Quem Era Nomia na Mitologia Grega?

Algumas ninfas da mitologia grega eram famosas, mas outras só eram conhecidas em uma determinada época ou lugar. Uma delas era Nomia, uma ninfa da lenda Arcadiana.

Enquanto a mitologia apresenta muitas ninfas cujas histórias eram bem conhecidas em todo o mundo antigo, outras não eram tão famosas. Eram lendas locais que nunca se espalharam muito além de seus lugares de origem.

Frequentemente, essas deusas são atestadas apenas por uma única fonte. Às vezes, suas histórias sobrevivem, mas em outros casos tudo o que temos é seu nome.

Uma ninfa sobre a qual temos relativamente poucas informações é Nomia. Sua lenda foi baseada em Arcádia, uma das regiões mais isoladas do mundo grego.

Embora pouco se saiba sobre a própria Nomia, a descrição de uma obra de arte pode lançar luz sobre seu papel na mitologia e na história da Arcádia. A ninfa pouco conhecida pode ter realmente desempenhado um papel em uma das histórias mais famosas da região.

Quem Era Nomia na Mitologia Grega?

Nomia, a Ninfa da Montanha

Enquanto as histórias de algumas ninfas e divindades menores eram conhecidas em toda a Grécia, outras eram lendas locais. Uma delas foi a história de Nomia.

O nome de Nomia é conhecido principalmente devido a Pausânias, o escritor de viagens grego do século 2 DC. Em sua Descrição da Grécia, ele detalhou muitas das crenças locais do mundo grego, bem como os pontos turísticos que viu.

Pausânias afirmou que a história de Nomia era um mito da Arcádia, a região montanhosa no centro da Península do Peloponeso.

O povo de Arcádia acreditava que o Monte Nomia, no sudoeste de sua região, recebeu o nome de uma ninfa que vivia lá. Às vezes, eles davam esse nome a toda uma cadeia de montanhas ao longo de sua fronteira.

Pausânias não deu nenhuma versão clara da história de Nomia. É possível que ele tenha ouvido o nome da ninfa, mas nunca soube de um mito específico associado a ela.

Ele, no entanto, descreveu uma obra de arte que lhe disseram que representava Nomia.

Ele afirmou que a pintura era obra de Polignoto, um artista do século 5 aC. Ele não viu essa pintura em Arcádia, no entanto, mas mais tarde em sua viagem, quando viajou para Delfos.

Familiarizado com o personagem Arcadiano, Pausânias reconheceu seu nome. Ele disse que a pintura mostrava a ninfa no submundo.

Lá, ela foi acompanhada por Calisto, que se sentou em uma pele de urso. Seus pés estavam no colo de Nomia.

Na mitologia grega, Calisto era uma princesa da Arcádia. Seu pai era o rei Licaão, que deu nome à cidade mais antiga da região.

Calisto era uma companheira de caça de Ártemis até ser seduzida por Zeus. Quando a deusa virginal soube que a princesa havia quebrado seu voto de virgindade e estava grávida do filho de Zeus, ela voltou sua fúria contra Calisto.

Ártemis transformou a garota em um urso. Seu filho Arcas, que deu seu nome a toda a região, foi criado por seu avô.

Já adulto, Arcas estava caçando quando encontrou uma enorme ursa. Ele quase matou o animal, sem saber que era sua mãe, mas os deuses intercederam.

Calisto e Arcas foram colocadas nas estrelas como Ursa Maior e Ursa Menor, as duas constelações de ursas. A história delas se tornou uma das lendas Arcadiana mais conhecidas.

Interpretação Moderna

Alguns historiadores sugeriram que a pintura descrita por Pausânias pode preencher uma peça que faltava na lenda de Calisto. A maioria das fontes não fornece um nome para sua mãe, mas a estreita associação entre Nomia e a princesa na pintura pode significar que a artista estava mostrando Nomia como a mãe de Calisto.

Isso faria Nomia se encaixar em um padrão bem estabelecido na mitologia grega.

Muitas das ninfas nomeadas nas lendas gregas casaram-se com reis humanos em vez de deuses. Nefele casou-se com Atamante da Beócia, Tétis era esposa de Peleu e Clio se casou com um rei de Esparta.

Nessas histórias, os filhos de ninfas e reis nasceram mortais. Como outros semideuses, no entanto, eles tinham algumas características que vinham de sua linhagem divina.

Isso significava que os filhos das ninfas eram grandes heróis ou reis. Suas filhas eram frequentemente mulheres de excepcional beleza e graça.

Isso se encaixaria no personagem de Calisto na lenda. Ela era uma seguidora devotada de Ártemis, mas sua beleza era grande o suficiente para atrair a atenção de Zeus.

A pose em que Pausânias descreveu os dois na pintura costumava ser usada para mostrar uma relação familiar íntima. Pode ser que o artista estivesse mostrando Nomia confortando a filha após a morte.

Pausânias também apontou ao descrever a pintura que as ninfas tinham vidas incrivelmente longas, mas não eram necessariamente imortais. O artista pode ter imaginado uma cena em que Nomia e sua filha se reencontraram após a morte da ninfa.

O povo de Arcádia pode ter acreditado que Nomia, a ninfa de uma montanha em sua região, havia se casado com seu lendário rei fundador. Sua filha Calisto era uma figura trágica cujo próprio filho semidivino foi um grande herói da região.

Pausânias, no entanto, também lançou dúvidas sobre como partes dessa história podem ter se desenvolvido.

Enquanto os Arcadianos disseram que a montanha foi nomeada em homenagem a uma ninfa local, o escritor de viagens tinha uma explicação muito mais simples. Nomia pode ter sido o nome de uma ninfa, mas também era a palavra grega para "pasto".

Pausânias apontou que o Monte Nomia era o lar de um santuário para Pã Nomios, "Pã das Pastagens". O deus rústico Pã costumava ser ligado a pastores e prados.

Pausânias acreditava que o nome da montanha era devido às pastagens existentes e em torno dela, não uma ninfa.

Ambos poderiam ser verdade. As ninfas na cultura grega eram frequentemente nomeadas por características da paisagem e lugares próximos, então Nomia poderia ter sido uma ninfa de pastagem da área.

Pausânias também observou que Lycosura, batizada em homenagem ao pai de Calisto, era considerada a cidade mais antiga da Grécia. Devido ao seu relativo isolamento, por ser montanhosa e afastada da costa, os historiadores acreditam que muitos dos mitos da Arcádia também podem ter estado entre os mais antigos da região.

Nomia pode ter sido o nome de uma deusa da natureza que era adorada em Arcádia desde os primeiros tempos. A natureza rústica das ninfas, sua conexão com Pã e sua possível ligação com os mitos fundadores da região indicam que ela já foi uma importante deusa da natureza na região.

A história de Nomia, então, pode ser muito antiga. Sua conexão com as pastagens de Arcádia e suas lendas de fundação podem não ter se espalhado para além de Arcádia, mas na região elas podem ter sido fundamentais para a história mítica da região.

Resumindo

Nomia era uma ninfa da mitologia grega. Sua história parece ter se limitado à região de Arcádia e, em grande parte, desconhecida no resto da Grécia.

O escritor de viagens Pausânias mencionou Nomia duas vezes em sua Descrição da Grécia. Quando ele visitou Arcádia, ele disse que o local acreditava que o vizinho Monte Nomia foi batizado em homenagem à ninfa.

Em outro lugar, ele descreveu uma pintura do século 5 aC que retratava Nomia. Ela era mostrada com Calisto, a lendária princesa Arcadiana, no Submundo.

Alguns sugeriram com base nisso que Nomia pode ter sido a mãe de Calisto, que não tem nome na maioria das versões de sua história. Neste caso, ela teria sido a esposa de um dos primeiros reis da região e a avó de Arcas, o herói que deu o nome.

O próprio Pausânias duvidou da existência da ninfa, entretanto. Embora ele reconhecesse que Arcádia e seus mitos eram antigos, ele acreditava que a explicação mais simples para o nome do Monte Nomia era que foi tirado da palavra "pasto".

Como outras ninfas, Nomia pode ter sido uma deusa da natureza associada à montanha ou aos pastos próximos a ela. Embora sua história não tenha sobrevivido, sua ligação com Calisto pode ter significado que ela era uma figura importante nas crenças nativas da região mais isolada da Grécia.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem