Significado do Fogo na Mitologia Grega

O fogo tem um lugar de destaque em vários mitos gregos e está associado a vários personagens notáveis ​​da mitologia grega, principalmente com Prometeu, que roubou o fogo dos deuses do Olimpo.

Tinha um significado prático, simbólico e até elementar para a mente grega. Em termos práticos, era extremamente perigoso e extremamente útil, se gerenciado corretamente, para aquecimento e para trabalhos manuais como metalurgia e avanços tecnológicos relacionados.

$ads={1}

Simbolicamente, muitas vezes tinha uma conotação de inteligência e também de destruição, bem como, graças às propriedades úteis que acabamos de mencionar, de vida. Elementar, foi concebido como uma força básica da natureza e um dos quatro elementos da natureza - terra, água, ar e fogo. Essas várias conotações devem ser levadas em consideração ao considerar o significado do fogo nos mitos.

Três figuras e mitos de fogo relacionados são especialmente importantes na mitologia grega:

Hefesto

Hefesto era o deus dos ferreiros e do fogo.

Hefesto era o deus dos ferreiros e do fogo. Ele nasceu de Zeus e Hera, o rei e rainha dos deuses, mas foi odiado por Hera por causa de sua deformidade e feiura notória - ele era o único deus grego que não era bonito ou belo - e Zeus o expulsou do Olimpo. Ele era notoriamente coxo, desde o nascimento ou como resultado do impacto ao atingir a terra após a longa queda do Monte Olimpo, e ele mancava severamente.

Do lado positivo, Hefesto era conhecido por sua habilidade magnífica - forjada no fogo - incluindo uma arquitetura espetacular, mais notavelmente as mansões douradas dos deuses do Olimpo; autômatos, como os gigantescos cães dourados animados que guardavam uma das mansões; e armas e armaduras, o mais famoso é o escudo maravilhoso de Aquiles descrito na Ilíada de Homero (sobre a Guerra de Tróia). Sua oficina estava sob o Monte. Aetna na Sicília, um vulcão ativo até hoje e o vulcão mais alto da Europa. Consequentemente, ele se associou também a vulcões, indicados em seu nome romano, Vulcano.

Hefesto se vingou de Hera dando-lhe um belo trono de ouro que, quando ela se sentou nele, amarrou-a com cordas de ouro tão finos que eram invisíveis para os espectadores. Ela foi forçada a permanecer presa ao trono até que Dioniso conseguiu que Hefesto concordasse em libertá-la depois de embebedá-lo. Ele não a libertou, entretanto, sem um preço: ele exigiu que Afrodite - a deusa do amor e a mais bela deusa depois apenas da própria Hera - fosse dada a ele em casamento.

Assim, o deus mais feio ganhou a segunda deusa mais bela para ser sua esposa. Afrodite, talvez não totalmente surpreendente, foi infiel a ele, e Hefesto também praticou um ato de vingança contra ela.

Prometeu

mito de Prometeu roubando o fogo dos deuses

O mito de Prometeu roubando o fogo dos deuses é um dos mais famosos mitos gregos da atualidade e provavelmente o mais famoso em relação específica ao fogo. Prometeu, cujo nome significa "Previsão" ou "Premeditação", era um dos Titãs, os deuses que governaram o mundo antes de Zeus e os Olimpianos assumirem o controle. O próprio Prometeu foi tratado com tolerância pelos olímpicos porque mudou de lado e se juntou a eles na Guerra dos Titãs, que culminou na vitória olímpica. (A maioria dos Titãs foram condenados ao Tártaro ou inferno)

Zeus deu a Prometeu e seu irmão Epimeteu a tarefa de fornecer presentes aos seres mortais, que ainda estavam muito fracos e lutando pela sobrevivência. Prometeu deveria conceder presentes aos humanos (em versões posteriores do mito, ele realmente criou a humanidade), e Epimeteu aos outros animais. Infelizmente para a humanidade, antes que Prometeu fosse capaz de agir, Epimeteu (cujo nome significa “Pensamento posterior”) deu todos os melhores presentes aos animais (beleza, força, velocidade e agilidade, etc.), então os seres humanos permaneceram fracos e vulneráveis ​​contra os animais mais perigosos e os rigores da natureza.

É aqui que o mito do fogo entra. Prometeu pensou que o mínimo que Zeus poderia fazer era dar fogo à humanidade para aquecimento e avanço material, mas Zeus recusou. Prometeu, que era conhecido por ser um trapaceiro e malandro, pregou uma peça em Zeus, e Zeus em represália decidiu punir a humanidade, a quem Prometeu amava, negando-lhes o dom do fogo.

Então, Prometeu entrou furtivamente na oficina de Hefesto e roubou fogo e também forjou implementos e os deu aos humanos. (Outros relatos mostram que ele roubou o fogo do Olimpo). Prometeu é, portanto, lembrado como um dos grandes benfeitores da humanidade.

A resposta de Zeus foi dessa vez ainda mais severa. Ele puniu a humanidade enviando-lhes a caixa de Pandora cheia de dores e sofrimentos incalculáveis, e o irmão menos inteligente de Prometeu, depois de pensar, Epimeteu, tolamente abriu a caixa. Quanto a Prometeu, Zeus o amarrou a uma rocha onde uma águia se banqueteava com seu fígado todos os dias por muitos anos.

Zeus fazia seu fígado regenerar todas as noites para que no dia seguinte a águia pudesse voltar para sua festa. Prometeu permaneceu nessa agonia até ser finalmente libertado por Héracles (nome romano de Hércules). Mas o presente do fogo nunca foi tirado e, graças ao presente de Prometeu, eles conseguiram sair de sua condição física miserável.

Embora ele fosse um deus, o roubo de fogo de Prometeu mais tarde se tornou um símbolo da independência humana dos deuses e, eventualmente, no contexto do Ocidente cristão, da revolta contra Deus na forma de ateísmo. Marx usou o mito prometeico dessa forma, por exemplo. De forma mais ampla, Prometeu ainda é usado como um símbolo da inteligência, engenhosidade e progresso humanos.

A Fênix

Fênix

A Fênix provavelmente é ainda mais conhecida hoje do que o mito de Prometeu, embora possa não ser imediatamente associada na mente de todos com o fogo. Existem versões dos mitos da Fênix em várias culturas em várias civilizações. Na versão grega está a história de um pássaro do paraíso, majestoso em tamanho e dignidade e brilhante em cores, que vive no paraíso 1.000 anos (embora algumas fontes considerem o período de tempo significativamente mais longo ou mais curto) e então vem à terra e morre pelo fogo, apenas para renascer das cinzas para viver mais 1.000 anos.

Este ciclo de vida e morte continua indefinidamente. Em algumas versões, ela é consumida pelo fogo de uma faísca enviada dos céus; em outras, ela se incendeia. Então, depois de três dias, ela ganha vida.

A Fênix é um símbolo poderoso, então, de vida, morte e renascimento. Como símbolo de renascimento, é também um símbolo de esperança. Os gregos a associavam não apenas ao ciclo da vida em geral, mas também especificamente à metempsicose ou reencarnação. Assim, eles também conectaram a Fênix com a ideia da imortalidade da alma. Os cristãos mais tarde empregaram o mito como um símbolo da morte e ressurreição de Cristo.

Como você pode ver, o significado do fogo da mitologia grega é muito rico e variado, repleto de conotações místicas e materiais. Como um símbolo, ele fornece uma maneira para nós, pobres humanos, conceber nossa relação com a natureza, nossa engenhosidade no uso dela e como podemos viver bem no mundo.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem