Tifão: O Pai de Todos os Monstros e Maior Inimigo Dos Deuses

Ele era o monstro mais assustador de toda a mitologia - aqui está tudo o que você não sabia sobre Tifão, o pior inimigo dos deuses olímpicos!

Se você nunca ouviu falar de Tifão, Tufão, Tífon ou Tifeu, provavelmente já ouviu falar de uma palavra associada a seu nome. O monstro da tempestade é uma das raízes da palavra "tufão".

Como aquelas grandes tempestades, ele era violento, destrutivo e ameaçador. Ele chegava sem aviso e poderia destruir tudo em seu caminho.

Mas os gregos não o associavam apenas com vento e chuva. Tifão também era um ser de fogo que podia devastar regiões inteiras com suas chamas e calor.

Com todos esses poderes, não é surpresa que Tifão fosse a criatura mais temível e ameaçadora que os deuses do Olimpo já enfrentaram.

Tifão foi capaz de expulsar os deuses de sua fortaleza no topo da montanha, sobrepujar Zeus e chegar muito perto de destruir a terra.

A luta contra Tifão não foi uma guerra de uma década como a Titanomaquia. Em questão de dias, ele conseguiu colocar o Olimpo e o mundo de joelhos.

No final, sua maior fraqueza veio de um lugar inesperado. Um herói humano e um deus pastor trapaceiro foram capazes de devolver o poder a Zeus.

Mesmo depois da derrota, porém, Tifão continuou a representar uma ameaça para os deuses e os humanos do mundo grego.

Então, de onde Tifão veio e por que ele atacou Zeus? E o que aconteceu com ele depois que lutou pelo controle do Olimpo?

Continue lendo para aprender as respostas a todas as perguntas que você tem sobre o maior monstro da mitologia grega!

Tifão: O Pai de Todos os Monstros e Maior Inimigo Dos Deuses

O Monstruoso Gigante Tufão

Quando Zeus e os olímpicos derrubaram os Titãs, eles provavelmente pensaram que haviam derrotado os piores inimigos que enfrentariam. Infelizmente para eles, seus problemas estavam apenas começando.

Durante a guerra contra os Titãs, eles receberam ajuda de Gaia. A grande deusa-mãe da terra tinha uma longa história de apoio a rebeliões.

Primeiro, ela convenceu seu filho Cronos a tomar o poder de seu pai, Urano. Então ela se voltou contra Cronos quando Zeus veio desafiá-lo e deu apoio aos netos.

A razão pela qual Gaia apoiava tanto essas insurreições era, estranhamente, por causa de sua natureza maternal protetora.

Como a mãe de todas as coisas, os Titãs não eram seus únicos descendentes. Muitos dos filhos de Gaia eram muito mais monstruosos do que a primeira geração de deuses que os governou.

Urano havia aprisionado seis de seus filhos mais terríveis, os três ciclopes e os três hecatônquiros, longe de sua vista. A ação a irritou tanto que ela incitou os Titãs a se rebelarem.

Ela deu a Cronos a arma que ele usaria contra seu pai e ajudou a preparar a armadilha que permitiria ao deus mais jovem vencer. Com um de seus filhos no trono, ela pensou que poderia garantir a liberdade para os outros.

Quando Cronos se tornou rei, porém, ele não libertou seus irmãos. Ele se tornou tão obcecado em manter seu poder quanto seu pai antes dele.

A raiva de Gaia mudou para o novo governante, que continuou a manter seus filhos presos. Ela não teria que esperar muito por uma oportunidade de mais uma vez apoiar a derrubada de um rei.

Quando Zeus travou guerra contra Cronus e os outros Titãs, Gaia o aconselhou a libertar os Ciclopes e os Hecatônquiros para ajudar no esforço de guerra. Ele aceitou o conselho dela e ganhou seis aliados muito poderosos.

Na verdade, foram os ciclopes que deram a Zeus seus raios.

As grandes armas que forjaram e sua força física ajudaram a vencer a guerra e dar poder aos novos deuses do Olimpo.

Zeus, no entanto, procurou punir seus inimigos. Ele levou os Titãs para o interior do Tártaro e os prendeu lá atrás de enormes portões, com os Hecatônquiros como seus guardas.

Gaia novamente tinha um motivo para estar furiosa com o deus que governava como rei. Seis de seus filhos foram libertados, mas ao custo de muitos mais serem presos em seu lugar.

Quando os novos deuses governantes estabeleceram seu lar no Olimpo, Gaia chamou mais de seus filhos para vingar seus irmãos. Ela reuniu os Gigantes, os gigantes, para sua causa.

Mais uma vez, os olímpicos se viram envolvidos em uma guerra. A Gigantomaquia foi o primeiro grande teste da realeza de Zeus.

Os olímpicos saíram vitoriosos mais uma vez, matando a maioria dos gigantes enquanto o resto fugiu para se esconder. Além das crianças que ainda estavam presas, Gaia agora tinha que lamentar as outras crianças que perdera.

Ela tinha mais um filho que ela poderia enviar contra os deuses, no entanto.

Tifão nasceu de seu amor pelo Tártaro e, como a maioria das crianças do submundo, ele era um monstro que podia causar medo até nos corações dos maiores deuses.

Tifão às vezes era confundido com os Gigantes ou chamado de líder, mas na verdade ele era uma criatura muito mais poderosa e assustadora do que qualquer um dos gigantes.

Ele era maior até do que o maior dos Gigantes, tão alto que sua cabeça raspava nas nuvens. As grandes asas em suas costas podiam agitar ventos que destruíam tudo em seu caminho.

No lugar das pernas, ele tinha duas caudas de serpente enroladas. Cobras também cresceram de suas cem mãos no lugar dos dedos e subiram ao redor de seus ombros.

O grande Tifão tinha cem cabeças. Apenas um era de homem; os outros eram todo tipo de besta e monstro imaginável.

Essas cem cabeças estavam constantemente famintas, e cada uma só comia o animal que aparecia.

O fogo jorrava de suas muitas bocas. Ele tinha a capacidade de aquecer pedras até que brilhassem em brasa para que pudesse jogá-las em seus inimigos, cada uma de suas cem mãos lançando mísseis de fogo em uma direção diferente.

Suas cabeças gritavam uma com a outra, os gritos discordantes de uma centena de animais ecoando por toda a terra.

De todos os filhos de Gaia, Tifão foi o que inspirou mais medo, e que provou ser o mais difícil de vencer.

Batalha Contra Zeus

Os primeiros registros da batalha entre Zeus e Tifão descrevem uma vitória fácil do deus-rei.

Em seu trono no topo do Monte Olimpo, Zeus não tinha ideia de que outra grande batalha estava vindo em sua direção.

Para a sorte dos deuses, seu rei percebeu no último momento que Tifão se aproximava.

Zeus pegou sua égide e raios e desceu do Olimpo, encontrando o monstro de frente.

A terra tremeu e os mares ferveram. O céu se iluminou com flashes de relâmpagos e as chamas da respiração de Tifão.

Apesar de sua força maravilhosa, Tifão não era páreo para Zeus.

O rei dos deuses o atingiu com um raio, fazendo com que o grande monstro fugisse enquanto o fogo o consumia. Enquanto ele corria, uma faixa de terra foi reduzida a cinzas.

Finalmente, Tifão caiu. Os incêndios causados ​​pelos raios de Zeus queimaram tanto que derreteram as pedras da terra ao seu redor. Zeus lançou o monstro no Tártaro, finalmente garantindo seu trono para sempre.

Uma história romana posterior, entretanto, conta uma versão muito mais complicada da lenda.

De acordo com Nono de Panópolis, Zeus havia escondido seus raios em uma caverna. A fumaça que eles produziram permitiu a Tifão rastreá-lo, pegando o deus desavisado longe da ajuda do Olimpo.

Tifão roubou as maiores armas de Zeus e começou seu ataque ao Olimpo. Contra o grande monstro e o poder dos raios de Zeus, os deuses foram forçados a fugir.

Zeus tentou lutar contra Tifão, mas sem suas armas foi vencido. Tifão roubou os tendões das pernas de Zeus, deixando o rei virtualmente desamparado.

Os olímpicos fugiram de seus palácios, mas os deuses e mortais rústicos permaneceram. Cadmo, considerado o primeiro dos grandes heróis da Grécia antiga, e o deus da floresta, Pã, avançaram com um plano ousado para resgatar seu rei e salvar o universo.

Cadmo se disfarçou de pastor e tocou a flauta de Pã. Ouvindo a música, Tifão confiou os raios a Gaia enquanto ele partia em sua busca.

Tifão amava música, então ele desafiou o pastor para um concurso, o prêmio sendo a escolha de uma deusa como esposa. Cadmo tocava flauta de junco, enquanto Tifão formava um grande chifre berrante das nuvens.

Cadmo respondeu que sua flauta era um instrumento ruim e, para uma competição real, ele deveria tocar a lira. Infelizmente, ele não tinha tendões para amarrar uma.

Tifão havia caído tão completamente sob o feitiço dos tubos mágicos de Pã que ele imediatamente buscou os tendões de Zeus para que pudesse ouvir mais.

Enquanto o monstro estava distraído, Zeus foi capaz de rastejar até onde ele havia deixado os raios e roubá-los de volta.

Quando Cadmo parou de tocar a flauta mágica de Pã, Tifão percebeu que tinha sido enganado. Ele correu para onde havia escondido os raios e ficou furioso quando descobriu que eles haviam sumido.

Ele assolou a terra, queimando árvores e matando a maioria dos animais. Mares e rios foram fervidos e a terra fértil reduzida a pó e areia.

Sua violência durou toda a noite, enquanto Zeus esperava e restaurava suas pernas. Nice (Vitória) visitou o deus e disse-lhe que ele deveria se erguer para defender seu trono e seu povo.

Quando amanheceu, Zeus deu um grito de guerra que pôde ser ouvido em todo o mundo.

Tifão jogou pedras no rei até que formaram montanhas, mas os raios de Zeus as quebraram. O monstro jogou tantas árvores que florestas inteiras foram arrancadas, mas Zeus desviou todas elas.

Ele tentou atirar água em Zeus para neutralizar o poder dos raios, mas não teve sucesso.

Enquanto a batalha se desenrolava, Zeus foi capaz de usar fragmentos de ar congelado para cortar as cem mãos de Tifão, uma por uma. Outras foram queimadas por um raio, assim como muitas de suas cabeças.

Os quatro ventos se juntaram à luta, atirando em Tifão mísseis de granizo congelado.

Lentamente, Zeus derrubou o grande gigante até que ele caiu, queimou e congelou.

Zeus zombou do monstro e o enterrou sob as colinas da Sicília.

Com a derrota de Tifão, Zeus garantiu seu trono no Olimpo para sempre. Os deuses voltaram e nunca mais enfrentaram uma ameaça tão grande ao seu governo.

Gaia parou de enviar seus filhos para atacar o Olimpo. Ela havia perdido muitos filhos em suas tentativas e decidiu proteger os que restaram, em vez de correr o risco de mais morte.

Tifão Preso

Alguns disseram que Tifão foi jogado no Tártaro. No abismo mais profundo do submundo, ele torturava os perversos.

Foi até dito que Tifão, que não conseguiu vencer o domínio do universo, tornou-se o governante dos poços de Hades.

No Tártaro, ele ainda era capaz de influenciar o mundo dos vivos. Grandes tempestades e ventos fortes que saíram dos portões do submundo foram um legado do poder do monstro.

Homero e Hesíodo alegaram que o monstro havia sido enterrado sob a lendária terra dos Arimoi.

Os Arimoi eram uma raça mítica cujas terras ficavam além da grande extensão do Oceano. Suas terras, provavelmente a localização dos portões do Tártaro, estavam envoltas em névoa e escuridão.

Uma das teorias mais populares sobre onde Tifão acabou, no entanto, diz que ele foi sepultado sob o Monte Etna.

Como o maior e mais ativo vulcão da Europa mediterrânea, o Monte Etna tem sido associado a incêndios e terremotos desde que a região foi habitada pela primeira vez. Por essa razão, a montanha, e a ilha da Sicília onde ela se encontra, era um lugar associado a monstros.

Embora o solo vulcânico tornasse a Sicília uma ilha fértil e próspera, os gregos estavam bem cientes do potencial de sua destruição a qualquer momento.

Ele [Tifão] foi reduzido a cinzas e sua força foi destruída por um raio. E agora, uma massa indefesa e esparramada, ele jaz duramente junto ao estreito do mar, pressionado para baixo sob as raízes de Etna; enquanto no cume mais alto, Hefesto senta-se e martela o minério derretido. Lá, um dia, jorrará rios de fogo, com mandíbulas selvagens devorando os campos planos da Sicília, terra de bons frutos - Tifão, embora carbonizado pelo relâmpago ardente de Zeus, lançará uma fúria fervente jorrando com calor jatos de ondas terríveis que cospem fogo. - Ésquilo, Prometeu acorrentado 363

Os poderes de Tifão estavam de acordo com a erupção vulcânica.

Ele soprou fogo de muitos lugares ao mesmo tempo com tanta força e intensidade que poderia derreter pedras. As pedras em chamas que ele mandou voando de suas cem mãos também seriam uma visão familiar para qualquer pessoa que tivesse testemunhado uma erupção.

A história de sua batalha com Zeus e a destruição em grande escala que causou pode ser uma referência a um evento vulcânico particularmente violento do passado. As grandes erupções podem queimar grandes áreas da paisagem em questão de horas e matar tudo em seu rastro, assim como Tifão queimou a terra e destruiu animais enquanto fugia de Zeus.

Mesmo as tempestades que os deuses levantaram podem ser associadas ao vulcanismo. Nuvens de cinzas e ventos redemoinhos quentes podem causar tanta morte e destruição em torno de um vulcão quanto o fogo.

Embora ele já tivesse sido derrotado e enterrado há muito tempo, Tifão ainda era forte o suficiente para causar morte e sofrimento no mundo.

Tifão: O Pai Dos Monstros

Embora tenha sido derrotado e preso, Tifão ainda se tornou pai de muitos filhos.

Sua consorte era Equidna, uma terrível mulher serpentina que vivia em uma caverna nos confins da terra.

Como seus pais, os filhos de Tifão e Equidna eram monstros ferozes que criavam caos e destruição onde quer que fossem.

Esta lista de filhos de Tifão cresceu com o tempo. À medida que novos mitos foram escritos e os antigos mudaram, cada vez mais os lendários inimigos dos deuses e heróis eram considerados filhos de Tifão.

Estes incluíam:

  • Cérbero - O enorme cão com várias cabeças se tornou o guardião dos portões do submundo e apareceu em muitos mitos. Como seu pai, ele tinha a habilidade de cuspir fogo em cada uma de suas cabeças.
  • Ortros - Outro cão com várias cabeças, ele cuidava do gado que pertencia ao gigante Gerião. Ele foi morto por Hércules quando o herói foi enviado para roubar um dos bois.
  • A Hidra de Lerna - A serpente de muitas cabeças foi outra criatura morta por Hércules em seus famosos doze trabalhos. Ao contrário de seu pai e irmãos, ele tinha a capacidade de regenerar suas cabeças quando eram removidas.
  • A Quimera - Esta besta cuspidora de fogo era parte leão e parte cabra com a cauda e, frequentemente, cabeças adicionais de uma serpente. Foi derrotada por Belerofonte com a ajuda de Pégaso.
  • Ladão - de acordo com algumas fontes, o grande dragão que guardava as maçãs das Hespérides era um dos filhos de Tifão.
  • A águia caucasiana - o pássaro gigante, conhecido por torturar Prometeu, foi considerada filho de Tifão em alguns escritos posteriores.
  • A Esfinge - Este animal híbrido, famoso por seu enigma, era popular nas mitologias de muitas culturas. A versão grega da esfinge era geralmente vista como a mais mortal e perigosa, mas seu enigma foi resolvido por Édipo.
  • O Leão de Neméia - Outro monstro morto por Hércules, sua pele forte se tornou um dos símbolos definidores do herói.
  • A Porca Crommyonian - Matar este porco monstruoso foi uma das primeiras aventuras de Teseu.
  • A Górgona - Um escritor do século 1 a.C afirmou que Tifão gerou a primeira Górgona, antes que Medusa e suas irmãs existissem. Sua cabeça estava na égide de Zeus.
  • O Dragão da Cólquida - O mesmo escritor listou o guardião do famoso Velocino de Ouro como outro filho de Tifão e Equidna.
  • As Harpias - Embora normalmente se diga que são descendentes de Electra, pelo menos uma fonte nomeou seu pai como Tifão.
  • As Serpentes de Laocoonte - As serpentes de água sem nome que atacaram Laocoonte e seus filhos no final da Guerra de Tróia também foram consideradas filhos de Tifão.

Tifão pode ter sido derrotado rapidamente, mas por meio de seus filhos ele continuaria a atormentar tanto os deuses quanto os homens por muitas eras.

Seus filhos carregavam muitos de seus atributos. Alguns tinham muitas cabeças, alguns respiravam fogo, muitos eram serpentinos.

Mas quaisquer que fossem suas formas, uma coisa que todos eles tinham em comum era sua ferocidade. Lutar contra os filhos de Tifão testaria muitos dos maiores heróis, especialmente os filhos de Zeus, muito depois de seu pai deixar de ser uma ameaça aos deuses.

Tifão no Oriente Próximo

Muitos dos escritores gregos afirmaram que Zeus e Tifão se enfrentaram em uma batalha fora da Grécia, na região hoje conhecida como Oriente Próximo.

A destruição causada pela batalha explica a paisagem seca e o terreno acidentado da área. Lugares como a Síria eram familiares para os gregos viajados e essas terras estrangeiras eram consideradas o lar de muitos de seus monstros lendários.

A ligação entre Tifão e o Oriente Próximo se estende além da paisagem, no entanto. As evidências das mitologias da Mesopotâmia e das culturas vizinhas levam os historiadores a acreditar que a história de Tifão, como muitos dos mitos gregos, tem suas raízes ali.

Quatro das maiores culturas surgidas na Mesopotâmia - Suméria, Babilônia, Acádia e os hititas - tinham lendas que se assemelhavam à de Tifão e sua batalha com Zeus.

Os sumérios acreditavam que a terra, Ki, fez crescer o monstro serpente Asague para desafiar o governo de Ninurta. O monstro e Ninurta, que também era um deus da tempestade, incendiaram a paisagem antes que o deus-rei finalmente vencesse.

Os acadianos também adoravam Ninurta, mas o monstro contra o qual ele lutou em sua história se chamava Anzu. Anzu era um monstro alado que podia evocar terríveis tempestades de vento.

Na Babilônia, o rei dos deuses era Marduque. Ele usou seu poder sobre as tempestades para lutar contra o monstro quimera Tiamate ou Tiamat.

Os hititas também tinham um deus rei da tempestade que lutou contra uma terrível serpente. Como o relato de Nono de Panópolis, Illuyanka rouba partes do corpo do deus para enfraquecê-lo.

Na mitologia grega, Tifão é o fim de um grande mito de sucessão. Urano foi destituído por Cronos, que por sua vez caiu nas mãos de Zeus, e Zeus teve que repelir várias ameaças ao seu próprio governo.

Na Grécia, este ciclo só terminou quando Zeus engoliu Metis, impedindo-a de dar à luz o filho que algum dia o derrubaria. Acredita-se que esse ciclo de conquistas tenha seu início também no Oriente Próximo.

Essas semelhanças apontam para uma origem comum para todos esses mitos, que provavelmente foram transmitidos através das tradições orais de muitas regiões antes de serem escritos por culturas posteriores.

No momento em que a civilização grega atingiu seu apogeu, as culturas anteriores da Mesopotâmia já haviam quase desaparecido. No entanto, restou um poder próximo à Páscoa, que já era antigo antes de Homero e Hesíodo contarem suas histórias.

Os gregos identificaram de perto Tifão com o conjunto de divindades egípcias.

Os egípcios acreditavam que, ao fundar sua terra, haviam sido governados por uma sucessão de reis-deuses. Seth, o violento deus das tempestades e do vento, foi o penúltimo desses governantes divinos.

Ele foi desafiado e eventualmente derrotado por Hórus, o que pôs fim ao grande mito da sucessão dos egípcios. Todos os seus faraós reivindicaram a linhagem divina de Hórus.

A Fuga Para o Egito

Seth, no entanto, estava longe de ser o único deus romano associado à lenda de Tifão.

Escritores posteriores, particularmente aqueles do Império Romano, afirmaram que a maioria dos olímpicos fugiu para um lugar seguro quando foram surpreendidos pelo ataque de Tifão à montanha. Especificamente, eles fugiram para o Egito.

Os gregos e romanos não acreditavam que os deuses do Egito eram um panteão totalmente separado. Eles imaginaram conexões entre eles e os olímpicos e muitas vezes viram as divindades egípcias como aspectos diferentes daquelas com as quais estavam familiarizados.

Essas conexões foram promovidas, em suas mentes, pelas semelhanças entre muitas das histórias e personagens que as mitologias compartilhavam.

Essa forma mais antiga de religião comparada ajudou a criar entendimentos entre as culturas, especialmente quando o Egito e seus deuses ficaram sob o controle da Roma Imperial. Os gregos estavam acostumados com seus deuses tendo muitos epítetos e tradições locais, então eles interpretaram muito da religião egípcia como uma outra versão disso.

Roma fez algo semelhante. Ao conquistar a Itália, o início da República incorporou os muitos deuses da península. Todos eles associaram à cultura grega que procuravam imitar, fazendo com que os deuses romanos muitas vezes fossem quase inseparáveis ​​de suas contrapartes helenísticas.

A história dos deuses fugindo para o Egito, então, tornou essas conexões mais válidas aos olhos dos gregos e romanos. Quando foram para lá, estabeleceram seus cultos e templos, que foram modificados para se ajustarem ao lugar em que se encontravam.

Então Tifão tornou-se associado a Seth e Zeus foi associado a Amon ou Ámon, o governante dos deuses.

Hórus, o deus do sol, era visto como a versão egípcia de Apolo.

O deus da guerra Ares se tornou o deus da guerra Onúris ou Anhur. Atena era Neith ou Neite, um criador supremo e deusa da sabedoria.

Hades e Anúbis eram ambos senhores do submundo. Ártemis estava ligado a Bast ou Bastete, a protetora com cabeça de gato.

Essas associações eram mais do que apenas a imaginação vívida dos pensadores gregos em ação.

Muitos dos deuses e deusas de ambos os panteões eram baseados em arquétipos que existiam em todas as religiões indo-europeias. Conexões semelhantes poderiam ser feitas com os deuses dos celtas ou do povo germânico, por causa da força com que esses arquétipos foram transmitidos.

O arquétipo de um ser violento e monstruoso lutando contra o deus do céu pela supremacia era comum em todas as culturas com as quais os gregos tiveram contato.

Também pode haver um tipo de linhagem familiar em jogo.

Os historiadores concordam que muitos dos deuses e mitos gregos se originaram das culturas do Oriente Próximo. Essas culturas, por sua vez, tiveram influência e foram influenciadas pelos primeiros egípcios.

Em meio a todo o empréstimo e reinterpretação das histórias e personagens, era fácil para os gregos traçar paralelos entre seus deuses e os de outra grande potência do Mediterrâneo. A história de Tifão e a fuga dos olímpicos para o Egito deu a eles uma maneira de tornar essas conexões mais válidas.

Tifão: O Monstro de Tudo

Os gregos, como tantas culturas do mundo antigo, usavam sua religião para explicar as coisas que viam e sentiam ao seu redor. Seus deuses eram responsáveis ​​por tudo, desde o nascer e o pôr do sol até as emoções e virtudes.

Seus monstros também ajudaram a explicar coisas que eles viam no mundo ao seu redor. Os mistérios do universo eram explicados por meio de histórias fantásticas.

A maioria dos monstros da mitologia estava associada a fenômenos muito específicos. A Quimera queimou o solo em uma região da Anatólia, o sangue de Medusa deu origem a cobras venenosas e Cila era o grande redemoinho que ameaçava navios incautos.

Tifão, no entanto, era mais do que apenas uma única ameaça.

Seu enterro explicou os perigos vulcânicos do Monte Etna em muitas histórias, ou de outros vulcões ativos em outras.

Sua batalha violenta com Zeus explicou as terras secas ao sol do Oriente Próximo ou do Norte da África e as rochas ígneas derretidas de outras regiões.

Dos portões do submundo, ele poderia enviar tempestades terríveis e ventos violentos.

Mesmo sua aparência monstruosa deixava claro que ele representava muitas ameaças. Ele tinha todas as características temidas em outros deuses, desde apêndices semelhantes a cobras a uma infinidade de cabeças bestiais.

Tifão não representava apenas um perigo no mundo ou uma cicatriz em sua paisagem. Na verdade, ele era o pai de muitos dos outros monstros que continuaram a causar danos muito depois de ser derrotado.

Em Tifão, os deuses e a humanidade tinham seu maior inimigo monstruoso. Ele não era apenas um gigante contra quem eles lutaram uma vez, ele foi uma força de destruição que gerou muitos dos perigos do mundo.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem