Ártemis (equivalente romano é Diana) é uma das formas mais antigas, mais complexas e interessantes do panteão grego. A deusa olímpica é a filha de Zeus e Leto, irmã gêmea de Apolo e rainha das montanhas, florestas e caça. Ela também é a protetora de crianças pequenas e animais. O nascimento desta deusa peculiar é na ilha Ortígia.

Leto, estando grávida, depois de terríveis dificuldades e peregrinações fugiu nesta ilha rochosa estéril, a fim de se esconder e proteger-se da perseguição furiosa da legítima esposa de Zeus, Hera. Lá, com a ajuda de todas as divindades femininas (exceto Hera), Ártemis nasceu e pouco depois, seu irmão Apolo.
Ártemis (Diana) - Deusa Grega das Montanhas, Florestas e Caça
Desde as primeiras horas de seu nascimento, Ártemis começou a tomar iniciativas. Embora ela fosse uma criança recém-nascida, ela ajudou sua mãe exausta a dar à luz seu segundo filho e foi identificada dessa maneira com Ilitia, a deusa do parto.

Ártemis era linda e brilhante e desde muito cedo ganhou a apreciação de outros deuses. Desde os três anos de idade, ela tinha requisitos específicos relativos à roupa, equipamento e a sequência de sua atividade favorita, a caça. Ela era uma criança que sabia o que queria e era muito estável e rígida em suas decisões. Zeus a admirava por sua perseverança e por sua versatilidade, nutria grande afeição por ela e satisfazia todos os seus desejos.

Uma das primeiras coisas que Ártemis pediu como presente a seu pai foi a eterna pureza e virgindade.
Sendo fiel e firme naquilo que ela desejava e com quem se comprometera, a deusa nunca maculou sua ética ou seu caráter. Séria e orgulhosa, ela manteve sua pureza, desafiando quaisquer ataques e assaltos eróticos. Dedicada à caça e à natureza, Ártemis não se preocupava com as alegrias do casamento e os prazeres do amor. Com aplicação e rigor, exigiu inocência e virgindade não só dela, mas das ninfas que a rodeavam e também daquelas que a honravam com seus serviços.

Ártemis era uma deusa implacável que quase nunca perdoou alguém. Qualquer impropriedade contra ela ou qualquer desvio de suas crenças e princípios merecia sua punição. Sua fúria implacável estava pronta para entrar em erupção a qualquer momento contra o violador de suas regras rígidas. Suas flechas mortais continuamente apontavam mortais, deuses e heróis que ignoravam sua existência ou negligenciavam seus princípios e adoração.

Uma vez, Acteão, o filho de Autônoe e Aristeu, por acaso viu Ártemis nua, no momento em que ela estava tomando banho. A deusa, temendo que o incidente se espalhasse, transformou-o em um cervo e colocou seus cinquenta cães que o acompanhavam para devorá-lo.

Em outro caso, Calisto, filha de Licaão (e um dos atendentes de Ártemis na caça) quase foi morto pelas flechas da deusa, porque ela foi seduzida por Zeus, perdeu a virgindade e estava grávida. Além disso, Ártemis matou Ariadne, porque segundo uma lenda, ela foi sequestrada e seduzida por Teseu na ilha de Naxos.

Finalmente, Orion, o filho de Poseidon, foi tragicamente morto pelas flechas de Ártemis, porque de acordo com um mito ele tinha acasalado com a deusa da aurora Eos, ou de acordo com outro mito ele se vangloriara de que era melhor que ela no arco e flecha.

Ártemis tinha um fraco por crianças e adolescentes. Homens e mulheres jovens que mantinham sua inocência e que viviam de acordo com seus princípios eram sempre favorecidos e estavam constantemente sob sua proteção.

De fato, Hipólito, que se dedicou a ela e a adorou, é um exemplo vivo dessa tática e fraqueza da deusa.

Hipólito, um habilidoso caçador e domador de cavalos, dedicava sua vida à bela Ártemis e aos ideais que ela professava. Nenhum desafio, nenhuma mulher foi capaz de atraí-lo. Nem mesmo Phaedra ou Fedra, esposa de Teseu, conseguiu encantá-lo e seduzi-lo. Seu comportamento exemplar tocou a deusa que lhe deu prêmios, glória e memória eterna ao seu nome depois de sua morte. Ártemis era uma das mais belas e elegantes deusas do Olimpo. Os antigos gregos realmente a admiravam. Eles a imaginavam alta, com beleza graciosa, postura imperiosa e andar orgulhoso.

No geral, Ártemis era a deusa enérgica, dura e inquieta. Na maior parte de suas aparições ela é consciente, madura e decidida, enquanto poucos são os eventos que mostram um quadro completamente diferente. De acordo com Theomachia (Guerra dos Deuses), a filha orgulhosa e exigente de Zeus aparece como uma pequena menina imatura que tem que obedecer, respeitar e cumprir as exigências da esposa de seu pai e seu irmão.

Diante da relutância de Apolo em duelar com Poseidon, Ártemis mantém uma atitude negativa e enfrenta o irmão gêmeo com palavras irônicas, insolentes e desdenhosas. Hera, que estava presente neste incidente, ficou furiosa com o comportamento dela e furiosamente começou a espancá-la com suas próprias flechas.

Uma das atividades mais favoritas de Ártemis era caçar. Uma mulher ativa, impetuosa e ágil, a deusa livre e inquieta canalizou a maior parte de seu vigor na busca e rastreamento de jogos nas montanhas. Acompanhada por belas ninfas e cercada por cães selvagens, ela corria por lagos, rios, prados e montanhas para encontrar, principalmente, animais selvagens. Vestida com roupas leves e equipada com o equipamento apropriado para a ocasião, ela se atirava de excitação e fúria naquilo que mais lhe interessava. Intrépida, brutal e imperiosa, mestre na arte do tiro com arco e uma corredora e caçadora muito capaz, ela estava colocando sua paixão para caçar.
Ártemis (Diana) - Deusa Grega das Montanhas, Florestas e Caça
Uma das principais características de Ártemis era a soberania universal da natureza. Animais domésticos e selvagens, peixes na água e pássaros no ar estavam todos sob sua proteção. Como deusa e protetora da natureza, Ártemis era considerada responsável pela agricultura e pelo gado. Áreas que a adoravam e infalivelmente a veneravam sempre tinham terras férteis, campos pontilhados, colheita abundante e animais saudáveis ​​e férteis. Em contraste, muitas das áreas que não cumpriam adequadamente com suas obrigações para com ela e, além disso, desconsideravam sua existência, tiveram que enfrentar a ira e a fúria vingativas, o que significava a destruição das colheitas e os rebanhos dizimados.

Admeto e Eneu enfrentaram a ira da deusa, por causa da negligência e da indiferença que a mostravam em relação a ela. Admeto, em sua festa de casamento, havia se esquecido de sacrificar, como era requerido, a Ártemis. Ártemis, muito zangada por essa irregularidade, mandou para sua cama nupcial uma manada de cobras, enquanto se preparava para tirar sua vida. Apolo tentou em vão acalmá-la. Por fim, Admeto persuadiu o destino a poupar sua vida e, em troca, a conseguir a vida de outra pessoa, próxima a ele. Só sua esposa Alceste ofereceu de bom grado a esta exigência dos destinos. No entanto, no último momento, a intervenção de Hércules salvou Alceste antes que sua alma descesse ao Hades.

Eneu, uma vez, havia se esquecido de sacrificar ao patrono da cidade de Calidão, ou seja, Ártemis. Seu erro foi muito caro para a cidade e seu povo. Um enorme javali enviado pela deusa causou grandes danos à terra, aos animais e às pessoas. Ninguém se atreveu a matá-lo. Meleagro, o filho de Enéas, finalmente conseguiu matá-lo, mas depois ele foi morto em uma briga envolvendo o compartilhamento do javali.

A mulher e a mãe de Meleagro não conseguiram lidar com a dor de sua morte e se suicidaram. Finalmente, suas irmãs que choravam incessantemente por ele foram transformadas por Ártemis em aves.

Além de sua participação em todos os eventos acima, a deusa da caçada participa ativamente de um dos doze trabalhos de Héracles. Héracles estava caçando, por muito tempo, uma linda corça com chifres dourados e pernas de bronze, propriedade da deusa Ártemis. Ártemis, com a ajuda de seu irmão, Apolo, impediu-o de matar o animal selvagem e pediu-lhe para entregá-lo ao rei Euristeu em Tirinto. Ao receber o animal Euristeu empreende a tarefa de devotar novamente o animal a ela. Assim como no mito de Héracles e tantos outros incidentes, Ártemis se junta a seu irmão Apolo para alcançar um objetivo. No caso de Niobe, que se gabou (comparando com Leto) para seus muitos e lindos filhos, temos a cooperação dos dois gêmeos em sua punição. Sete flechas de Ártemis e sete de Apolo foram enviadas para seus catorze filhos e os mataram.

Exatamente da mesma maneira e pela mesma razão, Ártemis matou uma vez os Quione (Neve, filha de Dedalion e amante de Apolo), porque ela se gabara de que sua beleza era tal que superava até a da bela deusa.

A guerra entre gregos e troianos não achou Ártemis indiferente. Junto com seu irmão Apolo, Ares, Afrodite e Leto, ela estava ativamente envolvida em tomar parte dos Troianos.

Um dos primeiros eventos que ocorreram antes mesmo do início da guerra foi devido à raiva e a ira de Ártemis. A frota grega não poderia sequer começar devido à ausência de ventos fortes que a deusa havia criado. Um incidente aleatório relativo ao líder do Aqueus, Agamenon, causou esta situação. Certa vez, sem perceber, ele invadira um bosque dedicado a Ártemis e matara um cervo sagrado. A deusa ficou tão irada que exigiu o sacrifício de sua filha Ifigênia para enviar ventos favoráveis ​​para ajudar os navios gregos a navegar.

Finalmente, os feridos por Diomedes durante a guerra, Eneias, receberam a ajuda de Ártemis e Leto e tiveram sucesso graças a eles para recuperar suas forças e voltar para a batalha.

Os símbolos de Ártemis eram muitos e variados. Eles variavam de animais e plantas e resultaram em armas, cabra, veado, urso, cachorro, cobra, louro, palma, cipreste, espada, aljava, dardo e muito mais.

Por favor, deixe um comentário se você gostou deste artigo 😃