Cérbero: O Cão de Hades e Guardião do Submundo

O cão mais famoso da mitologia grega, Cérbero, o cão de Hades e guardião do submundo foi o pior pesadelo de um herói!

Os cães são alguns dos companheiros mais queridos da humanidade. A maioria dos donos de animais ama e cuida de seus filhotes como se fossem membros da família, ou mesmo uma criança.

No mundo antigo, porém, os cães não eram apenas animais de estimação favoritos e certamente não eram mimados. Os humanos domesticavam cães não apenas para companhia, mas também para fazer trabalhos importantes, e os melhores cães eram aqueles que serviam a seus donos com lealdade e obediência.

Por essa medida, Cérbero era um cão muito bom.

Ele fez seu trabalho como cão de guarda com mais diligência do que qualquer outro animal na história. A única vez que os mitos o fazem deixar seu posto foi quando foi arrastado à força.

Mesmo assim, ele voltou imediatamente.

A diferença era que Cérbero não era um cão de guarda comum. Seu mestre era o governante dos mortos, e a porta que ele guardava era a porta de entrada para o submundo.

Um canino enorme e monstruoso com três cabeças e uma cobra no lugar da cauda, ​​Cérbero era o suficiente para manter qualquer possível intruso à distância. Seu verdadeiro trabalho, porém, era impedir que qualquer possível fugitivo encontrasse uma maneira de sair da terra dos mortos.

Cérbero não guardava rebanhos ou riquezas, ele guardava as almas dos mortos.

De sua família monstruosa até sua única derrota, Cérbero foi o cão mais memorável da mitologia grega!

Cérbero: O Cão de Hades e Guardião do Submundo

A Família de Cérbero

Cérbero era geralmente considerado um dos muitos filhos terríveis de Tifão e Equidna.

Tifão era filho de Gaia e do Tártaro, a terra e o aspecto mais terrível do submundo, que foi enviado por sua mãe para desafiar Zeus pelo poder quando ele a irritou. Ele falhou em sua tarefa e foi preso no Tártaro.

As descrições dele variam, mas as fontes antigas concordam que ele era um gigante enorme e monstruoso associado a cobras e fogo. Alguns disseram que ele tinha várias cabeças, outros alegaram que ele tinha asas.

Os escritos posteriores de Nono de Panópolis diziam que Tifão não apenas tinha cem cabeças, mas que cada uma era de um animal diferente.

Sua companheira era Equidna, um monstro que era metade uma mulher bonita e metade uma cobra horrível. Sua mãe pode ter sido Ceto, a deusa do mar primordial que deu à luz muitos dos terrores do oceano.

Juntos, Tifão e Equidna foram os pais de muitos dos monstros mais terríveis da mitologia grega. 

Dizia-se que Hidra, Leão de Neméia, Esfinge, Ladão e Cila eram seus filhos. Alguns escritores adicionaram a Águia do Cáucaso que torturou Prometeu e a primeira Górgona à árvore genealógica.

A lista desses irmãos monstruosos tem algumas variações, mas os dois cães terríveis da mitologia grega estão sempre nela. Cérbero e Ortros eram ambos cães de caça com várias cabeças, conhecidos por guardarem grandes locais.

Os gregos descreveram esses dois como cães selvagens, não os animais domesticados comuns na vida diária. Os cães selvagens eram bem conhecidos na Grécia e vistos como feras ferozes e perigosas.

Ortros e Cérbero personificavam a selvageria e a crueldade que os gregos temiam nos cães selvagens.

Ortros, com duas cabeças e uma cauda de serpente, cuidava do gado que pertencia ao gigante Gerião. Buscar um desses animais foi uma tarefa atribuída a Hércules, que matou o cão terrível no processo.

Cérbero, entretanto, tornou-se o guardião do submundo. Seu trabalho no reino de Hades era tanto manter as almas dos mortos na vida após a morte quanto manter os vivos fora.

O Reino de Hades

O submundo grego era governado por Hades. Era um lugar sombrio, consistindo principalmente de escuridão e neblina.

Os piores humanos eram aprisionados no Tártaro, a parte mais profunda e negra do submundo. Aqueles com vidas excepcionalmente boas ou ligações íntimas com os deuses desfrutavam de uma existência mais agradável no Elísio.

Para a maioria das pessoas, no entanto, uma vida indistinta e comum leva a uma vida após a morte igualmente neutra. A maioria das almas vagava pelos Campos Asfódelos sem emoção, alegria ou propósito.

Cérbero guardava os portões deste submundo no Rio Aqueronte, um dos principais rios do reino. Quando uma alma era transportada por Caronte, Cérbero seria o último ser que eles viram antes de enfrentar os juízes da vida após a morte.

E uma vez que uma alma entrava no reino de Hades, a única maneira de sair era passando pelo terrível monstro.

De acordo com alguns, Cérbero era amigo das almas dos mortos. Ele dava as boas-vindas às almas recém-falecidas e cuidava dos residentes do reino de Hades com cuidado.

Ele só perturbava essas almas quando alguém tentava se esgueirar por ele e escapar.

Era mais fácil falar do que fazer. Na verdade, passar furtivamente por Cérbero era impossível.

Embora ele geralmente seja retratado com três cabeças, alguns escritores deram a ele até cinquenta. Tantos olhos significavam que ele poderia estar vigilante o tempo todo.

Um animal gigante, ele se elevava acima dos portões que observava. Alguns relatos também diziam que ele tinha uma cobra no lugar da cauda e várias outras serpentes projetando-se de suas costas, pescoço e articulações.

Imagens posteriores também deram ao cão qualidades de leão. Ele tinha grandes garras, uma juba desgrenhada ou um rosto mais parecido com o de um leão nas imagens gregas e romanas posteriores.

O grande cão estava tão intimamente associado ao submundo que sua inclusão é uma das únicas maneiras de identificar imagens de Hades.

Houve apenas algumas ocasiões em que alguém passou pelo enorme cão de guarda.

A Sibila de Cumas, uma sacerdotisa do oráculo de Apolo, encantou o cachorro com um bolo de mel para permitir que Enéias passasse para o mundo subterrâneo. Em algumas regiões, os enlutados deixaram uma oferta de bolo de mel com seus presentes para os mortos para que os falecidos pudessem da mesma forma ganhar o favor do monstro.

Dioniso passou por ele para recuperar a alma de sua mãe, Sêmele ou Sémele, e trazê-la de volta à vida.

Quando Orfeu viajou para a vida após a morte em busca de sua falecida esposa, Eurídice, ele também encantou o cachorro. O famoso músico tocou uma doce canção que fez com que pacificasse a fera e a fizesse adormecer.

Mas o caso mais famoso de alguém vencendo Cérbero também foi o que envolveu o herói mais famoso da Grécia - Hércules.

Hércules e Cérbero

Cérbero: O Cão de Hades e Guardião do Submundo

Quando Hércules começou a se tornar um herói de grande renome, sua madrasta, Hera, tornou-se cada vez mais determinada a vê-lo destruído. Constantemente ameaçada e com ciúme dos filhos que seu marido Zeus gerou com outras mulheres, ela odiava ver um filho ilegítimo meio mortal de Zeus chegar à fama.

Depois de muitos atentados contra sua vida, Hera encontrou uma maneira de levar o herói à loucura. Em estado de loucura, ele assassinou sua esposa e filhos.

Dominado pela dor e pela culpa, ele perguntou a um oráculo como poderia ser absolvido por um crime tão terrível. Ela disse a ele para ficar ao serviço de seu primo, Euristeu.

Euristeu, agindo em parceria com Hera, planejou uma série de tarefas impossíveis para o herói completar para provar seu valor e absolvê-lo de seus pecados.

Durante a realização dessas façanhas, Hércules se familiarizou bem com a monstruosa família de Cérbero.

Ele havia matado o Leão da Neméia, a Hidra e Ortros. Embora não fosse uma de suas tarefas atribuídas, ele também matou a Águia do Cáucaso e, em algumas versões de seu décimo primeiro trabalho, o dragão Ladão.

Sua derrota sobre a Hidra levou a um problema, no entanto.

Originalmente, Hércules recebeu apenas dez tarefas impossíveis. Quando ele as completou, no entanto, Euristeu determinou que dois deles não haviam contado.

Ao matar a Hidra e limpar os estábulos de Aúgias, o herói recebeu ajuda. Seu sobrinho segurou o incendiário para cauterizar os pescoços decepados da Hidra para evitar que suas cabeças voltassem a crescer, e dois rios foram desviados para limpar os estábulos de Augias em vez de limpá-los manualmente.

Embora as tarefas tivessem sido concluídas, ele recebeu mais duas para provar que poderia cumprir seus deveres por conta própria.

Os dois trabalhos adicionais de Hércules foram planejados para serem suas missões mais impossíveis. Euristeu e Hera estavam determinados a ver o herói fracassar.

Primeiro, ele foi instruído a recuperar uma maçã dourada da imortalidade do jardim das Hespérides. Embora ele também tenha recebido ajuda nessa tarefa, na forma do Titã Atlas, Euristeu aceitou sua conclusão.

Sua décima segunda e última tarefa o levaria ao submundo. Ele deveria ir lá e capturar Cérbero.

Hera e Euristeu ficaram emocionados quando ele aceitou o desafio. Eles estavam certos de que o herói não sobreviveria aos perigos do submundo ou a uma luta contra o cão de Hades e guardião do submundo.

Como preparação, Hércules viajou para Elêusis e foi introduzido nos Mistérios de Elêusis. Este culto, dedicado a Perséfone e Deméter, procurava compreender os segredos da vida após a morte.

Embora tenha havido alguns erros em seu treinamento, ele acabou sendo aceito no culto e aprendeu toda a sua sabedoria secreta. Ele agora sabia tanto sobre a vida após a morte quanto qualquer homem mortal poderia esperar antes da morte.

Armado com o conhecimento que ganhou dos sacerdotes de Perséfone, ele viajou por uma caverna profunda na terra dos mortos.

Na maioria das versões da história, Hércules é acompanhado por Hermes, que muitas vezes agia como um guia para as almas que viajavam para o mundo subterrâneo. Alguns também contam com sua padroeira, Atena, fazendo a jornada ao lado dele.

O primeiro obstáculo que ele enfrentou foi o barqueiro Caronte. Como Hércules não estava morto e não tinha o pagamento necessário, Caronte inicialmente se recusou a deixá-lo passar.

Hércules conseguiu sobreviver sem violência, no entanto. Um olhar severo do herói formidável foi o suficiente para Caronte mudar de ideia.

Enquanto ele viajava pelo mundo subterrâneo, Hércules encontrou muitos dos espíritos ali contidos. Ele libertou Teseu, seu primo, da Cadeira do Esquecimento a que fora obrigado por entrar no mundo dos mortos.

Ele tentou libertar o companheiro do outro herói, Pirítoo, também, mas o chão tremeu quando ele tentou. Teseu era culpado apenas de entrar no submundo sem permissão, mas Pirítoo viera com a intenção de sequestrar Perséfone, a rainha do reino.

Hércules finalmente conseguiu chegar ao trono de Hades para ficar diante do próprio deus. Ele pediu permissão a Hades e Perséfone para tirar o Cérbero do submundo.

Com o apoio de alguns dos espíritos dos mortos, ele conseguiu convencer o governante do submundo a conceder-lhe seu pedido. Porém, havia uma condição - Hércules não seria capaz de usar nenhuma arma.

Afinal, Hades era dono de um cão. Ele fez Hércules jurar que seu animal de estimação não seria ferido na captura ou na jornada para o mundo acima.

Hades também pediu para saber quem havia exigido ver seu cão. Ele sem dúvida se lembraria do nome Euristeu.

Hércules concordou com essas condições e se preparou para dominar o cão terrível do submundo com as próprias mãos.

Hércules pediu a Hades por Cérbero e foi-lhe dito para pegar o cão se pudesse dominá-lo sem usar nenhuma das armas que trouxera com ele. Ele encontrou Cérbero nos portões de Aqueronte, e lá, apertado dentro de sua armadura e totalmente coberto pela pele do leão, jogou os braços em volta da cabeça e segurou, apesar das mordidas da cauda de serpente, até convencer a besta com seu estrangulamento. Então, com ele a reboque, ele fez sua subida por Trezena. - Pseudo-Apolodoro, Biblioteca 2

Hércules havia realizado a tarefa mais impossível que poderia ter recebido. Ele não apenas sobreviveu à sua viagem ao submundo e ganhou o favor de Hades, mas dominou Cérbero usando nada além de sua própria força.

Em algumas histórias, Hades ainda não estava disposto a deixar Hércules partir com o cão. Ele havia dado permissão apenas para tentar dominar Cérbero, não levá-lo embora.

Hércules disparou uma flecha com ponta de pedra no deus dos mortos, que fugiu para evitar um conflito.

Euristeu ficou surpreso ao ver o herói voltando com o cão de Hades a reboque. Ele e Hera esperavam plenamente que a tarefa final mataria o filho de Zeus.

Em vez disso, Hércules provou seu valor e ganhou expiação. Tendo completado seu trabalho, a ele foi oferecido um lugar entre os deuses do Olimpo.

Em pelo menos uma versão da história, Hades foi responsável por pôr fim à servidão do herói. Lembrando-se do nome do homem que exigiu a remoção de Cérbero do submundo, ele apareceu diante de Euristeu como uma figura de terror.

O aterrorizado rei admitiu que havia incumbido Hércules da tarefa, mas que ele só o fizera por ordem de Hera. Hades avisou sua irmã que se ela exigisse tal coisa de Hércules novamente, ela teria que enfrentar sua própria ira.

Cérbero, entretanto, teve um destino muito melhor do que seus irmãos e os outros monstros que cruzaram com Hércules. Ele foi devolvido em segurança ao submundo para servir a seu mestre como o guardião de Aqueronte.

Algumas histórias dizem que ele teve mais um encontro com Hércules, no entanto. O herói distraiu o cão enquanto Dioniso deslizou para o submundo para trazer de volta sua mãe, Sêmele.

Os Muitos Cães do Inferno

Como o Cão de Hades, Cérbero era um de muitos de seu tipo.

A associação entre cães e o submundo é comum nas religiões do mundo e cria um arquétipo que é familiar em várias culturas.

Existem muitas razões pelas quais os caninos foram associados às terras dos mortos.

Frequentemente, esses cães são apresentados como guardas ou porteiros. Como suas contrapartes do mundo real, esses deuses mitológicos são valorizados por sua vigilância e capacidade de defender seus territórios.

Em outros casos, são cães de caça. Assim como os cães na vida real eram usados ​​para perseguir presas, esses cães sobrenaturais perseguem ou caçam vidas e almas humanas.

Os cães ocupam um espaço único na vida humana, principalmente na antiguidade. Embora fossem companheiros leais, também podiam ser cruéis e perigosos.

Isso os tornava companheiros perfeitos para deuses ctônicos e demônios, pois eram servos leais, terríveis guardas e hábeis caçadores e rastreadores.

A ligação entre os cães e o submundo é tão pronunciada que um termo especial foi aplicado ao arquétipo. Os cães do inferno são comuns na mitologia antiga e nas representações mais modernas do sobrenatural.

Alguns dos cães infernais e cães terríveis de todo o mundo incluem:

  • Anúbis - O deus egípcio dos mortos era mostrado com a cabeça de um canino, geralmente reconhecido hoje como um lobo dourado.
  • Hellhound, cão do inferno ou cão negro - No folclore inglês, o Hellhound é um espectro associado à morte e ao infortúnio. Muitas vezes é descrito como um fantasma ou um cão infernal. O Barghest, Grim (Church grim) e Gwyllgi são variações do Hellhound específicas para diferentes regiões das Ilhas Britânicas.
  • Cadejo - No folclore da América Central, esse espírito do cachorro preto é muito parecido com os cães infernais britânicos. É mais frequentemente visto à espreita em estradas desertas e isoladas, esperando que homens azarados passem.
  • Fenrir - Um dos filhos monstruosos de Loki na mitologia nórdica, Fenrir o lobo gigante foi profetizado para matar Odin, o rei dos deuses, em Ragnarok.
  • Garm - Também na mitologia nórdica, este cão coberto de sangue guardava o portão para o submundo que era governado por Hel, outro dos filhos de Loki.
  • Xolotl - Este deus cão asteca guiava os mortos para a vida após a morte. Os cães eram frequentemente sacrificados em rituais fúnebres para ajudar a guiar seus donos através do submundo como suas criaturas.
  • Dip - No folclore da Catalunha, este cão demoníaco é um emissário do diabo que suga o sangue de humanos desavisados.
  • Surma - Este monstro finlandês é semelhante a muitos na mitologia grega, sendo um cão com cauda de serpente que pode transformar os homens em pedra. Ele também guarda os portões do submundo.
  • Caçada Selvagem - O grupo de caça que vai atrás de almas é muito difundido no folclore europeu e costuma ser acompanhado por cães de caça espectrais. No País de Gales, esses cães eram chamados de Cŵn Annwn. Tales of the Wild Hunt diz que sua presença é anunciada pelo uivo de seus cães.
  • O cão de Bhairava - no hinduísmo, Bhairava é um aspecto do divino associado à destruição. Sua montaria é um cachorro.
  • Bulgae - Na mitologia coreana, esses cães do reino das trevas perseguem o sol e a lua eternamente, causando eclipses quando os pegam. O chinês Tiangou ou Tien-koan tem uma mitologia semelhante.
  • Os cães de Yama - um deus hindu rigvédico do submundo, ele era frequentemente mostrado acompanhado de um ou mais cães.

Os cães do inferno também se tornaram um tema popular na arte e na literatura.

No livro e na minissérie Good Omens, um cão do inferno é enviado à terra para ajudar a inaugurar o fim do mundo. The Hound of the Baskervilles (em português, O Cão dos Baskervilles), o terceiro livro da série Sherlock Holmes, gira em torno das muitas lendas britânicas de cães negros espectrais que perseguiram os pântanos e predisseram a morte.

Cães demoníacos ou espectrais na tradição do cão infernal são populares em filmes e videogames como inimigos fantásticos com poderes sobrenaturais.

Em todo o mundo e ao longo do tempo, Cérbero se refletiu nos cães de vários submundos, demônios e deuses.

Cérbero na Arte

A luta que ocorreu entre Cérbero e Hércules no submundo era um tema popular na arte grega e romana.

Não apenas o herói e a fera forneceram formas interessantes, mas a cena era importante na mitologia. Como o último dos trabalhos de Hércules, sua vitória sobre o monstruoso cão de guarda de Hades marcou o momento em que sua natureza se tornou mais divina do que humana.

Ao derrotar o cão de Hades e guardião do submundo, o herói mais renomado da Grécia finalmente ganhou a redenção por suas falhas humanas e uma chance de imortalidade.

Algumas das primeiras representações conhecidas da cena também estabeleceram a base de como ela seria retratada em eras posteriores.

Em uma xícara do início do século 6 aC, Hércules é mostrado lutando nu. Isso era comum para heróis e guerreiros na arte como uma forma de mostrar a perfeição de sua fisicalidade e demonstrar sua coragem.

A taça em particular mostra Cérbero já derrotado e Hércules ameaçando Hades para ter permissão de sair com o cão. Hades está fugindo enquanto uma deusa, Perséfone ou Atena, intervém colocando-se entre ele e a pedra que Hércules está prestes a atirar.

Hermes também está presente, ao lado do herói.

Cérbero é mostrado com apenas uma cabeça, o que não é incomum nas primeiras representações.

Os elementos dessa representação de Cérbero e Hércules se tornaram o padrão. Eles normalmente eram mostrados na companhia de Atenas e Hermes, e às vezes Hades e Perséfone.

Até mesmo a coluna ao lado da imagem, denotando o portal que o cão guardava, era uma parte padrão da imagem.

Imagens posteriores adicionaram mais cabeças e características de cobra, tornando a imagem do cão infernal mais de acordo com as descrições usuais dele. Hércules era frequentemente mostrado com seu porrete, mesmo sem armas na história, pois era um de seus principais atributos de identificação.

Essa padronização das imagens não foi devido à falta de imaginação ou habilidade por parte dos artistas gregos.

Em vez disso, a repetição dos atributos e elementos tornou a cena instantaneamente reconhecível para qualquer pessoa que a viu. Mesmo aqueles que nunca leram as lendas ou ouviram um poeta cantar sobre elas puderam identificar as figuras e a cena por meio do uso de atributos definidos e motivos repetidos.

O número de cabeças dadas a Cérbero às vezes variava e alguns personagens, particularmente Hades e Perséfone, podiam ser deixados de fora. Mas no momento em que um grego via um homem com uma clava segurando um cachorro enorme, eles sabiam de toda a história contada na imagem.

Interpretações Posteriores do Mito

Existe um equívoco no mundo moderno de que todos nas civilizações antigas acreditavam que todos os seus mitos eram completamente reais.

Na verdade, mesmo no passado, algumas pessoas reconheceram que muitos dos elementos fantásticos da mitologia de sua cultura eram impossíveis, ilógicos ou contraditórios.

Já no século 6 aC, os pensadores gregos fizeram tentativas de racionalizar os elementos mais surpreendentes da mitologia. Uma das coisas que eles tentaram explicar racionalmente foi o aparecimento de monstros como Cérbero.

Um desses primeiros historiadores apresentou o argumento de que Cérbero nunca foi um cão. Era uma víbora comum, embora grande, que Hércules capturou.

A cobra, que também explicava a associação com serpentes nas imagens do cachorro, era chamada de “cão de Hades” porque sua picada era venenosa o suficiente para enviar imediatamente um homem para a vida após a morte.

Como Homero nunca deu uma descrição física de Cérbero em seus poemas, estudiosos posteriores concordaram que essa explicação não contradizia necessariamente suas obras. O cão em Homero poderia ter sido uma descrição poética em vez de uma classificação literal.

Outra racionalização era que Cérbero era um cachorro comum.

Hércules foi enviado para roubar o gado de Gerião, que nesta possível história era guardado por Ortros e Cérbero. Hércules matou um enquanto o outro o seguia.

As tentativas de explicar o mito racionalmente continuaram após a era grega. Escritores posteriores tentariam pintar o cachorro não como um exagero, mas como uma alegoria.

Mário Sérvio Honorato, por exemplo, um comentarista medieval das obras de Virgílio, acreditava que o cachorro simbolizava a terra. Usando a etimologia baseada no grego creoboros, ou “devorador de carne”, ele viu o cão como um símbolo da decadência que ocorreu no subsolo.

Com uma compreensão cristã medieval, ele interpretou a derrota de Cérbero como uma derrota sobre o desejo terreno.

Outra interpretação medieval era que as três cabeças da besta representavam as três idades do homem - infância, juventude e velhice - e as três causas de morte que afetavam cada uma - natureza, acidente e causa.

Isso foi posteriormente expandido pelos mitógrafos do Vaticano para representar as três desculpas que o homem deu por seu mau comportamento e pecados.

Embora algumas das primeiras explicações para o mito possam ser baseadas em fatos históricos da evolução da lenda na tradição oral, as interpretações posteriores são amplamente descartadas como uma tentativa dos pensadores medievais de vilipular ou cristianizar o passado pagão.

Cérbero: O Cão Com Uma Função

Ao contrário de alguns dos outros monstros da mitologia grega, Cérbero não tem uma história de origem complexa. Até mesmo sua árvore genealógica é bastante simples.

Embora tenha sido mostrado com frequência na arte e na literatura, ele realmente só aparece nos poucos mitos que acontecem no mundo subterrâneo.

Em uma mitologia frequentemente complexa, cheia de intrigas e brigas familiares, Cérbero se destaca menos por sua monstruosidade e mais por sua simplicidade.

O Cão de Hades nunca foi amaldiçoado com sua forma monstruosa ou envolvido em quaisquer tramas ou esquemas.

Se ele não tivesse sido literalmente arrastado para a história de Hércules, Cérbero nunca teria deixado seu posto. Ele permaneceu, de forma confiável e constante, às portas do submundo.

Tal consistência era rara em uma mitologia na qual até mesmo o sol e a lua podiam se desviar de seus caminhos.

Como qualquer bom cão de guarda, Cérbero ficou onde foi mandado. Ele nunca fugiu e quando foi removido à força, voltou ao seu posto assim que ganhou sua liberdade.

Sempre vigilante e diligente em seu dever, o cão de três cabeças desempenhou sua tarefa de maneira mais admirável do que muitos dos deuses.

O cão de Hades e guardião do submundo era, apesar de sua forma, o cão de guarda perfeito.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem