Poseidon: O Deus Grego Dos Mares e Oceanos

Você sabe que Poseidon governava os mares com seu tridente na mão, mas aqui está o que você não sabe sobre Poseidon.

Um dos principais deuses do mundo grego, Poseidon governou as águas com seu poderoso tridente.

Mas, apesar da importância do mar na vida grega, Poseidon não era um dos deuses favoritos do povo.

Poucas cidades o tomaram como patrono, e muitos de seus templos eram compartilhados com outras divindades.

Mais temido do que amado, o grande deus do mar era tão imprevisível e tempestuoso quanto as águas que governava. Conhecido como Netuno pelos romanos, ele era um deus difícil de agradar.

Desde seu poder de sacudir a terra até sua capacidade de guardar rancor lendário, aqui está tudo o que você precisa saber sobre o deus grego dos mares e oceanos!

Poseidon: O Deus Grego Dos Mares e Oceanos

Como Poseidon se Tornou Governante Dos Mares

Poseidon era um dos seis filhos de Cronos. Cinco deles, incluindo Poseidon, foram engolidos ao nascer para preservar a posição de seu pai como rei dos Titãs.

Sua mãe Reia, entretanto, enganou seu marido e escondeu seu sexto e último filho. Seu filho mais novo, Zeus, cresceu na ilha de Creta.

Quando chegou à idade adulta, Zeus voltou a desafiar seu pai. Sua primeira tarefa foi libertar seus irmãos.

Zeus se fez passar por um copeiro e levou a Cronos uma bebida misturada com um purgante mágico. Cronos vomitou as crianças que engoliu anos antes.

Poseidon foi libertado junto com seu irmão Hades e as irmãs Hera, Deméter e Héstia.

Os deuses recém-libertados se juntaram a seu irmão na luta contra Cronos e os Titãs pelo controle do universo.

A guerra entre os deuses antigos e os novos é chamada de Titanomaquia. Durou dez anos inteiros.

Zeus e seus irmãos eventualmente libertaram os monstruosos irmãos dos Titãs - os Hecatônquiros e os Ciclopes. Esses seis monstros foram aprisionados por Urano e estavam ansiosos para ajudar a derrotar os Titãs.

Eles se juntaram a alguns filhos de outros Titãs, a quem Zeus havia prometido maior poder e reconhecimento do que os antigos deuses estavam dispostos a compartilhar.

Com a ajuda deles, os deuses mais jovens foram capazes de vencer a guerra.

Os Titãs foram presos no Tártaro, a parte mais profunda do submundo. Os Hecatônquiros, também chamados de Cem-mãos, foram designados para protegê-los.

Para garantir que ficassem trancados, Poseidon instalou pesados ​​portões de bronze na entrada do Tártaro. Os Titãs permaneceriam presos no submundo por vários milênios.

Tendo vencido a guerra e assumido o controle do cosmos, os três filhos de Cronos tiraram a sorte para dividir as senhorias outrora detidas pelos Titãs. Cada um se tornaria mestre de um reino diferente.

Zeus tornou-se governante do céu, além de ser escolhido como o rei de todos os deuses por seu papel em conduzi-los à vitória. Hades desenhou o submundo e seu nome se tornou sinônimo de terra dos mortos.

Poseidon desenhou o mar. Enquanto Zeus estabelecia seu assento de poder no Monte Olimpo, Poseidon desceu sob as ondas e construiu seu grande palácio lá.

O Tridente e o Cavalo

Quando os olímpicos libertaram os ciclopes, eles foram recompensados ​​com grandes presentes. Zeus recebeu seus raios e Hades recebeu um capacete poderoso.

Poseidon foi presenteado com um tridente dourado mágico.

Esta lança de pesca com três pontas não era apenas um símbolo apropriado para o deus dos mares e oceanos, mas também uma arma poderosa.

Por causa de seu tridente, o deus do mar podia afetar mais do que apenas a água. Ele se tornou o causador de terremotos.

Após a Titanomaquia, Poseidon novamente teve a chance de usar sua arma na grande guerra contra os Gigantes.

Em busca do gigante Polibotes, Poseidon levou seu tridente para a ilha de Cós (Kos). Ele quebrou um pedaço de terra e jogou no gigante em fuga, esmagando-o.

Ele também usou a magia de seu tridente para fixar a ilha flutuante de Delos firmemente no fundo do mar.

Quando Ájax, o Menor ou Ájax, o Lócrida, ofendeu os deuses ao estuprar Cassandra enquanto ela se refugiava em um templo, os outros deuses ficaram furiosos porque os gregos não puniram o criminoso.

Depois de muitas fugas, Ájax ficou agarrado a uma rocha após um naufrágio. Poseidon o teria ajudado, mas o homem arrogante gritou que ele escaparia do mar sem a ajuda de nenhum dos deuses.

Ofendido por sua arrogância, Poseidon partiu a rocha com um golpe de seu tridente. Ájax, o estuprador, se afogou, finalmente recebendo a punição que merecia.

Seu tridente também foi usado de maneiras mais mundanas. Por exemplo, quando a ninfa Amimone foi ameaçada por um sátiro lascivo, Poseidon usou a arma para assustá-la.

O tridente de Poseidon continua a ser usado como um símbolo náutico, especialmente entre as forças navais. As nações insulares usam-no como um símbolo de sua força, desde o tridente em poder da Britânica até a bandeira de Barbados.

Enquanto Poseidon é mais lembrado por seu tridente icônico, os gregos também o reconheceram por uma criação muito terrestre. O deus do mar inventou o cavalo.

Este aspecto de Poseidon foi introduzido na Grécia no século 2 a.C. A conexão de Poseidon com cavalos pode ter sido através das pessoas que trouxeram esse mito para a região.

Em uma versão, o primeiro cavalo é um presente para o povo de Atenas.

Os cavalos também eram um animal adequado para o deus dos terremotos - o bater dos cascos de um rebanho ou de um exército a cavalo certamente parece algo com o qual Poseidon estaria conectado.

Os cavalos continuaram a ser associados a Poseidon em mitos posteriores. Ele é frequentemente mostrado em uma carruagem, às vezes puxada por cavalos com corpos de grandes peixes.

Poseidon frequentemente se transforma em um cavalo nas histórias. Quando ele cobiçou Deméter, ela se transformou em uma égua para se esconder, mas, para não ser enganada, Poseidon se tornou um garanhão.

O resultado foram dois filhos. Árion era um cavalo imortal e sua filha Despina ou Despoina, às vezes também representada em forma de cavalo, era adorada em Arcádia ao lado de sua mãe.

Claro, o filho mais famoso de Poseidon em forma de cavalo foi Pégaso, um animal mítico que ainda aparece em arte e histórias hoje. Para os gregos, a besta fabulosa era associada a nascentes e fontes.

O Temperamento Terrível de Poseidon

O mar é um lugar perigoso e imprevisível. Tempestades podem surgir aparentemente de lugar nenhum, ondas violentas podem esmagar navios e cidades costeiras e muitos marinheiros simplesmente desaparecem em suas profundezas.

O mar pertencia a Poseidon, e ele quase invariavelmente exibia a mesma violenta imprevisibilidade de seu domínio.

Mesmo ao lado dos outros deuses, que eram quase todos conhecidos por serem temperamentais, a ira de Poseidon era lendária.

Quando Cassiopeia se gabou de que sua filha Andrômeda era mais bonita do que as ninfas do mar que Poseidon gerou, o deus enviou um terrível monstro marinho para atacar suas terras.

O povo decidiu que a única maneira de aplacar o deus era sacrificar a princesa ao monstro, mas ela foi resgatada pelo herói Perseu.

Uma ocorrência semelhante aconteceu em Troia. Poseidon e Apolo ajudaram a construir grandes muralhas ao redor da cidade para o Rei Laomedonte.

O em si foi o resultado de Poseidon agindo sem premeditação.

Em um esquema mal planejado pensado por Hera, Poseidon e Apolo tentaram tomar o poder de Zeus. Quando libertado, o rei privou-os de seus próprios poderes e os forçou à servidão do rei troiano.

Quando chegou a hora de pagar aos deuses por seus serviços, porém, Laomedonte tentou voltar atrás em seu negócio. Poseidon castigou a cidade de forma familiar, com enchentes e um monstro marinho.

Este monstro também quase devorou ​​uma princesa que foi entregue para aplacá-lo. Este foi morto por Hércules.

A ira de Poseidon foi responsável pelo nascimento do Minotauro.

Quando o rei de Creta tentou enganar o deus sacrificando um touro inferior a ele, Poseidon lançou um feitiço obrigando a rainha a se apaixonar pela besta. Seu filho viria a ser um dos monstros mais famosos da mitologia.

Quando Erecteu, o rei de Atenas, matou um dos filhos mortais de Poseidon em batalha, a vingança foi terrível. Poseidon exigiu que uma das filhas do rei fosse morta em troca.

O que Erecteu não sabia era que suas filhas haviam feito um juramento umas às outras, prometendo que, se uma fosse morta, todas seriam. Todas as filhas de Erecteu cometeram suicídio quando uma foi sacrificada.

Ainda sem terminar com a família real ateniense, Poseidon pediu a seu irmão Zeus para derrubar Erecteu com um raio. A família inteira foi finalmente destruída.

Como um ato final de raiva, Poseidon jogou o corpo do rei morto no chão com seu tridente.

O incidente foi um golpe contra Atena, com quem Poseidon estava sempre em conflito. Erecteu era seu filho adotivo.

O poço de água do mar que Poseidon havia criado na Acrópole foi nomeado em homenagem a Erecteu, e os dois foram para sempre interligados no folclore ateniense.

Embora Poseidon tenha se aliado aos gregos na Guerra de Tróia, eles não ficaram isentos de sua ira quando ele sentiu a possibilidade de ofender.

Quando o exército grego construiu um muro ao redor de seus navios, o deus temeu que isso obscurecesse o trabalho que ele havia feito nas muralhas de Tróia. Ele ajudou as tropas inimigas a destruir as defesas gregas para proteger seu próprio orgulho.

Além de inundações e monstros, Poseidon usou seu domínio de terremotos para decretar vingança.

Quando um grupo de criminosos acusados ​​se refugiou em seu templo, Poseidon ficou com raiva dos espartanos que os arrastaram para enfrentar sua punição.

Certos Lacedemonianos que foram condenados à morte por alguma acusação fugiram como suplicantes para Tainaron, mas a tábua de éforos os arrastou do altar de lá e os matou. Como os espartanos não deram atenção ao fato de serem suplicantes, a ira de Poseidon veio sobre eles, e o deus arrasou toda a cidade.

Terremotos, comuns nas regiões vulcânicas do Mediterrâneo, eram frequentemente associados ao temperamento lendário de Poseidon. Enquanto os residentes da costa oravam por proteção contra ondas e inundações, aqueles que viviam no interior esperavam que Poseidon, o sacudidor da terra, os poupasse também.

O Rancor Contra Odisseu

Como o mar, o humor de Poseidon podia ser imprevisível e sua ira imediata. Talvez o exemplo mais famoso de um homem que atraiu a ira do deus foi o grande herói Odisseu.

Após a Guerra de Tróia, o rei de Ítaca não queria nada mais do que voltar para casa. Mas, embora a viagem devesse ter durado apenas algumas semanas, acabou demorando dez anos.

Uma das principais razões para o atraso foi que Odisseu irritou Poseidon, uma coisa perigosa para o capitão de um navio no mar. O deus do mar aproveitaria todas as oportunidades para enviar infortúnios para Odisseu e sua tripulação.

A épica Odisseia de Homero detalha as muitas maneiras pelas quais Poseidon atormentou o herói em sua longa viagem. Enquanto a maioria dos deuses mostra simpatia por Odisseu, Poseidon é um antagonista contínuo na história de Homero.

Atena costuma trabalhar contra as maquinações de Poseidon, ajudando Odisseu e a família que ele deixou para trás em Ítaca. Somente com a ajuda dela e de outros deuses Odisseu foi capaz de sobreviver.

Na verdade, a primeira vez que o leitor encontra Odisseu no poema, ele está perto do fim de sua jornada e, após uma grande onda enviada por Poseidon, naufragou na ilha de Ogígia.

Mais tarde na história, o motivo da hostilidade de Poseidon é revelado.

No início de suas viagens, Odisseu pousou em uma ilha que era o lar de Polifemo, um ciclope rude e inóspito. Perturbado por os gregos terem comido duas de suas ovelhas, que presumiram serem selvagens, ele devorou ​​dois de seus tripulantes.

O que se segue é uma das cenas mais famosas da história de Odisseu. Ele acalmou o Ciclope com vinho forte, dizendo ao monstro que seu nome era “Ninguém”.

Quando o gigante desmaiou de tanto vinho, Odisseu usou uma grande lança para arrancar seu único olho.

Enfurecido e com dor, o Ciclope gritou por socorro, mas quando questionado por seus irmãos que o machucaram, ele só conseguiu dizer "Ninguém".

Odisseu e sua tripulação provavelmente teriam escapado ilesos se o rei não tivesse mostrado grande arrogância. Enquanto eles navegavam, ele provocou o monstro ferido e revelou seu verdadeiro nome.

Polifemo chamou seu pai, Poseidon, e implorou por sua ajuda para se vingar. Agora que ele sabia o nome do agressor, seria possível caçá-lo.

Poseidon atendeu ao pedido de seu filho. Conforme predito por profecias, se Odisseu algum dia conseguisse sobreviver à viagem e voltar para casa, estaria sozinho e teria grandes problemas e turbulências.

A raiva de Poseidon em relação ao herói pode ter começado ainda antes do incidente com o Ciclope.

Odisseu, com a orientação de Atena, concebeu o Cavalo de Tróia como uma maneira de passar pelas paredes impenetráveis ​​de Tróia. Como o construtor dessas fortificações, o orgulho de Poseidon foi ferido pelo truque.

Muitas vezes no épico, Poseidon trabalhou diretamente contra Odisseu na tentativa de impedi-lo do fim de sua jornada.

Ele frequentemente enviava tempestades e ventos ruins para tirar o navio do curso e causar atrasos.

Os navios da tripulação foram atacados pelos Lestrigões, alguns dos filhos gigantes de Poseidon.

Embora Odisseu tenha ordenado a seus homens que evitassem o redemoinho Caríbdis, ele foi posteriormente sugado enquanto estava preso em uma jangada. Caríbdis era outro dos filhos perigosos de Poseidon.

Quando Zeus ordenou que Calipso libertasse Odisseu após sete anos, ela e o herói construíram uma jangada simples. Pouco tempo depois de zarpar, Poseidon enviou uma tempestade para afundá-lo.

Quando os feácios de Ogígia ajudaram Odisseu, Poseidon convenceu os outros deuses a permitir que ele transformasse todos os seus navios em pedra. Esta é uma das poucas vezes na mitologia em que as pessoas são punidas por mostrar hospitalidade, mas Poseidon afirmou que, ao fazê-lo, elas o desrespeitaram.

Quando Odisseu finalmente voltou para casa e garantiu seu governo, ele ainda não estava livre da raiva de Poseidon. Felizmente para ele, um vidente em suas viagens lhe disse como pacificar o deus zangado.

Odisseu pegou um remo e caminhou para o interior, parando apenas quando se afastou tanto do mar que um homem confundiu o remo com um arado. Lá ele plantou o remo no solo e fez oferendas a Poseidon, bem como aos deuses que o haviam ajudado.

Odisseu fez as pazes com Poseidon, mas o deus teria uma última chance de destruir o herói.

Anos mais tarde, Telégono soube por sua mãe, Circe, que Odisseu era seu pai. Ele saiu à procura de Odisseu, que já era um homem idoso.

Ao pousar em Ítaca, Telégono começou a espantar o gado que o cercava. Sem saber quem era o recém-chegado, Odisseu lutou contra o jovem para proteger seu rebanho.

No confronto, Odisseu foi ferido pela lança de seu filho. Ele morreria do ferimento.

A lança tinha a ponta de uma arraia. Uma criatura do mar, um dos animais de Poseidon, finalmente reivindicou a vida do herói resiliente.

O ato final de Poseidon contra Odisseu foi tão inesperado e imprevisível quanto as tempestades que ele enviou durante a grande viagem de volta de Tróia para casa.

Os Filhos de Poseidon

Como a maioria dos deuses gregos, Poseidon gerou vários filhos com muitas amantes.

Poseidon se casou com a nereida Anfitrite. Ela se tornou a senhora do mar e a mãe dos golfinhos, focas e peixes.

Inicialmente, ela rejeitou Poseidon e fugiu para os confins da terra. Delfin, um deus menor, foi capaz de convencê-la a reconsiderar.

Em agradecimento, Delfin foi imortalizado como uma constelação. Seu nome permanece conosco na palavra "golfinho".

Embora mais tarde ela se tornasse uma honrada esposa e senhora dos mares, inicialmente Poseidon a levou à força. Esta foi uma ocorrência comum nos mitos gregos e uma constante em muitos dos casos subsequentes de Poseidon.

Anfitrite e Poseidon tiveram três filhos - Rodes, Tritão e Benthesikyme ou Benthesicyme.

Rodes foi a personificação da ilha que leva seu nome. Ela se casou com Hélio, o deus do sol.

Tritão, geralmente representado como um tritão, permaneceu com seus pais como arauto e assistente de seu pai.

Tritão fazia parte de uma série de seres que levavam seu nome e combinavam as características de homens, peixes e cavalos. Os filhos e netos de Poseidon constituíam seu séquito e serviam à sua casa.

Com Gaia, Poseidon gerou vários filhos monstruosos. Estes incluíam os Lestrigões e Caríbdis que mais tarde ameaçaram Odisseu.

Outros gigantes nasceram de várias titãs e ninfas. Os filhos desumanos de Poseidon vieram em muitas outras formas.

Em uma história famosa, Poseidon estuprou a bela donzela Medusa no templo de Atena. A deusa transformou a garota em um monstro horrível como punição por violar a santidade de seu altar.

Quando Medusa foi decapitada por Perseu, o sangue que derramou de seu pescoço deu à luz o cavalo alado Pégaso. Poseidon é geralmente dado como o pai do animal.

O lendário herói Teseu tinha características tanto mortais quanto imortais. Ele foi gerado por um rei humano com a ajuda da magia de Poseidon, dando a ambos a paternidade sobre ele.

Seus filhos gêmeos, Boeotus e Éolos, fundaram a Beócia e as Ilhas Eólias, respectivamente.

Belerofonte foi outro grande herói que viveu antes de Hércules. Ele matou a cruel Quimera e foi capaz de domar Pégaso.

Seu filho Proteu era um deus do mar com o dom de profecia. Simbolizando a natureza mutável do mar, seu nome tornou-se sinônimo de mudança de formas e versatilidade.

Além de seus filhos mais conhecidos, Poseidon foi pai de muitos outros.

Com várias mulheres e ninfas, ele gerou uma grande variedade de deuses e espíritos do mar menores.

Enquanto alguns de seus filhos humanos foram grandes heróis, muitos outros aparecem como personagens secundários nas lendas. Entre eles estão vários Argonautas.

Muitas ilhas e cidades foram nomeadas em homenagem aos filhos do deus do mar. Eles eram a personificação de lugares como a colônia de Taras, o rio egípcio Melas, o povo Eleano que era governado por Eleus, Delfos da cidade-templo de Delfos, o distrito de Aonia, a ilha de Tasos e a cidade de Crommyon.

A cidade de Bizâncio recebeu o nome de seu filho Bizas. Mais tarde, ela se tornou a capital de Roma e o centro de um império que manteve a cultura e a língua gregas por centenas de anos.

Outros reis famosos seriam seus filhos. Polidecto, o marido humano de Dânae, era um deles.

Pretenso Patrono Das Cidades

O deus do mar era uma figura importante para uma cultura que vivia ao longo de uma costa acidentada e ilhas dispersas. Para as cidades costeiras, o favor de Poseidon garantiu bom comércio, proteção contra inundações, bom tempo e prosperidade.

Mas nos mitos, Poseidon estava constantemente em conflito com outros deuses pela adoração do povo grego. Muitas vezes ele brigou com seus colegas sobre o patrocínio das cidades.

O exemplo mais famoso desses argumentos é sua disputa com Atena pela cidade de Atenas.

Os dois deuses decidiram resolver a disputa em um concurso de presentes. Cada um daria à cidade um presente para ser julgado, e o maior benfeitor receberia patrocínio.

Poseidon derrubou seu poderoso tritão e criou um poço de água do mar. A água fluía em direção ao oceano, dando à cidade acesso ao Mediterrâneo.

Viajar pela paisagem acidentada da Grécia era difícil e perigoso, portanto, um porto permitia o comércio. Os exércitos também viajavam de navio, então o acesso à água permitiria que a cidade se tornasse poderosa.

Outras versões da história afirmam que Poseidon presenteou as pessoas com o primeiro cavalo. Podia trabalhar nos campos, transportar soldados para a batalha e dar velocidade aos mercadores e mensageiros.

Qualquer que seja o presente que Poseidon deu, o de Atena inicialmente parecia menos impressionante ao lado dele. Ela bateu sua lança contra o solo rochoso e cresceu uma simples oliveira.

Mas Cécrope, o rei da nova cidade e os deuses ficaram todos impressionados. A oliveira daria à cidade madeira, alimento e óleo para o comércio.

Com sua árvore simples, Atena venceu o concurso. A deusa da sabedoria providenciou para que a cidade fosse bem alimentada e próspera para sempre.

A lendária ira de Poseidon foi desencadeada pela perda de Atenas para sua nova patrona e homônima.

Ele trouxe seu tridente para baixo novamente, desta vez causando uma grande tempestade surgindo do mar. A cidade foi inundada por água salgada.

Quando as águas finalmente baixaram, os atenienses voltaram para reconstruir sua cidade. Eles mantiveram sua palavra e honraram Atena como seu patrono, mas sempre tiveram a certeza de queimar sacrifícios a Poseidon para manter sua raiva sob controle.

Um pequeno poço de água salgada na Acrópole serviu como um lembrete para o povo da ira de Poseidon.

Poseidon e Atena estavam frequentemente em desacordo, e eles discutiram novamente sobre a cidade de Trezena. Desta vez, Zeus resolveu o conflito ordenando que eles compartilhassem.

Quando ele e Hera pediram a três deuses do rio para decidir quem governaria a região de Argólida, Poseidon perdeu novamente. Ele secou os três rios em vingança, enviando-lhes água apenas para inundar a terra.

O povo da cidade, como os atenienses, mantinha sua devoção à deusa. Mas eles construíram santuários para Poseidon para impedi-lo de enviar mais secas ou inundações.

A perda de Naxos para Dionísio pode ser baseada na história real. Plutarco afirmou que Poseidon já foi o deus mais adorado lá, mas foi dominado pelo culto a Dionísio quando se espalhou pela Trácia.

Poseidon até lutou contra Zeus por terras humanas. Poseidon perdeu a ilha de Egina para seu irmão, que criou os grandes soldados de Mirmidão para torná-la poderosa.

Ele também lutou contra Hélio pela posse de Corinto. Briareus, o deus da tempestade, concedeu a Poseidon a pequena faixa de terra em que a cidade se assentou enquanto Hélio recebia o topo da montanha.

Poseidon muitas vezes lutou para ganhar o patrocínio das cidades gregas, mas raramente venceu. Mais frequentemente, ele perdia ou tinha que compartilhar a adoração do povo com outra divindade igualmente importante.

Como resultado, Poseidon foi o segundo deus mais poderoso em muitos desses lugares. Apenas em Corinto ele tinha o maior templo, mas mesmo lá Hélio era quase tão forte.

Em todo o mundo grego, as pessoas reconheciam a importância do mar, mas ele nunca seria tão importante para suas vidas quanto outros assuntos.

Altares a Poseidon foram erguidos em toda a Grécia, mas ele não conseguiu inspirar o amor e a devoção do povo. As pessoas oravam não por suas bênçãos, mas para evitar sua ira.

Frequentemente, seus templos eram mais um aviso do que um lugar de refúgio.

Poseidon Era um Deus a Ser Temido

Os gregos reverenciavam Poseidon, mas eles não o amavam da maneira que amavam muitos dos outros deuses e deusas.

Poseidon não era um deus com quem você pudesse contar para protegê-lo e ajudá-lo. Como foi o caso com as muralhas de Tróia ou o exército grego, a ajuda de Poseidon poderia rapidamente se transformar em punição.

Como o próprio mar, Poseidon era muito imprevisível e tempestuoso para ser confiável. Ele inevitavelmente ficava com raiva, então o melhor que a maioria das pessoas podia fazer era adiar a inevitabilidade de uma tempestade.

Vivendo em uma península, o povo grego adorava muitos aspectos do oceano.

Leucoteia saia em auxílio dos marinheiros necessitados, como o náufrago Odisseu. Galeno era a nereida dos mares calmos. Seu pai, Nereu, enviava peixe e sal para as pessoas da costa.

Poseidon representava o poder absoluto do mar.

Ele poderia sacudir a terra e inundá-la à vontade. Suas ondas podiam naufragar navios e destruir as muralhas da cidade.

Como o mar, Poseidon era para ser respeitado e temido, mas nunca confiável. Ele poderia ficar furioso a qualquer momento, mesmo para aqueles que ele tinha ajudado no passado.

Para os gregos antigos, o oceano, assim como o deus que o governava, era uma força poderosa que poderia se tornar perigosa a qualquer momento.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem