A Origem do Mundo - Urano e Gaia - Mitos e Lendas

A Origem do Mundo - Urano e Gaia

Os antigos gregos tinham várias teorias diferentes em relação à origem do mundo, mas a noção geralmente aceita era a de que antes que este mundo existisse, havia em seu lugar uma massa confusa de elementos disformes chamada Caos. Esses elementos, que finalmente se consolidaram (porque meios não aparecem), se transformaram em duas substâncias amplamente diferentes, cuja porção mais leve, planando no alto, formou o céu ou o firmamento e se constituiu em uma vasta abóbada que protegeu a massa firme e sólida abaixo.

Assim surgiram as duas primeiras grandes divindades primitivas dos gregos, Urano e Gaia.

A Origem do Mundo - Urano e Gaia

Urano, a divindade mais refinada, representava a luz e o ar do céu, possuindo as qualidades distintivas de luz, calor, pureza e onipresença, enquanto Gaia, a terra firme, plana e que sustenta a vida, era adorada como a grande mãe que nutre toda a sua vida. Seus muitos títulos se referem a ela mais ou menos nesse caráter, e ela parece ter sido universalmente reverenciada entre os gregos, havendo apenas uma cidade na Grécia que não continha um templo erguido em sua honra; de fato, Gaia era tão venerada que seu nome sempre era invocado sempre que os deuses faziam um juramento solene, faziam uma declaração enfática ou imploravam ajuda.

Acreditava-se que Urano, o céu, se uniu em casamento com Gaia, a terra; e um momento de reflexão mostrará o que é verdadeiramente poético, e também que ideia lógica era essa; pois, tomado em um sentido figurado, essa união realmente existe. Os sorrisos do céu produzem as flores da terra, enquanto suas carrancas prolongadas exercem uma influência tão deprimente sobre seu parceiro amoroso, que ela não mais se veste em trajes brilhantes e festivos, mas responde com pronta simpatia a seu humor melancólico.

O primogênito de Urano e Gaia era Oceano, a corrente do oceano, aquela vasta extensão de água que fluía sempre em volta da terra. Aqui nos encontramos com outra conclusão lógica, embora fantasiosa, que um conhecimento muito leve do funcionamento da natureza prova ser justo e verdadeiro. O oceano é formado pelas chuvas que descem do céu e pelas correntes que fluem da terra. Ao fazer Oceano, portanto, a descendência de Urano e Gaia, os antigos, se tomarmos essa noção em seu sentido literal, apenas afirmam que o oceano é produzido pela influência combinada do céu e da terra, enquanto ao mesmo tempo sua imaginação fervorosa e poética levou-os a ver nisso, como em todas as manifestações dos poderes da natureza, uma divindade real e tangível.

Mas Urano, o céu, a personificação da luz, do calor e do sopro da vida, produziu descendentes que eram de natureza muito menos material que seu filho Oceano. Esses outros filhos dele deveriam ocupar o espaço intermediário que o separava de Gaia. Mais perto de Urano, e logo abaixo dele, veio Éter (Éter), uma criação brilhante representando aquela atmosfera altamente rarefeita que imortais sozinhos podiam respirar. Então seguiu Aër (Ar), que estava próximo a Gaia, e representou, como o próprio nome indica, a atmosfera mais grosseira em torno da terra que os mortais poderiam respirar livremente, e sem a qual eles pereceriam.

Éter e Aër foram separados uns dos outros por divindades chamadas Nephelae (nuvens). Estas eram suas irmãs inquietas e errantes, que existiam na forma de nuvens, sempre flutuando entre Éter e Aër. Gaia também produziu as montanhas e o Ponto (o mar). Ela se uniu a estes últimos, e seus descendentes eram as divindades do mar Nereu, Taumante, Fórcis, Ceto e Euríbia.

Coexistindo com Urano e Gaia, havia dois poderosos poderes que também eram filhos do Caos. Estes eram Erebus (trevas) e Nyx (Noite), que formaram um contraste marcante para a luz alegre do céu e os sorrisos brilhantes da terra. Erebus reinou naquele mundo misterioso abaixo de onde nenhum raio de sol, nenhum raio de luz do dia, nem vestígios de vida terrestre saudável jamais apareceram. Nyx, a irmã de Erebus, representava a Noite e era adorada pelos antigos com a maior solenidade.

Também se acreditava que Urano havia se unido a Nyx, mas apenas em sua capacidade como deus da luz, ele sendo considerado a origem e a fonte de toda a luz, e seus filhos eram Eos (Aurora), o Alvorecer, e Hemera, a luz do dia. Nyx novamente, do lado dela, também estava duplamente unida, tendo se casado em algum período indefinido com Erebus.

Além desses filhos do céu e da terra já enumerados, Urano e Gaia produziram duas raças distintamente diferentes de seres chamados Gigantes e Titãs. Os Gigantes personificavam a força bruta apenas, mas os Titãs uniram-se ao seu grande poder físico, qualificações intelectuais desenvolvidas de várias formas. Havia três gigantes, Briareu, Coto e Giges, cada um possuidor de cem mãos e cinquenta cabeças, e eram conhecidos coletivamente pelo nome dos hecatônquiros, o que significava cem mãos.

Esses gigantes poderosos poderiam abalar o universo e produzir terremotos; portanto, é evidente que eles representavam aquelas forças subterrâneas ativas às quais se fez alusão no capítulo de abertura. Os Titãs eram doze em número; seus nomes eram: Oceano, Ceos, Crio, Hiperião, Jápeto, Cronos, Teia, Reia, Têmis, Mnemósine, Febe e Tétis.

Agora, Urano, a casta luz do céu, a essência de tudo que é brilhante e agradável, detestava seus filhos rudes, toscos e turbulentos, os Gigantes, e além disso temia que seu grande poder pudesse acabar se tornando prejudicial para si mesmo. Ele, portanto, lançou-os no Tártaro, a parte do mundo inferior que servia como a masmorra subterrânea dos deuses.

A fim de vingar a opressão de seus filhos, os Gigantes, Gaia instigou uma conspiração por parte dos Titãs contra Urano, que foi levada a uma questão bem-sucedida por seu filho Cronos. Ele feriu seu pai e, do sangue da ferida que caiu sobre a terra, surgiu uma raça de seres monstruosos, também chamados de gigantes. Ajudado por seus irmãos-titãs, Cronos conseguiu destronar seu pai, que, enfurecido com sua derrota, amaldiçoou seu filho rebelde e predisse a ele um destino similar.

Cronos passou a ser investido com o poder supremo, e atribuiu a seus irmãos ofícios de distinção, subordinado apenas a si mesmo. Posteriormente, porém, quando, seguro de sua posição, ele não precisou mais de sua assistência, ele basicamente pagou seus serviços anteriores com traição, fez guerra contra seus irmãos e aliados fiéis e, auxiliado pelos Gigantes, derrotou-os completamente, enviando tais como resistiu ao seu braço conquistador nas profundezas mais baixas do Tártaro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!