O Mito de Afrodite e Adonis

O mito de Afrodite e Adônis é um dos mitos gregos mais populares, pois está diretamente associado ao amor e ao Eros. Nem mesmo Deuses e divindades poderiam escapar das poderosas flechas do Deus Eros e se apaixonar por mortais com resultados catastróficos.

Afrodite e Adonis é um mito clássico sobre luxúria e rejeição, reforçado com vários detalhes picantes sobre a Deusa do Amor e da Luxúria e o belo mortal Adonis.

Adonis é a personificação da beleza masculina a qual ele devia seu destino de acordo com os mitos gregos. Na verdade, existem dois mitos conhecidos sobre Adonis e Afrodite. O primeiro mito refere-se aos primeiros anos de Adonis, e o segundo a sua morte e o papel de Afrodite nele.

O Mito de Afrodite e Adonis

Adonis e Afrodite: Um Mito Sobre Beleza e Amor

O primeiro mito de Afrodite e Adonis envolve os pais do homem e é uma história sobre beleza, amor e ciúme. A mãe de Adonis era a bela Mirra ou Esmirna e seu pai, o rei Cíniras, de Chipre, que na verdade era o pai de Mirra.

Esse parentesco estranho de Adonis surgiu porque a deusa Afrodite estava com ciúmes da beleza de Mirra e fez com que a menina se deitasse com seu próprio pai.

Quando Cíniras, descobriu que ele tinha sido enganado, ele perseguiu Mirra com uma espada, com a intenção de matar ela e seu filho por nascer. Afrodite, arrependendo-se de sua ação, rapidamente transformou a garota em uma árvore de mirra.

A Disputa de Perséfone e Afrodite Por Adonis

Afrodite escondeu o recém-nascido, Adonis, em um baú, que ela deu a cargo de Perséfone, rainha do mundo inferior. Mas quando Perséfone abriu o baú, ela foi contemplada pela beleza do bebê, então ela se recusou a devolvê-lo a Afrodite, embora a deusa do amor fosse ao submundo para resgatar o bebê Adonis do poder dos mortos.

A disputa entre as duas deusas do amor e da morte foi resolvida por Zeus, que decretou que Adonis deveria permanecer com Perséfone no submundo por uma parte do ano, e com Afrodite no mundo superior por outra parte. Quando ele ficou no submundo, era inverno. Quando ele voltou, a Terra floresceu na primavera e no verão.

Nesta forma do mito, a disputa entre Afrodite e Perséfone pela posse de Adonis reflete claramente a luta entre amor e morte; esse é um assunto comum na mitologia grega, visto que vemos isso no mito de Perséfone e Hades.

A decisão de Zeus de que Adônis passe uma parte do ano sob o solo e outra parte acima do solo é meramente um mito grego sobre a noção do desaparecimento e reaparecimento anual, que se refere à primavera e ao inverno.

Uma Versão Diferente do Mito de Afrodite e Adonis

Em algumas versões do mito de Afrodite e Adonis, quando Ares, o deus da guerra e amante de Afrodite, ouviu que Afrodite amava o jovem Adonis, ficou realmente com ciúmes e decidiu se vingar.

Afrodite estava perseguindo Adonis para acasalar com ele, mas Adonis estava mais interessado em caçar. Afrodite implorou a Adonis para desistir dos esportes perigosos que ele gostava porque ela não suportava perdê-lo, sabendo que o jovem teria um fim terrível. Adonis ignorou seu conselho e foi morto enquanto caçava um javali, que na verdade era o Deus Ares.

Quando Adonis morreu, Afrodite ouviu seus gritos e correu para o seu lado em sua carruagem puxada por cisnes. Ela amaldiçoou os destinos e Ares que ordenaram sua morte. Com Adonis ainda em seus braços, Afrodite transformou as gotas de sangue que caíram de suas feridas no solo em girassóis (a anêmona de vida curta) como um memorial ao seu amor.

Anêmonas surgiram do sangue de Adonis e seu espírito retornou ao submundo. Em resposta à deusa chorosa, Zeus determinou que Adonis deveria ficar apenas pela metade do ano no submundo.

A Morte e a Ressurreição de Adonis na Mitologia Grega

Segundo os estudiosos, a morte e ressurreição de Adonis representa a decadência e revitalização do ano da planta. Ele era adorado como um deus do milho, um deus das colheitas de grãos, que eram muito mais importantes para os antigos habitantes da Grécia e outras terras do Mediterrâneo.

O Mito de Afrodite e Adonis

O Mito de Afrodite e Adonis na Arte

O mito de Afrodite e Adonis aparece no Livro Dez das Metamorfoses de Ovídio. Nesta versão, Orfeu conta-nos a história quando se lamenta com as árvores e os animais selvagens após a perda de Eurídice.

Afrodite (Vênus para os romanos) é desesperadamente atraída pelo jovem Adonis, que, estando mais interessado na arte da caça, não demonstra qualquer forma de afeição. Ela tenta em vão persuadir Adonis a amá-la.

No entanto, Adonis prefere ir caçar, e ele morre depois de ser gravemente ferido por um javali. Mas Vênus não se resigna à perda de sua amada e decide metamorfosear-se em uma bela flor que cresce a partir de seu sangue, e que ainda permanece um símbolo de seu amor frustrado.

Shakespeare não segue a versão de Vênus e Adonis de Ovídio, como é contada no Livro Dez das Metamorfoses. No entanto, ele molda seu poema a partir de diversas referências mitológicas, referindo-se ao mito de Afrodite e Adonis como um símbolo de amor e perda.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.