A mitologia grega começou há milhares de anos. Havia a necessidade de explicar eventos naturais, desastres e eventos na história. Mitos foram criados sobre deuses e deusas que tinham poderes sobrenaturais, sentimentos humanos e pareciam humanos. Essas ideias foram passadas em crenças e histórias.
Mitos e Lendas: Apolo Amava Dafne, Mas ela Não o Amava

Trapaças e Problemas

Em um belo palácio, no alto do Monte Olimpo, vivia Afrodite, a deusa da beleza, e seu pequeno menino, Eros.

Eros, um garotinho brilhante, gostava de fazer trapaças e causar problemas sempre que podia. Sua mãe lhe dera um arco e flechas e Eros se tornara um habilidoso arqueiro. Às vezes, porém, ele atirava suas flechas de maneira tão descuidada que feria as pessoas sem querer fazê-lo. As flechas eram minúsculas, mas as feridas que faziam não se curavam facilmente.

Um dia, Eros sentou-se perto de uma fonte, atirando em flores no lago. De repente, a água começou a brilhar como ouro líquido. Apolo, o deus da luz, apareceu ao lado dele. Quando viu o que Eros estava fazendo, pegou o feixe de flechas, riu e jogou no chão, quebrando várias.

"Por que, Eros", disse Apolo, "você está brincando com essas armas guerreiras?" Ele continuou a provocar Eros. As borboletas e as aranhas devem ter deixado a fonte, disse Apolo, para escapar das flechas e proteger suas vidas.

"Jogue esses brinquedos fora!" Apolo disse. Em breve, acrescentou, "você terá um arco e flechas reais, como o meu, que acabaram de matar o píton".

Cheio de água amarga

Apolo não apenas tinha quebrado as flechas de Eros, mas ele havia ferido o orgulho de Eros, o que era ainda pior. Eros ficou muito zangado. "Bem, Apolo", disse ele, "suas flechas podem atingir tudo, mas você um dia será ferido pela minha".

Apolo riu. Ele não tinha medo de armas tão pequenas, disse ele.

A fonte onde Eros se encontrava estava cheia de água fria e cintilante. Todos os que bebiam da fonte pareciam felizes e calmos. Inimigos se tornavam amigos na fonte e todas as preocupações eram esquecidas. Era a fonte do contentamento.

Havia também uma segunda fonte no jardim de Afrodite. Esta fonte estava cheia de água amarga. Aqueles que bebiam esta água ficavam cheios de sentimentos hostis em relação a todos e tudo. Eles começavam a não gostar de seus melhores amigos e desejavam prejudicá-los. Esta era a fonte do descontentamento.

O irritado Eros queria punir Apolo, então ele mergulhou uma flecha na água doce e outra flecha na água amarga. Depois seguiu Apolo até o belo vale de Tempe, a casa do deus do rio Peneu e sua filha Dafne.

Uma amizade se desvanece

Mitos e Lendas: Apolo Amava Dafne, Mas ela Não o Amava
Dafne era muito bonita, com olhos que brilhavam como estrelas, bochechas rosadas e um rosto cheio de sol. Ela e Apolo eram tão bons amigos e muitas vezes sentavam-se juntos e cantavam à beira do rio. Apolo contava a sua amiga sobre os terríveis monstros que às vezes ele via de sua carruagem de ouro, como o Escorpião com suas garras venenosas e o Touro com seus chifres zangados. Quando os olhos da menina se arregalavam de medo, Apolo contava-lhe sobre a terra e sobre o seu belo palácio. Dafne e Apollo tinham apenas as palavras mais amáveis de um ​​para o outro.

Mas Eros fez uma coisa horrível! Ele atirou a flecha amarga em Dafne. Não doeu muito, mas mudou seus sentimentos de amizade para com Apolo para os de antipatia e desconfiança.

Então Eros atirou a flecha adocicada em Apolo, para que ele quisesse que Dafne estivesse com ele sempre. Apolo pediu a Dafne que a deixasse a sua casa e fosse com ele em sua carruagem.

Dafne ficou muito zangada porque Apolo pedia-lhe que deixasse as coisas bonitas que ela amava: sua casa, os pássaros e seu velho e bondoso pai. Ela se virou e saiu correndo, levantando os braços e gritando: "Oh, me ajude, Peneu, meu pai! Não quero deixar você. Leve-me e mande Apolo embora".

A árvore de louro sagrada de Apolo

Mitos e Lendas: Apolo Amava Dafne, Mas ela Não o Amava
Peneu a ouviu e teve medo de perder sua filha para Apolo. Então ele fez o chão se abrir e os pés de Dafne começaram a afundar na terra macia. Seus braços estendidos se tornaram rígidos e fortes, e sua pele macia e roupas brancas foram transformadas no tronco e galhos de uma árvore. Em vez de cabelos dourados e bochechas rosadas, Apolo viu apenas as folhas verdes e as flores cor-de-rosa do louro, uma planta florida.

Apolo pegou algumas das folhas e envolveu-as em sua harpa. "Ah, Dafne", disse ele tristemente, "se você não for minha amiga, você será minha árvore".

Bóreas, deus do vento norte frio, nunca mudará a cor das suas folhas verdes, disse Apolo a Dafne. E quando grandes façanhas forem feitas, ele continuou, seus ramos de louro irão coroar o vencedor.

Desde então, o louro é sagrado para Apolo. Grandes heróis e grandes poetas são coroados com coroas de louro até hoje.