A mitologia grega tem milhares de anos. Os gregos inventaram os deuses para explicar o tempo, os desastres e os eventos da história. Eles escreveram mitos sobre deuses e deusas. Os deuses tinham poderes sobrenaturais, mas agiam como seres humanos.
Mitos e Lendas: Hades, o Deus Grego do Submundo

O Maior Inimigo Dos Gregos

Hades era o filho de Cronus e Réia, e o irmão mais novo de Zeus e Poseidon. Ele era o governante do mundo subterrâneo chamado Erebus, que era habitado pelos espíritos dos mortos.

Os primeiros gregos consideravam Hades como seu maior inimigo. Ele era, a seus olhos, o ladrão cruel que roubou deles seus entes queridos e acabou privando cada um deles de suas próprias vidas. Seu nome era tão temido que nunca era mencionado pelos mortais.

Os gregos acreditavam em uma vida após a morte triste e sombria. Eles acreditavam que quando um mortal morria, seu espírito assumia o contorno sombrio de sua forma humana. Essas sombras, conhecidas como sombras, eram levadas por Hades para o submundo. Lá, eles passaram o tempo, alguns meditando sobre seus problemas na terra, outros lamentando os prazeres perdidos que tinham desfrutado na vida.

Minos ditava a sentença final sobre os mortos

Nas terras do Hades havia quatro grandes rios, três dos quais tinham que ser atravessados ​​por todas as sombras. Estes três eram Aqueronte (tristeza), Cócito (lamentação) e Estige (escuridão intensa).

As sombras eram carregadas sobre o Estige pelo velho barqueiro Caronte. Na margem oposta estava a corte de Minos, a suprema juíza, diante da qual todas as sombras tinham que aparecer. Depois de ouvir uma confissão de suas ações terrenas, ele pronunciava a sentença de felicidade ou miséria à qual seus atos os tinham intitulado. Essa corte era guardada pelo terrível cão de três cabeças Cérbero, que permitia a entrada de todas as sombras, mas nenhuma retornava.

Os espíritos felizes desmaiavam à direita e iam para os Campos Elísios. Esta região feliz era preenchida com tudo o que poderia encantar os sentidos ou agradar a imaginação. O ar era agradável e perfumado, e riachos ondulantes fluíam pacificamente pelos prados, que brilhavam com as cores de mil flores.

As almas culpadas eram enviadas para o grande salão de julgamento do Hades, que estava cercado pelo flamejante rio Flegetonte. No interior, os pecadores eram capturados pelas Fúrias, que os espancavam com seus chicotes e os arrastavam até o portão do Tártaro. A partir daí, os pecadores eram lançados nas profundezas terríveis para sofrer tortura sem fim.

Os Piores Criminosos Eram Enviados Para o Tártaro

O Tártaro era um poço enorme e sombrio, tão abaixo de Hades quanto a Terra está distante dos céus. No poço estavam os antigos deuses conhecidos como os Titãs, junto com outros deuses que haviam sido expulsos dos céus. Os principais sofredores nessa região de melancolia eram Títio, Tântalo, Sísifo, Ixion e Danaides.

Titios, um dos gigantes nascidos na Terra, insultara a esposa de Zeus, Hera, a caminho de Peitho. Por essa ofensa, Zeus o jogou no Tártaro, onde dois abutres perpetuamente mastigavam seu fígado.

Tântalo era um rei sábio e rico da Lídia, com quem os próprios deuses eram amigos. Um dia, Tântalos roubou comida da mesa dos deuses e deu para seus amigos. No entanto, seu maior crime foi matar seu próprio filho, Pélope, e servi-lo em um dos banquetes para os deuses. Por esses crimes ele foi condenado por Zeus ao castigo eterno no Tártaro, onde foi mergulhado até o queixo na água. Cada vez que ele se inclinava para tomar uma bebida, a água recuava de seus lábios sedentos.

Sísifo foi um grande tirano que assassinava viajantes em sua terra atirando pedras enormes neles. Como punição por seus crimes, ele foi condenado a sempre rolar um enorme bloco de pedra em uma colina íngreme. Assim que chegava ao cume, a rocha voltava a descer novamente para a terra abaixo.

Ixion foi um rei da Tessália que tentou ganhar o favor de Hera. Isso Zeus tão muito irritado que ele atingiu Ixion com seus raios. Ele ordenou que Hermes jogasse Ixion no Tártaro e o amarrasse a uma roda sempre giratória.

As Danaides eram as 50 filhas de Danaus, rei de Argos, que haviam se casado com seus 50 primos. Danaus recebera uma advertência de que seu genro causaria a morte dele, então, a seu comando, todas as filhas mataram seus maridos em uma noite. Sua punição no submundo era encher com água um vaso cheio de buracos, uma tarefa sem fim e inútil.

Hades e Perséfone

Hades é geralmente representado como um homem mais velho com uma aparência majestosa, tendo uma notável semelhança com seu irmão Zeus. Ele se senta em um trono ao lado de sua rainha, a grave e triste Perséfone. Ele usa uma barba cheia e longos cabelos negros. Em sua mão ele carrega um garfo de duas pontas ou as chaves do submundo, e a seus pés está Cérbero.

Hades era universalmente adorado em toda a Grécia. Templos foram construídos em sua homenagem em Elis, Olympia e Atenas. Os sacerdotes que o adoravam usavam vestes negras e sacrificavam ovelhas negras.

Plutão

Antes de aprenderem sobre a mitologia grega, os romanos não acreditavam na vida após a morte. Em vez disso, eles pensavam que no centro da terra havia uma cavidade vasta e escura chamada Orcus, um lugar de descanso eterno para os mortos. Mais tarde, o Orcus Romano tornou-se o Hades grego, e os romanos começaram a adorar o Hades sob o nome de Plutão.