Os filhos de Jacó, ou Israel, viveram muito tempo na terra do Egito, na parcela de terra dada a eles pelo faraó. Cinquenta e quatro anos depois de seu pai, José morreu. Como Jacó, ele ansiava por ser enterrado na terra de seus pais, mas no presente isso era impossível. Os anos passaram e rei após rei reinaram e morreram no Egito, até que a lembrança de José foi esquecida.

Enquanto isso, os filhos de Israel se regozijavam na boa terra de pastagem regada pelo Nilo, a terra de Gosém como era chamada, entre Mênfis e o Grande Mar, e suas famílias aumentaram, até se tornarem uma grande colônia na terra do Egito. Mas, com o passar do tempo, surgiu um faraó que não mais se importava em ter todos os descendentes de José estabelecidos na terra; esta grande colônia de estrangeiros seria um perigo em caso de guerra.

Os Filhos de Israel e a Travessia do Mar Vermelho

Então ele colocou capatazes sobre eles e os oprimiu. Ele os tirou de suas tranquilas vidas pastorais, para "servir no campo", como ainda vemos ao longo das margens do Nilo. Hoje, os camponeses trabalham sob o sol ardente, puxando baldes de água, do nível do rio, para derramar sobre os campos acima. Os filhos de Israel foram obrigados a construir também as altas muralhas de tijolo que cercavam as antigas cidades da terra de Gosém; eles foram tratados como escravos e espancados pelos egípcios com autoridade sobre eles, até parece ouvirmos seus gritos amargos, por libertação desta servidão.

Por fim, à medida que mais e mais crianças nasceram dos filhos de Israel, Faraó ordenou que todos os filhos nascidos desses estrangeiros fossem, doravante, jogados no Nilo.

Mas um filho nasceu, logo após esta ordem, para um bisneto de Jacó, e ele era tão bonito que sua mãe o escondeu na casa por três meses. Então, temendo por sua vida, ela o colocou em um pequeno cesto feito de juncos, e o colocou entre os juncos, ao lado do rio.

A história de Moisés é bem conhecida, e toda criança ouviu como a princesa real, uma das filhas de Faraó, desceu com suas donzelas, para se banhar no rio. Como ela encontrou o pequeno cesto e a criança chorando dentro dele, e como ela não teve coragem de deixar o bebê se afogar. Como ele foi amamentado por sua própria mãe, criado na casa da princesa egípcia, e chamado Moisés: "Porque", disse a princesa, "eu o tirei da água".

Agora, embora Moisés tenha sido criado como filho egípcio, ele era ainda um israelita de coração; quando ele envelheceu o suficiente, ele se ressentiu de ver seu próprio povo mal tratado, e mesmo espancado, na terra de sua adoção. E este foi o homem escolhido para conduzir seu próprio povo da terra do Egito, de volta à sua própria terra - a terra dada a seus antepassados ​​Abraão e Jacó - a terra de Canaã.

A história da sua partida para casa é muito pitoresca. Pode-se ver as tribos de pastores de Gosém arrebatando sua última refeição apressada; seus pés, geralmente nus, agora calçados para a longa jornada; homens, mulheres e crianças com cajados em suas mãos, suas longas vestimentas orientais cingidas em volta da cintura, para caminhar pelo deserto arenoso.

Era noite também; Provavelmente uma daquelas gloriosas noites africanas, com estrelas brilhando intensamente, mesmo quando elas brilham hoje sobre trechos de savana, enquanto a lua ilumina o país.

"Saia do meio do meu povo; também pegue seus rebanhos e rebanhos, como dissemos, e parta", foram as palavras finalmente arrancadas do faraó relutante, que por tanto tempo se recusou a deixá-los ir.

Então, naquela noite tranquila e estrelada, os filhos de Israel, como um enorme exército, com seus camelos e jumentos, saíram do Egito, a caminho de sua pátria.

Muito em breve o pasto verde do Nilo foi deixado para trás; a trilha do deserto escaldante estava diante.

Acampados nas margens do Mar Vermelho, de repente um grito de alarme percorreu a vasta multidão, pois, do outro lado das colinas desérticas, vinham os terríveis carros egípcios que os perseguiam. No meio de seu terror, o sol se pôs, e as trevas caíram sobre as águas do Mar Vermelho, que as separaram da terra de Canaã.

A história da travessia é muito conhecida para repetir. Quando a manhã rompeu as colinas da Arábia, eles ficaram em segurança na margem mais distante, mas os carros e cavaleiros do Egito haviam perecido nas águas.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem