Odin: O Sábio Rei Dos Deuses Nórdicos

Odin era o governante dos deuses nórdicos, mas se você acha que isso significa que ele era apenas um rei, você se enganaria. Continue lendo para aprender sobre o domínio do conhecimento, magia e muito mais de Odin!

Óðinn, geralmente anglicizado como Odin, era o chefe dos deuses Aesir na mitologia nórdica. Quando eles entraram em uma trégua com os Vanir, Odin se tornou o líder de fato de ambos os grupos de divindades.

A imagem mais popular de Odin é como o senhor de Valhalla, seu grande salão em Asgard. Lá, o deus da guerra reuniu os lutadores mais corajosos e temíveis para se juntar a ele no campo de batalha em Ragnarök.

Guerra e realeza não eram os únicos domínios de Odin, no entanto. Em suas lendas, ele estava muito mais preocupado em acumular magia e conhecimento do que em governar os deuses.

Odin era um mestre da magia que não media esforços para obter acesso a novas fontes de conhecimento. De sacrifícios físicos a subverter os papéis de gênero de seu povo, o rei dos deuses nórdicos faria qualquer coisa para obter mais conhecimento.

Odin: O Sábio Rei Dos Deuses Nórdicos

O Nascimento de Odin e os Deuses Aesir

Na história nórdica da criação, Búri foi o primeiro deus a emergir do gelo. De seu próprio corpo, Búri criou mais deuses, incluindo Borr e Bestla.

Borr e Bestla tiveram três filhos, Odin, Vili e Vé.

Quando os três irmãos nasceram, os Nove Mundos ainda não existiam. O espaço vazio de Ginnungagap era a casa de um grande gigante chamado Ymir.

Odin e seus irmãos prenderam Ymir e o mataram. Eles usaram seu corpo para criar a terra, seu sangue para fazer o mar e seu crânio para formar a cúpula do céu.

O corpo de Ymir se tornou Midgard, o mundo dos homens. Odin, Vili e Vé então usaram a madeira de duas árvores para criar as primeiras pessoas a habitar este mundo, Ask e Embla.

Os deuses fizeram de Asgard sua casa e enquanto Vili e Vé, junto com seus pais, logo desapareceram da lenda registrada, Odin se tornou o governante dos deuses Aesir que viviam lá. Ele se casou com Frigg, a deusa do casamento e da família.

Juntos, eles tiveram três filhos, Baldur (Baldr ou Balder), Höðr, Hoder ou Hóder e Hermóð, também conhecido como Hermod. Ele também teve muitos filhos fora do casamento, principalmente o deus do trovão Thor.

Odin era o governante dos Aesir, mas eles não eram os únicos deuses no panteão. No início de sua história, eles lutaram contra outro grupo, os Vanir, pelo controle.

O Deus da Guerra

Os deuses Vanir habitavam seu próprio mundo, Vanaheim, e por muitos anos as duas famílias de divindades não puderam concordar sobre quem deveria governar Midgard.

Os Aesir e Vanir travaram uma guerra pela supremacia. Foi aqui que a destreza de Odin na batalha foi sentida pela primeira vez.

O nome de Odin vem da palavra nórdica Óðr, que pode significar "fúria" e "êxtase". Fiel ao seu nome, Odin era um guerreiro que amava lutar.

Ao contrário dos outros deuses guerreiros nórdicos, particularmente Tyr, Odin não era particularmente associado a causas nobres ou uma luta por justiça. Em vez disso, ele era um lutador que amava o caos e o derramamento de sangue de uma batalha, independentemente de sua causa.

Durante sua guerra com os Aesir, Odin estabeleceu uma tradição que se tornaria uma marca registrada da cultura da Era Viking. Enquanto os dois grupos de deuses se preparavam para a batalha, ele cegamente jogou sua lança nas fileiras dos Vanir para começar a luta.

Os lutadores da Era Viking frequentemente imitavam esse ato. Jogar a lança nas fileiras da força oposta significava que todas as suas mortes seriam sacrifícios ao furioso deus guerreiro.

Odin assistia às batalhas com cuidado. Embora geralmente não se preocupasse com causas nobres, ele procurava aqueles que lutassem com especial valor, força e coragem.

Quando esses homens morressem, seriam levados pelos servos de Odin, as Valquírias, para seu salão. No Valhalla, esses guerreiros honrados festejariam e lutariam todas as noites e seriam revividos pela manhã.

Enquanto a guerra contra os Vanir terminou com uma trégua pacífica, as lutas em Valhalla permitiram que os guerreiros favoritos de Odin desfrutassem da sede de sangue da batalha todas as noites. Eles continuariam suas festas sem fim até que lutassem pelos deuses no fim do mundo.

A Busca de Odin Pelo Conhecimento

Odin adorava lutas e festas, mas o que ele mais desejava era o conhecimento. Sua busca por sabedoria oculta e verdades secretas foi uma de suas características mais marcantes.

Ele mantinha dois corvos, Hugin (Pensamento) e Munin (Memória). Eles voavam por todo o mundo criando informações e segredos para compartilhar com ele.

Uma de suas primeiras façanhas depois da guerra entre os deuses foi roubar o Hidromel da Poesia do gigante que o segurava. Ele seduziu a filha do gigante e a enganou para que lhe desse três doses do hidromel mágico antes de voar na forma de uma águia.

Odin guardava cuidadosamente o Hidromel da Poesia, embora uma pequena parte tivesse caído em Midgard para dar às pessoas um conhecimento rudimentar de música e arte. Aqueles que ele favorecesse receberiam uma poção maior e seriam inspirados a escrever grandes poesias em sua homenagem.

Odin também possuía a cabeça de Mímir, o deus do conhecimento que havia sido morto durante a Guerra Aesir e Vanir. Ele havia reanimado a cabeça para que Mímir pudesse compartilhar sua sabedoria.

Eventualmente, ele colocou Mímir ao lado de um poço que estava imbuído de todo o seu conhecimento. Quando disse que ele teria que pagar um alto preço para beber do poço, o deus arrancou seu próprio olho direito como um sacrifício ao conhecimento.

Em outra história, o deus de um olho só viajou para a terra dos mortos, Hel, para consultar uma mulher sábia que havia morrido muitos anos antes. Lá ele aprendeu tudo o que ela sabia sobre o mundo, incluindo, o mais importante para ele, como tudo terminaria em Ragnarök.

Em uma das cenas mais dramáticas da mitologia de Odin, ele fez o sacrifício final em busca de um conhecimento desconhecido por quaisquer deuses ou homens vivos.

“Eu sei que pendurei em uma árvore ventosa

nove longas noites,

ferido com uma lança, dedicado a Odin,

para mim mesmo,

naquela árvore da qual nenhum homem conhece

de onde saem suas raízes.

Não me deram pão nem bebida de chifre,

eu olhei para baixo;

Eu peguei as runas, gritando eu as peguei,

então eu caí de lá” - Edda Poética

Odin se ofereceu como sacrifício em seu próprio nome. Ele ficou pendurado nos galhos de Yggdrasil, a Árvore do Mundo, por nove dias e noites sem comida ou água, da mesma maneira que os sacrifícios eram oferecidos a ele pelo povo nórdico.

No final do período de sacrifício, Odin recebeu o conhecimento das runas mágicas.

Odin então se tornou um mestre da magia com um nível de conhecimento que ultrapassava de longe até mesmo os outros deuses. Ele ainda não estava totalmente satisfeito, no entanto, e muitas vezes vagava pelo mundo em busca de novas fontes de informação.

O Pai de Todos e Outros Nomes

Como deuses de muitas religiões, Odin era conhecido por muitos nomes. Esses vários títulos e epítetos referiam-se a seus atributos, ações e domínios.

A poesia nórdica foi um terreno particularmente fértil para a criação de novos nomes. Kenning era uma tradição linguística e poética no nórdico antigo, em que deuses, pessoas, itens e ideias abstratas eram descritos em termos indiretos.

Sangue, por exemplo, às vezes era chamado de “suor de batalha” como um kenning. O fogo era poeticamente chamado de "a ruína da madeira".

Isso não apenas acrescentou um floreio à poesia nórdica, mas também foi uma honra para o próprio Odin. Como guardiões do Hidromel da poesia, pensava-se que os inventivos kennings agradavam Odin e mostravam seu favor.

Como o deus que mais encontrava alegria nos kennings, Odin conquistou muitas delas. Entre seus muitos nomes estavam:

  • Alföðr (Pai de Todos) - Referia-se ao seu lugar como a figura governante entre os deuses e seu status literal como um pai para muitos deles.
  • Glapsviðr - Uma maneira de chamá-lo de astuto.
  • Fjölnir - Sábio.
  • Gestumblindi (O Convidado Cego) - Odin caolho frequentemente tomava a forma de um mendigo cego enquanto vagava por Midgard, testando a hospitalidade dos humanos.
  • Sanngetall - descobridor da verdade.
  • Asagrimmr - O Senhor dos Aesir.
  • Hárbarðr - Barba Cinzenta.
  • Uðr - Amado.
  • Viðrir - Tormenta.
  • Brúni (Urso) - Essa não era apenas uma forma que ele às vezes assumia ao caminhar em Midgard, mas também se referia à sua ferocidade na batalha.
  • Gangari - o sábio.
  • Herteitr – Prazer na Guerra.
  • Svipall (Trocador) - Odin costumava ser um metamorfo em seus mitos.
  • Hroptr - Sábio.
  • Farmr galga (Carga da forca) - Um termo que comemora seu sacrifício pendurado na Árvore do Mundo.
  • Kjalarr - Nutridor.
  • Galdraföðr - Pai das canções mágicas.
  • Geirvaldr (Mestre da lança) - também pode significar Mestre de Sangue.
  • Hangi - o enforcado.
  • Herföðr (Pai dos Exércitos) - O outro termo para Pai de Todos e uma referência aos anfitriões de Valhalla.
  • Síðskeggr – Barba Longa.
  • Jölnir - O Deus do Yule.
  • Sigtýr (Deus da Guerra) - Este nome se refere a Odin como o Deus da Vitória.
  • Þekkr (Conhecido) - Significa alguém que é conhecido e bem-vindo em uma casa ou salão.
  • Váfuðr - Andarilho.

Embora o povo nórdico tivesse muitos nomes para Odin, ele ainda era conhecido por ainda mais em outros lugares.

Odin não era apenas um deus escandinavo. A maioria dos povos germânicos da Europa romana e do início da Idade Média o adorava, sob seus próprios nomes, como seu deus principal.

Nas línguas germânicas, ele era mais frequentemente conhecido como Wodan ou Wotan. Esses nomes, junto com Odin, tinham o significado geral de "deus da guerra" ou "chefe".

O nome alemão de Odin permanece na língua inglesa até hoje. Os dias da semana vêm dos deuses germânicos e quarta-feira é o dia de Woden.

Odin Como um Xamã

Odin: O Sábio Rei Dos Deuses Nórdicos

Muitos dos segredos que Odin aprendeu em suas viagens eram de natureza mágica. Além das runas, ele dominou canções mágicas e aprendeu o conhecimento xamânico perdido do passado distante.

Odin era frequentemente descrito em termos místicos e mágicos. Ele recebeu visões de lugares distantes, por exemplo, enquanto em um estado de transe que o fez parecer quase morto.

A prática de Odin de dois tipos distintos de magia era notável no mundo germânico.

Ele era frequentemente associado a um tipo de magia que era útil na batalha. Trazido por meio de canções, rituais e, provavelmente, drogas intoxicantes, esse tipo de magia tornava os homens especialmente temíveis na batalha.

A magia de batalha no pensamento germânico era tipificada pelos furiosos. Esses guerreiros quase lendários entravam em um estado mágico no qual eram completamente consumidos pela sede de sangue, tornando-os mais ferozes e mais difíceis de ferir.

O outro tipo de magia, seidr, era menos esperado pelo chefe dos deuses.

A magia de Seidr estava preocupada com o funcionamento do destino. O destino era tecido pelas três Nornas, e os praticantes de seidr procuraram entender e retrabalhar os fios.

Este era um tipo de magia mais feminina, já que tecer era uma tarefa quase exclusivamente realizada por mulheres na sociedade germânica.

A magia de Seidr foi sintetizada por volvas, mulheres sábias. Elas eram adivinhas e curandeiras que muitas vezes vagavam de um lugar para outro.

Freya era a deusa da völva e dizia-se ser a única deusa cujas habilidades mágicas se aproximavam das de Odin. Embora Freya também pudesse ver os fios do destino, ela era diferente de Odin porque raramente revelava seu conhecimento do futuro para os outros.

Mulheres que praticavam magia eram desconfiadas pela maioria da sociedade, mas na cultura patriarcal da Era Viking, aqueles que se aventuravam fora de suas normas de gênero eram vistos com ainda mais suspeita e desprezo.

Odin foi a exceção a isso. Ele frequentemente praticava formas de magia alinhadas com seidr, mas manteve sua masculinidade por meio de seus papéis como governante e guerreiro.

O domínio de Odin nas formas masculinas e femininas de magia o diferenciava como alguém com um conhecimento único. Enquanto os escritores antigos às vezes aludiam à perda de honra masculina de Odin devido à magia que ele praticava, seu uso da magia de batalha masculina equilibrava qualquer feminização percebida.

Como Odin se Parece Para os Homens

Na mídia moderna, Odin é mais frequentemente descrito como o líder severo e musculoso dos deuses nórdicos. Ele simboliza masculinidade e nobreza.

No mundo nórdico, entretanto, acreditava-se que Odin era um metamorfo. A imagem de um poderoso senhor dos Aesir era uma que o povo da Escandinávia acreditava que ele raramente pegava, especialmente quando visitava Midgard.

Ele às vezes assumia a forma de um animal, especialmente uma águia, para viajar entre mundos despercebidos. Em sua busca por conhecimento, entretanto, ele preferiu caminhar entre os humanos para aprender seus segredos.

Odin geralmente viajava pelo mundo dos homens disfarçado, tanto para se misturar à humanidade quanto para evitar confrontos com os jötnar ou Jotun. Quando ele interagia com a humanidade, raramente parecia ser particularmente poderoso ou forte.

Em vez disso, a forma humana de Odin era a de um andarilho mais velho.

Nessa forma, ele tinha uma longa barba grisalha e frequentemente parecia fraco, embora ainda retivesse sua força divina quando necessário. Ele caminhava com um cajado que o marcava como um praticante da magia seidr, mas também lhe dava uma aparência ainda mais velha e frágil.

Nessas histórias, Odin é mais frequentemente descrito como vestindo uma longa capa e capuz. Isso o faz parecer misterioso, mas também seria um traje de viagem comum nas sociedades germânicas.

Uma das únicas maneiras de uma pessoa identificar Odin era pela falta de um olho. Ele também era frequentemente visitado por seus corvos e lobos enquanto viajava.

A imagem do sábio errante permitia que Odin viajasse livremente por Midgard sem ser notado pelos humanos ou pelos jötnar. Até mesmo os outros deuses às vezes ficavam confusos com seu disfarce humano.

A hospitalidade era uma virtude importante na Escandinávia, já que a falta de comida ou abrigo poderia rapidamente se tornar mortal no clima severo do Norte. A crença de que qualquer viajante poderia ser Odin disfarçado ajudava a fazer cumprir as leis da hospitalidade.

Odin não impôs estritamente essas leis, no entanto. Ele ficava feliz em favorecer aqueles que infringiam essas leis, até mesmo ladrões, se o fizessem com astúcia e a alegria de Or.

Odin Como o Deus do Êxtase

O nome de Odin estava relacionado à palavra nórdica Óðr, que poderia significar "êxtase" e "fúria". Em todas as suas funções, ele resumiu todos os significados do mundo.

Como chefe dos deuses Aesir, ele foi um grande guerreiro. Em vez de se preocupar com a lei ou a nobreza, ele lutou com o puro Or, desfrutando da sede de sangue e da loucura da batalha.

Ele também era um deus da magia, o Óðr de encontrar conhecimento oculto e influenciar os assuntos do mundo e do destino.

A magia e a fúria combinadas nos Berserkir (Plural para Berserkr), homens que usaram meios mágicos para entrar em um frenesi na batalha. Mas Odin também era um mestre da forma mais feminina de magia, seidr, que trabalhava com os fios do destino como eram tecidos pelas Nornas.

Odin faria qualquer coisa para aumentar esse conhecimento. Ele viajou para Hel para aprender sobre Ragnarök, tirou seu próprio olho para beber do Poço de Mímir e se enforcou como um sacrifício ritual em Yggdrasil para aprender os segredos das runas.

Odin era mais frequentemente visto como um sábio errante ou mesmo um mendigo do que um rei poderoso. Entre suas muitas formas e nomes, ele usou a imagem de um viajante de barba grisalha para aprender os segredos e as novidades da raça humana.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem