O Minotauro: O Monstro de Creta Com Cabeça de Touro

Quão bem você acha que conhece o mito do Minotauro - o monstro metade touro e metade humano que aterrorizou a ilha de Creta?

Mesmo que você não conheça bem a mitologia grega, provavelmente já se ouviu falar sobre o Minotauro. O famoso monstro de Creta, uma mistura de um touro e um homem, tornou-se uma das criaturas lendárias mais icônicas do mundo.

Preso no Labirinto, o labirinto mais famoso da história, o monstro se banqueteava com dezenas de jovens inocentes que eram enviados para enfrentá-lo.

Normalmente mostrado com o corpo de um homem musculoso e a cabeça de um touro louco, o Minotauro era uma monstruosidade comedora de carne que trouxe sofrimento a muitos. Mesmo preso, foi um inimigo formidável para um dos heróis mais conhecidos da mitologia grega antiga.

Embora a história do Minotauro possa parecer uma das mais fantásticas de todas as lendas antigas, suas origens são surpreendentemente fundamentadas no mundo real.

De um culto perdido a um arquétipo moderno, a história por trás do Minotauro e do Labirinto que o aprisionou pode surpreendê-lo!

O Minotauro: O Monstro de Creta Com Cabeça de Touro

O Nascimento do Minotauro

A lenda do Minotauro começa com um dos reis mais famosos da mitologia do Mediterrâneo. Minos, o rei de Creta, competiu com seus irmãos pelo governo da nação insular.

Ele e seus irmãos foram criados por Astério ou Asterion, o fundador de Creta, que se casou com sua mãe, mas não teve outros filhos com ela.

A mãe deles, Europa, foi raptada para a ilha por Zeus, que assumiu a forma de um touro branco.

Astério deixou sua nova nação para Minos, que brigou com seus irmãos. Quando ele prevaleceu, ele os baniu de seu novo reino.

O rei pediu a Poseidon que lhe enviasse um touro branco como um sinal de que os deuses favoreciam seu governo. Ele jurou sacrificar o touro ao deus quando o recebesse.

Poseidon enviou o touro para Minos, mas quando ele chegou, o rei estava tão dominado pela beleza e majestade do animal que preferiu mantê-lo. Ele pensou que os deuses aceitariam um sacrifício substituto em seu lugar.

Poseidon não aceitou a substituição, no entanto. Em vez disso, ele se sentiu insultado porque seu presente deveria ser tomado como desejo pessoal por um mortal ingrato.

Ofender os deuses poderia levar a consequências graves e Minos seria punido por seu egoísmo.

Para punir Minos, Poseidon primeiro virou o belo touro contra ele. O antes gentil animal se tornou selvagem, causando estragos e destruindo campos e casas.

O touro cretense funcionaria selvagemente por anos, destruindo grande parte da ilha. Eventualmente, sua captura seria um dos doze trabalhos de Hércules.

Hércules levou o touro para a Grécia continental como parte de sua tarefa, onde foi libertado para correr solto. Ele destruiu grandes trechos da paisagem, finalmente fazendo sua casa perto de Maratona.

Finalmente seria morto por Teseu depois que ele chegou a Atenas. Esta não seria a última vez que o Destino reuniu aquele herói com os touros de Creta.

A ira de Poseidon não foi completa, no entanto. Antes de o touro ser capturado por Hércules, ele chamou Eros para punir ainda mais o voluntarioso rei humano.

Eles fizeram a esposa do rei, Pasifae, se apaixonar desesperadamente pelo animal. Vencida pela flecha de Eros, ela se tornou obcecada pela criatura selvagem.

A rainha chamou o famoso arquiteto e inventor que serviu na corte de Minos, Dédalo. Sob as ordens dela, ele construiu uma vaca de madeira na qual a rainha poderia subir.

Disfarçada em sua vaca artificial, a rainha foi a um campo em que o Touro de Creta era conhecido por pastar.

O resultado foi o nascimento do Minotauro.

A criatura foi originalmente chamada de Astério, em homenagem ao padrasto de Minos, mas não demorou muito para que ela se tornasse conhecida por um nome mais descritivo.

Este nome veio do próprio padrasto, Minos, e da palavra para touro, taurus. Foi o touro de Minos, sua punição por ofender os deuses.

O monstro era metade humano e metade touro. Normalmente representado com o corpo de um homem e a cabeça com chifres e cauda de um animal, era uma criatura assustadora.

Pasifae, no entanto ainda gostava de seu filho. Ela cuidou do Minotauro até que ele cresceu, forte e feroz.

Como uma criatura monstruosa, o Minotauro não tinha nenhuma fonte natural de alimentação. Ele não podia comer a comida normal de humanos ou a grama que sustentaria um touro.

Em vez disso, o Minotauro começou a comer pessoas.

Os Sacrifícios no Labirinto

Minos tinha que encontrar uma maneira de manter seu povo a salvo do monstro que sua esposa dera à luz. Ele convocou Dédalo, que foi pelo menos parcialmente responsável por seu nascimento, para encontrar uma solução.

Na corte do rei em Cnossos, o arquiteto construiu o Labirinto.

Esta famosa estrutura foi uma prisão semelhante a um labirinto para o Minotauro. Seus corredores tortuosos e confusos foram projetados para serem impossíveis de escapar.

De acordo com Ovídio, Dédalo foi tão bem-sucedido em projetar as passagens intrincadas e desconcertantes do Labirinto que ele mesmo mal conseguiu encontrar o caminho para fora quando sua construção foi concluída.

A maioria das lendas diz que o grande labirinto foi construído no subsolo. O frio e a escuridão sob a terra tornavam ainda menos provável que o monstro encontrasse uma saída.

O Minotauro foi preso, mas Minos ainda precisava encontrar uma maneira de alimentá-lo. Os foles raivosos e famintos da criatura sacudiam o palácio de Cnossos e podiam ser sentidos em Creta.

A resposta para o problema do rei veio na forma de conquista.

Não muito antes, o filho de Minos, Androgeus, havia sido morto em Atenas. Enquanto algumas lendas dizem que foi um assassinato intencional, outras afirmam que a morte do príncipe foi um acidente.

Alguns até alegaram que ele havia sido morto pelo próprio Touro de Creta depois que ele migrou para Maratona.

Seja como for, Minos culpou o rei ateniense pela morte de seu filho.

Quando Minos assumiu o poder, um de seus primeiros atos foi travar uma guerra contra Atenas para vingar a morte do príncipe.

Minos teve sucesso e Atenas tornou-se um estado cliente de Creta.

A cidade foi obrigada a homenagear seu conquistador e Minos viu uma oportunidade para resolver o maior problema que enfrentava na época.

Em vez de ouro ou grãos, ele fez os atenienses pagarem com sangue.

O Minotauro exigia carne humana, então Minos ordenou que Atenas enviasse sete rapazes e sete moças como pagamento.

As lendas variam quanto à frequência com que Atenas foi forçada a entregar seus jovens. Alguns disseram que o preço deveria ser pago a cada sete anos, outros disseram que nove.

Alguns até disseram que os atenienses eram forçados a sacrificar quatorze de seus jovens todos os anos.

Os rapazes e moças eram escolhidos por sorteio em um desenho horrível. Eles sabiam que, uma vez enviados para Cnossos, não havia esperança de voltarem vivos.

Teseu e o Minotauro

Na época, Atenas era governada pelo rei Egeu, o homem que daria seu nome ao mar Egeu como resultado indireto de seu envolvimento com Creta.

Antes do início da guerra, Egeu não tinha filhos. Ansioso por ter um herdeiro, ele consultou o oráculo de Delfos para perguntar por que nenhuma de suas esposas anteriores lhe dera filhos.

A profecia que lhe foi dada era que ele não deveria afrouxar a boca de seu odre até que chegasse ao pináculo de Atenas ou morreria de tristeza.

Ele não entendeu o conselho do oráculo, por isso ficou desanimado ao voltar para casa.

Ele parou na cidade de Trezena enquanto viajava em direção a Atenas. O rei daquela cidade acreditava ter entendido as palavras do oráculo, e que elas envolviam sua filha Etra ou Aethra.

O rei de Trezena encheu Egeu com vinho forte e, uma vez que o ateniense estava bêbado, ofereceu-lhe sua filha.

Naquela mesma noite, Aethra teve uma visão em um sonho enviado por Atena que a levou a vadear para uma ilha próxima. Lá, ela foi visitada por Poseidon.

Seu filho Teseu, portanto, era considerado como filho do rei ateniense e do deus do mar.

Essa dupla paternidade era comum nas lendas dos grandes heróis do passado antigo. Eles eram mortais, mas possuíam força e coragem muito além das dos homens comuns.

Egeu teve que voltar para sua cidade natal antes que o bebê de Aethra nascesse. Antes de partir, ele enterrou suas sandálias, escudo e espada sob uma grande rocha.

Quando o filho de Aethra ficou forte o suficiente para mover a rocha e reivindicar seus pertences, Egeu disse que o receberia em Atenas como seu filho.

Teseu cresceu até a idade adulta e encontrou os pertences de seu pai humano. Aethra contou a ele a história de seu nascimento e ele decidiu partir para Atenas, pegando a rota terrestre mais longa e perigosa em vez de viajar de navio.

Ao longo do caminho, ele passou por seis entradas para o submundo, cada uma guardada por um monstro terrível. Ele matou todos eles, estabelecendo uma reputação que o procedeu quando chegou à cidade de seu pai.

Ele não se identificou imediatamente, no entanto. Medéia, que se casou com Egeu nesse meio tempo, foi a única pessoa capaz de reconhecer o jovem como filho de seu marido por causa da semelhança entre eles.

Preocupada com a possibilidade de Teseu suplantar seu próprio filho como herdeiro, Medéia o viu como uma ameaça. Ela tentou várias vezes causar sua morte ou matá-lo, mas o jovem herói sempre emergia vitorioso.

Ela até o enviou para matar o Touro de Creta, que a essa altura havia sido trazido para o continente por Hércules e estava causando o caos perto de Maratona. Foi somente depois desse grande feito que Teseu foi reconhecido por seu pai e aceito como seu herdeiro.

A intrigante Medeia foi enviada para o exílio.

O feliz reencontro de Egeu com seu filho não duraria muito, no entanto. Aproximava-se a hora de Atenas prestar sua terceira homenagem de quatorze jovens ao rei Minos.

Quando Teseu ouviu sobre o sacrifício dos jovens mais nobres de Atenas, ele ficou horrorizado. Ele jurou a seu pai que acabaria com o tributo para sempre.

Teseu ocupou o lugar de um dos sete jovens selecionados para navegar para Creta.

Essas coisas afetaram sensatamente Teseu, que, pensando nisso, mas não para desconsiderar, mas sim participar, dos sofrimentos de seus concidadãos, se ofereceu por alguém sem qualquer sorte. Todos os demais foram atingidos pela admiração pela nobreza e pelo amor pela bondade do ato. - Plutarco

Finalmente reunido com seu filho, Egeu estava com medo de enviá-lo para a morte quase certa. Teseu garantiu a seu pai que seria capaz de derrotar o terrível monstro que estava massacrando os jovens atenienses, assim como matou o touro selvagem que o criou.

Ele disse a Egeu para cuidar das velas do navio que retornou de Creta. Os navios que faziam tributos a Creta sempre partiam com velas negras em sinal de luto, mas Teseu disse ao pai que içaria velas brancas no retorno se tivesse sucesso.

Quando Teseu e os outros jovens atenienses chegaram a Cnossos, uma das pessoas que o saudou foi Ariadne, filha do rei Minos. A princesa se apaixonou pelo belo jovem herói e jurou que não o deixaria morrer.

Ariadne consultou Dédalo, que também estava insatisfeito com o uso cruel do Labirinto. Juntos, ela e o artífice desenvolveram uma maneira de Teseu escapar do grande labirinto.

Ela acompanhou Teseu até a entrada do Labirinto tarde da noite e entregou-lhe um carretel de linha. Ele amarrou uma ponta do fio a um poste perto da porta e o desenrolou ao entrar no labirinto escuro.

Enquanto Teseu rastejava pelos túneis subterrâneos, ele puxou sua espada, que ele havia conseguido manter escondida dos guardas cretenses. Ele seguiu as instruções que Dédalo lhe dera para chegar ao coração do labirinto.

Nas profundezas do labirinto, ele encontrou o Minotauro enquanto ele dormia.

A besta acordou assim que Teseu se aproximou, e uma grande luta aconteceu entre eles.

Alguns escritores disseram que Teseu foi capaz de matar o Minotauro com sua espada. Outros disseram que o herói foi desarmado na luta e foi forçado a estrangular o monstro com as próprias mãos.

De qualquer forma, Teseu emergiu como o vencedor. Seguindo o cordão que Ariadne lhe dera, o herói conseguiu encontrar o caminho para sair do labirinto tortuoso.

Teseu havia vencido a batalha contra o Minotauro, mas este não foi o fim de suas aventuras.

Ele partiu para Atenas com Ariadne, mas a abandonou na ilha de Naxos. Se isso foi um acidente ou porque ele sabia que ela estava destinada a se casar com Dioniso, depende de como será contado.

Distraído, ele esqueceu sua promessa de mudar as velas do navio para brancas. Vendo velas negras se aproximando, o rei Egeu se jogou no mar em desespero pelo filho que ele pensava ter perdido.

Esse mar, o Egeu, leva seu nome até hoje.

Teseu partiria para o submundo, mataria seu próprio filho devido à duplicidade da rainha amazonas e, segundo alguns relatos, navegaria com os argonautas. Mas o grande herói sempre seria mais lembrado por sua luta contra o Minotauro nos corredores do Labirinto.

Representações Modernas

O Minotauro continuou a capturar a imaginação de escritores e artistas muito depois do fim da crença nos mitos. Dante Alighieri o imaginou como um dos guardiões do submundo em seu Inferno.

Na década de 1930, o monstro se tornou um tema popular na arte surrealista. A revista Minotaure apresentou capas de mestres como Pablo Picasso, Salvidor Dali, Renee Magritte e Diego Rivera.

O Minotauro se separou de sua lenda, tornando-se um tipo de monstro lendário ao invés de um personagem específico.

Como tal, tem sido apresentado em tudo, desde filmes a histórias em quadrinhos, como um inimigo perigoso e bestial.

Algumas das representações recentes mais notáveis ​​incluem:

  • A clássica série de ficção científica da televisão britânica, Dr. Who, apresentava um Minotauro tanto na década de 1970 quanto em 2011. O retrato mais recente apresentava os protagonistas presos em um hotel labirinto com um Minotauro que os caçava um por um, atacando seus medos mais profundos.
  • Dungeons and Dragons, o jogo de RPG mais popular do mundo, apresenta minotauros como monstros e personagens ​​desde os anos 1980.
  • No popular desenho animado infantil My Little Pony: A Amizade é Magica, um minotauro chamado Iron Will é um personagem coadjuvante entre um elenco de outros animais inspirados na mitologia, incluindo pégasos e unicórnios.
  • O filme Minotauro de 2006 apresenta a lenda como uma história de terror.
  • A série de livros para jovens adultos Percy Jackson e os Olimpianos baseia sua história na mitologia grega. No primeiro livro, o herói titular luta e mata o Minotauro.
  • O filme kaiju norte-coreano Pulgasari, feito pelo cineasta sequestrado Shin Sang-Ok, apresenta um monstro baseado no Minotauro.
  • Assassin’s Creed: Odyssey, uma parcela da popular franquia de videogame ambientada na Grécia antiga, apresenta o Minotauro entre outros monstros e heróis mitológicos.
  • O filme Fúria de Titãs de 2012, uma sequência de Fúria de Titãs 1, apresenta um minotauro entre outros monstros vagamente baseado na lenda grega.
  • Tanto na versão cinematográfica de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa quanto na série de livros que a inspirou, As Crônicas de Nárnia, de C.S. Lewis, os minotauros aparecem ao lado de outros monstros mitológicos e demônios a serviço de governantes malignos.

A história também foi adaptada para vários momentos e locais. Alguns atualizam os personagens e as configurações para um público moderno, enquanto outros, como Jogos Vorazes, usam elementos do mito como inspiração para uma história única.

O Culto do Touro e o Minotauro

A história do Touro de Creta e do nascimento do Minotauro provavelmente teve suas raízes na antiga religião e nos rituais da ilha de Creta.

Separada do continente, Creta há muito era considerada uma cultura estrangeira pela maioria dos gregos. A nação insular sempre teve uma cultura e identidade distintas que a diferenciavam do resto do mundo grego.

Isso era especialmente verdadeiro no passado antigo, centenas de anos antes do auge da civilização grega.

A antiga cultura minoica, batizada por arqueólogos modernos em homenagem ao lendário Rei Minos, foi a primeira civilização altamente avançada na Europa antiga. Enquanto a Grécia continental estava saindo da Idade da Pedra, o povo de Creta construía palácios de vários andares com encanamento interno.

Cnossos, a lendária casa de Minos, era uma cidade real. Em 1600 aC, sua população pode ter chegado a 100.000 habitantes.

Apenas um século depois, no entanto, a civilização estava em declínio severo. Os arqueólogos acreditam que uma erupção vulcânica entre 1550 e 1500 aC destruiu grande parte da ilha e deixou o povo de Creta devastado econômica e culturalmente.

A cultura minoica foi substituída pela dos micênicos, os predecessores da cultura grega clássica. Na época em que os mitos e lendas da Grécia helênica foram registrados, a antiga civilização de Creta era lembrada apenas em ruínas e tradição.

Os minoicos tinham um sistema de escrita, mas na época dos gregos a língua havia se perdido. Os contadores de histórias gregos, portanto, só podiam interpretar as ruínas de Creta por meio da arte que sobreviveu.

Uma coisa que os gregos podiam ver eram representações de touros.

Os touros parecem ter formado uma parte importante da fé minoica, com muitos historiadores acreditando que o culto do touro era uma das instituições religiosas mais importantes de Creta.

Vários afrescos e estátuas encontrados na ilha, incluindo Cnossos, retratam homens pulando sobre os chifres de touros gigantes.

Platão mencionou a caça ao touro sem armas em sua descrição da Atlântida, que também pode ter sido baseada no declínio da grande cultura minoica em Creta.

Os altares da era minoica às vezes eram cobertos por chifres de touro. Plutarco mencionou um altar de chifres na vizinha Delos como uma maravilha do mundo.

Com esta obra de arte e possível tradição oral, os gregos associaram fortemente Creta aos touros.

Além do Minotauro e seu pai, eles afirmam que Creta foi fundada quando Zeus levou Europa para lá sob a forma de um touro branco. Glauco, filho de Minos e meio-irmão do Minotauro, foi comparado na coloração a um bezerro no rebanho de seu pai.

Há evidências de que algumas lendas de Minos como um rei fundador de Creta datam de muito antes de os gregos micênicos governarem a ilha. Entre os próprios minóicos e a visão grega deles, é lógico que o monstro mais infame de Creta fosse associado ao rei lendário e ao touro místico.

Uma teoria foi proposta, mas amplamente desacreditada, de que as próprias ruínas de Cnossos deram origem à história do Labirinto. As ruínas teriam parecido confusas e labirínticas para os gregos que as viram.

Mas, embora o palácio de Cnossos provavelmente não tenha sido a inspiração para o Labirinto, outros aspectos da lenda podem ter sido baseados em fatos.

A História da Lenda

É possível que a lenda do Minotauro tenha sido inspirada em mais do que apenas a vaga memória de um culto de touro em Creta. De acordo com alguns historiadores, a história minoica pode fornecer mais informações sobre o papel dos atenienses na história.

Em seu auge, Cnossos foi o centro da civilização mais poderosa da Europa. Seu poder não se limitava a Creta e às ilhas menores próximas - os minoicos também começaram a colonizar a Grécia continental.

Além de estabelecer seus próprios assentamentos, os minoicos eram a força econômica de sua época. O comércio foi estabelecido em todo o Mediterrâneo Oriental, espalhando sua influência cultural.

Durante esse tempo, cidades emergentes como Atenas estariam sob o domínio dos minoicos mais poderosos.

Embora não se saiba muito sobre os rituais minóicos, há algumas evidências de que o sacrifício humano pode ter sido praticado. Nesse caso, é provável que as vítimas tenham sido tiradas de estados de tributo, em vez de entre os próprios minoicos.

A história do sacrifício de jovens atenienses a um monstruoso meio-touro pode ter raízes em uma tradição real. Alguns estudiosos teorizaram que os sacerdotes cretenses podem ter usado uma máscara de touro ao realizar sacrifícios, dando origem à lenda de que os jovens eram mortos por um monstro com cabeça de touro.

O tributo pago pelo povo de Atenas pode ter sido menos sangrento, no entanto. Em outros lugares da mitologia, há exemplos de rapazes e moças sendo levados não para o sacrifício humano, mas para serem dedicados como servos de um deus ou deusa.

Quer tenha levado à sua condenação ou a uma vida de servidão religiosa, a ideia de jovens sendo levados de Atenas para Cnossos provavelmente surgiu de um fato histórico. Através de séculos de recontagem e reinterpretação, a história real se tornou um mito fantástico.

Com isso em mente, estudiosos modernos buscaram interpretar o lendário Minotauro e seu lugar na história. Sua morte nas mãos do príncipe ateniense poderia simbolizar a ascensão de Atenas para ultrapassar Creta como o centro cultural e político da região.

A história completa de Teseu pode ser uma alegoria para um evento histórico real. A morte do Touro de Creta em Maratona pode representar uma vitória na batalha ou a destruição de postos avançados de Creta, enquanto a batalha contra o Minotauro reflete uma vitória ateniense final em Cnossos.

Há até evidências de que o próprio Teseu pode ter se baseado em uma figura histórica real. Como um rei fundador da lenda ateniense, Teseu pode ser baseado em um rei real do passado micênico que lutou contra o domínio minoico.

Minos também pode ter sido baseado na história. O nome pode ser reconstruído a partir do Linear B, um dos sistemas de escrita da antiga cultura minoica, embora os arqueólogos não tenham certeza se era o nome de um governante específico ou um título de realeza.

A lenda também pode ter significado religioso.

Alguns historiadores acreditam que o touro na religião minoica era um símbolo de um deus solar. Ao matar um de seus principais deuses, o príncipe ateniense rompeu o domínio da supremacia minoica.

Ao matar o monstro e acabar com os sacrifícios, Teseu acabou simbolicamente com o governo de Creta e estabeleceu Atenas como o estado dominante.

O Minotauro Como História

A figura do Minotauro hoje faz parte de uma besta lendária. Sem personalidade ou caracterização além de sua ferocidade, o monstro parece destinado a encontrar seu fim nas mãos de um grande herói.

A verdadeira história do Minotauro, no entanto, é mais matizada do que o mito como o conhecemos hoje.

O nascimento do Minotauro e sua morte nas mãos de Teseu contam uma história de culturas em guerra e uma luta pela supremacia política. A morte do Minotauro representou mais do que apenas o fim de um único monstro, mas o fim de uma civilização inteira.

Após a morte de seu pai, Teseu tornou-se rei de Atenas. Ele uniu a Ática pela primeira vez, criando uma das cidades-estado que viria a dominar a cultura e a política gregas por séculos.

Para fazer isso, ele primeiro teve que destruir a ameaça que vinha de Creta. O fundador do grande estado teve que primeiro libertar seu povo do domínio estrangeiro sob deuses estranhos.

Hoje, a religião e a cultura da civilização minoica são compreendidas principalmente por meio do estudo da arte e das ruínas. Mas histórias como a do Minotauro ajudam a ampliar nosso conhecimento de uma civilização que está perdida há mais de 3.000 anos.

Ao contar a história alegórica do declínio de Creta, os gregos preservaram pistas sobre o passado minoico e o seu próprio.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem