Dédalo, O Maravilhoso Artesão da Mitologia Grega

Enquanto Atenas ainda era apenas uma pequena cidade, vivia dentro de suas muralhas um homem chamado Dédalo, que era o mais hábil trabalhador em madeira, pedra e metal que já existia. Foi ele quem ensinou o povo a construir casas melhores, a pendurar as portas nas dobradiças e a sustentar os telhados com pilares e postes.

Ele foi o primeiro a prender as coisas com cola; ele inventou o fio de prumo e a broca; e mostrou aos marinheiros como armar mastros em seus navios e como amarrar as velas a eles com cordas. Ele construiu um palácio de pedra para Egeus, o jovem rei de Atenas, e embelezou o Templo de Atenas, que ficava na grande colina rochosa no meio da cidade.

Dédalo, O Maravilhoso Artesão da Mitologia Grega

Perdix: sobrinho e pupilo de Dédalo

Dédalo tinha um sobrinho chamado Perdix, que ele havia levado quando menino para ensinar o ofício de construtor. Mas Perdix era um aprendiz muito apto e logo ultrapassou seu mestre no conhecimento de muitas coisas. Seus olhos estavam sempre abertos para ver o que estava acontecendo com ele, e ele aprendeu a tradição dos campos e da floresta.

Caminhando um dia à beira-mar, ele pegou a espinha dorsal de um grande peixe e dela inventou a serra. Vendo como um certo pássaro fazia buracos nos troncos das árvores, ele aprendeu a fazer e usar o cinzel. Então ele inventou a roda que os oleiros usam para moldar a argila; e ele fez de uma bifurcação o primeiro par de compassos para desenhar círculos; e ele estudou muitas outras coisas curiosas e úteis.

Dédalo não ficou satisfeito quando viu que o rapaz era tão apto e sábio, tão pronto para aprender e tão ansioso para fazer.

“Se ele continuar assim”, murmurou, “será um homem maior do que eu; seu nome será lembrado e o meu será esquecido”

Dia após dia, enquanto trabalhava, Dédalo refletia sobre este assunto, e logo seu coração se encheu de ódio pelo jovem Perdix. Certa manhã, quando os dois estavam colocando um enfeite na parede externa do templo de Atena, Dédalo mandou seu sobrinho subir em um andaime estreito que pendia alto sobre a borda do penhasco rochoso onde ficava o templo. Então, quando o rapaz obedeceu, foi fácil, com um golpe de martelo, arrancar o andaime de seus fechos.

O pobre Perdix caiu de bruços no ar, e ele teria sido despedaçado nas pedras ao pé do penhasco se não tivesse a gentileza de Atena tê-lo visto e tido pena dele. Enquanto ele ainda estava girando no ar, ela o transformou em uma perdiz, e ele fugiu para as colinas para viver para sempre nos bosques e campos que tanto amava. E até hoje, quando sopram as brisas de verão e as flores silvestres desabrocham no prado e na clareira, a voz de Perdix ainda pode ser ouvida, chamando sua companheira entre a grama e os juncos ou entre os arbustos frondosos.

O Sábio Minos, Rei de Creta

Quanto a Dédalo, quando o povo de Atenas soube de seu ato covarde, eles ficaram cheios de tristeza e raiva - tristeza pelo jovem Perdix, a quem todos haviam aprendido a amar; raiva do tio perverso, que amava apenas a si mesmo. No início, eles estavam para punir Dédalo com a morte que ele tanto merecia, mas quando se lembraram do que ele havia feito para tornar suas casas mais agradáveis ​​e suas vidas mais fáceis, eles permitiram que ele vivesse; no entanto, eles o expulsaram de Atenas e ordenaram-lhe que nunca voltasse.

Havia um navio no porto pronto para iniciar uma viagem através do mar, e nele Dédalo embarcou com todas as suas ferramentas preciosas e seu filho Ícaro. Dia após dia, o pequeno navio navegava lentamente para o sul, mantendo a costa do continente sempre à direita. Passou por Trezena e pela costa rochosa de Argos, e então avançou corajosamente pelo mar.

Por fim, a famosa Ilha de Creta foi alcançada, e lá Dédalo pousou e se deu a conhecer; e o rei de Creta, que já tinha ouvido falar de sua habilidade maravilhosa, deu-lhe as boas-vindas em seu reino e deu-lhe uma casa em seu palácio, e prometeu que ele seria recompensado com grandes riquezas e honra se ele apenas ficasse e praticasse seu artesanato lá, como fizera em Atenas.

O nome do Rei de Creta era Minos. Seu avô, cujo nome também era Minos, era filho de Europa, uma jovem princesa que um touro branco, dizia-se, trouxera nas costas através do mar da distante Ásia. Este Minos mais velho fora considerado o mais sábio dos homens - tão sábio, de fato, que Júpiter o escolheu para ser um dos juízes do Mundo Inferior.

O Minos mais jovem era quase tão sábio quanto seu avô; e ele era corajoso, previdente e habilidoso como governante de homens. Ele havia tornado todas as ilhas sujeitas ao seu reino, e seus navios navegaram por todas as partes do mundo e trouxeram de volta para Creta as riquezas de terras estrangeiras. Portanto, não foi difícil para ele persuadir Dédalo a morar com ele e ser o chefe de seus artesãos.

E Dédalo construiu para o Rei Minos um palácio maravilhoso com pisos de mármore e pilares de granito; e no palácio ele ergueu estátuas de ouro que tinham línguas e falavam; e em termos de esplendor e beleza, não havia outro edifício em toda a vasta terra que pudesse ser comparado a ele.

Vivia naqueles dias, entre as colinas de Creta, um monstro terrível chamado Minotauro, como nunca se viu até agora. Essa criatura, dizia-se, tinha o corpo de um homem, mas o rosto e a cabeça de um touro selvagem e a natureza feroz de um leão da montanha. O povo de Creta não o teria matado se pudesse; pois pensavam que o Povo Poderoso que vivia com Júpiter no topo da montanha o havia enviado entre eles, e que esses seres ficariam zangados se alguém lhe tirasse a vida. Ele era a peste e o terror de toda a terra. Onde ele menos era esperado, ele estava certo de estar; e quase todos os dias algum homem, mulher ou criança era capturado e devorado por ele.

“Você fez tantas coisas maravilhosas”, disse o rei a Dédalo, “você não pode fazer algo para livrar a terra deste Minotauro?”

"Devo matá-lo?" perguntou Dédalo.

"Ah não!" disse o rei. "Isso só nos traria infortúnios maiores"

“Vou construir uma casa para ele então”, disse Dédalo, “e você pode mantê-lo nela como um prisioneiro”

“Mas ele pode definhar e morrer se for encarcerado”, disse o rei.

“Ele terá bastante espaço para vagar”, disse Dédalo; "E se você apenas de vez em quando alimentar um de seus inimigos para ele, eu prometo que ele viverá e prosperará"

Assim, o maravilhoso artesão reuniu seus operários, e eles construíram uma casa maravilhosa com tantos cômodos e tantos caminhos sinuosos que ninguém que entrasse tanto nela jamais poderia encontrar o caminho de volta; e Dédalo o chamou de Labirinto e astuciosamente persuadiu o Minotauro a entrar nele. O monstro logo se perdeu nas passagens sinuosas, mas o som de seus gritos terríveis podia ser ouvido dia e noite enquanto ele vagava para frente e para trás tentando em vão encontrar um lugar para escapar.

Ícaro e as asas de cera

Não muito depois disso, Dédalo foi culpado de um ato que irritou muito o rei; e se Minos não tivesse desejado que ele construísse outros edifícios para ele, ele o teria condenado à morte e sem dúvida o teria servido bem.

“Até agora”, disse o rei, “tenho honrado você por sua habilidade e recompensado por seu trabalho. Mas agora você será meu escravo e me servirá de graça e sem qualquer palavra de elogio”

Em seguida, ele deu ordens aos guardas nos portões da cidade para que não deixassem Dédalo sair em nenhum momento, e colocou soldados para vigiar os navios que estavam no porto para que ele não pudesse escapar pelo mar. Mas embora o maravilhoso artesão tenha sido assim mantido como prisioneiro, ele não construiu mais edifícios para o Rei Minos; ele gastou seu tempo planejando como poderia recuperar sua liberdade.

“Todas as minhas invenções”, disse ele a seu filho Ícaro, “até agora foram feitas para agradar a outras pessoas; agora vou inventar algo para me agradar”

Assim, durante todo o dia ele fingiu estar planejando uma grande obra para o rei, mas todas as noites ele se trancava em seu quarto e trabalhava secretamente à luz de velas. Aos poucos, ele havia feito para si um par de asas fortes, e para Ícaro outro par de asas menores; e então, uma meia-noite, quando todos estavam dormindo, os dois saíram para ver se podiam voar. Eles prenderam as asas aos ombros com cera e então pularam no ar. Eles não puderam voar muito longe no início, mas se saíram tão bem que tiveram certeza de que se sairiam muito melhor com o tempo.

Na noite seguinte, Dédalo fez algumas alterações nas asas. Ele colocou uma ou duas alças extras; ele tirou uma pena de uma asa e colocou uma nova pena em outra; e então ele e Ícaro saíram ao luar para experimentá-los novamente. Eles se saíram bem desta vez. Eles voaram até o topo do palácio do rei, e então navegaram sobre as muralhas da cidade e pousaram no topo de uma colina. Mas eles ainda não estavam prontos para empreender uma longa jornada; e assim, pouco antes do amanhecer, eles voaram de volta para casa. Todas as noites depois disso, eles praticavam com as asas e, ao final de um mês, sentiam-se tão seguros no ar quanto no solo, e podiam voar sobre o topo das colinas como pássaros.

Cedo uma manhã; antes que o rei Minos se levantasse de sua cama, eles se firmaram nas asas, pularam no ar e voaram para fora da cidade. Uma vez bem longe da ilha, eles se voltaram para o oeste, pois Dédalo tinha ouvido falar de uma ilha chamada Sicília, que ficava a centenas de quilômetros de distância, e decidiu procurar um novo lar lá.

Tudo correu bem por um tempo, e os dois ousados ​​voadores voaram rapidamente sobre o mar, deslizando apenas um pouco acima das ondas, e ajudados em seu caminho pelo forte vento leste. Por volta do meio-dia o sol brilhou muito quente, e Dédalo chamou o menino que estava um pouco atrás e disse-lhe para manter as asas frias e não voar muito alto. Mas o menino tinha orgulho de sua habilidade em voar e, ao olhar para o sol, pensou como seria bom voar como ele bem alto, acima das nuvens, nas profundezas azuis do céu.

“De qualquer forma”, disse ele a si mesmo, “subirei um pouco mais alto. Talvez eu possa ver os cavalos que puxam o carro solar, e talvez aviste seu motorista, o poderoso mestre do sol em pessoa”

Ele voou cada vez mais alto, mas seu pai, que estava na frente, não o viu. Logo, porém, o calor do sol começou a derreter a cera com a qual as asas do menino foram presas. Ele se sentiu afundando no ar; as asas se soltaram de seus ombros. Ele gritou com o pai, mas era tarde demais. Dédalo se virou bem a tempo de ver Ícaro cair de cabeça nas ondas. A água era muito funda e a habilidade do maravilhoso artesão não salvou seu filho. Ele só podia olhar com olhos tristes para o mar impiedoso e voar sozinho para a distante Sicília.

Lá, dizem os homens, ele viveu por muitos anos, mas nunca fez uma grande obra, nem construiu nada tão maravilhoso quanto o Labirinto de Creta. E o mar em que o pobre Ícaro se afogou foi chamado para sempre pelo seu nome, Mar Icariano.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem