Na mitologia grega, Héstia era a deusa virgem grega do lar, lareira, arquitetura, vida doméstica, família e estado. Ela era uma das três deusas virgens, ao lado de Atena e Ártemis. Embora tanto Poseidon quanto Apolo quisessem casar-se com ela, Héstia fez um juramento a Zeus de que ela permaneceria para sempre pura e imaculada, nunca entrando em união com um homem.
Héstia: Deusa Grega do Fogo e da Vida Doméstica
Ela é uma deusa da geração olímpica, filha de Cronus e Réia e irmã de Zeus, Poseidon, Hades, Deméter e Hera. Quando Cronos engoliu seus filhos, temendo que alguém o destronasse, Héstia era a mais velha e assim foi engolida primeiro.

Depois que Zeus forçou seu pai a vomitar seus filhos, Héstia foi a última a ser vomitada, fazendo dela a filha mais velha e mais jovem.

Como a deusa do fogo, ela personificava o fogo que queimava no lar de todos os lares da Grécia. Héstia recebia a primeira oferenda em cada sacrifício nas casas com famílias derramando vinho doce em seu nome e dedicando a porção mais rica de comida para ela.

O fogo da lareira na casa não era permitido sair por nenhuma família a menos que fosse ritualmente distinguido. Embora Héstia não tivesse um culto público, ela era adorada em qualquer templo, independentemente do deus ao qual o templo fosse dedicado. Héstia é descrita como uma deusa gentil, indulgente e discreta, com uma natureza passiva e sem confronto.

Héstia: Deusa Grega do Fogo e da Vida Doméstica
Héstia era a filha mais velha de Cronos e Réia.

Como com o resto de seus filhos, Cronos a comeu, mas acabou regurgitando-a.

Ela era irmã de Deméter, Hades, Poseidon, Hera e Zeus.

Ela era conhecida principalmente como a Deusa do Lar.

De todos os deuses e deusas, ela era considerada a mais gentil e suave. Outros, criticamente, a chamavam de incolor porque há pouca informação fornecida em relação ao caráter dela.

Embora Héstia aparecesse em poucas histórias, ela não era muito significativa na mitologia grega.

Héstia é completamente omitida das obras de Homero, autor da Ilíada e da Odisseia.

Poetas como Apolodoro, Hesíodo e Ovídio fazem alusão a ela em seus trabalhos.

Cada cidade tinha um lar público que era sagrado para Héstia; o fogo aceso nunca permitia sair.

Novas colônias pegavam fogo da lareira no Pritaneu (também conhecida como prefeitura) e mantinham os fogos naqueles novos locais.

Todas as refeições começavam e terminavam com uma oferenda a Héstia.

Como Athena e Artêmis, Héstia foi referida como uma deusa virgem.

Embora Apolo e Poseidon propusessem o casamento com Héstia, ela pediu a Zeus que permanecesse uma donzela para sempre.

A vida doméstica era seu domínio, apesar de seu desejo de permanecer virgem.

Ela era uma das doze divindades olímpicas.

Seu nome significa literalmente "lareira"; apropriadamente, suas prioridades eram família e comunidade.

As crianças eram aceitas na família ao serem apresentadas no fogo de Héstia. Esse primeiro passo observado garantia a bênção da deusa sobre a nova adição.

Vesta era o equivalente romano a Héstia.

O culto público e privado de Héstia era generalizado.

Ela representava segurança comunitária e felicidade pessoal.

Porque Héstia permaneceu virgem, segue-se que ela não teve filhos.