Pandora, a Primeira Mulher na Terra

A história de Pandora ganhou destaque em Teogonia, o poema épico de Hesíodo, escrito no século 8 a.C. O mito remonta aos primeiros séculos da humanidade, logo após a Titanomaquia, a Grande Guerra entre os Titãs e os Olimpianos.

É interessante notar que a referência à Caixa de Pandora veio apenas no século 16 de Erasmo de Rotterdam. O resultado final é que toda a história sobre Pandora foi inventada. Pode ser considerado misógino a posição de que a criação da mulher foi o prenúncio de todo o mal neste mundo.

Descubra o Mito de Pandora, a Primeira Mulher

Pandora, a Primeira Mulher na Terra

A Criação de Pandora

Tudo começou a partir de uma reunião dos deuses, onde os Titãs também foram convidados. A reunião foi organizada para decidir quem seria favorecido com a melhor porção de um sacrifício. Prometeu, o titã que mais tarde roubou o fogo dos deuses e o deu à humanidade, havia tortuosamente apresentado o sacrifício de tal maneira que Zeus escolheu a parte que parecia mais atraente quando na verdade eram apenas ossos apresentados de maneira tentadora.

Indignado com a zombaria, Zeus decidiu se vingar e se vingar de Prometeu. Zeus encarregou Hefesto, o deus dos ferreiros e mestre dos ofícios, de criar uma mulher deslumbrantemente bela, que pareceria irresistível para o deus ou para o homem. Para realizar essa façanha, Afrodite, a deusa do amor e da beleza, posou como um modelo para a criação da estátua.

A mulher foi moldada de terra e água e uma vez que o corpo estava pronto, os Quatro Ventos sopraram vida nele. Ela então recebeu presentes de todos os deuses do Olimpo. Afrodite deu a sua beleza incomparável, graça e desejo. Hermes, o deus mensageiro, deu-lhe uma mente astuta e enganosa e uma língua astuta. Atena a vestiu e a ensinou a ser hábil com as mãos. Poseidon concedeu a ela um colar de pérolas que a impediria de se afogar. Apolo a ensinou a tocar lira e a cantar. Zeus deu a ela uma natureza tola, travessa e ociosa e, por último, mas não menos importante, Hera deu a ela o presente mais astuto, a curiosidade.

Assim, a primeira mulher mortal nasceu e desceu à terra. Seu nome era Pandora, que significa toda-dotada, implicando todos os presentes que ela recebeu dos deuses. Junto com ela, Hermes deu uma caixa dourada e intrincadamente entalhada, um presente de Zeus com uma advertência explícita de que ela nunca deveria abri-la, acontecesse o que acontecesse. Envolvida em trajes adequados aos deuses, ela foi apresentada a Epimeteu, meio-irmão de Prometeu.

Abrindo a Caixa

Epimeteu foi instruído por seu irmão a nunca aceitar nenhum presente de Zeus. Prometeu estava bem ciente de que Zeus ainda estava zangado com ele por sua afronta na reunião e tentaria se vingar. No entanto, um olhar para Pandora foi o suficiente para que Epimeteu se apaixonasse loucamente por ela e se casasse com ela sem pensar ou levar em consideração. Ele estava realmente encantado com ela.

Para parabenizá-los, Hermes foi à cerimônia de casamento e disse a Epimeteu que Pandora era um presente de Zeus, uma oferta de paz que significava que não havia mais ressentimentos entre o chefe dos deuses e Prometeu. Ele também disse a Epimeteu que a caixa dourada de Pandora era um presente de casamento do Rei Olímpico. Sendo um pouco crédulo, Epimeteu acreditava que as palavras de Hermes eram verdadeiras. Infelizmente, o conselho de Prometeu caiu em ouvidos surdos.

Os dias estavam passando rapidamente e os dois levavam uma vida feliz de casados, mas um pensamento ainda estava na mente de Pandora: o que havia na caixa que Zeus lhe dera? Ela não parava de pensar que talvez a caixa tivesse dinheiro, roupas bonitas ou até joias. Sem pensamento ou razão, ela se pegava passando pela caixa e involuntariamente estendendo a mão para abri-la.

Todas as vezes, ela se lembrava de que havia jurado nunca abrir a caixa. O dom da curiosidade de Hera havia funcionado e um dia, incapaz de aguentar mais, ela decidiu dar uma olhada rápida lá dentro. Quando não havia ninguém por perto, ela encaixou uma chave dourada pendurada no pescoço na fechadura da caixa. Girando a chave lentamente, ela destrancou a caixa e levantou a tampa apenas por um momento. Antes que ela percebesse, houve um som sibilante e um odor horrível impregnou o ar ao seu redor. Aterrorizada, ela bateu a tampa, mas era tarde demais.

Pandora liberou toda a maldade e malevolência que Zeus havia trancado na caixa. Dessa vez, ela entendeu que era um mero peão em um grande jogo dos deuses. Naquela caixa dourada, Zeus tinha escondido tudo que iria atormentar o homem para sempre: doença, morte, turbulência, contenda, ciúme, ódio, fome, paixão ... por toda parte o mal se espalhou.

Pandora sentiu o peso do mundo em seus ombros e olhou para a caixa dourada que havia se tornado enferrujada e horrível. Como se sentisse sua necessidade, um sentimento caloroso e calmante a envolveu e ela sabia que nem tudo estava perdido. Desconhecido para ela, junto com os sentimentos ruins, ela também revelou esperança, a única coisa boa que Zeus tinha aprisionado dentro da caixa. Daquele momento em diante, a esperança viveria com o homem para sempre, para dar-lhe socorro justamente quando ele sentisse que tudo estava chegando ao fim.

A Caixa de Pandora

A Caixa de Pandora

A frase moderna "Caixa de Pandora" deriva desse mito. Costuma-se dizer que uma determinada ação provocou muitos males, assim como a ação de Pandora ao abrir a caixa liberou todos os males da humanidade. No entanto, apesar desses males, nós, humanos, ainda temos esperança de nos encorajar. Esta frase foi produzida pelo humanista e teólogo holandês Erasmo de Rotterdam no século 16, quando ele traduziu o poema de Hesíodo.

Pandora e Eva

Nesse mito, podemos observar algumas semelhanças com a história cristã de Adão e Eva. Assim como Pandora na Grécia antiga, Eva era conhecida como a primeira mulher na terra na história hebraica. Até a criação das duas mulheres é semelhante: Pandora foi feita de terra e água e Eva da costela de Adão, o primeiro homem na terra, que por sua vez foi feito de barro.

Outra semelhança é que ambos desobedeceram a deus: Pandora abriu a caixa e desencadeou o mal no mundo e Eva tentou Adão a comer a maçã proibida, contra a vontade de Deus. Alguns relatos afirmam que Pandora tentou Epimeteu a abrir a caixa. No entanto, ambas as mulheres trouxeram ruína e infortúnio para os homens que até então viviam em um mundo paradisíaco, livre de todos os pecados.

Pandora e Eva são consideradas as progenitoras da raça humana e por causa de sua curiosidade, o mundo é amaldiçoado hoje. Curiosamente, Pandora foi criada com intenções perversas, mas não Eva, que foi simplesmente criada para ser a companheira de Adão. A traição estava no papel de Hermes e da serpente, respectivamente. Em Pandora, Hermes ensinou que ela nunca deveria abrir a caixa e, se Hera não tivesse dotado sua curiosidade, ela poderia ter permanecido fechada para sempre.

No Jardim do Éden, a serpente tentou Eva a comer o fruto proibido da Árvore do Conhecimento e da Vida, trazendo realização e vergonha. A partir dessas duas histórias, podemos inferir que as mulheres sempre foram vistas como perpetradoras de tudo o que é enganoso e, portanto, as mulheres são as culpadas por todos os males deste mundo.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem