Porque Medusa Foi Amaldiçoada?

Medusa era considerada um dos monstros mais horríveis e mortais da mitologia grega, mas ela sempre foi tão assustadora ou foi realmente vítima de uma maldição terrível?

Medusa era uma das três irmãs Górgonas que viviam em uma caverna nos limites do mundo conhecido. Enquanto suas irmãs eram imortais devoradoras de homens, Medusa era a única das três que poderia ser morta.

Apesar de sua mortalidade, Medusa era a mais mortal das três. Ela era tão horrível que a simples visão dela poderia fazer um homem ser petrificado em pedra sólida.

De acordo com um escritor famoso, entretanto, Medusa nem sempre foi a mais grotesca das três irmãs monstruosas. Na verdade, ela já teve uma grande beleza.

O poeta romano Ovídio incluiu Medusa em sua coleção épica de Metamorfoses. Segundo ele, Medusa havia sido amaldiçoada por Atena.

Seu suposto crime foi um ataque de Poseidon no templo da deusa. Por essa infração, Medusa foi transformada no monstro de aparência mais terrível que o mundo já tinha visto e, eventualmente, caçada e decapitada por um dos campeões favoritos de Atena.

Porque Medusa Foi Amaldiçoada?

A Maldição de Medusa

Medusa é lembrada como um monstro horrível, mas em algumas versões posteriores do mito ela nem sempre foi tão horrível.

Nas histórias mais antigas da Górgona, ela nascera tão monstruosa quanto suas irmãs. A única diferença entre Medusa e as outras Górgonas era que ela poderia ser morta enquanto elas eram imortais.

Existem algumas indicações na literatura clássica de que a história da Medusa nem sempre foi vista em termos tão simples, no entanto. Já no século 4 a.C, Píndaro se referia a ela como "bochecha clara", um termo associado à beleza feminina tradicional, em vez de um monstro grotesco.

A verdadeira mudança no caráter da Medusa veio na era romana. Ovídio, um dos escritores mais prolíficos da época, a incluiu em suas Metamorfoses.

Esta coleção de mitos reuniu muitas histórias de personagens que mudaram de forma como parte de suas histórias. Muitos eram contos antigos, enquanto outros parecem ter sido reescritos ou inteiramente criados por Ovídio.

Na versão de Ovídio da história, Medusa nasceu com características muito diferentes de suas irmãs. Enquanto elas eram monstros imortais, ela era conhecida como uma das mulheres mais bonitas da Grécia.

Como costumava acontecer na mitologia greco-romana, sua beleza atraiu a atenção de um deus. No caso da Medusa, foi Poseidon quem se sentiu atraído por ela.

O deus do mar a encontrou em um templo de Atena e a atacou no local.

Tal ato seria uma violação da santidade de qualquer templo, mas foi particularmente insultuoso para Atena. Como uma deusa virgem, ela ficou horrorizada com a profanação de seu espaço sagrado.

Não foi Poseidon quem foi punido, no entanto. Foi sua vítima, Medusa, quem suportou o impacto da ira da deusa.

Atena a puniu transformando-a de uma beleza renomada no monstro mais hediondo que existe. O cabelo longo e brilhante de Medusa estava transformado em cobras e suas feições estavam torcidas de forma irreconhecível.

Ela se tornou tão horrível que a simples visão dela poderia fazer um homem virar pedra.

Medusa fugiu para a caverna onde viviam suas já monstruosas irmãs. A partir daí, o conto de Ovídio continua a narrativa familiar de sua decapitação pelo herói Perseu, que foi ajudado por Atena e Hermes em sua missão para matar o monstro.

De acordo com o relato de Ovídio, a punição de Medusa por Atena foi justa e apropriada para seu crime. Para os leitores modernos, no entanto, parece um ato cruel em que a vítima foi punida e, eventualmente, morta, pelas ações de seu agressor.

O relato de Ovídio não foi o único em que Poseidon teve algum tipo de relacionamento com Medusa. Ele era geralmente considerado o pai de Pégaso e Crisaor, que surgiu do pescoço da Górgona quando ela foi decapitada.

O relato de Hesíodo, escrito quase oito séculos antes da Metamorfose de Ovídio, especificava que Poseidon encontrou Medusa em um prado, no entanto, não no templo de Atena.

Nem Hesíodo esclareceu se Medusa era ou não bonita quando Poseidon dormiu com ela. Esses detalhes parecem ter sido invenções de Ovídio no século 1 DC.

Interpretação Moderna

A caracterização de Medusa como uma ex-bela jovem foi um acréscimo tardio à mitologia do antigo mundo mediterrâneo. A maioria dos gregos não estaria familiarizada com a versão dos eventos de Ovídio e aceitaria a Medusa como um monstro nato.

A história dela não foi a única de transformação criada por Ovídio. O poeta coletou cerca de 250 histórias em Metamorfoses, várias das quais não podem ser encontradas em nenhum outro lugar nos textos que sobreviveram no mundo antigo.

Ovídio agrupou sua vasta coleção de poemas por assunto e tema, até mesmo por localização geográfica. A obra ainda é considerada uma obra-prima pelas maneiras como conectou histórias e traçou paralelos e contrastes entre os contos.

Com tal olho para o tema e o simbolismo, Ovídio provavelmente elaborou muitas histórias mais antigas e menos elaboradas para alcançar o efeito desejado. Detalhes foram adicionados e pontos de trama inteiros embelezados para um efeito dramático ao invés de uma adesão à tradição.

Na verdade, Ovídio era conhecido pelas maneiras criativas com que abordava contos bem conhecidos. Seus poemas são vistos por analistas modernos como exemplos de engajamento com histórias estabelecidas e as formas poéticas em que foram escritas anteriormente.

A história da maldição de Medusa não é o assunto principal da história de Ovídio. Em vez disso, é agrupado com as histórias de amor como uma única cena no conto maior de Perseu e Andrômeda.

O conto original de Perseu não teve nenhum exemplo de transformação física e, portanto, nenhuma base para inclusão na obra de Ovídio. A história foi embelezada para que um dos heróis mais famosos e reis fundadores da Grécia pudesse ser incluído de uma forma tematicamente apropriada.

Ovídio certamente estava familiarizado com a história de origem obscura de Pégaso e Crisaor, e pode ter conhecido os poucos textos que aludiam a Medusa como tendo sido uma vez uma grande beleza. A ideia da Górgona ter sido amaldiçoada por Atenas permitiu que a história se encaixasse entre os contos de deuses vingadores e punições merecidas.

Muitos leitores modernos não sabem das razões estilísticas de Ovídio para alterar os detalhes de histórias estabelecidas e da data relativamente tardia em que ele escreveu. Hoje, muitos aceitam a história de Medusa como uma vítima da raiva de Atena como uma parte padrão da história do monstro e sua morte nas mãos de Perseu.

Muitos leitores modernos, portanto, interpretam Medusa como a vítima de uma cultura patriarcal que punia vítimas femininas por crimes cometidos contra elas.

Os gregos, de acordo com todas as fontes sobreviventes da história, não tinham o conceito de Medusa como tendo sido amaldiçoada, no entanto. Até as obras populares do poeta romano Ovídio, Medusa era simplesmente vista como um monstro.

Concluindo

Ao longo da maior parte da literatura antiga, Medusa foi considerada o monstro mais hediondo que já existiu. A simples visão dela poderia transformar um homem em pedra em um instante.

Algumas fontes antigas sugeriram a ideia de que Medusa pode não ter sido sempre tão terrível de se olhar, no entanto. Ela era conhecida por ter sido uma amante de Poseidon e ocasionalmente era referenciada com atributos favoráveis ​​de beleza.

Essas escassas descrições da Medusa antes de sua decapitação por Perseu inspiraram o poeta romano Ovídio a imaginá-la novamente no século I d.C. Ele a incluiu em suas Metamorfoses, uma coleção de mais de duzentos mitos que giravam em torno de incidentes de transformação física.

Ovídio era conhecido por ter licença poética nessas histórias, no entanto. A transformação de Medusa parece ter sido uma invenção para dar ao conto maior da história de amor de Perseu e Andrômeda um lugar em sua coleção.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem