Hefesto: O Ferreiro Coxo e Mestre Metalúrgico Dos Deuses

Como um ferreiro disforme acabou se casando com a deusa da beleza? Aqui está toda a história por trás de Hefesto, o ferreiro dos deuses!

Hefesto não é o primeiro nome que vem à mente quando você pensa nos grandes deuses do Olimpo. Comparado a figuras como Zeus ou Atena, ele parece um personagem muito menor.

Ele também parece um personagem incomum. Enquanto a maioria dos deuses eram conhecidos por sua beleza e força, Hefesto era mais conhecido por não ter essas coisas.

Descrito como coxo e manco, ele geralmente era retratado na arte como curvado, deformado e pouco atraente.

Hefesto, que era conhecido como Vulcano pelos romanos, não se encaixava exatamente com seus companheiros olímpicos na arte ou na mitologia que o cercava.

Apesar disso, no entanto, Hefesto conseguiu se casar com a deusa mais idealizada de todas.

A história de Hefesto é tão incrível quanto os itens maravilhosos que ele fez em sua forja!

Hefesto: O Ferreiro Coxo e Mestre Metalúrgico Dos Deuses

A Criação de Hefesto

Em alguns mitos, Zeus é o pai de Hefesto. O ferreiro estava presente nessas histórias quando Atena nasceu da cabeça de Zeus e foi de fato quem desferiu o golpe no crânio do deus.

Mais comum, porém, foi a ideia de que Hera o criou sozinha.

Antes de se casar com Hera, Zeus havia se casado com a Titânides Métis. Ouvindo que ela eventualmente teria um filho forte o suficiente para derrubá-lo, Zeus transformou sua primeira esposa em uma mosca e a engoliu.

O que Zeus não sabia era que Métis já estava carregando seu primeiro filho. Vários meses depois, dores de cabeça cegantes começaram a atormentar o rei dos deuses.

Desesperado por alívio, ele ordenou que sua cabeça fosse aberta. Quando o fez, Atena emergiu totalmente formada e vestida com uma armadura.

A história diz que Hera estava com ciúmes do novo filho de seu marido. Ao carregar e dar à luz uma filha sozinho, embora de uma forma muito incomum, Zeus desvalorizou o papel de Hera como sua esposa.

Seu ciúme dos muitos filhos de Zeus era um tema comum nos mitos. Com Atenas, porém, não havia mãe para apontar como inimiga.

Hera tinha ciúme do próprio marido.

Apesar de tudo, Hera resolveu ter um filho sozinha também. Ela e Zeus teriam um filho que o outro não poderia reivindicar.

Hefesto nasceu da vontade de Hera de se vingar de seu marido, mas ficou imediatamente claro que seu nascimento não correspondeu ao de Atena.

Em vez de uma divindade perfeitamente formada como Zeus havia criado, Hera deu à luz um filho com deficiência. Muitos mitos o descrevem como “coxo”, um termo comum para alguém que manca, enquanto um hino especificava que ele tinha um pé enrugado.

Tal condição era considerada uma maldição por muitos no mundo antigo, ainda mais para um ser divino que deveria aderir aos ideais dos deuses.

Hera ficou imediatamente enojada com a imperfeição de seu filho. Não era inédito no mundo antigo que bebês com deficiência física ou deformados fossem mortos ou deixados para morrer por exposição, e o mesmo era verdade até mesmo para os deuses.

Em algumas versões da história, a própria Hera jogou seu filho do Olimpo ao ver sua deformidade.

Em outros, ele não nasceu com deficiência. Zeus ficou com tanta raiva que expulsou o recém-nascido, e a queda do topo do Olimpo causou o ferimento que o deixou coxo.

Esse teria sido o fim da história de Hefesto, se ele não tivesse sido encontrado por Tétis e as Oceânides.

Elas criaram o deus abandonado e o antigo povo da ilha de Lemnos o treinou na arte e na metalurgia.

O Casamento Com Afrodite

Tanto a habilidade do deus Hefesto quanto sua raiva por ter sido abandonado teriam um papel em seu casamento improvável com a deusa do amor e da beleza.

Conforme as habilidades de Hefesto como artesão aumentaram, ele começou a enviar presentes para sua família distante no Monte Olimpo. Superficialmente, essa parecia ser uma forma de se insinuar e ganhar seu favor.

Quando ele enviou um trono de ouro ornamentado para Hera, no entanto, seus verdadeiros planos se tornaram conhecidos. Assim que sua mãe se sentou nele, ela foi amarrada ao assento com grilhões que nenhum dos deuses poderia quebrar.

Por três dias, os deuses mais poderosos do Olimpo tentaram libertar sua rainha, mas cada vez que ela empurrava suas amarras, elas ficavam mais apertadas. Hera não conseguia se mover, dormir ou mesmo comer.

Por acaso, os deuses haviam se reunido para decidir a questão do casamento de Afrodite. A deusa da beleza já estava no Olimpo há algum tempo após seu nascimento no mar, e Zeus decidiu que era hora de ela encontrar um marido.

Como rei, Zeus tinha autoridade para arranjar casamentos entre os deuses. A prisão de Hera fez Zeus mudar abruptamente seus planos para determinar quem se casaria com a bela deusa.

Apenas o ferreiro conhecia os segredos para liberar o controle do trono, mas Zeus sabia que ele não libertaria Hera de boa vontade. Ele declarou que qualquer deus que pudesse trazer Hefesto de volta ao Monte Olimpo e torná-lo livre Hera ganharia o direito de se casar com Afrodite.

A deusa tinha suas próprias ideias sobre o casamento. Ela estava confiante de que seu amante Ares, o deus da guerra, venceria facilmente o ferreiro aleijado que foi criado na Terra.

Ela concordou com o plano de Zeus, certa de que Ares seria o único a arrastar Hefesto para o Monte Olimpo.

O deus da guerra se preparou para fazer exatamente isso. Ares nunca foi conhecido por estratégias ou planos inteligentes, entretanto, ele estava determinado a simplesmente dominar o ferreiro.

Ares invadiu a forja do ferreiro, armas prontas para a luta. Um jato de faíscas e fogo rapidamente o empurrou para trás.

Por mais valente que fosse, Ares perdeu o concurso. Sem um plano, mesmo o deus da guerra não era páreo para a força de um ferreiro treinado ou para os fogos com os quais trabalhava.

Em seguida, Dionísio, deus do vinho se aproximou da forja, mas empregou uma tática muito diferente da do cabeça quente Ares. Ele veio disfarçado de amizade, oferecendo a Hefesto um pouco de vinho e um ouvido compreensivo.

Os dois sentaram e conversaram, desfrutando de chifre após chifre do vinho mais doce que Dionísio poderia produzir.

Quando o ferreiro ficou completamente embriagado, o deus do vinho fez uma sugestão. Ele encontrou uma brecha no desafio que Zeus lançou para a companhia dos deuses.

O ferreiro o ouviu e concordou com seu plano. Zeus era um deus da lei e da justiça, então ele teria que obedecer às palavras de sua ordem, se não ao espírito dela.

Hefesto entrou no palácio de Zeus por sua própria vontade e libertou sua mãe da armadilha que ele havia construído. Ele então se apresentou ao rei dos deuses e exigiu seu prêmio.

Por ter vindo por conta própria e agido sem que ninguém o forçasse, foi o próprio Hefesto que o trouxe de volta ao Olimpo. Zeus foi forçado a admitir que, sob o desafio que havia lançado, Hefesto tinha tecnicamente ganhado a mão de Afrodite.

Hefesto foi, talvez a contragosto, aceito no Olimpo como filho de Hera e marido de Afrodite. Ele construiu um belo palácio, com sua própria forja, e começou a produzir grandes obras para seus companheiros deuses.

O casamento, entretanto, não foi feliz. Afrodite, insatisfeita com o casamento, continuou seu caso com Ares.

Eventualmente, Hélio descobriu que Afrodite e o deus da guerra se encontravam em segredo. Quando ele contou a Hefesto, o desprezado ferreiro começou a planejar sua vingança.

Ele disse à esposa infiel que estava saindo por um tempo para visitar Lemnos, a ilha onde havia sido criado. Poucos minutos depois que ele saiu pela porta, ela convidou seu amante para o palácio.

Assim que os dois foram para a cama juntos, a armadilha de Hefesto foi acionada. Uma rede de correntes finas, mas inquebráveis, caiu sobre eles, prendendo-os no lugar.

Não apenas Hefesto os pegou em flagrante, mas chamou os outros deuses do Olimpo para testemunhar sua humilhação. As deusas se recusaram a testemunhar o espetáculo, mas uma multidão de deuses se reuniu no quarto para rir ao ver Ares e Afrodite presos sob a rede.

O único que não riu da exibição constrangedora foi Poseidon. Ele implorou a Hefesto que lhes mostrasse misericórdia.

Hefesto estava relutante, acreditando que Ares evitaria a punição se ele fosse libertado. Poseidon se ofereceu para responsabilizar pessoalmente o culpado, e Hefesto finalmente cedeu.

Ares fugiu para a Trácia. Afrodite evitou o marido por um tempo, até finalmente se divorciar dele.

Segundo Homero, Hefesto imediatamente exigiu a devolução dos presentes de casamento que havia dado a Zeus em troca da deusa. Ele estava anulando o casamento, com efeito imediato.

Na época da Guerra de Tróia, disse Homero, Afrodite e Ares eram marido e mulher.

Hefesto também se casou novamente. Aglaia, a mais jovem das Caritas (Graças), tornou-se sua esposa. Eles tiveram quatro filhas e, ao que tudo indica, um casamento muito mais pacífico do que o primeiro.

Hefesto e o Nascimento de Erictônio

Antes de se casar com Aglaia, entretanto, Hefesto teve outro notável fracasso no amor.

Afrodite o havia deixado recentemente quando Atena veio à sua forja para solicitar uma nova armadura.

Solitário e frustrado, ele foi dominado pela luxúria pela bela deusa. Atena, no entanto, era uma virgem juramentada e rejeitou seus avanços.

Dizem que Vulcano [Hefesto], seguindo-a ali, tentou forçá-la, e quando, cheio de paixão tentou abraçá-la, teve repulsa e parte de sua semente caiu no chão. Minerva [Atenas], tomada pela vergonha, com o pé espalhando poeira sobre ele. - Pseudo-Higino, Astronômica 2. 13

Da terra, Erictónio ou Erictônio nasceu. Seus pais, portanto, foram Hefesto e Gaia, mas ele foi adotado por Atena.

Ela tentou criar o menino em segredo, mas ele foi descoberto pelas princesas de Atenas. Em vez de eventualmente levar o menino para o Olimpo, ela o deixou ser criado como um mortal na cidade.

Erictónio cresceu e se tornou um dos reis fundadores de Atenas, a cidade da qual sua mãe adotiva era a padroeira. Ele derrubou o tirano anterior e se tornou um governante amado que fez muito por seu povo.

Como seu pai, Erictônio era hábil com metal e invenções. Diz-se que ele ensinou os atenienses a fundir prata, colocar jugos em cavalos e arar a terra.

Também como seu pai, o lendário rei era considerado coxo. Em algumas lendas, isso é traduzido como tendo uma cauda de serpente, mas outras parecem mostrar problemas de mobilidade mais plausíveis.

Para facilitar a locomoção em sua cidade, apesar de sua deficiência, Erictônio teria inventado a carruagem de quatro cavalos. Esta invenção rendeu-lhe um lugar nas estrelas como a constelação Auriga, o cocheiro.

Por meio de Erictônio, a cidade de Atenas poderia reivindicar um parentesco espiritual com Atena e uma relação de sangue com Hefesto. A sabedoria e habilidade que o rei herdou desses dois ajudaram a tornar Atenas um centro econômico e cultural da Grécia antiga.

Embora as circunstâncias do nascimento de Erictônio fossem menos do que exemplares, os atenienses veriam seu pai Hefesto como a origem de sua laboriosidade e artesãos qualificados.

Obras do Artesão

Embora tivesse um envolvimento com as intrigas e assuntos do Olimpo, Hefesto apareceu com mais frequência nos mitos em seu papel de ferreiro.

Como o mestre metalúrgico dos deuses, ele era rotineiramente chamado para criar algumas de suas armas, invenções e equipamentos mais icônicos.

O ferreiro mantinha as forjas funcionando em seu palácio no Olimpo e na ilha de Lemnos, onde foi criado.

De acordo com Homero, ele tinha vinte foles que funcionavam por conta própria. Esses autômatos mágicos permitiram que ele criasse obras como nenhuma outra na história.

Não apenas o próprio Hefesto tinha um grande palácio no pico do Monte Olimpo, mas dizia-se que ele construiu os outros palácios dos deuses também. Algumas cidades também alegaram que ele havia contribuído para a construção de palácios e templos na Terra.

Impressionantes portas e portões de metal, espadas e joias de família e até taças e cetros finamente trabalhados eram considerados suas criações.

Muitos dos pertences mais grandiosos e fantásticos dos deuses e heróis foram feitos por seu mestre ferreiro. Estes incluíam:

  • Ele criou o capacete alado e as sandálias de Hermes.
  • O cinto de Afrodite foi imbuído com o poder de provocar amor e desejo.
  • O Égide, o peitoral usado por Zeus e Atenas, foi feito em sua oficina.
  • Ele forjou uma armadura para Aquiles durante a Guerra de Tróia. Ele também fez armaduras para outros heróis notáveis ​​como Hércules e Enéias.
  • Hefesto fez a carruagem de Hélio, o deus do sol, bem como as de pelo menos alguns dos outros olímpicos.
  • Quando Hércules precisou afugentar as Aves do Lago Estínfalo, deu ao semideus um conjunto de badalos de bronze para fazer barulho.
  • Ele criou as flechas que Eros usou para fazer homens e deuses se apaixonarem.
  • Hefesto fez a coroa dada a Ariadne em seu casamento. Tornou-se a constelação Corona.
  • Em algumas versões da história, foi Hefesto quem criou Pandora sob as ordens de Zeus para punir a humanidade.
  • Quando Harmonia, a filha de Afrodite e Ares, se casou, ele deu a ela um lindo colar que lançou uma maldição sobre todos os seus descendentes. Esta foi sua vingança final pela traição de sua ex-esposa.
  • Ele forjou as correntes inquebráveis ​​que prendiam Prometeu e o portão que aprisionava os outros Titãs no Tártaro.

Os itens criados, supostamente, por Hefesto se tornaram alguns dos tesouros mais valiosos do mundo grego. As famílias reais transmitiram esses artefatos por gerações e muitos templos se gabavam de possuírem uma relíquia do deus.

Claro, os historiadores modernos sabem que as melhores artes e ferramentas da Grécia antiga não foram realmente criadas por um deus imortal. Em vez disso, atribuir uma peça a Hefesto era um comentário sobre sua excelente habilidade e valor.

Hefesto e os Vulcões

Hefesto era associado aos vulcões, pois o calor do magma lembrava as pessoas do calor da forja de um ferreiro.

O Mediterrâneo Oriental tem muitos locais ativamente vulcânicos e, portanto, os gregos e outras culturas da área criaram muitos mitos explicando sua erupção, fumaça e cinzas.

Os gregos originalmente associavam o vulcanismo à atividade dos gigantes, mas com o tempo Hefesto também se identificou intimamente com ele.

Lemnos, a ilha sagrada para Hefesto, não é mais vulcanicamente ativa, mas pode ter existido no passado antigo. Foi dito que o fogo às vezes era expelido da forja do deus ali.

Essa associação foi promovida pelos romanos. Ao adotar e adaptar a mitologia grega, eles identificaram Hefesto com um de seus deuses mais antigos - Vulcano.

Volcanus, ou Vulcano como é comumente conhecido hoje, assumiu a associação construtiva entre o fogo e a forja, mas era tipicamente visto como um deus mais destrutivo do que sua contraparte grega.

Vulcões eram os exemplos mais dramáticos do poder do deus, mas os romanos também o conectaram a todos os tipos de chamas destrutivas. Seus festivais, por exemplo, costumavam ser realizados fora dos portões da cidade para limitar o perigo de incêndio.

Este deus romano nos deu muitas palavras associadas aos seus poderes. Os vulcões são nomeados em sua homenagem assim como a vulcanização, um processo para endurecer borrachas.

O Arquétipo do Ferreiro Coxo e Manco

No mundo grego, os deuses frequentemente representavam ideais que os humanos só podiam esperar alcançar. Eles exemplificaram todos os atributos que possuíam, seja bravura, beleza ou talento.

Entre esses ideais, o ferreiro deficiente parece se destacar. Hefesto era conhecido por suas imperfeições, não por sua representação de um ideal.

Fora da Grécia, porém, a imagem do ferreiro coxo era comum. Deuses da Índia, Escandinávia, Egito e outros lugares se encaixam em uma imagem semelhante.

Acontece que pode haver uma razão histórica muito real para tantos deuses ferreiros andarem mancando.

A maneira comum de fazer bronze é derretendo uma liga de cobre e estanho. O metal resultante é mais forte do que qualquer um.

Quando o estanho era escasso, entretanto, outro material poderia ser usado. O arsênico pode ser combinado com o cobre para criar um metal conhecido como bronze arsênico.

O uso de arsênico na metalurgia da Idade do Bronze era generalizado, mas muitas vezes desastroso para os ferreiros. Muitos ferreiros sofreram de arsenicose - envenenamento por arsênico.

Algumas das doenças mais comuns associadas ao envenenamento por arsênico são câncer de pele e neuropatia, ou danos aos nervos das extremidades. Hefesto, como muitos deuses ferreiros antigos, exibia a fraqueza que seria comum entre aqueles com danos nos nervos causados ​​por envenenamento por arsênico.

Embora os mitos como os conhecemos tenham sido desenvolvidos na Idade do Ferro, a caracterização de Hefesto provavelmente foi definida muito antes. A doença do deus, um sinal de sua profissão, passou por gerações de tradição oral depois que a própria doença desapareceu.

As pessoas que contavam suas histórias não tinham como saber que estavam lançando luz sobre uma doença que atormentava os ferreiros mil anos antes.

Hefesto, o Olímpico

À primeira vista, Hefesto certamente não parece se encaixar com os deuses do Olimpo. Sua mãe certamente pensou assim quando o rejeitou como um bebê.

Enquanto deuses como Apolo e Dionísio foram aceitos por Zeus imediatamente, Hefesto teve que trabalhar para ser aceito. Ele tinha que ganhar seu caminho para o Monte Olimpo.

Mas em seu relacionamento com outros deuses, Hefesto não era tão diferente dos demais. Ele podia ser ciumento e mesquinho, guardava rancor e mostrava seu temperamento.

Hefesto usou truques para ganhar seu lugar tanto quanto usou os presentes finamente trabalhados que enviou. Ele usou o engano, junto com uma rede de corrente forte, para ganhar vantagem sobre sua esposa infiel.

Sua fisicalidade e trabalho manual podem tê-lo destacado, mas a inteligência e astúcia de Hefesto o tornavam mais parecido com os outros deuses do que qualquer outra coisa.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem