Sátiros: Os Deuses Selvagens da Natureza na Mitologia Grega

Quem, ou o quê, são aqueles homens com rabos e chifres na arte grega? Se você não sabe sobre os sátiros, continue lendo para descobrir tudo sobre esses deuses selvagens da natureza!

A arte grega está repleta de imagens incomuns de homens estranhos com cauda e orelhas de cavalo. Eles estão sempre nus, quase sempre acompanhados por mulheres, e muitas vezes segurando uma taça de vinho.

Esses são os sátiros, um tipo de divindade da natureza na mitologia grega.

Eles às vezes são confundidos com os Panes, os deuses com pernas e chifres de cabras, mas os sátiros têm características de cavalo ou burro.

Caso contrário, eles são muito parecidos com seus primos com pés de cabra. Travessos e vigorosos, eles eram conhecidos mais pela embriaguez e por perseguir ninfas do que por incorporar grandes ideais.

Os sátiros não eram vilões, no entanto. Por trás de seu comportamento obsceno havia uma sabedoria tão antiga quanto qualquer outra no mundo grego.

Continue lendo para descobrir mais sobre esses seguidores de Dioniso!

Sátiros: Os Espíritos do Campo na Mitologia Grega

Os Sátiros Animalescos

Enquanto suas contrapartes femininas, as ninfas, eram conhecidas por sua beleza e graça, os sátiros eram muito diferentes.

Esses deuses da natureza masculina não eram considerados atraentes, refinados ou elegantes de forma alguma. Eles eram bestiais tanto na aparência quanto no comportamento, a antítese dos olímpicos mais cultos e até mesmo dos homens civilizados das cidades-estado gregas.

Os sátiros eram imediatamente reconhecíveis por seus traços animalescos. Eles combinavam características humanas e animais de uma forma que a maioria das pessoas considerava grotesca e antinatural.

Nas primeiras peças de arte sobreviventes, os sátiros eram descritos como aparentados a cavalos ou burros. Eles geralmente tinham longas orelhas peludas e quase sempre tinham cauda de cavalo.

Às vezes, eles também tinham as pernas de um animal. Isso era mais comum no início da arte grega, mas na era clássica eram representados de uma forma mais humana.

Eles eram intimamente relacionados aos panes, os parentes com pernas de cabra do deus Pã. Os romanos, que conheciam o deus Pã como Fauno, os classificaram juntos e todos os espíritos da natureza passaram a se parecer mais com cabras do que com cavalos.

Muitos deles, fossem mais parecidos com cavalos ou mais como cabras, também tinham chifres. Podem ser pequenas pontas ou chifres mais proeminentes que se enrolam como os de um carneiro.

Enquanto suas orelhas e caudas de cavalo os tornavam mais parecidos com animais, suas características humanas eram igualmente desagradáveis. Eles geralmente eram mostrados com nariz arrebitado e rostos distorcidos, muitas vezes exagerados para efeito posterior.

Até seus cabelos não eram atraentes para os padrões gregos. Embora muitas vezes parecesse uma juba despenteada nas costas, eles eram mostrados como calvos e com as barbas grossas que a maioria dos homens gregos teria associado com estrangeiros bárbaros ou muito velhos.

Eles também eram identificáveis ​​por seu estado de excitação proeminente e permanente. Embora a nudez não fosse incomum na arte grega, a falta de modéstia dos sátiros os diferenciava das formas mais ideais de deuses e heróis.

O homem grego ideal era atraente, mas não glorificava as partes mais íntimas de seu corpo. Os sátiros eram horríveis e exibiam seus instintos mais básicos o tempo todo.

Essas figuras grotescas eram comuns na arte grega, particularmente na pintura de vasos, e apareciam com frequência na mitologia.

Deuses da Travessura e Mau Comportamento

Suas formas físicas também deram uma ideia do caráter dos sátiros. Suas ações eram tão incivilizadas quanto seus corpos.

Uma das primeiras descrições escritas dos sátiros, escrita por Hesíodo no século 7 a.C, descreveu-os como "Sátiros imprestáveis ​​e brincalhões". Essa caracterização não mudou muito nos séculos posteriores.

Os sátiros eram espíritos travessos que gostavam de beber, dançar e causar problemas. Eles buscavam diversão pregando peças nas pessoas e perturbando suas propriedades.

Os sátiros também eram conhecidos por sua luxúria e estavam constantemente perseguindo ninfas e mulheres mortais. Eles nem sempre tinham sucesso nessas atividades, muitas vezes para fins cômicos.

Como companheiros de Dionísio, muitas vezes ficavam bêbados. Sileno, em particular, bebia vinho quase constantemente porque somente quando estava bêbado ele poderia fazer profecias sobre o futuro.

Sua inclinação natural para a alegria combinada com o consumo de álcool tornava os sátiros um grupo turbulento. Geralmente eram mostrados tocando música e dançando, sempre na companhia de ninfas.

Apesar de seu mau comportamento, os sátiros ainda eram reverenciados como uma espécie de deus.

Acreditava-se que eles possuíam grande sabedoria, mesmo que nem sempre compartilhassem o que sabiam. Os sátiros frequentemente falavam em enigmas e piadas, mas no cerne do que diziam estava um conselho sábio e uma filosofia profunda.

Os sátiros podem ter sido cômicos, travessos obscenos, mas ainda havia motivos para reverenciá-los.

Dionísio e os Sátiros

Os sátiros estavam consistentemente ligados a um deus olímpico acima de todos os outros - Dionísio, o deus do vinho e da festa.

Os sátiros lascivos e rebeldes formavam uma parte natural da comitiva do deus. Junto com várias ninfas e Ménades, eles o seguiram de um lugar para outro, causando o caos aonde quer que fossem.

A relação entre Dionísio e os espíritos da natureza começou cedo. Quando era uma criança cuja mãe havia sido morta, Zeus deu Dionísio a um grupo de ninfas para serem criadas.

Crescendo no campo, o jovem deus passou grande parte de seu tempo brincando com os espíritos que viviam lá. Seu tutor, Sileno, era considerado o mais velho e sábio pelos sátiros.

Quando Dioniso cresceu e adotou o vinho como seu domínio especial, Sileno ficou perto dele. O sátiro mais velho passou a ser descrito como um ser rotundo e bêbado que muitas vezes tinha que ser carregado ou montado em um asno porque não conseguia andar.

Enquanto os sátiros gostavam de causar confusão com suas festividades, eles também forneciam entretenimento ao deus.

Uma obra do final do período clássico retratava Dioniso indo para a guerra, enviado por Zeus para trazer sua autoridade, junto com o vinho, para a Índia. Na Guerra Indiana de Dionísio, a maioria de suas tropas eram sátiros.

Sua primeira vitória foi conquistada não por terem uma força superior de armas ou habilidade no campo de batalha, mas porque embebedaram os exércitos adversários.

Os espíritos da natureza não apenas acompanhavam seu deus para a guerra.

Como deus do vinho, Dionísio também era o patrono das festas e celebrações. As descrições das festas realizadas no Olimpo incluem seus seguidores, que tocavam música e dançavam para o deleite dos outros deuses.

Muitas das histórias sobre Dionísio e seus sátiros são alegres. Por exemplo, às vezes se atribuía ao deus a descoberta do mel.

Depois de uma longa bebedeira e dança, Dioniso e sua comitiva deitaram em uma campina. Porém, havia uma colmeia por perto e eles não podiam descansar sem serem picados.

O ressoar dos címbalos dos foliões só atraiu mais abelhas. Irritado, o deus os fechou em um tronco oco de árvore.

Quando mais tarde ele abriu a árvore para soltar as abelhas, ele encontrou mel dentro. Sileno e os sátiros imediatamente o provaram, esperando por um novo tipo de vinho, e gostaram tanto do sabor doce que comeram cada gota.

Em um esforço para tirar o resto do mel da colmeia, Sileno foi picado no rosto. Os sátiros mais jovens o perseguiram pelo campo rindo do rosto inchado do velho.

Os Muitos Espíritos da Natureza

Sátiros era o nome coletivo de muitos espíritos da natureza masculina animalistas que existiam na imaginação grega. Como as ninfas, havia muitas divisões entre elas, embora fossem todas da mesma espécie básica.

Os silenos eram os que mais se pareciam com seu homônimo, Sileno. Normalmente numerando três, eles eram considerados mais velhos do que seus companheiros sátiros, mas não menos turbulentos.

Sileno e seus pares eram frequentemente retratados com longas barbas e pelos brancos cobrindo seus corpos, sinalizando sua idade. Dizia-se que Sileno estava tão velho e bêbado que tinha sido carregado até mesmo para a batalha.

Os satyriski eram crianças sátiros. Os tityroi eram aqueles que tocavam flauta, batizados de acordo com os sons que seus instrumentos faziam.

Os panes, deuses da natureza com pernas de cabra, eram um tipo distinto dos sátiros, mas os dois eram frequentemente confundidos. Em representações da comitiva de Dionísio, os dois frequentemente apareciam juntos e no Império Romano a maioria de seus seguidores eram mostrados como panes.

Na arte e nas peças, os sátiros aparecem como um grande grupo heterogêneo. Com exceção de figuras famosas como Sileno ou Pã, eles são anônimos e intercambiáveis.

Nas lendas escritas, porém, os sátiros que aparecem recebem nomes individuais. Embora suas personalidades e representações ainda sejam intercambiáveis, algum esforço foi feito para individualizar os muitos espíritos da natureza que apareceram na mitologia.

Alguns dos sátiros nomeados particularmente memoráveis ​​incluem:

  • Sileno - O ex tutor de Dionísio, o sátiro mais velho se tornou uma figura central nas celebrações do deus e passou a personificar o excesso de embriaguez.
  • Ampelos ou Ampelus - O jovem sátiro era amado por Dioniso, que sabia que os amantes dos deuses muitas vezes encontravam fins terríveis. Quando foi chifrado até a morte por um touro, Dioniso o transformou na primeira videira, da qual ele fez o primeiro vinho.
  • Como ou Kómos - Um jovem sátiro, ele era o copeiro de Dioniso.
  • Leneus - Um sátiro mais velho, ele era o semideus patrono da vinificação.
  • Marsias ou Mársias - Ele inventou a música para flauta e foi esfolado vivo como punição por desafiar de forma arrogante Apolo para um concurso de música.
  • Aristeu - Normalmente não listado como um sátiro, mas compartilhando muitos de seus atributos, ele era um antigo deus dos pastores, da caça, da apicultura e do cultivo da oliveira.
  • Croto - Ele inventou batidas rítmicas para acompanhar as canções das Musas. Como recompensa, ele foi elevado à constelação de Sagitário.

Muitos outros sátiros não nomeados foram mencionados nos vários mitos da Grécia. Eles eram as causas anônimas de problemas, agressores de mulheres famosas ou donos de safras de uvas estrangeiras.

Dizia-se que o lendário Rei Midas tinha ascendência sátira. Ele costumava ser descrito como tendo orelhas de burro e, às vezes, também era companheiro de Dioniso.

Porém, havia outro mito que explicava essa característica. Quando Midas afirmou que a flauta rústica de Pã era um instrumento melhor do que a bela lira de Apolo, o Olimpo deu-lhe orelhas de burro para que sua aparência combinasse com seu gosto.

As Peças Teatrais de Sátiros

Atenas era conhecida como um centro de artes e cultura, e nos célebres teatros de lá os sátiros desempenhavam um papel proeminente.

O teatro grego oferecia mais do que apenas entretenimento. As peças teatrais, principalmente aquelas que retratavam as histórias dos deuses, eram uma forma de devoção e instrução religiosa na Grécia.

Enquanto o teatro clássico é lembrado por suas comédias e tragédias, uma terceira forma, a peça de sátiro, foi a mais popular de seu tempo.

As peças gregas faziam uso de um coro, grupo de falantes que atuavam como narradores da história retratada. Nas peças sátiras, os homens que compunham o coro se vestiam como os espíritos da selva.

Essas peças eram obscenas por natureza e mostravam os grandes mitos e lendas do passado distante de uma forma diferente da forma como eram normalmente contados.

As peças de sátiro eram conhecidas por seu humor bruto e piadas grosseiras, mesmo quando mostravam cenas de outra forma sérias.

O coro de sátiros era liderado por Sileno, que eles descreviam como seu pai, e todos eles às vezes desempenhavam um papel na ação da história. Em uma peça sobrevivente que falava das viagens de Odisseu, por exemplo, Sileno está presente quando o herói enfrenta o ciclope Polifemo e engana as duas partes para que lhe deem continuamente mais vinho.

As histórias que de outra forma seriam contadas entre as tragédias assumiram um tom mais leve quando o coro intervinha gritando com os personagens.

Por exemplo, um fragmento de uma peça retrata Dânae com o bebê Perseu a quem Sileno, interrompendo os discursos de Dânae, tenta atraí-lo como um avô trêmulo.

Os poucos exemplos de peças de sátiro que sobreviveram fornecem grande quantidade do que hoje classificaríamos como humor de banheiro. Existem piadas de peido, enemas e piadas que rivalizariam com qualquer comédia de Hollywood.

Muitas vezes apresentavam um elemento que se tornaria um padrão na comédia muito tempo depois - o do personagem sério, cuja seriedade serve para destacar a sagacidade obscena do comediante.

De acordo com algumas descrições das cerimônias, os festivais atenienses costumavam apresentar duas ou três tragédias seguidas por uma peça de sátiro. As tragédias, que também mostravam cenas mitológicas e lendas, eram invariavelmente sérias.

Apesar de todo o seu humor e obscenidade, as peças de sátiro serviam a um propósito importante. A comédia imatura do coro sátiro proporcionava alívio dos temas sérios das histórias principais.

Ao terminar um dia de teatro trágico com as peças de sátiros mais humorísticos e obscenos, o público podia voltar para casa sentindo-se mais entretido e relaxado do que sério.

Poucos exemplos de peças de sátiros sobreviveram até a era moderna, mas sua influência permaneceu. Misturar comédia e tragédia foi uma fórmula vencedora para dramaturgos muito depois do fechamento dos cinemas gregos.

Essa tradição de alívio cômico continuaria na era moderna. A inclusão de um personagem com humor exagerado e às vezes inadequado para difundir a tensão continua a ser um tropo de filmes e peças de hoje.

Deuses, Demônios e Além

Com o tempo, os sátiros ficaram mais parecidos com os humanos. Suas pernas equinas foram substituídas pelas de homens e sua caracterização nas histórias tornou-se mais diversa.

Os sátiros eram mostrados tocando flauta e participando de outras atividades civilizadas com mais frequência, mesmo que o fizessem no cenário estridente da linha de seguidores de Dioniso.

Os primeiros gregos geralmente mostravam os sátiros ao lado das Ménades, as selvagens seguidoras de Dionísio cujos frenesi religiosos frequentemente se tornavam violentos. As ninfas mais gentis mostradas na arte posterior rejeitavam os avanços selvagens dos sátiros em vez de tomar parte neles.

Eventualmente, os sátiros passaram a ser retratados, como muitas outras figuras masculinas na mitologia, como jovens atraentes nus. As únicas dicas de suas espécies em algumas esculturas sobreviventes são pequenas caudas ou caudas diminutas.

Suas barbas e cabeças carecas foram substituídas por cachos atraentes e, pelo menos por um tempo, os sátiros da arte foram vistos como ideais desejáveis.

Nas descrições posteriores dos romanos, no entanto, os sátiros mais gentis não duraram. Eles mais uma vez se tornaram mais parecidos com animais e menos atraentes fisicamente.

Muitos artistas e escritores os confundiram com primatas de terras estrangeiras, que pareciam zombar dos humanos com seus barulhos sem sentido. Macacos e gibões eram considerados tipos de sátiros, uma visão que persistiu na Idade Média.

Quando o Cristianismo superou as antigas religiões da Grécia e Roma, os sátiros sofreram uma mudança ainda mais drástica de caráter.

Suas personalidades obscenas e indelicadas estavam em conflito direto com a moral e os ideais cristãos. A sexualidade aberta e a orgia bêbada dos sátiros eram vistas como pecaminosas e vergonhosas.

Os cristãos retrataram essas criaturas como demônios. Embora os gregos tivessem usado a palavra daimones para designar seus espíritos rústicos, ela assumiu um significado muito mais sinistro na Idade Média.

Até hoje, as imagens mais comuns de demônios no mundo judaico-cristão são baseadas em representações de sátiros e faunos.

Satanás é mais frequentemente mostrado com as pernas e chifres de bode de Pã. Essa imagem, na verdade, veio um pouco mais tarde, e na era medieval os diabos e demônios eram ainda mais deformados e grotescos.

Nas descrições medievais, um demônio podia ser reconhecido por características como chifres ou cauda, ​​assim como os sátiros. Eles, junto com muitas outras criaturas fantásticas de várias mitologias, eram chamados de demônios pagãos.

Eles também foram associados a ameaças do folclore e lendas locais, como o Homem Selvagem bestial e outros espíritos ameaçadores da floresta. A fusão romana de sátiros e primatas continuou, mas em um contexto cristão eles se tornaram zombarias diabólicas da forma humana e de sua criação pelo Deus bíblico.

Na Renascença e depois, um interesse renovado pela arte e literatura clássicas ajudou a reabilitar a imagem do sátiro. Os mitos antigos foram redescobertos e os sátiros foram novamente pintados como companheiros de lindas ninfas.

Na era vitoriana, os sátiros desumanos e as belas ninfas se tornaram uma forma de retratar cenas sexuais na arte que eram menos ofensivas para as sensibilidades da época. Um tema clássico e a representação de alguém que não era exatamente um homem permitido para obras de arte que eram aceitáveis ​​o suficiente para serem colecionadas pela própria Rainha Vitória.

No século 20, a imagem foi alterada ainda mais. Obras juvenis de ficção como As Crônicas de Nárnia e Fantasia incorporaram elementos da mitologia grega em histórias destinadas a crianças.

Os faunos e sátiros se tornaram menos ameaçadores, menos turbulentos e muito menos sexualizados. Eles se tornaram brincalhões e inocentes, fazendo amizade e ajudando crianças em busca de aventura.

Sátiros e faunos ainda eram figuras cômicas, como visto na adaptação animada de Walt Disney de Hércules, mas agora eram relativamente inofensivos e serviam como ajudantes úteis para seus companheiros humanos.

De poderosos deuses da natureza a entidades demoníacas, eles agora se tornaram figuras de desenho animado amigáveis ​​para crianças.

Os Sátiros em Seu Elemento

Os sátiros não foram as únicas figuras antigas a combinar formas humanas e animais. Em todo o mundo, muitas culturas compartilhavam esses tipos de deuses.

Frequentemente, eles tinham muito em comum com os sátiros. Eles eram associados à natureza, suas características humanas e animais mostravam sua sabedoria e sua selvageria.

Outros às vezes eram trapaceiros. Características bestiais e mudança de forma eram características comuns para divindades e espíritos que existiam para enganar os desavisados.

Os sátiros gregos combinavam todos esses elementos. Eles eram divindades da natureza por excelência - incultos, rudes e selvagens, mas exibindo sabedoria e inteligência.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem