Hécuba - Princesa da Mitologia Grega

Hécuba era filha do rei Dimas da Frígia, ou talvez fosse o rei Cisseu da Trácia, dependendo se você lê Homero ou Virgílio. Outros estudiosos dizem que ela era filha de um deus do rio. Qualquer que fosse sua linhagem, ela era esposa de Príamo, Rei de Tróia, e mãe de dezenove filhos, embora dois de seus filhos tivessem a fama de ter nascido quando o Deus Sol, Apolo, era seu amante. Hécuba viajou nas sociedades mais elevadas. Aqui está mais sobre ela:

Hécuba - Princesa da Mitologia Grega

Presságios de Destruição

A gravidez de Hécuba com Paris provou ser inquieta e atingiu o clímax com o advento de um sonho profético. Neste sonho, em vez de dar à luz um bebê normal, ela deu à luz a uma tocha de fogo coberta de cobras. Ela procurou os profetas de Tróia para interpretar este sonho, e eles revelaram que era um presságio preocupante. O presságio previu que, se seu filho vivesse, ele seria o responsável pela queda e destruição de Tróia. Hécuba não suportou esta notícia e como Paris estava nascendo, ela ordenou que dois de seus servos o matassem. Os servos não conseguiram matar um bebê indefeso e, em vez disso, deixaram Paris na encosta de uma montanha para serem levados por feras. Mas um pastor logo encontrou Paris e o criou como seu próprio filho. Muitos anos depois, Paris voltou a Tróia e começou a Guerra de Tróia roubando Helena, esposa do rei Menelau, de Esparta. Como todos os governantes da Grécia juraram defender Helena, eles declararam guerra a Tróia, saqueando e queimando a cidade e cumprindo a profecia em um cerco de ruína e chamas.

Durante a Guerra de Tróia

Páris, Príncipe de Tróia, filho de Príamo e Hécuba, foi expulso da cidade quando nasceu por causa do sonho de Hécuba em que ela deu à luz uma tocha de fogo que destruiu Tróia. Mas, por sorte e lendas, o bebê foi criado por uma mãe ursa ou um pastor, novamente dependendo de qual das lendas você lê. Mais tarde, ele foi aceito de volta na família como herdeiro de Tróia. Páris então sequestrou (ou fugiu com) Helena de Esparta, esposa de Menelau, rei de Esparta. Menelau, enfurecido, foi até seu irmão, Agamenon, rei de Micenas. Eles reuniram suas tropas e marcharam sobre Tróia.

Os maiores heróis da guerra foram Heitor, filho de Hécuba, para os troianos e Aquiles para os gregos. Heitor acabara de matar Pátroclo, o amigo mais querido de Aquiles. Em sua dor e raiva, Aquiles estava sozinho aniquilando o exército de Tróia. Hector estava se preparando para sair e enfrentá-lo em um combate individual. Hécuba implorou ao filho que desse uma libação a Zeus antes que ele saísse. Hector sugeriu um apelo diferente aos deuses e recusou a taça de libação. Aquiles o matou e mutilou seu corpo.

Apolo e Troilo

Hécuba mais tarde teria um filho com Apolo, e outra profecia foi feita: se Troilo vivesse até os 20 anos, Tróia não cairia, apesar da profecia anterior. Mas Aquiles esperava em uma emboscada enquanto Troilo cavalgava perto de um poço na frente da cidade. Troilo fugiu para o templo de Apolo e foi morto no altar e então arrastado por seus próprios cavalos, selando o destino da cidade em condenação e ruína em cumprimento ao presságio.

Cerco de Tróia e Consequências

O cerco durou dez anos. Tróia parecia estar indo bem até que os gregos trouxeram o cavalo de Tróia e invadiram a cidade. Hécuba perdeu a maior parte de sua família, incluindo seu marido, Príamo, bem como Páris, Heitor e outros cinco de seus filhos, junto com duas de suas filhas.

Quando Tróia foi tomada, Hécuba tornou-se prisioneira dos gregos e foi entregue a Odisseu como escravo. Sua filha mais nova, Polixena, foi fundamental para causar a morte de Aquiles. Os gregos queriam voltar para casa, mas seus navios não tinham vento. O espírito de Aquiles apareceu e os instruiu a sacrificar Polixena e eles recuperariam o fôlego. Hécuba implorou pela vida de seu filho em vão.

Vingança de Hécuba

Antes da guerra, Hécuba havia deixado seu filho mais novo, Polidoro, com o rei da Trácia por segurança. Quando os triunfantes gregos voltaram para casa, eles pararam na Trácia. Hécuba encontrou seu filho assassinado pelo rei. Ela arrancou os olhos do assassino e matou seus dois filhos.

Quando Odisseu tentou pegá-la, Apolo a transformou em um cachorro. Ela escapou, jogando-se no mar. Seu túmulo deveria estar em um promontório, um marco para os marinheiros. A história de Hécuba foi contada por Homero, Virgílio e Eurípides, uma eterna história de tristeza.

Influência Atual

O conto de Hécuba é mencionado várias vezes na Ilíada, bem como na Eneida. Ela também é tema ou personagem de várias peças, como “Hécuba”, e a terceira de uma série de tragédias sobre a Guerra de Tróia, “As Mulheres de Tróia”, de Eurípides. Em idades posteriores, ela aparece na literatura romântica, como "Hamlet" de William Shakespeare.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem