A Mítica História de Amor de Orfeu e Eurídice

O Mito de Orfeu e Eurídice

Nos vales ensolarados de Tessália viviam muitos jovens felizes que vagavam pelas colinas e cuidavam dos rebanhos de seus pais. Eles eram gentis e amáveis com seus amigos, mas fortes e corajosos quando chamados para lutar por seus direitos. Neste agradável vale, onde as rajadas de inverno nunca sopravam ferozmente, onde os ventos de verão eram amenos, e onde as flores sempre floresciam, vivia Orfeu, o doce cantor.

Apolo, seu pai, lhe dera uma lira; e desde que suas mãos de bebê puderam segurá-la, ele tocou e cantou, tornando a música tão doce que até as pedras eram suavizadas, as árvores dobravam seus galhos para escutar, enquanto animais, pássaros e até serpentes se aproximavam, encantados pelo suave música da lira dourada de Orfeu.

Um dia, enquanto Orfeu estava sentado ao lado de um riacho, que deixou de ondular, em êxtase, uma linda donzela, com os grandes olhos azuis bem abertos de espanto, aproximou-se e sentou-se, escutou. Ela era a donzela do amanhecer, Eurídice, uma donzela mais bela e doce não podia ser encontrada em toda a Tessália.

A Mítica História de Amor de Orfeu e Eurídice

A Mítica História de Amor de Orfeu e Eurídice no Submundo

Dia após dia, Eurídice vinha e escutava enquanto Orfeu tocava, até que finalmente ele disse: "Oh, doce Eurídice, seja minha amiga e companheira sempre. Venha comigo onde quer que eu vá. Não me deixe; pois quando não estiver perto, eu sou como a lira sem ninguém para produzir sua música”.

Então Eurídice se tornou a companheira de Orfeu, e eles vagaram pelos vales e pelas colinas, e juntos eles observavam os rebanhos. Mas um dia, Apolo enviou Orfeu em uma jornada para um país distante para o qual ele não poderia levar Eurídice. Como parecia solitário para a pobre donzela da madrugada! Ela não podia brincar com os filhos das estrelas e ser feliz como antes, então ela se afastou sozinha.

Um dia enquanto caminhava por um campo e enchia os braços de glórias matinais, ela por acaso pisou numa serpente que estava enrolada na grama. Mordeu o seu pezinho delicado e, pouco a pouco, Eurídice começou a sentir-se doente. A mordida da serpente era venenosa e, caindo na margem do rio onde ela vira Orfeu pela primeira vez, ela morreu. Ali os filhos das estrelas encontraram-na e apressaram-se a encontrar Orfeu no seu regresso e contaram-lhe a triste história.

Orfeu ficou sem palavras de tristeza. Ele pendurou sua lira em um galho e se recusou a ser feliz, mas chorou e gemeu por Eurídice. Em tons de tristeza, os pássaros e os esquilos contaram sua simpatia; e o rouxinol, seu amigo mais querido entre os pássaros, empoleirou-se em seu ombro, cantando uma doce canção de arrependimento e tristeza.

Por fim, Orfeu pensou que tentaria encontrar Eurídice. Orfeu se afastou da Tessália, para a Região dos Bem Aventurados, pois foi ali que ele pensou que Eurídice deve ter ido. Ele tinha primeiro que passar pelas regiões de Hades; e você sabe que isso era uma coisa difícil de fazer. Ao chegar aos portões de pedra, diante dos quais Cérbero ficou de guarda, o cachorro de três cabeças avançou, rosnando com raiva.

Orfeu sentou-se numa pedra e brincou com sua lira. Houve uma mudança no monstro feio. Uma das cabeças parou de olhar com raiva; então a outra cabeça deixou de mostrar seus dentes; e finalmente o cachorro se adiantou para lamber as mãos do doce tocador, e Orfeu passou em segurança.

Quando chegou ao rio Estige, Caronte, o barqueiro, olhou friamente para ele perguntando como um mortal ousou entrar nos reinos de Hades. "Caronte de olhos tristes, você levou Eurídice através do rio Estige; me leve também. Eu te peço, porque eu não posso viver sem ela". Então cantou Orfeu, enquanto tocava tensões tão tristes e tocantes que Caronte implorou que ele cessasse. Lágrimas caíam dos olhos do barqueiro escuro enquanto ele guiava seu barco pelo rio.

Orfeu continuou a percorrer as escuras e brilhantes cavernas, não observando a riqueza que estava guardada nas vastas casas de tesouros de Hades. Hades e Prosérpina estavam sentados em um trono de ébano, enquanto seus atendentes silenciosos pairavam ao redor. Orfeu se aproximou, não prestando atenção à carranca escura de Hades, e começou a cantar, "Rei do Mundo Subterrâneo, eu não vim para descobrir os segredos de teu reino ou a grandeza de tua riqueza. Tomaste Eurídice, Quem para mim era mais do que essas brilhantes bugigangas. Mande-a de volta para a luz do dia. Conceda que ela volte para a casa de Orfeu. Você tem a sua Prosérpina. Dá-me, peço-te, Eurídice”.

Então Orfeu cantou e tocou, até que as lágrimas de Prosérpina caíram rapidamente, e o rosto severo de Hades suavizou-se em pena. "Volte para a tua casa, Orfeu, e leve Eurídice; mas não olhe para trás até que você alcance novamente a morada dos homens". Orfeu passou em silêncio, sem se atrever a olhar para trás, passou pelo rio e pelo cachorro Cérbero e chegou à caverna rochosa no lado da montanha, através da qual brilhava um raio de luz do mundo superior de volta a sua casa, com seus amigos e seus rebanhos, mas, triste dizer, Orfeu, em um momento de esquecimento, olhou para trás para ver se Eurídice estava realmente voltando com ele.

Ele viu seu rosto gentil e braços estendidos; mas quando ele olhou, ela foi levada de volta para o reino de Hades, e Orfeu não a viu mais, embora ele tentasse em vão seguir, e esperou por muitos dias, cantando canções de pesar que derreteram as pedras em lágrimas, enquanto as feras vinham e lamentavam com ele. Ele se recusou a ser consolado. Os bosques e as colinas não mais repetiam as tensões de seu pai; mas notas tristes e selvagens eram ouvidas pelas pequenas ninfas de madeira, que tentavam fazê-lo esquecer. "Veja", disseram, "como o solitário Orfeu chora por doce Eurídice. Não podemos fazê-lo feliz mais uma vez?" Mas elas tentaram em vão.

A Lenda e o Mito Sobre Orfeu e Eurídice

A história de Orfeu e Eurídice é apresentada no livro intitulado Histórias da Grécia Antiga, de Emma M. Firth, publicado pela primeira vez em 1895.

Orfeu e Eurídice - Um Mito com uma Moral

Muitas das Antigas Histórias de Mitos, como a lenda de Orfeu e Eurídice, incorporam contos de moral que forneceram aos antigos contadores de histórias pequenos exemplos de contos emocionantes para crianças e jovens de como agir e se comportar e refletir importantes lições de vida.

Os personagens dos heróis nesse tipo de fábula demonstraram as virtudes de coragem, amor, lealdade, força, perseverança, liderança e autoconfiança. Considerando que os vilões demonstraram todos os vícios e foram mortos ou punidos pelos deuses. A velha e famosa história e fábula do mito, como Orfeu e Eurídice, foram projetadas para entreter, emocionar e inspirar seus jovens ouvintes...

O Mito de Orfeu e Eurídice - o Mundo Mágico do Mito e da Lenda

A história de Orfeu e Eurídice é uma das histórias fantásticas da mitologia e lendas antigas. Tais histórias servem como uma entrada para entrar no mundo dos antigos gregos e romanos.

Os nomes de tantos heróis e personagens são conhecidos hoje por meio de filmes e jogos, mas a história real sobre esses personagens é desconhecida. Ler uma história de mito como Orfeu e Eurídice é a maneira mais fácil de aprender sobre as histórias dos clássicos.

Postar um comentário

0 Comentários