Ísis: Deusa do Amor e da Magia e Rainha Dos Deuses Egípcios

Ísis é indiscutivelmente a deusa mais conhecida do antigo Egito, mas você realmente conhece a história dela? Continue lendo para aprender mais sobre a esposa e mãe dos reis piedosos do Egito!

Hoje, assim como no passado, Ísis é considerada a deusa mais popular e poderosa do antigo panteão egípcio.

Esposa de Osíris, seu papel ia muito além do de consortes reais em muitas outras tradições. Ela era vista como poderosa e obstinada por seus próprios méritos, embora muitas de suas histórias enfatizassem seu papel como esposa e mãe.

Os egípcios a viam como um de seus maiores protetores e o arquétipo de todas as rainhas. Ela era uma mãe amorosa e carinhosa que também podia ser ferozmente, até mesmo violentamente, protetora.

Em sua própria cultura, ela era vista como uma mãe real, padroeira dos reis, amante da magia, fonte de cura e inventora do luto. Seu apelo acabou se espalhando muito além dessa cultura, no entanto.

Ísis: a Rainha Dos Deuses Egípcios

Isis e Osíris

A adoração a Ísis estava intimamente ligada à de seu marido e irmão, Osíris. A evidência de ambos raramente é vista antes da Quinta Dinastia, em meados do segundo milênio a.C.

Embora inicialmente centrada na cidade de Heliópolis, sua importância cresceu significativamente com o tempo. Por fim, eles e a Enéade, os principais deuses daquela cidade, tornaram-se nacionalmente importantes.

De acordo com a mitologia de Heliópolis, Ísis e Osíris eram dois dos quatro filhos do deus da terra Geb e sua parceira, a deusa do céu Nut. Seus irmãos eram Set e Nephthys ou Néftis.

Ísis e Osíris se casaram. Embora algumas lendas afirmem que Set e Néftis também o eram, há muito menos evidências para essa união.

Osíris recebeu o trono e foi feito rei de todo o Egito. Ele foi um governante sábio e justo que trouxe estabilidade à terra.

O rei estava em conflito quase constante com seu irmão, no entanto. Set representava as forças da desordem e do caos, então ele e seu irmão estavam frequentemente em desacordo.

Havia muitas lendas que explicavam por que Set sentia tanta animosidade por Osíris, embora seu conflito fosse frequentemente deixado de fora das fontes escritas no Egito para evitar invocar um tabu. Embora muitas versões modernas da história simplesmente digam que Set estava com ciúmes da posição de seu irmão, outras entram em mais detalhes.

Em um relato, Osíris teve um caso com Néftis. Em outra, ele chutou Set durante uma disputa menor.

Seja qual for a ofensa, foi grande o suficiente que Set jurou se vingar. Ele decidiu matar seu irmão e assumir o trono para si.

O Nascimento de Hórus

Os egípcios não escreveram sobre a morte de Osíris em detalhes. Uma descrição completa teria sido vista como uma invocação infeliz de tragédia.

O que se sabe é que a história do que aconteceu imediatamente após a morte do rei evoluiu para se tornar mais complexa e dramática.

De acordo com histórias posteriores, Set não se contentou simplesmente em matar seu irmão. Ele ainda profanou o cadáver cortando-o em dezesseis pedaços e espalhando-os pelo Egito.

Alguns historiadores acreditam que essa história se desenvolveu como uma forma de mais centros de culto locais terem uma conexão com o deus. Vários templos em todo o Egito afirmam ter sido construídos no local onde uma das partes do corpo de Osíris foi jogada.

Na crença egípcia, no entanto, uma alma não poderia seguir para a vida após a morte, Duat ou Tuat, a menos que o corpo estivesse completo. Sabendo que Osíris ficaria preso como um espírito se seu corpo não fosse tratado com o devido respeito, Ísis partiu para encontrar as partes.

Com a ajuda de sua irmã Néftis, Ísis procurou em todo o Egito os pedaços do corpo de seu marido. Eles choraram de luto enquanto procuravam.

Por fim, o corpo de Osíris foi recomposto. De acordo com uma tradição posterior, a única parte que nunca foi encontrada foi seu falo, que foi jogado no Nilo e comido por um caranguejo.

Ísis levou o corpo para Anúbis, que trabalhou com Thoth ou Tote  para juntá-lo cuidadosamente e preservá-lo. Eles fizeram um trabalho tão bom que Osíris parecia quase totalmente intocado pela morte e se tornou a primeira múmia.

Ísis tinha um motivo oculto para preservar o corpo de seu marido, no entanto.

Embora ela tivesse adotado Anúbis, que de acordo com alguns era filho de Néftis e de Set ou Osíris, Ísis e Osíris nunca tiveram um filho. Isso significava que o falecido rei não tinha herdeiro, então seu irmão estava livre para reivindicar o trono.

Isis foi capaz de usar sua magia para dar vida ao corpo de seu marido por um breve período de tempo. Ela concebeu um filho nos momentos em que Osíris estava vivo novamente.

Ísis a Deusa da Cura

Thoth avisou Ísis, no entanto, que Set tentaria destruir seu filho no momento em que soubesse da existência da criança. A rainha teve que se esconder para garantir que seu bebê não fosse morto como seu pai.

Várias histórias surgiram nos anos posteriores que detalhavam o tempo que Ísis passou escondida. Esse período de tempo foi um cenário popular nas histórias folclóricas, embora tenha desempenhado um papel pequeno nas crenças mais organizadas.

Uma lenda diz que Ísis foi ao encontro de Atum, o progenitor dos deuses, para buscar proteção. Atum concedeu e enviou uma serpente, Werethekau, para protegê-la.

Outra versão da história diz que Set tentou manter Ísis prisioneira, mas Néftis a ajudou a escapar. Ela fugiu do palácio com sete escorpiões, guardiões enviados pela deusa Sélquis ou Serquete.

De acordo com o escritor grego Heródoto, foi contada uma história sobre o nascimento de Hórus que era semelhante ao de Apolo e Ártemis em sua própria cultura. Como isso foi contado muito tarde na história egípcia, no século 5 a.C, quase certamente foi influenciado pelo contato com a Grécia.

Nesta história, Isis procurou a deusa Wadjet na ilha de Pe. Ela libertou a ilha de suas amarras para que flutuasse para longe, tornando mais difícil para Set alcançá-la.

O parto foi longo e difícil até que Ísis recebeu a ajuda de um par de deuses que a ungiram com sangue. Seu filho, Hórus, nasceu no primeiro dia da primavera.

Muitas lendas afirmam que Ísis e seu filho se esconderam nas terras pantanosas do Delta do Nilo. Outros deuses, incluindo Hathor ou Hator e Nephthys ou Néftis, trouxeram comida e os avisaram quando os seguidores de Set se aproximaram procurando por eles.

Outra tradição popular afirmava que Ísis às vezes se disfarçava e seu filho de humanos para que ela pudesse se misturar com a população da área. Eles se moviam principalmente sem serem detectados.

Essas histórias costumavam ser apresentadas em livros de feitiços que usavam essas lendas para instruir o leitor. Um desses textos continha amuletos mágicos para usar na cura.

Em uma história, por exemplo, os escorpiões que guardavam Ísis se vingaram quando uma mulher rica rudemente rejeitou a deusa disfarçada. O escorpião mais forte entrou na casa da mulher e picou seu filho pequeno.

A mulher gritou por socorro, mas as pessoas ao seu redor a ignoraram. Apenas Ísis, que percebeu o que seus guardas haviam feito, correu para dar ajuda.

O texto incluía os métodos usados ​​por Ísis na cura para que leitores humanos pudessem empregar as mesmas técnicas. Algumas dessas curas eram práticas, mas outras eram mais puramente mágicas.

A cura para uma picada de escorpião estava entre os remédios mágicos. Ísis falou o nome verdadeiro de cada escorpião e exigiu que o veneno deixasse o corpo da criança.

Ela usou uma tática semelhante em outra história para curar um deus.

Sabendo que seu filho precisaria de mais poder à medida que crescesse, Isis usou um encantamento semelhante para lhe dar poder sobre o deus do sol Rá.

Rá era idoso, mas ainda era poderoso e inteligente. Para ter poder sobre ele, Ísis precisava de seu nome verdadeiro, que ela sabia que ele não daria facilmente.

Ela coletou um pouco da saliva do deus, supostamente porque ele tinha idade suficiente para começar a babar, e transformou-a em um pouco de argila. Ela moldou uma cobra e usou sua magia para trazê-la à vida.

Sabendo onde Rá fazia suas caminhadas diárias, Ísis esperou por ele e colocou a cobra em seu caminho. Quando o mordeu, ela ofereceu seus poderes de cura.

Para curá-lo, entretanto, ela precisava de seu nome verdadeiro. O veneno da cobra mágica foi feito dos próprios fluidos de Rá, então ela teve que usar seu nome para comandá-lo.

Rá resistiu a dar seu nome a ela por tanto tempo quanto pôde, mas acabou cedendo. Ísis descobriu o nome do deus sol, que mais tarde ela poderia dar a seu filho para dar-lhe mais poder.

Eventualmente, a busca de Ísis para dar poder a seu filho resultaria em ela ter que se curar.

Hórus voltou quando cresceu para desafiar Set ao trono. Os deuses não conseguiram chegar a um acordo sobre qual deles tinha a melhor reivindicação, então uma longa batalha começou para estabelecer a supremacia.

Set e Hórus lutaram amargamente. Além do combate físico, eles também competiram em feitos de força, resistência e magia para provar quem deveria ser o rei dos deuses.

Em uma dessas disputas, os dois deuses se transformaram em hipopótamos para ver qual poderia ficar submerso no Nilo por mais tempo. Ísis, no entanto, não tinha certeza de que seu filho venceria.

Ela fez um arpão de bronze e o jogou na água onde ela acreditava que Set estava submerso. Em vez disso, atingiu seu filho, e Hórus emergiu do rio furioso.

Cego por sua fúria, Hórus cortou a cabeça de sua mãe com um único golpe. Sua magia era tão poderosa, no entanto, que ela sobreviveu.

Ísis substituiu sua cabeça pela de uma vaca que estava pastando nas proximidades até que ela pudesse ser totalmente curada. Essa história incomum explica por que ela às vezes era mostrada com a cabeça de uma vaca em imagens de culto.

A Iconografia da Deusa Ísis

Embora Ísis ocasionalmente fosse mostrada com uma cabeça de bovino, esta não era a forma mais típica de retratada na arte egípcia.

Embora muitos dos mitos individuais tenham mudado com o tempo, a arte egípcia permaneceu relativamente estática por milênios. A maneira como os deuses eram mostrados tinha algumas variações regionais, mas era notavelmente uniforme por longos períodos de tempo.

Isso significa que Ísis e os outros deuses egípcios tinham uma iconografia imediatamente reconhecível que podia ser vista em muitas de suas imagens. Para Ísis, isso inclui:

  • O sistro: um antigo instrumento de percussão, muitas vezes tocado durante as cerimônias. Referia-se a sua posição como uma enlutada que teria tocado tal instrumento no funeral de seu marido.
  • Milhafre-real: Ísis e Néftis às vezes eram mostradas com Milhafres-real. A busca dos pássaros por carniça é paralela à busca pelo corpo de Osíris, e os gritos de um Milhafre-real parecem se assemelhar aos de mulheres enlutadas. Em algumas lendas, ela até assumiu a forma de um Milhafre-real durante a concepção de Hórus.
  • O disco solar: embora os chifres de vaca e o disco solar fossem mais comumente associados a Hathor, eles ocasionalmente eram trazidos para a iconografia de Ísis. Eles refletiam sua posição como a mãe de um deus solar.
  • O Ankh: Como muitas divindades, particularmente aquelas associadas à realeza, Ísis geralmente carregava um símbolo de vida.
  • Uma coroa: em épocas posteriores, Ísis costumava usar um cocar mostrando uma cobra e um abutre. Este era um símbolo da realeza, refletindo sua posição como esposa e mãe de reis.
  • O tyet: este símbolo era semelhante ao Ankh, mas simbolizava a morte em vez da vida. Frequentemente, era incluído em enterros como um amuleto de proteção para os mortos.
  • Uma árvore: Ísis ocasionalmente assumia a forma de uma árvore ou emergia de uma, oferecendo comida, em suas imagens. Isso referia seu papel como uma figura materna nutridora.
  • Serpente: Em algumas imagens posteriores, Ísis é mostrada com o corpo de uma serpente. Esta forma incomum veio através de sua combinação com outra deusa, Renenutete, Renenete ou Ernutete, como uma padroeira da agricultura.

Ísis era geralmente mostrada como uma bela rainha, usando um vestido de bainha e emblemas da realeza. Embora suas imagens ocasionalmente incluíssem elementos animais, ela é uma das poucas divindades egípcias a ser mostrada com mais frequência em uma forma inteiramente humana.

Na escultura, Ísis costumava ser mostrada em posições que refletiam suas histórias.

Uma imagem popular era da deusa segurando seu filho no colo. Isso enfatizou seu papel como uma deusa-mãe protetora.

Outras peças de arte mostravam Ísis e Néftis em luto por Osíris. Nos elaborados rituais fúnebres do antigo Egito, seus gritos durante a busca por seu corpo eram vistos como o protótipo de atos posteriores de luto.

Ísis e os Reis

Ísis: a Rainha Dos Deuses Egípcios

Como parte da história de Osíris e Hórus, Ísis também estava intimamente ligada ao poder dos Faraós no antigo Egito.

Por causa de sua restauração de Osíris e proteção de Hórus, Ísis foi retratada como uma defensora do poder real. Os faraós vivos afirmavam ser encarnações de Hórus e Osíris, então Ísis servia como uma mãe para eles.

Imagens de Ísis com seu filho frequentemente mostravam o rei em vez de um jovem Hórus. Mesmo na idade adulta, os faraós às vezes eram retratados sentados no colo da deusa ou mesmo sendo amamentados por ela.

Essas imagens simbolizam o papel de Ísis em conferir a realeza ao Faraó. Assim como ela cuidou de seu próprio filho até que ele assumisse o poder, ela fez o mesmo com os reis vivos.

Essa defesa do trono assumiu inclusive um aspecto militante. Embora ela fosse uma deusa maternal e amorosa, quando lutou em nome do Faraó ela foi descrita como uma protetora feroz da nação que era tão eficaz quanto um milhão de soldados treinados.

Como esposa de Osíris, Ísis também serviu como símbolo das rainhas do Egito.

Frequentemente, esperava-se que as esposas dos faraós fossem companheiras e conselheiras de seus maridos e filhos. Ísis forneceu o modelo para a rainha egípcia ideal.

Quando mostrada em trajes reais, Ísis enfatizava a importância dessas rainhas na estrutura política do Egito. Embora elas não tivessem nenhum poder direto, elas apoiavam seus maridos e criavam futuros reis que elas protegeriam e promoveriam a qualquer custo.

Este apoio à realeza se estendeu além da morte.

Embora ela não tivesse nenhuma narrativa de morte própria, Ísis às vezes era mostrada ao lado dos deuses do Submundo. Em Duat, ela ajudou reis em sua jornada e foi uma das divindades que lutou contra a serpente do caos, Apepe ou Apófis.

A maioria dos deuses associados ao Submundo tinha uma lenda que os colocava lá. Para Ísis, no entanto, seu papel como esposa do rei significava que ela continuava a apoiá-lo mesmo após sua morte de qualquer maneira necessária.

Ísis Além do Egito

Embora seu culto tenha se desenvolvido mais tarde do que muitos outros no Egito, Ísis se tornou a deusa mais importante do país. Ela encontrou tanta popularidade que se tornou a deusa mais duradoura do panteão.

Quando os gregos e romanos visitaram o Egito, eles acharam os deuses exóticos e bizarros. Embora muitos fossem comparados a divindades greco-romanas mais familiares, suas formas e lendas impressionaram muitos escritores antigos e inteiramente estrangeiros.

Ísis, no entanto, atraiu muito mais as pessoas nessas culturas europeias. Ela se tornou uma das poucas divindades egípcias a desenvolver um forte culto fora do Vale do Nilo.

Embora ela tenha sido retratada principalmente como humana, os gregos enfatizaram suas origens exóticas. Embora mais tarde ela tenha assumido uma forma mais helenizada, muitos gregos foram atraídos pelas origens antigas e misteriosas da deusa-mãe egípcia.

Seu culto na Europa a retratou como a inventora do casamento e da maternidade. Ela era o arquétipo de uma figura feminina leal, protetora e carinhosa.

Seu papel como protetora e mãe foi enfatizado por suas origens egípcias.

Durante o Império Romano, muitos dos grãos da cidade foram importados do Egito. Ísis se tornou uma deusa representativa da fertilidade do Vale do Nilo e do alimento que deu a todo o Império.

As pessoas também sabiam que a estabilidade de Roma dependia desses carregamentos regulares de grãos. Como a deusa-mãe egípcia, Ísis protegeu todo o Império, especialmente a capital, do caos.

Ísis também desempenha papéis de deusa cósmica por causa de suas ligações familiares com o sol. Alguns crentes atribuíram a ela a influência sobre o movimento e os ciclos não apenas do sol, mas também da lua e das estrelas.

Como os gregos e romanos muitas vezes igualavam os deuses estrangeiros aos seus próprios, era fácil fornecer a Ísis ligações para sua própria mitologia. Hórus, por exemplo, era frequentemente comparado a Apolo, então Ísis às vezes era chamada de mãe do deus greco-romano por seus seguidores.

Suas origens estrangeiras nunca foram totalmente esquecidas, no entanto. Apesar da forma helenizada que sua adoração e imagens assumiram, Ísis nunca foi totalmente abraçada por todos na Europa.

Em Roma, santuários foram estabelecidos para Ísis no Monte Capitolino ao lado dos deuses romanos. No entanto, eles foram destruídos no século 1 a.C, porque eram vistos como incompatíveis com a religião oficial e a identidade cultural de Roma.

Embora seu culto tenha sido temporariamente banido durante as guerras entre Otaviano e Cleópatra, Ísis nunca desapareceu totalmente da vida romana. Cem anos depois, os imperadores Flavianos até nomearam Ísis, junto com as divindades romanas tradicionais, como um dos patronos de seus reinados.

Mesmo quando o próprio Egito foi conquistado por Roma e começou a declinar, o culto a Ísis se espalhou por todo o Império. Os seguidores romanos acreditaram em Ísis até Londínio (Londres), Espanha e Síria.

Após a queda de Roma, Ísis foi mais amplamente lembrada do que a maioria dos outros deuses do panteão egípcio, porque tinha sido amplamente adorada na Europa. Escritores europeus posteriores, vendo a mesma sabedoria exótica em suas origens egípcias que os gregos e romanos, continuaram a fazer referência a ela.

O público europeu em épocas posteriores também viu uma figura familiar na iconografia de Ísis. As imagens da deusa segurando seu filho podem ter influenciado as representações da Virgem Maria e de Cristo, mantendo-a mais relevante do que muitos dos deuses mais exóticos do mundo antigo.

Portanto, enquanto muitas outras divindades egípcias foram amplamente esquecidas até o advento da arqueologia moderna, Ísis permaneceu na imaginação popular.

Isso continua na era moderna, pois Ísis é uma das deusas mais populares em alguns movimentos neopagãos. Como uma divindade que engloba os aspectos protetores e nutritivos de uma deusa-mãe real, Ísis é vista por alguns adoradores modernos como uma representação poderosa do poder feminino.

A Deusa Isis

Na mitologia egípcia, Ísis era esposa e irmã de Osíris. Ela serviu de protótipo para a rainha leal e prestativa.

Depois que Osíris foi assassinado por seu irmão, Set, Ísis remontou seu corpo. Ela concebeu um herdeiro, Hórus, que ela protegeu até que ele tivesse idade suficiente para desafiar seu tio.

As histórias populares de Ísis como uma mãe protetora eram populares na cultura egípcia posterior. Isso geralmente incluía referências a seus poderes de cura e habilidades mágicas e enfatizava sua ferocidade em manter seu filho seguro.

Os faraós egípcios acreditavam que, como encarnações de Hórus, Ísis os nutria e protegia da mesma maneira. Ela também ilustrou o papel adequado das rainhas, desde serem promotoras de seus filhos até as enlutadas nos funerais de seus maridos.

Ísis foi uma das divindades egípcias que ganhou um grande culto fora do Vale do Nilo, primeiro na Grécia e depois em todo o Império Romano. Embora suas origens estrangeiras nunca tenham sido esquecidas, os adoradores europeus também a viam como uma poderosa protetora de suas próprias terras.

O amplo apelo de Ísis e a difusão de seu culto por Roma a tornaram mais reconhecível do que a maioria dos outros deuses e deusas egípcios, mesmo após o declínio de seu culto.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem