Porque Odin Tem um Olho Só?

A busca de Odin por sabedoria é interminável, e ele está disposto a pagar qualquer preço, ao que parece, pela compreensão dos mistérios da vida que ele anseia mais do que qualquer outra coisa. Em uma ocasião, ele se enforcou, se feriu com sua lança e jejuou de comida e bebida por nove dias e noites para descobrir as runas.

Em outra ocasião, ele se aventurou ao Poço de Mímir - que certamente não é outro senão o Poço de Urd, Mímisbrunnr - entre as raízes da árvore do mundo Yggdrasil. Lá morava Mímir, um ser sombrio cujo conhecimento de todas as coisas era praticamente incomparável entre os habitantes do cosmos. Ele alcançou esse status em grande parte tirando sua água do poço, cujas águas transmitem esse conhecimento cósmico.

Quando Odin chegou, ele pediu a Mímir um gole d'água. O guardião do poço, sabendo o valor de tal tesouro, recusou a menos que o buscador oferecesse um olho em troca. Odin - seja imediatamente ou depois de uma deliberação angustiada, só podemos nos perguntar - arrancou um dos olhos e jogou-o no poço. Tendo feito o sacrifício necessário, Mímir mergulhou seu chifre no poço e ofereceu uma bebida ao deus de um olho só.

Porque Odin Tem um Olho Só?

Uma Interpretação

A mensagem mais geral e óbvia deste conto é que, para aqueles que compartilham os valores de Odin, nenhum sacrifício é grande demais para a sabedoria. As fontes (infelizmente fragmentárias) de nosso conhecimento atual da mitologia e religião pré-cristã dos nórdicos e de outros povos germânicos são, no entanto, silenciosas sobre exatamente que tipo de sabedoria Odin obteve em troca de seu olho. Mas podemos arriscar um palpite.

O fato de Odin ter sacrificado especificamente um olho é certamente significativo. Em todas as épocas, o olho era “visto” como um símbolo poético para a percepção em geral - considere o surpreendente número de expressões, tanto no uso cotidiano quanto nas obras dos grandes poetas canônicos, que usam a visão como metáfora para perceber e entender algo. Dado que o olho de Odin foi sacrificado para obter uma percepção aprimorada, parece altamente provável que sua promessa de um olho simbolize a troca de um modo de percepção por outro.

Qual modo de percepção foi trocado por qual outro modo, então? A resposta a esta pergunta está no personagem de Mímir. Mímir, cujo nome significa “Aquele que lembra”, parece ter sido o ser que disse aos deuses como viver de acordo com a tradição ancestral e com a sabedoria de forma mais geral.

No conto da descoberta das runas por Odin, Odin sacrificou o que poderíamos chamar de seu "eu inferior" para seu "eu superior". Aqui, sua renúncia a um olho deve certamente ser entendida em linhas semelhantes: ele trocou um modo de percepção profano e cotidiano, sitiado por incontáveis ​​problemas mesquinhos, por um modo sagrado de percepção informado pela sabedoria ancestral divina.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem