Equidna: A Mãe dos Monstros da Mitologia Grega

Equidna foi um dos monstros mais famosos da mitologia grega, não por suas próprias lendas, mas pelas de seus numerosos descendentes. Continue lendo para aprender tudo sobre a mãe dos monstros mais temidos da Grécia!

Superficialmente, a Equidna desempenhou um papel relativamente menor na mitologia grega. Embora ela tenha sido descrita como um monstro terrível devorador de homens, ela nunca foi o alvo de uma busca heroica ou o antagonista direto de um grande semideus.

Em vez disso, como muitas deusas, Equidna era mais conhecida por seus filhos. Embora Equidna não fosse uma figura proeminente por conta própria, como mãe de muitos animais conhecidos, ela teve um impacto enorme.

O desenvolvimento de Equidna foi mais do que uma explicação conveniente para a existência de muitos monstros fantásticos. Foi também uma forma de mostrar mais claramente as maneiras pelas quais aqueles monstros se opunham e refletiam o panteão dos deuses gregos.

Equidna: A Mãe dos Monstros da Mitologia Grega

Equidna e Sua Terrível Descendência

Uma das primeiras e mais conhecidas descrições de Equidna veio do autor Hesíodo.

Embora ele não estivesse claro sobre quem eram os pais de Equidna, a maioria das tradições implicava que ela era filha de Ceto. A deusa do mar primordial e seu consorte, Fórcis, eram os pais de muitos monstros marinhos e outras criaturas terríveis.

Hesíodo foi muito mais claro quando descreveu Equidna.

Ele alegou que o rosto e o torso dela eram de uma bela jovem ninfa. Sua metade inferior, no entanto, era a de uma enorme cobra salpicada.

Equidna era um monstro comedor de carne. Embora ele não a tenha descrito abertamente, o retrato de Hesíodo implica que a cauda de Equidna tinha sua própria cabeça de serpente.

Escritores posteriores expandiram essa ideia. De acordo com Aristófanes, ela tinha cem cabeças de cobra.

Isso combinava com as descrições de seu consorte, o terrível gigante Tifão. Criado para destruir os deuses, a multidão de cabeças cuspidoras de fogo de Tifão era um de seus atributos mais terríveis.

Juntos, Tifão e Equidna tiveram muitos filhos. Todos eram monstros que apareceram em algumas das histórias mais conhecidas da mitologia grega.

Ortros e Cérbero, os cães com várias cabeças, teriam sido seus primeiros dois filhos. A próxima foi a Hidra de Lerna, a serpente regeneradora que foi morta como um dos trabalhos de Hércules.

A árvore genealógica dos monstros continuou a crescer, dando a Equidna um papel mais proeminente na mitologia grega.

Hesíodo não dá um nome para a mãe da Quimera, mas geralmente presume-se que ele se referiu a Equidna ao descrevê-la.

Ele também afirmou que o Leão da Neméia e a Esfinge eram descendentes de Ortros e de outra mãe não identificada. Às vezes acredita-se que Equidna seja a “ela” a que Hesíodo se referia, e muitos autores posteriores incluíram as duas em listas de seus filhos.

Eles também acrescentaram a águia caucasiana, a ave que arrancava o fígado de Prometeu todos os dias. Embora Hesíodo tenha dito que Ceto era a mãe de Ladon, a serpente que guardava o Jardim das Hespérides, escritores posteriores também afirmaram que ele era filho de Equidna.

Apolodoro adicionou a Porca Crommyonian à lista de descendentes de Equidna. Higino acrescentou ainda a primeira Górgona, o dragão que guardava o Velocino de Ouro, e Cila como mais filhos de Equidna.

No Egito romano, Nono de Panópolis adicionou uma víbora sem nome à lista. Outras serpentes, incluindo o monstro que matou Laocoonte e seus filhos, também foram citadas.

Até mesmo as Harpias eram consideradas por pelo menos uma fonte como filhas de Tifão. Como seus outros filhos nasceram de Equidna, ela provavelmente também era mãe deles.

Equidna estava menos claramente ligada a outras criaturas na mitologia grega também.

Píton, a cobra que Apolo teve que matar para assumir o controle do oráculo em Delfos, não foi explicitamente nomeada como um dos filhos de Equidna. Porém, com base em seus atributos compartilhados e em sua ferocidade, eles costumam ser considerados vinculados.

De acordo com Heródoto, Equidna pode até ter sido a mãe de uma nação de homens que foram hostis aos gregos em muitas ocasiões.

Em sua história, Héracles encontrou uma mulher que combinava com a descrição de Equidna de várias maneiras. Eles tiveram três filhos juntos, o mais jovem dos quais se tornou o ancestral dos citas.

Ao longo de várias centenas de anos, muitos monstros foram adicionados à lista dos filhos de Equidna. Alguns deles criaram ainda mais monstros, tornando-a ancestral de muitas criaturas terríveis.

Interpretação Moderna de Equidna

O papel de Equidna se expandiu com o tempo. Eventualmente, ela foi considerada a mãe ou avó de quase todos os monstros encontrados nas lendas do mundo grego.

Dessa forma, Equidna e sua família se tornaram a imagem espelhada dos olímpicos.

Equidna nasceu em uma divindade da era dos Titãs. Isso a tornava uma congênere dos olímpicos, filhos e filhas de Cronos e Reia.

Seu consorte, Tifão, havia sido criado como uma contraparte direta de Zeus. Embora o rei dos deuses lutasse contra muitos inimigos, Tifão foi o que mais se aproximou de igualá-lo em força e intelecto.

Equidna e Tifão podem ser vistos como contrapartes diretas de Zeus e Hera. Como Zeus, eles também se tornaram pais de quase uma geração inteira de descendentes poderosos.

Muitos dos filhos de Equidna e Tifão foram colocados contra os de Zeus e outros olímpicos. Hércules encontrou vários deles, Perseu enfrentou a Górgona e Apolo e Ártemis mataram Píton.

Quando os filhos de Zeus não estavam diretamente envolvidos com os filhos de Equidna, quase sempre tiveram alguma participação em sua destruição. A Quimera, por exemplo, foi morta por Belerofonte que, como muitos heróis, teve a ajuda de Atena.

A árvore genealógica de Equidna e Tifão espelhava a de Zeus e dos olímpicos. Os contínuos encontros entre seus descendentes continuaram a batalha que Zeus e Tifão travaram no início da história.

Embora a maioria das fontes afirmasse que Equidna era imortal, a única lenda que conta sobre sua morte, notavelmente, não mandou matá-la por um dos filhos de Zeus. Em vez disso, ela caiu para Argos Panoptes, um servo leal de Hera.

Se Equidna era uma contraparte direta de Hera como a mãe dos monstros, era justo que ela finalmente fosse derrotada pelo servo mais dedicado de Hera.

Os monstros contra os quais os heróis da mitologia grega lutaram representavam as forças de destruição e caos às quais os deuses do Monte Olimpo se opunham. Embora representassem a lei e o comportamento civilizado, seus inimigos eram as forças selvagens da desordem.

Ao relacionar todos esses monstros por meio da Equidna, os escritores gregos criaram um forte paralelo entre os deuses e seus inimigos. O caos foi pintado mais claramente como a força oposta aos deuses com uma árvore genealógica igual à deles.

Resumindo

Equidna era um monstro conhecido na mitologia grega. Embora os detalhes sobre sua própria história fossem esparsos, sua influência foi sentida em muitas lendas famosas.

Equidna e seu consorte, o gigante cuspidor de fogo Tifão, seriam os pais de muitos monstros terríveis. Embora as primeiras lendas tenham nomeado apenas algumas criaturas como filhos de Equidna, a lista se expandiu significativamente ao longo do tempo.

Na era romana, dizia-se que quase todos os monstros da mitologia grega descendiam diretamente da Equidna. Embora ela fosse inicialmente uma figura relativamente menor, ela era muito importante como a mãe de monstros.

Equidna e sua família eram semelhantes a Hera e os olímpicos de muitas maneiras. Assim como Hera foi uma figura materna que se casou com o rei dos deuses, Equidna foi uma mãe prolífica que se casou com o florete de Zeus.

Os filhos dos olímpicos e os filhos de Equidna lutavam rotineiramente entre si em uma continuação da antiga batalha de Tifão e Zeus. Representando as forças do caos e da destruição, os monstros foram mortos um a um por suas contrapartes diretas, deuses e heróis que valorizavam a lei e a ordem. 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem