Dragões Marinhos Míticos de Todo o Mundo

Os dragões são alguns dos monstros mais icônicos da fantasia moderna, mas suas origens são antigas. Continue lendo para aprender sobre quantas culturas viram os dragões que viviam no mar.

A fantasia moderna deu a muitas pessoas uma ideia bem definida de como é um dragão. Eles são amplamente descritos como grandes répteis alados, inteligentes, com temperamento furioso e um amor pelo ouro.

Essa ideia do dragão é apenas uma das muitas que existiram ao longo da história, no entanto. Quase todas as culturas do mundo tiveram suas próprias ideias sobre essas bestas serpentinas.

Enquanto a maioria das representações modernas mostram dragões vivendo em cavernas e voando pelo ar, em muitas culturas antigas eles eram criaturas do mar. Embora o exemplo mais conhecido desse tipo sejam os dragões do folclore chinês, muitas culturas tinham seus próprios dragões marinhos míticos.

Todos os míticos dragões marinhos do mundo tinham seus próprios significados e imagens, mas também tinham muito em comum!

Dragões Marinhos Míticos de Todo o Mundo

Os Dragões da Mitologia Chinesa

Os dragões estão entre as criaturas mais icônicas da cultura chinesa. Na arte, nos festivais e até no zodíaco, o dragão ainda se destaca.

Os dragões chineses ocasionalmente tinham características de tartarugas ou peixes, mas a maioria era serpentina. Eles têm corpos longos, quatro patas, rostos assustadores e, muitas vezes, chifres grandes.

A arqueologia mostra que criaturas semelhantes foram retratadas na arte já no 5º milênio aC. Na época dos imperadores, os dragões eram considerados os animais de maior classificação na criação.

Os dragões eram considerados criaturas sábias, fisicamente fortes e nobres. Pessoas que foram consideradas como tendo essas características foram comparadas a dragões, enquanto os fracos e imorais foram comparados a animais inferiores como vermes e insetos.

A associação com dragões e grandeza os levou a serem adotados como um símbolo de autoridade imperial. Muitos imperadores apresentaram dragões em suas imagens oficiais, incluindo arquitetura.

Alguns dos mitos sobre os dragões reforçam a ligação entre eles e a classe dominante.

Dezenas, senão centenas, de mitos de diferentes partes da China exibiam dragões. Alguns deles desempenharam papéis louváveis, enquanto outros eram vilões.

Uma lenda bem conhecida conectou os dragões diretamente ao poder imperial e à cultura chinesa.

Acredita-se que o Imperador Amarelo (Huang Di ou Huang-Ti) foi o primeiro governante da China. Ele foi o primeiro a espalhar a domesticação animal, construção, agricultura e outros fundamentos da cultura.

O Imperador Amarelo governou por cem anos antes de morrer e passar seu trono para seu filho. Depois de sua vida, ele foi imortalizado como um dragão que lembrava seu emblema imperial.

Como o Dragão Amarelo, ele estava no centro da criação. Ele também foi o ancestral dos chineses Han e de sua cultura, levando muitos a se autodenominarem "Filhos do Dragão".

Os dragões na mitologia chinesa eram figuras semelhantes a deuses. Como divindades, eles estavam intimamente ligados à água.

Enquanto outras culturas tinham deuses ou ninfas associados a corpos d'água, os chineses acreditavam que a água era governada pelos Reis Dragões.

Rios e cachoeiras locais, cada um tinha seu próprio rei dragão. As pessoas próximas ofereceriam orações e sacrifícios a esses dragões para garantir seu favor e evitar enchentes e secas.

No folclore, matar dragões problemáticos era frequentemente usado como uma metáfora para controlar os cursos d'água. Represas, redes de irrigação e sistemas de drenagem eram vistos como formas de destruir ou domar um dragão que já causou enchentes e adversidades.

Os dragões mais proeminentes, no entanto, foram os quatro reis dragão que governaram os mares. Correspondendo às quatro direções cardeais e quatro cores, eles estavam entre as divindades mais poderosas da mitologia chinesa.

Esses dragões marinhos míticos eram deuses de seus reinos. Cada um deles apareceu em muitas obras da literatura, onde eram divindades poderosas e antagonistas.

Os reis dragão, muitas vezes combinados sob o nome singular de Rei Dragão, eram deuses do clima. Eles trouxeram chuva, enchentes e seca quando estavam irritados, mas também podiam ser úteis quando apelados.

Os reis dragões às vezes eram mostrados em forma humana, mas frequentemente eram dragões serpentinos. Eles incorporavam masculinidade e energia qi.

Esses dragões marinhos continuam a ser importantes na cultura chinesa. As corridas de barcos-dragão acontecem durante alguns festivais, enquanto as celebrações como o Ano Novo Lunar são marcadas com danças de dragão nas quais as pessoas desfilam com figuras de dragão elaborada mente construídas.

Os dragões de estilo chinês também se espalharam por outras partes da Ásia. A influência cultural da China ao longo de milhares de anos fez com que os míticos dragões marinhos fossem importantes nas culturas da Coréia, Japão, Vietnã e outros países do Leste Asiático.

Egito e Oriente Próximo

Fora da China, os dragões marinhos míticos eram mais frequentemente vistos como inimigos do deus do que como os próprios deuses.

Um dos primeiros exemplos de um possível dragão marinho no Ocidente está na mitologia egípcia. Lá, o dragão está diretamente ligado ao Submundo.

De acordo com os mitos egípcios, o deus do sol Rá viajava de barco pelo céu. A cada noite, ele passava pela borda oeste do mundo e descia para Duat, o Submundo.

Enquanto ele navegava pelo Submundo, Rá foi confrontado por muitos demônios e monstros. O mais poderoso deles era Apep (ou Apophis, em grego. Também conhecida como Apófis).

Descrito por uma das fontes mais conservadoras como 16 metros de comprimento, Apep era uma enorme serpente. Representando as forças do caos e das trevas, todas as noites ele tentava matar Rá para que o sol nunca mais nascesse.

Apep era geralmente descrito na arte como uma enorme serpente se contorcendo sob o barco de Rá. Ele às vezes era chamado de Serpente do Nilo ou Dragão do Mal.

As batalhas entre os deuses que ajudaram Rá em sua jornada e Apep eram frequentemente usadas para explicar fenômenos naturais. Tempestades e terremotos, ambos ligados a criaturas marinhas em outros lugares, foram atribuídos à serpente do submundo.

O tamanho de Apep e o escopo de seu poder o levaram às vezes a ser descrito como "envolvente ao mundo". Ele provavelmente estava ligado a outra imagem que se originou no antigo Egito.

O ouroboros era um símbolo que veio do Egito e mais tarde foi adotado por muitas outras culturas. É de uma grande serpente que morde sua própria história, formando um círculo completo.

Embora o ouroboros em si não fosse um dragão marinho, sua forma se tornou uma forma comum de representar essas feras em culturas posteriores.

No Oriente Próximo, havia muitas criaturas na mitologia que se assemelhavam ao que as culturas posteriores chamariam de dragões. Embora alguns estivessem associados a tempestades, a maioria eram animais terrestres.

Os cananeus, no entanto, acreditavam que uma grande serpente chamada Lotan havia sido derrotada na pré-história pelo deus da tempestade Baal. Lotan era um servo do deus do mar Yam, o adversário de Baal.

Embora Lotan não seja familiar para muitos públicos modernos, mais pessoas ouviram falar do monstro bíblico que a história inspirou.

Influenciados pela tradição Cananéia, os israelitas criaram o Leviatã. No livro dos Salmos, esta grande serpente é derrotada por Yahweh.

Enquanto alguns livros da Bíblia sugerem que o Leviatã, como Lotan, foi derrotado no início dos tempos, outros sugerem que o monstro foi apenas subjugado. Ele só seria verdadeiramente derrotado no final da era atual.

O dragão marinho da Bíblia será destruído para sempre, de acordo com o livro de Isaías, quando os inimigos de Israel forem derrotados pelo Messias.

Drakaina e Monstros Marinhos Gregos

A mitologia grega e romana, provavelmente influenciada pelas culturas do Oriente Próximo, também apresentava muitos dragões marinhos.

Muitos monstros na mitologia grega tinham atributos de serpentes e, como uma cultura marítima, a maioria desses monstros estava conectada de alguma forma à água. Isso tornou a existência de criaturas semelhantes a dragões um tema recorrente na tradição grega.

Na verdade, a palavra inglesa “dragão” pode ser atribuída a esses mitos. Essas serpentes eram chamadas de Drakaina na língua grega.

Muitos desses Drakainas eram monstros femininos. Eles não apenas ameaçavam os deuses e homens, mas também eram mães de outros tipos de monstros e bestas.

Enquanto muitos desses Drakainas tinham apenas algumas características serpentinas, a maioria era vista como monstros marinhos. Criaturas como Equidna, Lâmia e Cila estavam todas conectadas aos poderes do mar.

Mais parecidos com a ideia moderna de um dragão marinho, entretanto, eram os Cetus.

Os Cetus eram monstros marinhos que estavam, na maioria das vezes, a serviço de Poseidon. Ele os usou em várias histórias para punir cidades litorâneas que haviam incorrido em sua ira.

O Cetus mais famoso, por exemplo, foi morto por Perseu quando ele voltou da matança de outro monstro com características de cobra, a Górgona Medusa.

O Cetus que atacou a Etiópia neste caso foi enviado por Poseidon em nome das ninfas que viviam no mar. Quando a rainha etíope se gabou de que sua filha, Andrômeda, era mais bonita do que as ninfas, Poseidon puniu o reino por sua arrogância.

Outro famoso Cetus foi enviado contra a cidade de Tróia. Neste caso, Poseidon estava punindo as pessoas de lá pela recusa de seu rei em pagar uma dívida para com o deus.

As histórias do Cetus geralmente seguiam uma fórmula familiar. Poseidon enviava o monstro e uma grande inundação para uma cidade com um governante arrogante ou ímpio.

As enchentes criaram sua própria destruição, mas também deram ao monstro marinho acesso à cidade e ao campo ao redor. Os Cetus caçavam as pessoas da cidade e usaram seu grande tamanho para destruir prédios e fazendas.

Em ambas as histórias, os oráculos diziam que a única maneira de parar a fúria do monstro era sacrificar uma donzela, a filha do rei na Etiópia e em Tróia. Ela foi amarrada às rochas à beira-mar, mas foi resgatada por um herói que matou o Cetus e salvou a cidade de sua maldição.

Os marinheiros às vezes afirmavam ver o Cetus nas profundezas da água. Embora raramente os olhassem de perto, às vezes descreviam grandes formas sob as ondas ou a visão das costas de uma criatura enorme emergindo da superfície da água.

Os Cetus às vezes eram mostrados na arte como peixes enormes, mas em outros casos pareciam mais com verdadeiros dragões marinhos. Eles tinham longos corpos serpentinos, cabeças de cachorro e orelhas pontudas ou chifres. Enquanto os dragões chineses tinham pernas, o Cetus grego tinha membros semelhantes a barbatanas.

Os Cetus eram destrutivos e aterrorizantes, mas também eram mostrados como animais mais mundanos do mundo que se imaginava existir no mar. As ninfas do mar Nereidas às vezes os montavam como cavalos e um escritor disse que eles não eram intrinsecamente maus, mas seu tamanho e força os tornavam destrutivos.

Jörmungandr, Jörmundgander ou Jormungand

Um dos dragões marinhos míticos mais icônicos da tradição europeia foi Jormungand. A grande serpente da mitologia nórdica combinou os elementos mais perigosos dos dragões marinhos de todo o mundo.

Jormungand era um dos descendentes monstruosos de Loki, o deus nórdico trapaceiro. Desde o início, ele e seus irmãos estavam destinados a ser inimigos dos deuses.

Quando os filhos de Loki foram descobertos pelos deuses, cada um foi banido para um lugar onde se esperava que não fossem mais uma ameaça. O lobo Fenrir foi acorrentado, Hel se tornou a rainha do Mundo Inferior e Jörmungandr foi jogado nas profundezas do mar.

Jörmungandr também era conhecido como Serpente do Mundo. Dizem que ele é tão grande que enche o mar inteiro e circunda Midgard, o mundo dos homens.

As imagens de Jörmungandr provavelmente foram inspiradas nos ouroboros, que foram trazidos para a Europa por meio do contato grego e romano com o Egito. Muitas vezes ele era mostrado como sendo tão grande que a única maneira de se encaixar no mar era mordendo o próprio rabo.

Como os monstros do Oriente Próximo, o dragão marinho germânico também era inimigo do deus da tempestade, Thor. Ele teve dois encontros com Thor ao longo da vida do deus da tempestade.

Em uma história, Thor e um gigante foram pescar. Apesar de estar em um pequeno barco, Thor insistiu em remar longe no mar.

Seu companheiro, Hymir, ficou surpreso quando o deus do trovão usou a cabeça de seu maior boi como isca. Mesmo depois de pegar duas baleias, Thor insistiu em ir mais longe.

Finalmente, Thor sentiu uma mordida. Ele usou toda a sua força para puxar sua linha e conseguiu puxar apenas a enorme cabeça de Jörmungandr para fora da água.

Thor estendeu a mão para Mjolnir, seu grande martelo, para matar o dragão do mar. Antes que pudesse desferir um golpe, no entanto, o aterrorizado Hymir cortou a linha e Jörmungandr desapareceu sob as ondas.

Em outra história, o gigante Utgard-Loki desafiou Thor para um teste de força. Ele atribuiu ao deus a tarefa aparentemente simples de pegar seu gato de estimação.

Quando o famoso deus forte estendeu a mão para o gato, no entanto, ele mal conseguiu movê-lo. Usando todo o seu poder, ele só conseguiu levantar uma de suas patas do chão.

Ainda assim, Utgard-Loki aplaudiu o esforço de Thor. O gato era na verdade Jörmungandr, disfarçado magicamente. Levantar uma fração de seu enorme peso foi uma façanha impressionante.

Claro, o maior conflito entre Thor e a Serpente do Mundo ainda estava por vir, de acordo com a mitologia nórdica. Os dois se enfrentariam em Ragnarok, a última batalha dos deuses.

Antes da batalha, Jörmungandr se arrastaria para terra firme. Já devastado por anos de inverno e guerras, muitos lugares seriam esmagados sob seu peso ou destruídos pelas ondas que causou.

Quando os deuses fossem para a batalha, Thor e o dragão do mar lutariam entre si. O duelo seria tão difícil que Thor seria incapaz de ajudar qualquer um dos outros deuses enquanto eles lutavam contra seus próprios oponentes.

Thor finalmente teria sucesso em matar a grande serpente e voltaria sua atenção para a luta entre seu pai, Odin, e Fenrir. Ele só seria capaz de dar alguns passos, no entanto, antes de cair morto devido ao veneno do dragão.

Minha Interpretação Moderna

Em todo o mundo, as serpentes foram conectadas à água e à chuva. Então, por que tantas culturas desenvolveram essas ideias?

Os historiadores oferecem muitas explicações práticas para a criação de serpentes marinhas em tantas culturas diferentes.

Uma das ideias mais comuns é que esses monstros foram baseados, em parte, em animais reais.

Na Grécia, por exemplo, a palavra Cetus não se aplica apenas a uma criatura semelhante a um dragão. Pode ser usado para significar qualquer grande animal que foi avistado no mar.

Por causa disso, as baleias e os tubarões também foram chamados de Cetus. Isso explica por que essas criaturas às vezes eram mostradas como peixes enormes na arte.

Muitos supostos avistamentos de monstros marinhos podem ser atribuídos aos breves vislumbres que os marinheiros ocasionalmente obtinham de vida marinha desconhecida. Além das baleias, alguns acreditam que animais como a lula inspiraram algumas histórias de monstros marinhos.

Outra teoria é apoiada por alguns documentos antigos.

Em 300 aC, um escritor chinês documentou a descoberta de “ossos de dragão” na província de Sichuan. A maioria dos historiadores modernos acredita que estes eram na verdade ossos de dinossauros.

Restos de dinossauros bem preservados teriam mostrado características de espécies familiares de répteis, mas em uma escala muito maior. Isso poderia facilmente ter inspirado as imagens de animais enormes que se assemelhavam a cobras ou lagartos.

A conexão entre dragões e dinossauros ainda é vista na China hoje. Em algumas áreas rurais, os fósseis ainda são usados ​​na medicina tradicional sob o nome de "ossos de dragão".

Linguisticamente, a palavra chinesa para dinossauro é escrita com os caracteres "dragão do terror". Muitas espécies extintas descobertas na Ásia receberam o nome binomial de mei long, ou "dragão adormecido".

Ambas as teorias provavelmente forneceram alguma base para a ideia de uma enorme serpente ou lagarto. Restos fósseis podem ter inspirado a forma, enquanto avistamentos de animais reais levaram à crença de que enormes monstros viviam na água.

As semelhanças entre os dragões marinhos míticos do mundo são provavelmente em parte devido à maneira como eles se desenvolveram. O intercâmbio cultural também incentivou a difusão da forma.

O Leviatã, por exemplo, foi inspirado diretamente pelo cananeu Lotan. Por sua vez, foi comparado a Jörmungandr quando o Cristianismo se espalhou para o norte da Europa.

Embora os dragões marinhos não sejam mais a forma mais popular da besta mítica, os antigos mitos das serpentes aquáticas continuam a inspirar ideias modernas. A lenda de São Jorge se originou com Perseu matando o Cetus da Etiópia, monstros de fantasia têm a forma de Drakainas e a imagem do dragão é sinônimo da cultura do Leste Asiático.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem