Zeus Deus Grego do Trovão e Rei Dos Deuses

Desde como ele ganhou seu trono até seus muitos filhos, aqui está tudo o que você precisa saber sobre Zeus, o verdadeiro Rei dos Deuses Gregos.

Se você leu mitos gregos, já ouviu falar de Zeus. O rei dos deuses, ele governava de seu trono no Monte Olimpo.

Quer você o conheça como o Zeus grego ou como Júpiter romano, a imagem de um deus de barba branca lançando seu raio é familiar.

Mas Zeus nem sempre foi um grande e glorioso rei. Ele era tão famoso por seus muitos casos e temperamento horrível quanto por sua sabedoria e justiça.

Os gregos viam seus deuses como tendo traços humanos, e essas histórias mostram que até mesmo o rei de seus deuses tinha algumas falhas muito humanas!

Zeus Deus Grego do Trovão e Rei Dos Deuses

Como Zeus Ganhou Seu Trono

Apesar de ser o governante dos deuses, Zeus não era o mais velho entre eles. Ele nem era da primeira geração.

Antes de Zeus e os Olimpianos assumirem o poder, o universo era governado pelos Titãs. Urano, os céus, e Gaia, a terra, deram à luz essa geração mais velha de deuses antes que qualquer outra coisa existisse.

Cronos, um dos titãs, acabou se rebelando contra Urano por insistência de sua mãe. Gaia deu a Cronos uma foice de adamantina e ele atacou seu pai.

Cronos se tornou o novo rei dos Titãs depois de derrotar seu pai. Ele logo se tornou um tirano obcecado em manter o poder.

Cronos acreditava que um de seus filhos um dia se tornaria poderoso o suficiente para derrubá-lo. Para evitar isso, ele engoliu cada um dos bebês de sua esposa Reia assim que nasceram.

Com sua sexta gravidez, Reia fugiu para a ilha de Creta em segredo. Lá ela deu à luz um filho, Zeus.

Zeus foi escondido lá e cuidado por uma grande cabra, Amalteia. A constelação de Capricórnio foi criada para homenageá-la.

Dois grandes guerreiros, os Curetes, guardaram a criança e ensinaram-na a lutar à medida que crescia. Quando Zeus chorava como um bebê, eles batiam seus escudos para abafar o barulho.

A titã enganou seu marido para engolir uma pedra, em vez disso, enrolando-a em cobertores. Cronos acreditava que era seu novo bebê.

Zeus cresceu até a idade adulta e voltou a desafiar seu pai.

Zeus se disfarçou de copeiro. Metis, uma das filhas de Oceano, ofereceu-se para ajudá-lo.

Os dois enganaram Cronos para engolir uma bebida mágica que o forçaria a vomitar. Quando ele vomitou as crianças que havia engolido, elas se juntaram ao irmão para lutar contra ele.

Zeus também libertou os Hecatônquiros e os Ciclopes, filhos monstruosos de Gaia que haviam sido trancados durante a era dos Titãs. Eles lutaram por Zeus e, como agradecimento por sua liberdade, deram-lhe poderosos raios para usar como arma.

Os raios seriam para sempre um dos maiores atributos de Zeus. Seus irmãos também receberam presentes - um capacete para Plutão e um tridente para Poseidon.

Quando a guerra começou, Zeus viu uma águia voar acima. Ele interpretou isso como um presságio favorável e adotou a águia como seu símbolo e emblema da vitória.

Segundo alguns relatos, a Titanomaquia, a grande guerra entre os deuses, durou dez anos. No final, Zeus e seus aliados venceram.

Os Titãs, exceto os poucos que ficaram do lado de Zeus, foram banidos para a região mais profunda do submundo. Os Hecatônquiros foram designados para protegê-los.

Os antigos deuses foram oficialmente derrotados e os novos deuses de Zeus chegaram ao poder. Eles estabeleceram sua casa no Monte Olimpo e começaram a tarefa de governar o universo.

Os Deuses Lutaram Para Permanecer No Poder

Os olímpicos não pararam de lutar por seu trono.

Embora Gaia os tivesse aconselhado sobre como derrotar os Titãs, ela estava com raiva porque seus filhos foram presos. Ela criou os Gigantes para desafiar os novos deuses.

Quem ou o quê foram os Gigantes está aberto ao debate. Algumas histórias os mostram como uma raça selvagem muito parecida com os humanos. Outros os retratam como verdadeiros gigantes, geralmente com cauda de serpente no lugar de pernas.

A guerra resultante ficou conhecida como Gigantomaquia. Foi travado nas planícies de Phlegra, embora ninguém pudesse concordar onde as planícies estavam localizadas.

A força dos deuses contra seus oponentes foi detalhada por escritores e artistas gregos, com cada deus enfrentando e derrotando um inimigo específico.

Um dos primeiros gigantes a cair foi Porfírio. Vendo o gigante atacando Hera e arrancando suas roupas, Zeus o atingiu com um raio de trovão ao mesmo tempo em que Hércules disparou uma flecha.

Entre os últimos gigantes que restaram estava seu líder, Olimpos. Ele foi abatido por Zeus.

Os poucos gigantes restantes fugiram. Aqueles que caíram foram enterrados pelos deuses.

Foi dito que suas tentativas de se contorcer para se libertar foram a causa de erupções vulcânicas em locais como o Monte Vesúvio.

Uma das muitas lendas da criação dos humanos era que os primeiros homens nasceram das gotas de sangue gigante que encharcaram a terra após o conflito.

Quando a luta acabou, os deuses dividiram o mundo e seus poderes entre eles. Eles tiraram a sorte - Poseidon recebeu o mar, Plutão ficou com o submundo e Zeus se tornou o rei de todos eles.

Mas Gaia ainda tentou puni-los por aprisionar os Titãs.

A Mãe Terra deu à luz mais um filho, um monstro horrível gerado pelo próprio Tártaro. Tifão seria sua maior tentativa de vingança.

Tifão era o mais forte de todos os filhos de Gaia. Uma mistura de homem e fera, ele era um gigante terrível.

Suas grandes asas eram tão grandes que roçavam o céu. Ele tinha cem cabeças de serpente no lugar dos dedos e cem cabeças, cada uma de um animal ou monstro diferente.

O fogo saia de sua boca e ele tinha o poder de criar tempestades massivas e mortais.

Nas primeiras versões da luta contra Tifão, o grande gigante foi incapaz de pegar Zeus de surpresa. Bem a tempo, o rei derrubou um enorme raio que derrubou a criatura no chão.

Tifão fugiu, seu grande calor derretendo a terra e criando metais. Zeus prevaleceu e lançou o monstro no Tártaro.

Escritores posteriores contaram uma versão mais elaborada da história.

Nesses mitos, os deuses foram forçados a fugir do Olimpo quando Tifão atacou. Eles fugiram em direção ao Egito enquanto o monstro lançava bolas de fogo atrás deles.

Zeus ficou para lutar, lançando raios. Finalmente, ele atacou com a mesma foice de adamantina usada por Cronos.

Os dois lutaram e Tifão agarrou a foice das mãos de Zeus. Segurando o rei nas espirais de sua cauda de cobra, Tifão cortou os tendões das mãos e pernas de Zeus.

Incapaz de lutar ou fugir, o Zeus incapacitado foi carregado pelo mar.

Hermes e Egipã foram capazes de roubar os tendões de volta, restaurando Zeus com força total.

Zeus reapareceu em sua grande carruagem e perseguiu Tifão. A perseguição continuou por todo o Mediterrâneo.

Tifão virou-se para jogar uma montanha em Zeus. Os raios do deus colidiram com ela, empurrando-a de volta contra Tifão e quebrando seu corpo.

Diz-se que os fogos do Monte Etna são os restos do relâmpago e do fogo daquela batalha.

Tifão foi preso, com o resto dos filhos de Gaia, no Tártaro. Mesmo de lá, ele foi capaz de enviar tempestades horríveis pelo mundo.

Antes de cair, Tifão teve filhos com Equidna. Seus filhos monstruosos, incluindo a Esfinge, Cérbero e Cila, seriam os inimigos dos deuses e heróis ao longo dos tempos.

Zeus Tentou Destruir a Humanidade - Mais de Uma Vez

Com as grandes guerras pelo poder concluídas, os deuses voltaram sua atenção para governar. Pela primeira vez, Zeus teve que prestar atenção ao mundo dos mortais.

O rei dos deuses deu pouca atenção aos assuntos da humanidade. Esta era a Idade de Ouro, uma época de simplicidade e paz em que os homens viviam por centenas de anos.

Zeus só começou a prestar atenção aos humanos quando percebeu que grandes coisas eles produziam. Especificamente, os animais que criavam para alimentação.

Como rei, Zeus, como seus companheiros deuses, tinha direito a uma parte do que os homens cultivavam. Mas os imortais e os humanos não conseguiam concordar sobre como dividir o sacrifício.

Zeus pediu a Prometeu, um dos únicos Titãs que se aliaram a ele nas guerras, para ajudar a resolver o assunto.

Prometeu sacrificou um touro e dividiu a carcaça em dois recipientes.

O primeiro tinha os melhores cortes de carne, mas estava coberto por peles ásperas e restos nada apetitosos. O segundo tinha alguns pedaços ricos de carne gordurosa por cima, mas escondidos por baixo não havia nada além de ossos.

Zeus escolheu a porção de aparência mais atraente, sem perceber que escondia ossos. Os humanos mantinham a melhor carne para si e Zeus parecia um tolo.

Por mais zangado que estivesse por não conseguir nada além de sucata e ossos dos humanos, ele estava tão furioso por ter sido enganado.

Seu primeiro ato de vingança foi tirar o fogo dos humanos para que não pudessem cozinhar a carne que haviam ganhado. Prometeu, vendo que os humanos congelariam sem fogo, roubou-o de volta da lareira de Zeus.

Zeus ficou furioso. Ele decidiu dar à humanidade uma punição da qual não poderia escapar tão facilmente.

Ele ordenou que Hefesto construísse uma bela mulher. Ele a mandou para Epimeteu, o irmão descuidado de Prometeu.

A mulher se chamava Pandora e com ela carregava seu infame jarro.

Ela abriu a jarra quase imediatamente após se casar com Epimeteu. Dele voaram todas as maldições que Zeus e os deuses haviam guardado - velhice, doenças e todos os tipos de sofrimento.

Quando Pandora acabou, só havia esperança na jarra.

Zeus vingou-se da humanidade de uma forma que Prometeu não conseguiu desfazer. Mas ele ainda queria vingança do Titã que o enganou e desafiou sua vontade.

Prometeu foi capturado e amarrado por correntes inquebráveis ​​a uma grande rocha nas montanhas. Todos os dias uma águia gigante vinha para agarrá-lo e arrancar seu fígado.

Sendo imortal, isso não mataria Prometeu. Todas as manhãs, seu fígado regenerava-se, para que o pássaro pudesse retornar.

A tortura do Titã durou milhares de anos.

A Idade de Ouro havia terminado. Então, os homens da Idade de Prata tinham vidas curtas e, por isso, descobriram que a piedade era uma perda de tempo.

Zeus os destruiu por insultar os deuses.

Ele deu aos mortais mais uma chance. Ele fez os primeiros homens da Idade do Bronze a partir de freixos.

A Idade do Bronze provou ser pior do que a Prata. As pessoas eram cruéis e violentas.

Nesta época, o rei de Arcádia sacrificou um menino em nome dos deuses. Este ato de crueldade foi tão repulsivo que Zeus não sentiu escolha a não ser destruir a humanidade mais uma vez.

Zeus inundou a terra. Com a ajuda de outras divindades, Poseidon em particular, ele fez com que a água engolfasse tudo, exceto alguns topos das montanhas.

A chuva torrencial de Zeus devastou com o Dilúvio toda a terra. E suas torres foram arremessadas ao chão, e as pessoas se puseram a nadar, vendo seu destino final diante de seus olhos. E na aveia, no fruto do carvalho e na uva doce, navegaram as baleias e os golfinhos e as focas que morrem de sono nos leitos dos mortais.

Alguns humanos escaparam do dilúvio. Entre eles estavam Deucalião, que Prometeu conseguiu avisar, e sua esposa Pirra.

Quando o diluvio baixou, a primeira coisa que Deucalião e Pirra fizeram foi oferecer orações a Zeus por poupá-los. Eles então foram de templo em templo, pedindo conselhos a todos os deuses sobre como apenas um casal poderia repovoar o mundo.

Zeus queria a humanidade morta, mas a piedade de Deucalião e Pirra o comoveu. Ele permitiu que eles seguissem o conselho de um oráculo e plantassem pedras para se tornarem novos homens e mulheres.

Esses homens e mulheres se espalharam pela terra e, junto com outros sobreviventes espalhados, refizeram a humanidade. Helena, filha de Deucalião e Pirra, tornou-se o ancestral de todos os gregos.

A Era dos Heróis havia começado e Zeus nunca mais tentaria destruir toda a raça humana. No entanto, ele ainda trouxe punições severas aos homens que o irritaram.

Quando Tântalos roubou ambrosia, ele foi enviado para o Tártaro com uma punição adequada. Ele passaria a eternidade parado em uma piscina de água que ele não poderia beber, atormentado pela fome ao ver uvas que ele nunca poderia alcançar.

A sensação torturante de não conseguir segurar as uvas que saciariam sua fome nos deu a palavra “tentador”.

Licaão é um dos nomes dados ao rei que sacrificou um bebê em nome de Zeus. Zeus destruiu todos os seus filhos e transformou o homem perverso em lobo.

Ixion era um rei infame e perverso que, apesar de ter assassinado seu próprio sogro para evitar pagar um dote, foi convidado para jantar com os deuses no Olimpo. Enquanto estava lá, ele fez tentativas óbvias de seduzir Hera.

Zeus não conseguia acreditar que um convidado mortal se comportaria tão mal, então ele fez uma cópia de sua esposa de uma nuvem. Ixion não apenas forçou a si mesmo nessa falsa Hera, mas depois se gabou de ter dormido com a esposa de Zeus.

Ixion foi amarrado a uma roda gigante de fogo e enviado girando ao redor dos céus por toda a eternidade.

Faetonte era um filho de Hélio que convenceu seu pai a deixá-lo dirigir a carruagem do sol. Zeus foi forçado a derrubá-lo quando ele perdeu o controle, queimando a África e congelando o norte.

Salmoneu era um governante arrogante que exigia que seu povo o adorasse como a encarnação do poderoso Zeus. Ele também foi atingido por um raio.

Sísifo irritou Zeus muitas vezes. Como rei, ele enriqueceu sua cidade, mas violou as leis de hospitalidade de Zeus ao assassinar visitantes para provar seu poder.

Zeus o enviou para Hades, mas o rei humano enganou Tânatos para libertá-lo. A morte não poderia funcionar e o mundo foi lançado no caos.

Antes de ser enviado de volta ao submundo, Sísifo convenceu sua esposa a jogar seu corpo na ágora. O rei morto então convenceu Perséfone a mandá-lo de volta à terra para vingar essa suposta desonra.

Zeus e os deuses ficaram furiosos, especialmente quando Sísifo se gabou de ser mais astuto do que o próprio Zeus. No final, Hermes foi despachado para arrastar o homem de volta ao Tártaro.

O castigo de Sísifo tornou-se sinônimo de tarefa impossível. Ele foi obrigado a empurrar uma pedra gigante colina acima, mas assim que atingisse o topo rolaria para baixo e ele teria que começar tudo de novo.

As Muitas Infidelidades de Zeus

Uma das funções de Zeus era supervisionar juramentos e votos e administrar justiça àqueles que os quebraram. Mas quando se tratava de seus próprios votos, Zeus era menos do que cuidadoso em mantê-los.

Após a Titanomaquia, Zeus se casou com Métis. Ela estava esperando seu primeiro filho quando Zeus ouviu uma profecia perturbadora de que Métis teria um filho com o poder de derrubar seu pai.

Para se proteger, Zeus transformou a titã em uma mosca e a engoliu inteira. Meses depois, Zeus começou a sofrer de terríveis dores de cabeça.

Desesperado, ele ordenou que Hefesto esmagasse seu crânio com um martelo para que ele pudesse descobrir a causa de sua dor. Atena nasceu do ferimento em sua cabeça totalmente formada e vestida com uma armadura.

Nesse ínterim, Zeus se casou com sua irmã, Hera. Ela tentou evitá-lo por um tempo, mas ele se transformou em um cuco para se aproximar dela.

Por trezentos anos, o casal foi feliz junto. Eles tiveram vários filhos, principalmente o deus da guerra Ares, e viveram em paz.

Mas alguns séculos de felicidade não são longos para os imortais, e Zeus rapidamente ganhou uma reputação de lascivo.

Os muitos amantes e filhos de Zeus são quase numerosos para citar.

Alguns de seus filhos, como Atena, tornaram-se grandes deuses por si próprios.

Hermes, por exemplo, foi resultado de um caso secreto com a ninfa Maia. Selene, deusa da lua, tornou-se a mãe de Dioniso.

Leto deu à luz dois filhos divinos - os gêmeos Apolo e Ártemis. A união de dois olímpicos, Zeus e Deméter, produziu Perséfone.

Outros filhos de Zeus se tornaram grandes heróis, ostentando um poder além do dos homens normais. Frequentemente, esses heróis foram posteriormente aceitos como deuses.

Zeus não hesitou em usar truques de sedução. Quando ele foi atraído pela bela Alcmena, por exemplo, ele se disfarçou como o marido da mulher para que ela dormisse com ele.

O resultado desse engano foi Hércules, talvez o maior herói de toda a lenda grega. Após completar seus famosos doze trabalhos, ele foi elevado à divindade.

Outro filho famoso de Zeus foi Perseu. Sua mãe, Dânae, havia sido engravidada por Zeus na forma de uma chuva de ouro.

Outros casos famosos e descendentes de Zeus incluem:

  • Leda - Seduzida por Zeus na forma de um cisne, ela botou quatro ovos. As crianças nascidas deles foram Clitemnestra, Helena de Tróia e os gêmeos Castor e Pólux.
  • Europa - Ela foi engravidada por Zeus quando ele se transformou em um touro branco. Ela deu à luz três filhos, um dos quais foi o rei Minos.
  • Mnemosine - A deusa da memória, ela deu à luz as Musas.
  • Têmis - A titânide era a mãe dos três moiras e das Horas, deusas menores do tempo e das estações.
  • Calisto - A ninfa era uma sacerdotisa da deusa virgem Ártemis, mas Zeus se disfarçou de Ártemis para se aproximar dela. Hera a transformou em um urso, que se tornou a constelação da Ursa Maior.
  • Io - A sacerdotisa de Hera foi transformada em uma vaca branca por sua senhora ciumenta e passou anos vagando pelo mundo para evitar Hera e Zeus.
  • Lâmia - Depois que Hera destruiu seus filhos, Lâmia se tornou um monstro comedor de crianças.

Zeus foi o pai de dezenas de ninfas, muitos deuses e deusas menores e fundadores de muitas cidades antigas.

Como muitos dos deuses gregos, Zeus também tinha um gosto especial por um jovem bonito. Ganímedes era tão bonito que Zeus se transformou em águia para levá-lo ao Monte Olimpo, tornando-o o copeiro imortal dos deuses.

Hera aparece em muitas das histórias dos casos e filhos de Zeus. Com ciúmes das muitas amantes de seu marido, ela muitas vezes causava grandes problemas para elas e seus filhos.

Enquanto ele era, como rei, chamado de pai de todos os deuses e homens, os mitos tornavam esse título quase sempre literal.

Os Grandes Jogos de Zeus

Para o mundo moderno, um dos maiores legados de Zeus são os Jogos Olímpicos.

Comemorados a cada quatro anos em seu templo em Olímpia, os jogos reuniam homens de todas as partes da Grécia em uma celebração nacional.

No mundo antigo, as Olimpíadas eram mais do que esportes. Eles eram uma oportunidade de compartilhar cultura, mesmo em tempos de guerra, na adoração de seu maior deus.

A primeira lenda dos jogos dizia que os quatro dáctilos competiam entre si para entreter o bebê Zeus. Ele coroou o vencedor com uma coroa de oliveiras, que se tornou um símbolo duradouro de paz.

Para os gregos, as proezas atléticas eram uma forma de adoração. O mais forte e mais rápido entre eles oraria pela vitória e daria crédito aos deuses por lhes dar suas habilidades.

Durante os jogos, a paz era declarada em toda a Grécia. As várias cidades-estado lutavam constantemente entre si, mas todas as hostilidades terminavam durante a Olimpíada.

Os gregos sediaram quatro desses eventos, os Jogos Pan-helênicos, em uma programação rotativa. Mas nenhuma das outras festividades se comparava ao tamanho e importância dos jogos de Zeus.

Os jogos eram tão importantes que puderam formar alianças duradouras entre as cidades. Por exemplo, a colônia de Cirene teve sucesso em parte porque Esparta concordou em emprestar-lhes um campeão tricampeão para atrair os aspirantes a colonos.

Os jogos serviram como um local para afirmar forças e formar alianças, mesmo que as atividades formais de guerra estivessem suspensas.

Embora os jogos tenham começado como uma competição de corrida, eles eventualmente consistiram em mais de vinte eventos, incluindo corridas de bigas, luta livre e pentatlo.

No centro da Olimpíada estava o grande templo de Zeus. Seu altar era feito inteiramente com as cinzas acumuladas após séculos de sacrifícios.

No meio da celebração, cem bois seriam sacrificados a Zeus e acrescentados ao grande altar de cinzas.

Acima de tudo estava a grande estátua de Zeus. Com 13 metros de altura, a enorme estátua de marfim e ouro foi contada como uma das Sete Maravilhas do mundo antigo.

Um Deus de Ideais Elevados

Como rei dos deuses, Zeus certamente ocupou um lugar importante na religião grega. Mas ser todo-poderoso pode ter feito Zeus parecer menos importante para a maioria das pessoas.

Os jogos olímpicos eram um dos principais eventos do calendário, mas a maioria das pessoas só ouvia histórias de segunda mão sobre eles. Poucos gregos visitavam o grande templo ou viram a enorme estátua.

Embora todos os gregos acreditassem amplamente nos mesmos deuses, uma atenção especial foi dada às divindades locais.

Os atenienses eram devotados a Atena. Apolo era patrono de Esparta e tinha cultos em Delfos e Delos. Colônias longínquas dependiam de Tique para sua boa sorte.

Embora o povo de qualquer uma dessas cidades adorasse Zeus, em tempos de necessidade eles eram mais propensos a apelar para o deus local que acreditavam investir mais nas fortunas de sua cidade.

Templos e altares a Zeus eram comuns, e sua imagem era vista em todo o mundo grego. Mas muitas vezes ele era retratado em associação com um deus ou deusa que impactava mais diretamente a vida diária das pessoas.

Os deuses menores eram mais pessoais. Praticamente todas as casas tinham um altar doméstico para a divindade que correspondia à profissão, necessidade e localização do proprietário.

Os médicos oravam a Asclépio. As mães prestavam homenagem a Leto. Os artistas esperavam inspiração nas Musas.

Zeus foi um rei e supervisionou os elevados ideais da lei e da justiça. Para os trabalhadores da Grécia, fazia sentido orar com mais frequência a um deus especializado em sua profissão.

Com centenas de deuses sendo adorados, até mesmo o rei deles era apenas um entre muitos. A maioria das pessoas tinha poucos motivos para apelar diretamente a ele em suas vidas diárias.

Nisso, ele era muito parecido com reis humanos. Os cidadãos podiam ir aos tribunais locais ou aos nobres menores, mas era raro que um plebeu pedisse diretamente ao rei ajuda ou conselho.

Mesmo no Monte Olimpo, o templo para sua esposa Hera é anterior ao seu.

Zeus era um deus de grandes ideais, terrível poder e enorme força. A maioria dos gregos tinha preocupações mais práticas, entretanto, e a adoração comum de Zeus era frequentemente menor do que para os deuses menores que ele governava.

Um Dos Muitos Reis do Trovão

Zeus não é apenas um deus grego, de certa forma ele é o deus mais grego. Um rei forte que governou a justiça, Zeus personifica os ideais clássicos.

Mas os gregos não inventaram Zeus.

Zeus pertence a uma grande família de deuses do céu. Este arquétipo é tão difundido que seu nome pode ser claramente rastreado até a linguagem protoindo-europeia - a raiz dyeu é encontrada no sânscrito Diaus, latim Iovis (Jove) e nórdico Tyr.

Zeus tem muito em comum com deuses como o nórdico Odin, o eslavo Perun e o védico Indra. Reis fortes que governaram com sabedoria e trovão, eles são até retratados com as mesmas imagens.

Em alguns aspectos, porém, Zeus realmente é exclusivamente grego.

Ao contrário de muitas culturas, os deuses gregos tinham algumas das mesmas falhas e deficiências dos humanos. Eles podem ser mesquinhos, ciumentos e míopes.

Os deuses gregos podiam cometer erros.

Dessa forma, Zeus não é apenas mais um deus do céu. Ele é um rei grego distinto.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem