morte.

A mudança mais notável na longa história de sua iconografia foi a maneira como seu nome foi escrito em hieróglifos.

No início da história, os sinais sonoros que compunham seu nome eram seguidos por um ícone do deus com cabeça de chacal com um corpo humano sentado com os joelhos puxados para cima. No final do Império Antigo, isso havia mudado para um chacal completo sentado em uma plataforma alta.

A imagem de Anúbis era tão consistente que parece que pouco se pode descobrir sobre ela. Pesquisas recentes no campo da Biologia, no entanto, mudaram a maneira como olhamos para essa imagem de cinco mil anos.

Anúbis está associado ao chacal dourado, uma espécie nativa do Oriente Médio e do subcontinente indiano. Geralmente vistos como necrófagos, esses canídeos costumam caçar sozinhos ou em pares ao anoitecer e ao amanhecer.

Em 2015, no entanto, pesquisas genéticas mostraram que há centenas de anos chamamos Anúbis pelo nome errado.

O chacal dourado é, na verdade, mais parente dos lobos da Europa e da Ásia do que os outros chacais da África subsaariana. A espécie foi renomeada como lobo dourado africano em função dessa descoberta.

Portanto, embora Anúbis tenha sido referido como um deus com cabeça de chacal na erudição e na cultura popular por muitos anos, ele na verdade tem cabeça de lobo.

Essa distinção não muda a mitologia fundamental ou o significado do deus e não teria nenhum impacto na maneira como os antigos egípcios o viam. Para leitores modernos, no entanto, ajuda a ilustrar o fato de que mesmo as verdades mais comumente aceitas sobre a cultura egípcia antiga podem sempre ser alteradas à luz de novos estudos.

Anúbis Como o Protetor Dos Mortos

O deus com cabeça de chacal, Anúbis, foi associado à morte desde os primeiros dias da cultura egípcia. Feito na forma de lobos selvagens que vasculhavam novos túmulos, ele era considerado a melhor proteção contra as forças que ameaçavam os mortos.

A forma mais antiga de Anúbis era como protetor de túmulos e uma figura importante no panteão do Mundo Inferior. Conforme o culto a Osíris ganhava poder, no entanto, o papel de Anúbis mudaria.

Osíris se tornou o rei do Submundo e Anúbis foi remodelado como o deus, possivelmente seu filho, que o ajudou no caminho. Ele preservou e protegeu o corpo para que Osíris pudesse alcançar a vida após a morte com segurança, tornando-se o patrono dos embalsamadores e o criador da mumificação.

Enquanto Anúbis continuava em seu papel protetor, seu trabalho se tornou mais tangível. Os embalsamadores que prepararam os mortos do Egito o viram como seu antepassado e tumbas tinham inscrições orando para que Anúbis cuidasse dos corpos dentro.

Na era grega, o papel do deus havia se expandido para o de um psicopompo. Ele escoltava almas através do portão entre a vida e a morte e pesava seus corações para determinar quem era digno de seguir em frente.

A imagem de Anúbis permaneceu estática e consistente ao longo da história egípcia, como era comum na arte e na escrita daquela cultura, mas sua história mudou significativamente. Anúbis mostra aos leitores modernos que a antiga religião egípcia era muito mais mutável do que a continuidade geral da cultura pode sugerir.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem