Quem São os Filhos de Zeus?

O rei dos deuses era conhecido por gerar muitos filhos com muitas mulheres. Os filhos de Zeus se destacam como alguns dos personagens mais interessantes da mitologia grega!

Muitos dos deuses da Grécia eram conhecidos por sua prolífica criação de filhos. Não era incomum que um deus tivesse dezenas de filhos.

Zeus não era a mais viril de todas as divindades antigas. Dizem que seu tio Oceano, por exemplo, foi pai de mil ninfas.

Zeus era, no entanto, conhecido pela proeminência de seus filhos. Os filhos de Zeus, em particular, destacam-se como algumas das figuras mais célebres da mitologia grega.

Os antigos gregos, principalmente os membros das classes dominantes, davam grande importância à sua ancestralidade. O fato de que tantos deles pudessem traçar sua árvore genealógica até o rei dos deuses era mais do que uma fonte de orgulho - era uma possível fonte de poder.

Zeus era o pai de deuses, heróis e reis. Embora sua esposa possa ter feito tudo ao seu alcance para impedi-lo de gerar tantos filhos com outras deusas e mulheres mortais, o rei dos deuses era conhecido tanto por sua descendência variada quanto por sua realeza.

De grandes deuses a reis esquecidos, os filhos de Zeus deixaram sua marca no mundo grego.

Quem São os Filhos de Zeus?

O Filho de Zeus e Hera

Oficialmente, Zeus era casado com sua irmã Hera. Enquanto alguns de seus filhos, como Hera, nasceram antes de sua união, muitos mais nasceram depois que Hera se tornou sua esposa.

O casamento nem sempre foi feliz. Hera inicialmente recusou seus avanços, embora eventualmente tenha se casado de boa vontade.

Seu marido, entretanto, era um conhecido namorador. O rei dos deuses teve dezenas de casos, amantes e filhos ilegítimos ao longo dos tempos.

Cada caso, e o nascimento de cada filho, incitava ciúme e ódio em Hera. Os filhos de Zeus, em particular, ganharam sua ira.

Enquanto as crianças nascidas para os assuntos do deus eram irrepreensíveis em seus próprios nascimentos, Hera via cada uma delas como uma ameaça para seu próprio filho, Ares.

Hera teve dois filhos. Dizia-se geralmente que Hefesto nasceu partenogeneticamente, isto é, sem o envolvimento de um pai, tornando Ares o único filho nascido do casamento de Zeus e Hera.

Apesar dessa posição, no entanto, Ares estava longe de ser o filho favorito de seu pai.

Ares, o deus da guerra, era por natureza, briguento. Ele existia para incitar o conflito e se deliciava com o caos e o derramamento de sangue de uma batalha acalorada.

Embora o próprio Zeus fosse conhecido por seu temperamento, a natureza guerreira de Ares muitas vezes ia contra o papel de Zeus como patrono da justiça e da ordem social.

O rei dos deuses mostrou pouca afeição por seu único filho com Hera.

Todo filho nascido fora do casamento era, para Hera, outra ameaça à posição de Ares na hierarquia do Monte Olimpo.

Hércules e Outros Heróis

Hera tinha boas razões para acreditar que seu marido favoreceria outros filhos em vez de Ares, e seu ciúme frequentemente nascia da experiência. Alguns dos filhos favoritos de Zeus nem mesmo nasceram como deuses.

Muitas das mulheres com quem Zeus teve casos eram mortais. Seus filhos geralmente nasceram com qualidades suficientes de seus pais para torná-los verdadeiros heróis.

Provavelmente, o mais famoso dos heroicos filhos mortais de Zeus foi Hércules. Ele também teve a distinção de ser feito imortal e bem recebido no panteão do Olimpo como um deus.

Durante seu tempo na terra, Hera se esforçou para tornar a vida de seu enteado o mais difícil possível. Ela até enviou um par de serpentes para matá-lo quando ele ainda era um bebê em seu berço.

Quando Hércules chegou à idade adulta, Hera o infligiu uma loucura que o fez matar sua própria esposa e filhos. Seus famosos doze trabalhos foram realizados para expiar esse terrível crime.

Hércules teve muitas outras aventuras após o término de seu período de expiação. Quando ele finalmente morreu devido a um terrível acidente, ele foi levado ao Olimpo para se sentar ao lado de seu pai como um deus.

Surpreendentemente, Hera parecia mais tolerante com o divino Hércules do que com o herói mortal. Ele se casou com a filha dela, Hebe, e teve uma vida doméstica pacífica entre os deuses.

Hércules não foi o primeiro membro de sua família a chamar Zeus de pai. Na verdade, o herói veio de uma longa linhagem de filhos semidivinos de Zeus.

Sua mãe, Alcmena, era neta de Perseu. O herói mais famoso de sua época também foi um dos célebres filhos mortais de Zeus.

O filho de Zeus e Dânae é mais lembrado por matar Medusa, a mortal Górgona. Ele também fundou as dinastias Micênica e Perseida.

De todos os filhos mortais de Zeus, Perseu e Hércules foram indiscutivelmente os mais famosos e talentosos. Hércules pode ter ultrapassado a fama de seu bisavô em grande parte porque ele podia contar Zeus tanto como seu pai quanto como seu tataravô, dando-lhe uma porcentagem ligeiramente maior de linhagem divina.

Os Filhos Favoritos de Zeus

Os heroicos filhos mortais de Zeus tinham seu favor, mas nenhum filho era tão amado por Zeus quanto os olímpicos.

Enquanto Ares era frequentemente ignorado ou mesmo desacreditado por seu pai, Apolo, Dioniso e Hermes eram frequentemente considerados seus filhos favoritos. Ele mostrou-lhes um grande apreço, elevando-os a altos cargos na hierarquia dos deuses.

Apolo era filho da titã Leto e irmão gêmeo de Artêmis. Antes de seu nascimento, Hera foi avisada por uma profecia de que o filho de Leto seria favorecido por seu pai em detrimento do dela.

Embora ela tentasse impedir Leto de dar à luz de todas as maneiras que podia, até mesmo mantendo a deusa do parto como refém para reter sua ajuda, Hera não foi capaz de impedir que Apolo e Ártemis viessem ao mundo.

Desde o momento em que nasceram, ficou claro que os gêmeos seriam divindades poderosas e bem-amadas.

A deusa Ártemis às vezes era retratada como sendo adorada por seu pai, especialmente em sua juventude. Mas Apolo alcançou grandes alturas no panteão, tornando-se visto como um deus quase nacional do povo grego como um todo.

Um hino a Apolo descreveu a alegria com que ele foi recebido no Monte Olimpo:

Hei de lembrar-me e não hei de esquecer-me de Apolo certeiro.

Dele os divinos na casa de Zeus têm pavor quando passa

E se levantam com pressa conforme lhes chega mais perto

Todos das cátedras quando ele enverga seu arco brilhante.

Leto sozinha mantém-se com Zeus que se agrada com raios:

Logo ela desencordoa seu arco, põe fecho na aljava,

E de seus ombros potentes, tomando nas mãos em seguida,

Ela pendura seu arco num poste da casa paterna

Sobre um suporte dourado. Depois o conduz a sentar-se.

Logo seu pai lhe dá néctar num cálice todo dourado

Ao receber o seu filho. Depois os demais dentre os numes

Sentam-se junto também. Então Leto senhora se alegra

Pois deu à luz um arqueiro potente na forma de filho.

Leto ditosa eu saúdo: geraste uma prole brilhante,...

- Hino homérico 3 a Apolo Délio 2 - 148

Apolo foi reverenciado como um grande deus desde o momento em que nasceu, mas seu meio-irmão mais novo, Hermes, conquistou o afeto de Zeus por meio da inteligência.

Hermes, filho da ninfa Maia, nasceu em segredo. Zeus tinha conseguido manter suas visitas a Maia em segredo de sua esposa e da corte dos deuses, então ninguém sabia quando ela deu à luz seu filho.

Hermes era um malandro nato. Na primeira noite de sua vida, ele rastejou de seu berço enquanto sua mãe dormia e roubou o gado valioso de Apolo por capricho.

O filho mais velho de Zeus só foi capaz de rastrear o ladrão por causa de seus dons proféticos, e mesmo Maia não conseguia acreditar que seu filho recém-nascido fosse capaz de tal travessura.

Apolo levou o bebê ao Olimpo para ser julgado por seu pai, mas o processo não correu como ele poderia ter planejado. Em vez de ficar zangado com os crimes do deus infante, Zeus estava apaixonado pela sagacidade e humor de seu novo filho.

Apesar de seu talento para criar problemas, Hermes foi recebido pelos olímpicos como um dos seus. Ele se tornou o mensageiro e arauto de Zeus, dando-lhe autoridade para falar em nome de seu pai.

E apesar do começo difícil, Hermes e Apolo também se tornaram amigos. O presente da lira recém-inventada suavizou qualquer raiva que Apolo sentia pelo roubo de seu gado e estabeleceu o irmão mais velho como o deus da música e da poesia.

Enquanto Maia mantinha a gravidez em segredo de Hera, Sêmele ou Sémele não teve tanta sorte. Hera enganou a garota humana para ver Zeus em toda a sua glória divina, resultando em sua morte imediata.

Hera não conseguiu evitar o nascimento do filho de Sêmele, no entanto. Zeus costurou o feto em sua própria perna, retirando Dionísio quando chegou a hora de seu nascimento.

Apesar da natureza mortal de sua mãe, Zeus deu as boas-vindas a Dionísio no Monte Olimpo como um deus. Ele era o deus do vinho, da festa e da alegria.

Hera tentou destruí-lo novamente, amaldiçoando-o com a loucura como fizera com Hércules. Dionísio vagou pelo mundo, espalhando seu presente de vinho para todas as pessoas que encontrou.

Dionísio acabou sendo curado de sua insanidade temporária, embora a loucura sempre fizesse parte de suas festas infames. A esposa de Zeus foi forçada a aceitar que mais um dos filhos de seu marido havia sido bem-vindo na companhia dos olímpicos e era mais amado do que seu próprio filho, Ares.

As Linhas Dos Reis

Nem todos os filhos de Zeus eram heróis ou deuses. Entre os mortais e filhos semidivinos de Zeus, entretanto, vários ainda deixaram sua marca no mundo grego.

Dezenas de supostos filhos de Zeus se tornaram reis e ancestrais de nações inteiras. Às vezes, essa linhagem era uma questão de lenda local, mas muitas vezes era uma crença estabelecida e amplamente difundida em toda a região.

Uma lista incompleta dos filhos reais de Zeus ainda é uma visão geral impressionante da Grécia e do Mediterrâneo. Praticamente todas as terras da região podiam traçar sua herança governante até o rei dos deuses.

  • Arcas - O filho da ninfa Calisto se tornou o rei fundador da Arcádia.
  • Dardano - filho de Electra fundou a cidade que leva seu nome.
  • Éaco - Ele governou a ilha de Egina, batizada em homenagem a sua mãe ninfa. Ele se tornou um dos três reis designados para governar o destino das almas enviadas ao submundo.
  • Anfião - O rei de Tebas construiu a cidade junto com seu irmão, Zeto. Ele é frequentemente lembrado como o marido de Niobe, a rainha cujas palavras depreciativas sobre Leto levaram à morte de seus quatorze filhos.
  • Épafo - o filho de Io foi um dos poucos sobreviventes do grande dilúvio que matou a maior parte da humanidade na Idade do Bronze. Ele se tornou o rei do Egito, o pai da Rainha Líbia e um ancestral distante de Perseu e Hércules.
  • Minos - O primeiro rei de Creta e homônimo da cultura minoica era filho de Zeus e Europa.
  • Sáon - O unificador de muitas pessoas de Samotrácia era filho de Zeus e uma ninfa.
  • Helena - Ancestral de todos os povos de língua grega deu seu nome à cultura helênica.
  • Tântalo - O rei da Frígia é mais lembrado pelo castigo que estava condenado a sofrer no Tártaro.
  • Lacedemon ou Lacedemão - foi o fundador epônimo da cidade-estado mais conhecida como Esparta.
  • Iarbus - filho de uma ninfa sem nome da África se tornou o primeiro governante da Numídia.
  • Endimião - Às vezes chamado de rei de Elis, o amante da deusa da lua Selene também pode ter sido filho de Zeus.
  • Pirítoo - o amigo de Teseu também era o rei do povo Lápitas de Larissa.
  • Arcésio - O primeiro rei de Ítaca era o avô de Odisseu.
  • Argos - o fundador de Argos foi outro dos filhos mortais de Zeus.
  • Greco - O filho de Zeus e Pandora era considerado o ancestral de todos os povos gregos.
  • Latino - o irmão de Greco foi similarmente o ancestral lendário dos falantes de latim.
  • Dorus - O fundador da nação dórica era filho de Protogeneia.
  • Egito - Ele foi o lendário fundador do Egito e o ancestral de seus reis.
  • Magnes - Seu nome foi dado à terra de Magnésia.
  • Makedon, também macedônio ou makednos - o irmão de Magnes fundou a Macedônia.
  • Corinto - Na tradição local, o fundador de Corinto era filho de Zeus.

A lista dos filhos de Zeus que se tornaram reis ou estabeleceram novas cidades é longa. Netos adicionais e novas gerações vinculariam virtualmente todas as cidades-estados e terras estrangeiras conhecidas pelos gregos ao rei do Olimpo.

Havia uma boa razão para tantas cidades e nações alegarem ter sido fundadas pelos filhos e netos de Zeus. Além da crença de que os filhos de um deus eram destinados por nascimento a serem líderes, tal linhagem também dava legitimidade à reivindicação de poder de uma família governante.

Zeus era o rei dos deuses, a maior autoridade do cosmos. A descendência de Zeus significava que a reivindicação de poder de um rei era baseada na herança divina, não em leis mortais mais fracas.

Quando um rei reivindicava que sua árvore genealógica não remontava apenas a um deus, mas ao rei do Olimpo, isso fortalecia sua reivindicação de poder. O sangue divino correndo por ele, mesmo que diluído após muitas gerações, dava a ele um direito maior de governar do que alguém de origem puramente mortal.

O mesmo vale para cidades e países inteiros. A afirmação de que um lugar foi estabelecido por um filho ou neto de um deus implicava que o próprio deus favorecia os habitantes e governantes daquela cidade como seus descendentes.

Claro, em muitos casos é óbvio que a suposta descendência de Zeus foi uma invenção de eras posteriores e não uma crença de longa data. Colônias mais novas, por exemplo, às vezes reivindicam origens divinas antigas na tentativa de estabelecer maior autoridade e legitimidade.

Um dos exemplos mais famosos disso foi o herói romano Enéias. Em um esforço para estabelecer suas origens antigas e vincular-se ao passado grego, os primeiros romanos pegaram emprestada a figura de Enéias da Ilíada e criaram uma mitologia na qual o filho de Vênus (Afrodite) viajou para o oeste para fundar Roma.

Enéias se casou com Lavínia, filha do filho de Zeus, Latino. Sua primeira esposa, Creusa, era filha do rei Príamo de Tróia e da deusa Hécuba.

A criação do mito de Enéias deu aos romanos a reivindicação de uma herança que incluía três principais divindades do panteão greco-romano e o lendário rei de Tróia. As reivindicações continuaram quando os primeiros reis de outras terras europeias, como a Grã-Bretanha, reivindicaram seus próprios ancestrais dos filhos de Enéias.

A ideia de reivindicar um deus, especialmente Zeus, como o ancestral dos reis ajudou a estabelecer monarquias com base na autoridade divina, bem como na linhagem mortal.

Filhos Disputados de Zeus

Claro, nem todos aqueles que se diz serem filhos de Zeus sempre estiveram de acordo.

As fontes gregas sobreviventes frequentemente fornecem informações incompletas ou contraditórias sobre muitos aspectos da mitologia grega, incluindo a ascendência de muitas figuras.

Os mitos gregos foram escritos ao longo de um período de quase mil anos, com tradições orais que datam muito antes mesmo dos primeiros registros escritos. Além disso, variações locais das lendas levaram a mais discrepâncias entre as histórias transmitidas.

Como resultado, não há uma lista completa ou definitiva dos filhos de qualquer um dos deuses gregos, incluindo Zeus. Muitas das figuras que foram consideradas seus filhos por um escritor receberam um pai diferente em outra fonte.

Alguns dos filhos de Zeus são mencionados apenas uma vez nos textos sobreviventes, tornando ainda mais obscuro se eles foram amplamente considerados como figuras mitológicas ou surgiram da imaginação de um único escritor.

Com exceção dos deuses e heróis mais conhecidos, quase todas as divindades menores e governantes mortais que foram chamados de filhos de Zeus em uma fonte receberam um histórico contraditório em outra.

Uma das melhores ilustrações da obscura ascendência de alguns dos filhos de Zeus pode ser vista na história de Leda e seus quatro filhos.

Leda era uma mulher humana casada com o rei Tíndaro ou Tindáreo. Na versão mais comum de seu mito, Zeus veio até ela na forma de um cisne.

Leda botou vários ovos dos quais seus filhos nasceram. Tendo um marido mortal e um amante divino, presumia-se que metade de seus filhos pertencia a Tíndaro e metade a Zeus.

Não há acordo entre as fontes sobre quais filhos foram gerados por cada um, no entanto. Na verdade, não há nem acordo sobre quantos filhos Leda teve dessa forma ou quais eram seus nomes!

A maioria das versões da história foi baseada em quatro crianças nascidas dos ovos de Leda, dois meninos e duas meninas.

Os meninos, Castor e  Pollūx) ou Polideuces, costumavam ser ligados como gêmeos. Suas filhas Clitemnestra e Helena tornaram-se rainhas famosas.

Mas quase todos os escritores antigos dividiam os pais dos quatro filhos de maneira diferente. Helena, cuja fuga com Páris deflagrou a Guerra de Tróia, foi considerada por alguns escritores como totalmente mortal, enquanto outros a trouxeram ao Monte Olimpo como uma deusa totalmente reconhecida!

Os quatro filhos de Leda fornecem apenas um exemplo de como pode ser difícil determinar quais personagens da mitologia grega podem ser adequadamente descritos como filhos de Zeus. Todos os quatro figuraram com destaque nos mitos da Guerra de Tróia e os gêmeos passaram a desempenhar um papel na mitologia fundadora de Roma, mas mesmo entre essas figuras conhecidas é impossível dizer com certeza quem tinha linhagem divina.

As Filhas do Deus

Claro, Zeus não gerou apenas filhos.

Por mais numerosos que fossem seus filhos homens, ele tinha ainda mais filhas.

Muitas foram agrupadas em irmandades. As Moiras e Horas, os Fados e as Estações, eram todos considerados suas filhas, assim como as nove Musas.

Por mais proeminentes que seus filhos divinos fossem, as deusas que ele gerou eram igualmente reverenciadas. Além de Ártemis, Atena e Perséfone desempenharam papéis importantes na mitologia da Grécia.

Embora seus filhos humanos frequentemente se tornassem reis, muitas de suas filhas eram rainhas. Algumas mais tarde se casaram com outros deuses, vinculando-os ainda mais à intrincada árvore genealógica do Olimpo.

Uma coisa que permaneceu consistente, no entanto, foi que os filhos que ele teve com Hera nunca foram tão amados quanto seus favoritos entre os filhos de suas amantes. As filhas de Hera, da cruel Éris à amorosa Hebe, nunca alcançaram a fama de Atena ou Helena de Tróia.

Resumindo Sobre os Filhos de Zeus

Zeus era casado com Hera, mas era famoso por seus muitos casos extraconjugais. Como resultado de suas muitas infidelidades, ele foi pai de dezenas, senão de centenas de crianças.

Hera costumava revelar seu ciúme sabotando as amantes de Zeus, seus filhos ou ambos. Muito de seu ciúme foi alimentado pela preferência que Zeus parecia mostrar por seus outros filhos ao invés do próprio filho de Hera, Ares.

Dois dos maiores heróis da Grécia eram filhos famosos de Zeus. Perseu e seu bisneto Hércules eram descendentes do rei dos deuses e de uma princesa mortal.

Três de seus filhos favoritos foram aceitos como deuses do Olimpo ao nascer, mesmo que suas mães fossem de uma posição inferior. Apolo, Hermes e Dioniso eram todos filhos de Zeus, que se tornaram figuras centrais no panteão do Monte Olimpo.

Além de seus filhos mais conhecidos, dezenas de reis eram considerados filhos e netos do rei dos deuses. Os governantes humanos afirmavam que suas dinastias ou cidades foram fundadas pelos filhos de Zeus para dar maior legitimidade e autoridade divina às suas reivindicações de poder.

É impossível dizer com certeza, entretanto, quantos filhos Zeus teve ou quais homens mortais eram realmente considerados seus filhos. Relatos esparsos e contraditórios tornam as linhagens de muitas figuras mitológicas nebulosas, mesmo em histórias tão famosas como o nascimento dos filhos de Leda a partir de ovos de cisne.

O que é consistente nos mitos dos filhos de Zeus, entretanto, é que o rei dos deuses gerou muitos filhos e mostrou pouca preferência pelos filhos de sua legítima esposa. Enquanto Ares e suas irmãs eram frequentemente ignorados ou menosprezados, outros filhos de Zeus foram aclamados tanto entre os humanos quanto entre os deuses.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem