Apolo pertence à segunda geração dos deuses do Olimpo. Ele é o fruto do amor entre Zeus e Leto e irmão de Artemisa ou Ártemis. Apolo é o deus da luz, música, poesia, cura e adivinhação (profecia). Zeus, o pai dos deuses e homens, deslumbrado com a beleza de Leto, que vinha da geração dos Titãs, acasalou-se com ela. A invejosa Hera, ressentida pelas incontáveis ​​infidelidades do marido com mortais e deusas e por não ter o poder de ferir o marido, se voltou contra Leto e decidiu fazer tudo para não deixá-la dar à luz.
Apolo - Deus Grego da Luz, Música e Poesia
Leto corria em vão por toda a terra, tentando planícies, montanhas e mares para gerar seus filhos. A terra inteira se recusou a aceitá-la porque temia a terrível vingança de Hera. Apenas uma pequena ilha flutuante, Ortígia (Quail Island) ou Asteria, concordou em dar asilo a desafortunada Leto. Esta ilha era pobre e estéril, incapaz de alimentar ovelhas ou bois, mas não produzia vinhas de frutas ou outras árvores. Então, por isso que não temeu a ira da deusa. Apolo, a fim de recompensar a ilha empobrecida, logo depois que ele nasceu, assegurou a ilha com quatro pilares no fundo do mar e deu-lhe o nome de Delos.

As dores do parto permaneceram durante nove dias consecutivos. Leto deitada na raiz de uma palmeira, a única árvore que existia na ilha, gemia de dor e implorava a Hera que permitisse que ela desse à luz seus filhos. Atena, Deméter, Afrodite e outras deusas menores correram para ajudar Leto, mas não puderam fazer nada sem o consentimento de Hera, que estava segurando Ilitia no Olimpo, a deusa dos nascimentos bem-sucedidos.

Eventualmente, elas enviaram a colorida Iris, a mensageira dos deuses, para pedir a Hera que permitisse este parto, dando-lhe um colar de excepcional beleza de ouro e âmbar, nove côvados de comprimento, que foi construído na oficina do grande artesão dos deuses, Hefesto. Este presente acalmou a ira de Hera, que enviou a Eileithyia em Delos. Leto estava exausta de sua dor agonizante que durou tantos dias. Ajoelhou-se na raiz da palmeira e deu à luz primeiro Ártemis e imediatamente depois a Apolo. Na época do nascimento do deus, cisnes sagrados sobrevoaram a ilha fazendo sete círculos, porque era o sétimo dia do mês.

Leto não teve tempo para cuidar do deus recém-nascido. Uma vez que Apolo nasceu, Themis pingou na boca algumas gotas de néctar e um pequeno pedaço de ambrosia e o milagre aconteceu. O bebê começou a crescer rapidamente e os panos se rasgaram e caíram de seu corpo. As deusas deslumbradas pela beleza de Apolo admiravam-no enquanto ele caminhava pela ilha. Logo depois, Apolo correu para o Olimpo para obter a bênção de seu pai todo-poderoso, mas também para encontrar os outros deuses.

Zeus deu boas-vindas a seu filho e deu-lhe muitos presentes ricos e bonitos. Entre eles havia uma mitra de ouro adornada com rubis e esmeraldas, que simbolizavam o poder do deus e haviam esculpido cenas da vida dos olimpianos. Zeus também lhe deu uma lira, que Apolo amava muito e toda vez que ele tocava, sua música encantava os deuses e os homens. Além disso, ele deu a ele uma linda carruagem com sete cisnes brancos puros que carregavam o deus em qualquer ponto da terra ou do céu que ele desejasse.

Zeus imediatamente ordenou que Horae (Horas) preparasse uma mesa com néctar e ambrosia para receber o novo deus no Monte Olimpo. Um glorioso banquete seguiu-se até o amanhecer. Apolo tocou a lira e as Graças, Harmonia, Hebe, Afrodite e Ártemis dançaram. Pouco depois, Hermes e Ares se juntaram ao baile. Outro mito narra que os cisnes, pouco depois de seu nascimento, moveram Apolo em seu país, às margens do oceano, a Hiperbórea. Lá, eles estabeleceram a adoração do deus que o celebrava incessantemente. Apolo ficou na terra dos hiperbóreos por um ano e voltou para a Grécia no verão.

Toda a natureza celebrava por qualquer meio o retorno do grande deus. Houve festas e canções em todos os lugares, grilos e rouxinóis cantaram e as fontes de água estavam mais claras. Ninfas e fadas dos rios e lagos dançavam dias e noites inteiros nas montanhas e clareiras. Todos os anos em Delfos, eles celebravam esse retorno com carnificina, ou seja, sacrifícios coletivos de cem animais.

Em Delfos, Apolo matou um terrível dragão chamado Píton e tinha dez mãos e quatro olhos. O dragão, que parecia um enorme lagarto, causara numerosos desastres na região. Eram fontes e rios agitados que tornavam as águas barrentas, destruindo lavouras, devorando rebanhos e assustando as ninfas. De fato, quando estava muito furioso, estava estrangulando ou afogando os moradores necessitados. Além disso, esse monstro, ordenado por Hera, perseguiu Leto quando ela estava procurando lugar para dar à luz seus filhos.

Apolo, com as flechas de ouro que Hefesto deu a ele, matou Píton e assim absolveu os moradores locais desta ameaça. Os moradores, para relembrar sua conquista, estabeleceram em sua homenagem um concurso denominado “Jogos Pitianos”. Além disso, eles construíram um oráculo, o oráculo de Delfos, onde Pítia sentava-se no tripé sagrado, mastigando folhas de louro em um estado de mania, revelando os oráculos ambíguos do deus.

Deste oráculo uma vez, o semideus Héracles (Hércules) passou para pedir conselhos.

Pítia se recusou a responder, então Héracles roubou o tripé sagrado e foi para outro lugar para estabelecer um oráculo. Os Loxias (epíteto de Apolo por seus oráculos ambíguos) o perseguiram por muito tempo. Quando ele finalmente chegou a Héracles, eles lutaram nove dias e noites inteiros continuamente. A terra inteira sacudiu de seus golpes. Eventualmente, Zeus dividiu os dois oponentes jogando-os um raio entre eles.

Apolo era um deus lindo, alto, de grande estatura, olhos azuis e longos cachos loiros. Portanto, ele teve muitos romances com ninfas e mortais.

Ele amava a ninfa Dafne, a filha do deus do rio Peneu da Tessália. Ela era muito bonita e muitos rapazes e heróis conhecidos pediram ao pai que se casasse com ela. Peneu implorou que ela se casasse e desse a ele netos. Dafne, no entanto, sendo teimosa, não quis ouvir seu pai mais velho, preferindo caçar nas florestas e acompanhar a virgem Ártemis.

Certa vez, quando Apolo a encontrou, ele ficou deslumbrado com a beleza dela e quis fazer dela sua companheira. No entanto, a ninfa não respondeu ao chamado do deus e fugiu para a montanha. Durante dias e noites, Febo (um epíteto de Apolo que significa radiante) estava perseguindo-a entre arbustos e arvores, gritando para ela que ele não era um aleatório, mas o brilhante noivo Apolo, homenageado por deuses e mortais. No entanto, no momento em que ele estava prestes a alcançá-la, a noiva pediu ao pai para salvá-la do abraço do deus.

Então Peneu teve pena de sua filha e transformou-a à árvore homónima. As pernas de Dafne se tornaram as raízes da árvore de louro. Seu corpo formou o tronco da árvore. Seus braços se transformaram nos galhos da árvore. Finalmente, o cabelo dela se tornou as famosas folhas da árvore. Apolo chorando inconsolável abraçou a árvore e depois de não se misturar com a noiva enquanto ela estava viva, prometeu que, a partir daí o louro seria sua árvore sagrada e ele sempre usaria uma coroa de louros.

De sua relação com a deusa da Tessália, a ninfa Cirene, Apolo teve um filho chamado Aristeu.

Cirene vivia uma vida selvagem nas florestas de Pindo e protegia os rebanhos de seu pai. Um dia ela atacou um leão desarmado, lutou contra ele e finalmente o derrotou. Febo viu sua façanha gloriosa e se apaixonou por ela. Então a sequestrou e dirigindo sua carruagem de ouro, voando sobre terras e mares, levou-a para a Líbia. Lá, acasalou com ela em um palácio de ouro.

Apolo também teve romances com as musas. Um mito diz que de Thalia ele adquiriu Coribantes. Coribantes eram demônios pertencentes à comitiva de Dionísio, com sátiros e outros elfos da floresta.

Através de Urania ele obteve os músicos Lino e Orfeu, que acalmavam toda a natureza tocando flauta e domando feras. Além disso, Apolo é o pai de Asclépio, deus da medicina.

Segundo uma lenda, o deus do flerte se uniu aos Corônis e a engravidou. No entanto, durante o tempo que ela estava esperando pela criança, ela foi infiel ao deus e acasalou com um mortal. Quando Apolo soube dessa infidelidade, enfurecido com o insulto, matou sua infiel Coronis.

No entanto, no momento em que seu corpo foi colocado no fogo e estava pronto para queimar, o deus vingativo se transformou em um abutre, mergulhou e tirou a criança de suas entranhas, que ainda estava viva.

Marpessa, a princesa de Etólia, teve a mesma desgraça. Apolo amava a jovem, mas o mortal Idas com uma carruagem alada doada por Poseidon roubou Marpessa e a levou a Messina. Lá, Idas e Apolo lutaram entre si, mas Zeus os separou. Marpessa tinha o direito de escolher entre os dois amantes. O deus a suplicou, dando-lhe promessas de eterna lealdade e devoção. Seu esforço terminou em vão, quando ela escolheu o mortal Idas. A razão era que ela temia que o imortal e eternamente jovem Apolo a abandonasse quando ela envelhecesse e não mais teria a beleza e a frescura da juventude.

No entanto, o amor não favoreceu o deus no caso de Cassandra, filha de Príamo. Apolo amava Cassandra e, para conquistá-la, prometeu ensinar-lhe a arte da adivinhação. A jovem princesa concordou, mas quando ela aprendeu bem a arte, abandonou o deus. Outro mito diz que Apolo finalmente acasalou com Cassandra e teve um filho, Troilo, por ela.

No continente da Grécia, muitos acreditavam que Apolo era amante da heroína local Fthia. Ele teve três filhos com ela, Doros, Laodontas e Polypoiti, mas Etolos matou todos os três. Em Cólofon, eles acreditavam que Apolo acasalou com Manto, a filha do vidente cego Tirésias e de seu esperma, o grande vidente Nomos (Lei) nasceu. Em Creta, o deus amatório amava Akalli, a filha de Minos. O fruto de seu relacionamento secreto foi Mileto. Logo depois que Akalli deu à luz, ela deixou o recém-nascido na floresta porque estava com medo de seu pai. Apolo cuidou de seu filho para viver, enviando lobos para protegê-lo e um lobo fêmea para amamentá-lo.

Em Atenas, o deus estuprou Creusa, filha do rei Erecteu. Logo depois que ela deu à luz, ela abandonou seu filho no deserto. Apolo fez questão de trazer o bebê para Delfos, onde Pítia cresceu. Este filho de Apolo que tão mal veio à vida foi Ion.

Vários mitos descrevem que Apolo também amava homens jovens. O mais importante é a sua aventura erótica com Jacinto, um jovem tremendamente belo. Um dia que os dois estavam brincando com o disco, o feroz Zéfiro (vento) que invejava o deus, alterou a trajetória do disco que atingiu Jacinto e o matou instantaneamente. Febo (um epíteto dado a Apolo) ficou inconsolável após a morte de seu amigo. A fim de tornar seu nome imortal, ele o transformou na famosa flor homônima.

Alguns mitos gregos falam de como Apolo foi forçado duas vezes a trabalhar como escravo servindo mortais. A primeira vez foi quando, junto com Poseidon, Hera e Atena quiseram tomar o poder de Zeus, tentando amarrá-lo com enormes correntes de ferro e pendurá-lo na cúpula celestial. No entanto, a conspiração falhou e o castigo de Apolo foi proteger os rebanhos do rei Laomedonte de Tróia, nas encostas do Monte Ida. Apolo aceitou sua punição, já que ele não podia nem falar com seu pai, o todo-poderoso Zeus.

No entanto, uma vez que um ano se passou, o rei Laomedonte se recusou a pagar o deus por seu serviço e o demitiu. Quando Apolo reclamou, o rei ameaçou cortar suas orelhas e isso o venderia como escravo. Uma vez que Apollo recuperou seu poder divino, ele enviou uma praga mortal em Tróia que devastou o país por seis meses inteiros. As mulheres começaram a dar à luz crianças mortas. Os rebanhos foram dizimados e as colheitas estavam secando.

Apolo passou o teste de pastor novamente pela segunda vez. Isso aconteceu quando Zeus matou Asclépio com um trovão porque ele havia progredido tanto em medicina, então ele foi capaz de ressuscitar os mortos. Febos gravemente ferido pela morte de seu filho e para vingar, marcado com suas flechas de ouro sobre o Olimpo, os Ciclopes, que haviam construído o trovão. Zeus, indignado com o comportamento de Apolo, não estava brincando. Ele queria aprisionar seu filho no escuro e inóspito Tártaro, nas entranhas da Mãe Gaia. No entanto, Leto pediu-lhe para aliviar sua sentença. Então, apenas Zeus cedeu e ordenou que Apolo ficasse a serviço do rei Admeto.

Quando Apolo chegou à Feras da Tessália e se apresentou a Admeto, o rei, julgando pela doçura de sua forma e sua beleza divina, imaginou que ele era um deus disfarçado de mortal. Ele imediatamente caiu de joelhos e ofereceu-lhe seu trono. Apolo, no entanto, explicou-lhe que era a vontade de Zeus trabalhar em seu serviço.

Animado pelo bom comportamento e respeito de Admeto, o deus trouxe prosperidade ao palácio e em todo o país. Todas as vacas deram à luz dois bezerros de cada vez, os campos davam frutos duas vezes por ano e cada vez mais riqueza estava concentrada nas mãos do nobre Admeto.

Apolo participou da batalha feroz com os gigantes (gigantomaquia) ao lado de seu pai Zeus. Ele também participou da Guerra de Tróia e sempre esteve do lado dos troianos. Ele até contribuiu para a conclusão da campanha do Argonauta ajudando Jasão a chegar à terra mágica de Aiiti.

Apolo teve que usar suas flechas duas vezes para defender sua mãe, Leto. A primeira vez foi quando o gigante Tito quis se acasalar com Leto e tentou estuprá-la. O filho divino agiu rapidamente. Ele imediatamente matou o gigante com suas flechas e salvou sua mãe.

Outra vez, com sua irmã Ártemis, matou os filhos de Niobe, exceto dois, quando ela se gabou de que era mais feliz e mais sortuda do que Leto, que só tinha dois filhos enquanto Niobe tinha catorze. Apolo matou com suas flechas seus filhos e Ártemis suas filhas. Zeus teve pena de Niobe e transformou-a em uma rocha que está sempre chorando pela perda de seus filhos.

Apolo era geralmente o deus da música e da poesia. Portanto, ele presidiu o Monte Hélicon, o concurso das Musas. Além disso, ele era deus da adivinhação.

Eles acreditavam que ele inspirou ambos, videntes e poetas. Ele também era um deus pastor que seus amores com as ninfas e jovens que se transformavam em flores o ligavam à vegetação e à natureza.

Ainda assim, Apolo era um deus guerreiro com arcos e flechas dourados que poderiam enviar sua vingança de longe.

Os animais sagrados dedicados a Apolo eram o lobo e o cervo. Seus pássaros sagrados eram o cisne, o abutre e o corvo. Finalmente, seu animal marinho favorito é o golfinho, cujo nome é reminiscente de Delfos, o principal santuário de Apolo. Louro era eminentemente a planta sagrada do deus.

Apolo foi a personificação da luz e do sol. Ele representou as artes, música e poesia, que foram muito amadas e cultivadas pelos antigos gregos.

Por favor, deixe um comentário se você gostou deste artigo 😉