Dríades: As Ninfas Das Árvores

Os gregos acreditavam que a natureza estava positivamente viva com os espíritos que ali residiam. Continue lendo para aprender tudo sobre as dríades, as belas ninfas que viviam entre as árvores!

No mundo grego, as ninfas estavam por toda parte. Elas eram deusas da natureza e, mesmo que raramente fossem vistas pelos humanos, podiam ser encontradas em todos os lugares onde as árvores cresciam, a água corria, o vento soprava, os animais floresciam e as montanhas se elevavam.

Como a maioria das ninfas, as dríades eram belas jovens que inspiravam grande amor entre os mortais e também entre os deuses.

Ao contrário da maioria das outras ninfas, no entanto, você não precisava ter nascido dríade para se tornar um espírito das árvores.

As dríades eram algumas das ninfas mais famosas da mitologia grega. Elas eram esposas, amantes, mães, companheiras e zeladoras de deuses e homens.

Dríades: As Ninfas Das Árvores

As Ninfas Dríades

As dríades eram um dos muitos tipos de ninfas da tradição grega.

As ninfas eram deusas menores, geralmente ligadas a um lugar específico. Elas representavam recursos naturais como corpos d'água, ilhas ou montanhas.

As ninfas estavam em toda parte na visão grega do mundo. Quase tudo na paisagem poderia ter uma deusa viva anexada a ele.

Como deusas, a maioria das ninfas tinha algumas habilidades sobrenaturais e sua expectativa de vida, embora nem sempre imortal, era muito maior do que a dos humanos. Seus poderes eram mais limitados, porém, do que os dos deuses mais importantes.

Entre essas, as dríades eram especificamente as ninfas das árvores.

A palavra grega drýs significava “carvalho” e o termo dríade inicialmente se aplicava apenas às ninfas que eram espíritos de carvalhos. Com o tempo, entretanto, a palavra se tornou um termo para todas as ninfas de árvores, independentemente do tipo de árvore que habitavam.

Acreditava-se que as ninfas ocorressem em todo o mundo natural, mas frequentemente se escondiam dos humanos. Quando foram vistas, foram descritas como belas jovens donzelas que eram graciosas, mas às vezes um pouco selvagens.

As ninfas não pertenciam às cidades cultas do mundo grego. Elas eram espíritos do deserto.

A cultura grega, de fato, garantiu que as dríades estivessem bem distantes da maioria dos aspectos da vida diária. O cultivo havia desmatado as florestas nos vales e planícies da Grécia, de modo que a maioria das florestas permanecia apenas nas encostas íngremes das montanhas.

Como espíritos distantes da interação com a maioria das pessoas, as dríades costumavam ser tímidas. Sua natureza selvagem apareceu, no entanto, quando algumas delas se juntaram às festanças de Dionísio.

As dríades e outras ninfas eram conhecidas por gostar de dançar, mas nunca saíram para fazê-lo a menos que soubessem que a costa estava livre.

Suas contrapartes masculinas eram os deuses rústicos como e ​​os sátiros. As ninfas femininas eram mais refinadas e graciosas do que os espíritos selvagens e bestiais, mas muitas vezes se juntavam a elas em suas façanhas selvagens.

Os dois grupos de divindades costumavam estar ligados, tanto culturalmente quanto romanticamente. Em outras ocasiões, no entanto, os deuses rústicos representavam uma ameaça à segurança física das dríades e outras ninfas.

As Companheiras de Ártemis

As ninfas, especialmente as dríades, eram difíceis de encontrar no mundo antigo. Embora existissem em toda a natureza, elas preferiram ficar longe dos humanos.

Elas também evitavam a maioria dos deuses. A mitologia grega está repleta de histórias de ninfas sendo perseguidas e atacadas por deuses luxuriosos, por isso muitas vezes preferiam ficar fora de vista.

A única grande exceção a isso era Ártemis.

A deusa da caça, Ártemis era uma grande amiga das ninfas. Todo o seu séquito era formado por ninfas que, como ela, preferiam correr pela floresta às regras e limitações da vida no Monte Olimpo.

Como uma virgem declarada, Ártemis também usava sua força como uma olímpica para proteger as ninfas mais fracas de avanços indesejados tanto de humanos quanto de deuses. A maioria de suas companheiras fizeram voto semelhante de celibato, embora algumas das dríades e náiades com ela tenham partido para se casar.

As dríades eram suas companheiras mais próximas, juntando-se a ela em suas caçadas e vivendo felizes na floresta. Sua deusa protetora as mantinha mais seguras, enquanto elas forneciam a ela uma companhia que era mais provável para ela do que para as outras deusas olímpicas.

Tornando-se Uma Dríade

Além das ninfas que nasceram como espíritos das árvores, havia outro grupo de dríades. Geralmente também eram ninfas, embora não tenham começado suas vidas presas à vegetação.

Muitas ninfas da mitologia grega foram transformadas em árvores e, portanto, transformadas em dríades.

Isso costumava ser feito a pedido da ninfa, geralmente por meio dos poderes de Gaia.

A Mãe Terra protegia seus filhos e, como deusas ligadas à natureza, as ninfas tinham um vínculo particularmente estreito com ela.

Algumas ninfas foram transformadas em dríades para poupá-las de sofrimento ou dor emocional.

As Helíades, por exemplo, eram filhas do deus sol Hélios. Elas ficaram tão tristes quando seu irmão mais novo foi morto que Gaia as transformou em um bosque de Populus para acabar com sua dor.

A maioria, no entanto, foi transformada como meio de fuga.

Nem todas as ninfas da floresta eram protegidas por Ártemis. Algumas se viram fugindo dos avanços de deuses e homens amorosos com pouca esperança de escapar.

Elas foram transformadas em árvores para poupá-las da vergonha e da dor de serem pegas por aqueles homens.

Uma das mais famosas dessas transformações foi a de Dafne. Ela se tornou um loureiro quando Apolo, por causa de uma manobra de Eros, enlouqueceu de amor por ela.

Pitys tornou-se um pinheiro enquanto fugia de um dos deuses rústicos. Syceus, uma titã, foi transformada na primeira figueira a escapar da atenção indesejada de Zeus.

Não eram apenas ninfas e titãs que poderiam ser transformadas em dríades. A história de Dríope é a de uma humana que foi transformada pelas dríades das quais ela se tornou amiga.

Dríope tinha feito amizade com as ninfas enquanto ela cuidava dos rebanhos de seu pai. A amizade ganhou a atenção de Apolo, e ela deu à luz seu filho.

Quando seu filho cresceu e se tornou rei, as dríades que ela conheceu em sua juventude vieram até ela na floresta novamente.

Na história de Dríope, a transformação de humano em dríade foi um grande presente. Para as meninas que espalharam histórias falsas sobre ela, no entanto, foi um castigo.

Para aquelas que foram transformadas em dríades, sua transformação em uma árvore as manteve a salvo. Fosse por seu próprio sofrimento ou por homens perigosos, as dríades estavam seguras como árvores.

As Classes Das Ninfas Das Árvores

Embora o termo Dríade geralmente se aplique às ninfas das árvores, na verdade havia vários tipos delas.

As melíades ou melias eram ninfas do freixo. Elas se casaram com homens da Idade da Prata, antes que a primeira mulher fosse criada, e se tornaram as ancestrais maternos de toda a humanidade.

As oréades eram os espíritos das coníferas da montanha. Além de suas árvores, elas passaram a representar as próprias montanhas.

As hamadríades eram carvalhos e choupos. Ao contrário de algumas das outras classes de dríades, elas geralmente eram conectadas à árvore e enraizadas no lugar.

As Epimélides eram deusas das árvores frutíferas e protetoras das ovelhas, já que a palavra grega melas significava "ovelha" e "maçã". As Hespérides que guardavam as maçãs de ouro de Hera eram Epimélides.

Dafnes eram dríades da árvore do louro. Eles pegaram o nome de Dafne, a primeira de seu filho.

Ampelos eram deusas da videira. Elas foram particularmente importantes nas regiões vinícolas do Mediterrâneo.

Muitos tipos específicos de espécies de árvores tinham sua própria classe de dríades. Elas tendiam, como as árvores que representavam, a se reunir em grupos de um tipo semelhante.

Árvores Sagradas e as Dríades

As Hamadríades eram as ninfas das árvores mais numerosas e conhecidas. Os espíritos dos carvalhos e choupos eram encontrados em toda a Grécia.

Os carvalhos em particular eram mais propensos a crescer longe de outros de sua espécie. Tanto eles quanto os choupos costumavam ser encontrados mais perto dos humanos e nas margens dos rios.

As Hamadríades eram notáveis ​​pelo fato de que, ao contrário de muitas das outras ninfas, suas vidas estavam ligadas a uma árvore individual.

Outras dríades vigiavam as árvores que cresciam em um determinado bosque ou área. Quando uma árvore caia, havia outras por perto.

As Hamadríades solitárias dos carvalhos, entretanto, não tinham essa segurança. Se sua árvore fosse morta ou cortada, sua própria vida terminaria.

Por causa disso, os deuses infligiram punições severas a qualquer um que derrubasse ou colocasse em perigo uma árvore sagrada. Derrubar um carvalho que abrigava uma Hamadríade não era apenas uma violação das leis dos deuses, mas também uma forma de assassinato.

Claro, não eram apenas os humanos que representavam um risco para as Hamadríades.

Crisopeleia era uma ninfa do carvalho cuja árvore crescia perto de um rio veloz. Quando o rio inundava, sua árvore corria o risco de ser arrancada e destruída.

O caçador Arcas viu o perigo e entrou em ação. Ele desviou o rio e rapidamente construiu uma represa para proteger o carvalho sagrado da água que subia.

Crisopeleia ficou tão impressionada com a ação rápida do caçador em seu nome que se apaixonou por ele e teve dois filhos. O próprio Arcas mais tarde se tornou o Rei Arcas, o fundador da Arcádia.

As Cuidadoras de Zeus

As dríades eram conhecidas por serem seres maternais cuidadosas. Elas eram geralmente gentis, especialmente com os necessitados.

Um dos exemplos mais conhecidos da natureza carinhosa das dríades são as Melíades.

Elas eram ninfas dos freixos, embora Hesíodo tenha sugerido que a palavra poderia ser usada para qualquer espírito da árvore. Ao contrário de muitas outras dríades, no entanto, elas não nasceram de deuses menores.

As Melíades eram filhas da própria Gaia. Depois que seu marido, Urano, foi castrado, Gaia usou seu sangue para dar à luz as primeiras ninfas das árvores.

Depois que Cronos assumiu o poder como rei dos Titãs, Reia pediu ajuda as Melíades.

Cronos tinha comido cada um dos filhos de Reia momentos após o nascimento, movido pelo medo de uma profecia que dizia que um dia ele seria derrubado por um de seus próprios filhos. Reia e Gaia haviam elaborado um plano para dar à luz seu sexto filho em segredo, mas precisariam de alguém para cuidar do bebê.

Quando Zeus nasceu, as Melíades o acolheram. Elas o esconderam nas montanhas de Creta, alimentando-o com leite de cabra e mel até que ele ficasse forte o suficiente para desafiar seu pai.

As Melíades não eram apenas maternal com seu filho adotivo. Segundo algumas fontes, elas passaram a ser os ancestrais dos homens que viveram durante a Idade do Bronze.

O Panteão Das Dríades

Os gregos acreditavam que o número de ninfas era quase infinito. Havia milhares de divindades da floresta que cuidavam de todas as partes do mundo natural.

As dríades, como a maioria das outras ninfas, eram consideradas deusas inferiores. Seus poderes eram limitados e elas estavam presas a um lugar na terra física.

Eles acreditavam, entretanto, que as dríades eram na verdade muito poderosas à sua maneira.

Embora as dríades não pudessem empunhar grandes armas ou realizar façanhas incríveis de magia e força, elas tocavam a vida do povo grego de uma maneira muito importante.

A admiração que as pessoas sentiam quando olhavam para a natureza não era, para os gregos, um produto da própria mente humana. A paz que vinha de sentar debaixo de uma árvore em uma tarde agradável e até mesmo o terror sentido em uma floresta escura à noite também não eram emoções aleatórias.

A capacidade de inspirar emoções fortes era um presente das dríades. Em todos os lugares que elas e suas companheiras ninfas existiam, elas eram capazes de tocar os humanos com este dom.

As fortes emoções invocadas pela natureza podem ser perigosas, como muitas ninfas aprenderam quando homens e deuses se tornaram violentos e possessivos em relação a eles. Mas as dríades também podem inspirar sentimentos de paz, alegria, admiração e admiração.

Para resumir, as dríades eram ninfas das árvores que muitas vezes se escondiam dos homens e deuses. Elas poderiam nascer como ninfas ou ser transformadas nelas, mas os muitos tipos de dríades fizeram da floresta um lugar sagrado que inspirou emoções na humanidade.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem