Dagda: Deus da Vida, Morte, Fertilidade e Poder na Mitologia Celta

O Dagda, Deus da vida, morte, fertilidade e poder aparece com frequência nas lendas irlandesas, mas quem era esse rei e pai dos deuses? Continue lendo para aprender mais!

O Dagda é uma das figuras mais proeminentes nos primeiros mitos da Irlanda. Irmão do primeiro rei dos Tuatha de Dannan, ele foi um dos primeiros a ir para a Irlanda.

Ele desempenha um papel importante na história de como os Tuatha Dé Danann ganharam o controle da Irlanda e se tornaram seus deuses. Sua importância vai muito além das primeiras batalhas, no entanto.

O Dagda é frequentemente considerado um deus da terra que tinha domínio sobre a agricultura e a fertilidade. Embora muitas vezes se associasse à comida, esta não era sua única função.

O Dagda era um mestre da magia e da guerra. Conhecido por sua sabedoria e força, ele era um oponente formidável dentro e fora do campo de batalha.

Ele se tornou um dos lendários reis da Irlanda e foi o pai de muitos dos deuses. Ele era o marido de uma das deusas mais famosas do panteão também.

O Dagda era uma figura poderosa cuja magia fazia a ponte entre a vida e a morte. Um deus da terra, ele também era um deus da morte, da ordem e da lei natural.

Dagda: Deus da Vida, Morte, Fertilidade e Poder na Mitologia Celta

O Dagda Como um Deus da Terra

O Dagda, An Dagda em irlandês, é geralmente interpretado como um deus da terra.

Ele é frequentemente comparado ao deus nórdico Odin por causa de sua associação com a magia. Os dois deuses provavelmente derivaram da mesma fonte.

Ambos também eram figuras paternas em seus respectivos panteões. A posição do Dagda como um pai para muitos outros deuses e heróis enfatizou seu papel como um deus da fertilidade e generosidade.

Muitos mitos enfatizam comida e fartura quando discutem o Dagda. Dizia-se que ele não apenas tinha um apetite imenso, mas também era capaz de prover amplamente aos outros.

O Dagda possuía um caldeirão que nunca secava, então não importava quantas pessoas ele hospedasse, ninguém jamais ficaria insatisfeito. Sua concha era grande o suficiente para caberem dois homens.

Ele também possuía um pomar onde as árvores estavam sempre carregadas de frutas maduras. Ele tinha dois porcos para que um pudesse estar sempre assando enquanto o outro crescia para substituí-lo.

A primeira menção ao Dagda no relato da Segunda Batalha de Mag Tuired também diz respeito à comida.

Enquanto Bres e os Fomorianos governavam os Tuatha Dé Dannan, o Dagda trabalhava duro todos os dias. Todas as noites ele voltava para casa e comia uma rica refeição.

Um cego chamado Cridenbel tinha ciúmes dos banquetes do Dagda. Sua boca cresceu em seu torso e seu apetite era quase tão grande quanto o do próprio Dagda.

Cridenbel disse ao Dagda que a honra exigia que a recompensa fosse compartilhada, então Cridenbel deveria receber os três melhores pedaços da refeição do Dagda. Cada mordida que ele deu, no entanto, era do tamanho de um porco inteiro.

Essas três mordidas totalizaram um terço da refeição do Dagda a cada dia. O deus logo começou a se ressentir de seu vizinho por tirar vantagem de sua hospitalidade e tornou-se visivelmente mais magro por ter tirado tanta comida de seu prato.

Mag Oc viu os problemas do Dagda e o ajudou a inventar uma maneira de acabar com o roubo de Cridenbel. Ele deu ao Dagda três moedas de ouro para colocar em sua comida.

Quando Cridenbel pediu os três melhores pedaços da refeição do Dagda, as três moedas eram mais valiosas do que qualquer alimento. Cridenbel comeu as moedas e morreu quando o ouro ficou preso em seu estômago.

O Dagda foi acusado de envenenar seu vizinho e violar as leis de hospitalidade, crimes que eram puníveis com a morte. Ele escapou desse destino, no entanto, abrindo o estômago de Cridenbel e provando que foi ouro, não veneno, que o matou.

Esta história mostra que, como um deus da abundância, o Dagda provavelmente estava envolvido em questões de hospitalidade e generosidade. Ao mesmo tempo que encorajava a partilha de comida com seu caldeirão sem fundo, ele também podia punir aqueles que abusavam das tradições de hospitalidade em detrimento dos outros.

Descrições de Dagda

Embora o nome do Dagda significasse "O Bom Deus", muitas descrições dele não parecem retratá-lo dessa forma.

Ele é frequentemente mostrado como um personagem um tanto bufão e cômico. Ele é grande e rude, com uma barba espessa e cabelos rebeldes.

Muitas vezes, as descrições indicam que suas roupas são muito pequenas para caber em seu enorme corpo. Seu estômago e nádegas sobressaem, enfatizando seu retrato idiota.

Apesar disso, no entanto, os outros personagens dessas lendas não parecem tratar o Dagda com o desdém que normalmente seria visto por alguém que parecia tão tolo.

O Tuatha Dé Dannan se referia ao Dagda como um líder sábio, um lutador temível e um mago habilidoso. Ele era um chefe entre os druidas e muito estimado.

Algumas histórias até contradizem a aparência bruta do deus na maneira como os outros personagens falam sobre o Dagda. Ele é descrito como bonito e poderoso mesmo em alguns textos em que suas roupas são muito pequenas e seu cabelo está despenteado.

Muitos historiadores acreditam que a aparência idiota do Dagda não era uma característica original da mitologia irlandesa.

Quando escritores cristãos posteriores registraram as lendas da Irlanda pagã, eles tinham grande interesse em fazer os deuses parecerem menos nobres e divinos. Em comparação com seu próprio deus, eles queriam fazer os deuses pagãos parecerem menos legítimos e atraentes.

Em alguns casos, os deuses foram demonizados ou transformados em fadas ou outros personagens do folclore menos poderosos. No caso do Dagda, ele foi feito para parecer tolo e brutal.

Algumas fontes contemporâneas desafiaram esse retrato. Um texto afirmava que o Dagda era visto como um belo deus cuja magia o tornou o pai da terra.

O Dagda em Batalha

Apesar de ser associado à generosidade e fertilidade, o Dagda também era visto como um guerreiro poderoso.

A maioria dos deuses irlandeses e muitas das deusas participaram das batalhas que faziam parte de suas lendas. Isso foi especialmente verdadeiro para os Tuatha Dé Dannan, que primeiro foram para a Irlanda e tiveram que travar duas batalhas pela supremacia sobre a ilha.

Enquanto os Tuatha Dé Dannan derrotaram facilmente os Fir Bolg, eles logo foram derrotados pelos Fomorianos. Seu rei, Bres, tinha um pai fomoriano cujo povo favorecia mais do que os parentes Tuatha Dé Dannan de sua mãe.

Nos anos em que os Fomorianos controlaram a Irlanda, o Dagda foi uma das figuras-chave no planejamento de como contra-atacar. Seu irmão, Nuada, já havia sido rei, então eles passaram anos no conselho preparando sua rebelião.

De acordo com a Cath Maige Tuired, que conta a história da guerra dos Tuatha Dé Dannan contra os Fomorianos, o Dagda ganhou seu título de Deus Bom ao prometer exercer os maiores poderes que seu povo poderia reunir contra seus inimigos.

Figol mac Mamois, seu druida, disse: "Três chuvas de fogo cairão nas faces das hostes dos Fomorianos, e eu capturarei dois terços de sua coragem e de sua destreza nas armas e de sua força, e eu prenderei a urina deles em seus próprios corpos e nos corpos de seus cavalos. Cada respiração que os homens da Irlanda exalarem aumentará sua coragem e sua destreza nas armas e sua força. Mesmo se eles ficarem em batalha por sete anos, eles não se cansarão de maneira nenhuma”

O Dagda disse, "Os poderes que vocês possuem, utilizarei todos com destreza"

"Você é o Dagda ['o Bom Deus']!" disseram todos, e "Dagda" ele foi chamado desde então.

- Cath Maige Tuired, A Segunda Batalha de Mag Tuired

Além de fazer chover fogo e virar os próprios corpos do Fomoriano contra eles, os Tuatha Dé Dannan usaram sua magia para fazer a terra trabalhar a seu favor também. Seus mágicos disseram que as montanhas tremeriam e os lagos e rios se recusariam a dar água aos soldados Fomorianos.

Ao assumir todos esses poderes, o Dagda se tornou um deus da terra ao invés de apenas da agricultura. Além da fertilidade e generosidade da natureza, ele também representava seu poder.

Antes da batalha, o Dagda também fez uma aliança com a deusa da guerra.

A Morrigan às vezes é nomeada como a esposa do Dagda, mas muitos estudiosos interpretam sua união na Cath Maige Tuired como mais simbólica. É um espelho de cerimônias em que uma deusa se casaria ritualmente com um novo rei para legitimar sua reivindicação ao poder.

Depois dessa reunião, a Morrigan deu aos Tuatha Dé Dannan uma grande dádiva. Ela matou Indech mac De Domnann, o rei dos Fomorianos, e levou seu sangue para os magos usarem contra seu povo.

A batalha transcorreu como a Morrigan havia profetizado: os Tuatha Dé Dannan venceram, mas pagaram um alto preço.

Ambos os irmãos do Dagda foram mortos e ele foi mortalmente ferido. Demorou muitos anos para seu ferimento se provar fatal, então, logo após a batalha, ele partiu para outra aventura com Lugh e Ogma.

Após a batalha, muitos dos fomorianos correram para escapar da fúria dos Tuatha Dé Dannan. Alguns deles roubaram a harpa do Dagda, um de seus valiosos bens mágicos.

Ele e Lugh perseguiram esses ladrões e, eventualmente, os encontraram, liderados por Bres e seu pai, festejando em seu salão. Ele convocou sua harpa, que matou nove fomorianos ao voar pela sala.

Os Fomorianos os teriam matado, mas o Dagda rapidamente colocou a magia da harpa para funcionar. Ele tocou uma música triste, então eles ficaram paralisados ​​pela emoção e uma música alegre, então eles riram demais para atacar.

Finalmente, ele tocou uma música que embalou todos os fomorianos no salão para dormir. Assim, os três Tuatha Dé Dannan conseguiram escapar sem danos.

Quando eles voltaram, o Dagda também reuniu todo o gado que os fomorianos haviam tirado deles como tributo durante os anos de opressão. Ele os devolveu ao seu povo e, portanto, é creditado por trazer prosperidade de volta à Irlanda.

Os Atributos de Dagda

A harpa do Dagda era apenas um dos muitos itens mágicos que ele usava. Suas relíquias foram consideradas algumas das mais poderosas e importantes na mitologia irlandesa e às vezes são mencionadas em histórias posteriores, após sua morte.

As posses do Dagda mostraram toda a gama de seus poderes. Sentidos por forte magia, eles representavam tanto o seu poder quanto o dos Tuatha Dé Dannan. Eles eram:

  • O coire ansic: Seu caldeirão sem fundo era um dos quatro maiores tesouros das Tuatha Dé Dannan. Representava seu poder como um deus da fertilidade e da terra porque assegurava que seu povo nunca passasse fome.
  • Uaithne: A harpa do Dagda fazia mais do que tocar música que manipulava as emoções dos homens. Sua música também garantia que as estações do ano se alinhassem em sua ordem correta, o que significa que o Dagda poderia ordenar que nenhum homem e a natureza seguissem o curso correto.
  • O lorg mor ou lorg anfaid: interpretado como um bastão ou um porrete, esta arma mágica mostrava que, na vida de muitas divindades da fertilidade, o Dagda fez a ponte entre a vida e a morte. Um toque de um lado trouxe a morte, mas o outro lado tinha o poder de trazer as pessoas de volta à vida.

Os atributos do Dagda ajudaram a enfatizar o fato de que ele era um deus da vida e da morte.

Esses conceitos costumavam estar ligados uns aos outros nas religiões antigas. Eles não eram apenas opostos complementares, mas uma nova vida também cresceu a partir da decadência que se seguiu à morte.

O Dagda assegurou a vida alimentando seu povo e poderia restaurá-la com seu cajado. Esse mesmo bastão poderia trazer a morte, no entanto.

Com sua harpa, Dagda garantiu que essas ideias seguissem em sua ordem natural. O ciclo de vida e morte foi um dos muitos aspectos da natureza que foram mantidos em ordem pela música mágica do Dagda.

A Família do Dagda

A família do Dagda também enfatizou a dualidade de vida e morte.

Embora ele tivesse muitas amantes, incluindo a deusa do rio Boann e a filha do rei fomoriano, costumava-se dizer que era casado com a Morrigan.

A Morrigan era uma deusa, ou trio de deusas, dependendo da fonte e de sua interpretação, da guerra, morte e destino. Ela às vezes era vista como uma figura atraente, mas com a mesma frequência aparecia disfarçada de velha.

O emparelhamento da Morrigan e do Dagda representou um casamento comum na mitologia. Como Hades e Perséfone, seu casamento uniu as ideias de fertilidade e morte.

Um de seus filhos era Bodb Derg, cuja mãe pode ter sido a Morrigan. Como um de seus nomes alternativos, Badb, seu nome inclui a palavra "corvo".

Em Os Filhos de Lir, Bobd Derg é eleito rei dos Tuatha Dé Dannan após a morte de seu pai. Ele foi o último desses reis a governar a Irlanda, já que os Tuatha Dé Dannan foram empurrados para os Sídhe subterrâneos logo depois que seu governo começou.

Bodb Derg pode não ter sido filho da Morrigan, no entanto. Um relato afirmava que ela e o Dagda tinham apenas um filho, que foi morto por Diancecht na infância por sua aparência monstruosa.

Nem todos os filhos do Dagda eram monstruosos, no entanto. Suas filhas mais conhecidas são lembradas, em parte, por sua beleza.

Brígida ou Brigid e Aine eram as deusas da primavera e do verão. Embora a ascendência de Aine às vezes varie em diferentes fontes, Brigid é quase universalmente descrita como a filha do Dagda.

Muitos deuses também foram nomeados como filhos do Dagda. Estes incluíam Midir, Aegnus, Cermait e Aed ou Aodh.

Embora as lendas celtas frequentemente contassem histórias variadas sobre a ascendência dos deuses, o Dagda parece ter sido frequentemente ligado a Danu. Ela era uma deusa criadora que não aparece em nenhum mito individual, tornando provável que ela fosse uma força primordial ao invés de uma mulher semelhante à humana.

Em algumas tradições, muitos dos filhos do Dagda nascem de Danu. Em outros, ele e seu irmão são filhos dessa deusa-mãe original.

Se o Dagda fosse marido de Danu, sua união seria uma das duas divindades da fertilidade. Como ela é frequentemente considerada a mãe de todos os Tuatha Dé Dannan, que levam seu nome, ele seria o pai de todos.

Essa tradição pode explicar por que tantas figuras proeminentes na mitologia irlandesa têm ligações familiares com o Dagda. Embora sua história possa ter mudado ao longo do tempo, suas origens podem ter sido como o deus criador do panteão.

Essa crença é preservada em um dos nomes dados a ele, Eaochaid Ollathair. Ollathair, vida o título dado a Odin e outros deuses principais, significa Pai de Todos.

Eventualmente, no entanto, o Dagda foi visto como parte de uma família e linhagem mais ampla. Ele era irmão do rei Nuada, pai de Brigid e Aengus e amante da Morrigan.

Depois que Nuada caiu na Segunda Batalha de Mag Tuired, Lugh o sucedeu como rei. Ele governou por quarenta anos antes de finalmente passar o trono para o Dagda, que foi o Grande Rei da Irlanda por oitenta anos antes de finalmente sucumbir aos ferimentos que sofreu na Segunda Batalha de Moytura.

Vale do Boyne ou Brú na Bóinne

O Dagda governou de sua casa, Brú na Bóinne. Sua casa teria um papel importante em um conhecido mito irlandês.

O papel do Dagda na história, no entanto, difere amplamente dependendo da fonte. Em muitos, ele é um dos heróis da história, enquanto em outros ele perde a casa para o filho.

Aengus era filho do Dagda com Boann, uma deusa do rio. Brú na Bóinne era a propriedade que controlava o vale do rio.

De acordo com uma versão da história, Aengus foi dado a Midir, seu meio-irmão mais velho, para criar. O marido de Boann, Elcmar, era juiz dos Tuatha Dé Dannan e eles temiam que ele machucasse a criança por raiva do caso de sua esposa.

Quando Aengus cresceu, ele voltou para Brú na Bóinne para reivindicar sua parte da herança de Elcmar. Embora não fosse filho do juiz, como enteado, ainda tinha o direito de herdar parte de seus bens.

Quando ele chegou, no entanto, ele soube que Elcmar tinha dividido Brú na Bóinne entre seus outros filhos e não deixou nada para Aengus. O jovem deus foi até seu verdadeiro pai para pedir ajuda.

Usando sua sabedoria, o Dagda elaborou um plano para enganar Elcmar e seus herdeiros completamente para fora da propriedade.

Aengus voltou e perguntou se ele poderia ficar em Brú na Bóinne por um dia e uma noite. Devido à forma como a língua irlandesa era falada, no entanto, a frase que ele usou pode significar "um dia e uma noite" ou "dia e noite".

Elcmar concordou com o pedido, inadvertidamente dando a Aengus o controle sobre Brú na Bóinne “dia e noite”, ou, em outras palavras, para sempre.

Aengus e seu pai viveram juntos em Brú na Bóinne durante a maior parte de suas vidas. Embora Aengus tivesse enganado Elcmar para que deixasse de ser propriedade, ela também serviu como a casa do Dagda enquanto ele era o Grande Rei da Irlanda.

Outra versão da história, no entanto, afirma que foi o próprio Dagda que foi levado para fora de sua casa. Ele havia dado terras para seus outros filhos e negligenciado Aengus, enquanto Elcmar não é mencionado.

A maioria das histórias, entretanto, parece contradizer essa versão dos eventos.

O Dagda era associado à música e sabedoria, então, embora Aengus fosse renomado nessas áreas, parece improvável que ele fosse enganado tão facilmente. Ele também é geralmente descrito como sendo o rei em Brú na Bóinne, e se o rei tivesse prometido terras a outros deuses poderosos, seria incomum que todos eles desistissem de suas reivindicações sem lutar.

É provavelmente mais preciso interpretar Dagda e Aengus como aliados no esquema.

O Dagda Como o Pai

Na mitologia irlandesa, o Dagda era um dos deuses proeminentes dos Tuatha Dé Dannan. Irmão de seu primeiro rei, Nuada, ele ajudou seu povo a conquistar o controle da ilha.

Na luta contra os fomorianos, o Dagda usou tanto a força física quanto a magia para ajudar os Tuatha Dé Dannan a vencer. Ele também fez parceria com a Morrigan, a deusa da guerra e da morte que costuma ser considerada sua esposa.

A união entre essas duas divindades representa um tema comum de forças de vida e morte sendo emparelhadas. O Dagda é geralmente interpretado como um deus da fertilidade, abundância e da terra.

Muitas de suas lendas e atributos aludem a esse papel. Ele tem um caldeirão sem fundo para que seu povo nunca passe fome, devolve o gado às Tuatha Dé Dannan após a guerra e assume o poder sobre as montanhas e rios antes de sua famosa batalha.

Sua conexão com a fertilidade também é mostrada por meio de seus muitos filhos. Entre eles estavam deuses bem conhecidos como Brigid, Midir e Aengus, com quem ele compartilhou sua casa em Brú na Bóinne.

Ele também era frequentemente conectado a Danu, a deusa-mãe primordial que deu nome aos Tuatha Dé Dannan. Essa conexão pode indicar que ele já foi visto como uma figura paterna igualmente evasiva antes que sua mitologia fosse desenvolvida.

O Dagda era um deus da vida, morte, fertilidade e poder. Mais importante, no entanto, ele era um deus da ordem que poderia estruturar as emoções dos homens, as estações e o ciclo de vida e morte.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem