Odisseu: Mito, Guerra de Tróia e Odisseia

Famoso por sua coragem, inteligência e liderança, Odisseu (nome romano: Ulisses) foi um dos grandes heróis pan-helênicos da mitologia grega. Sua desenvoltura e habilidades oratórias foram fundamentais para a vitória grega na Guerra de Tróia e, após o conflito, ele foi o protagonista de muitas aventuras fantásticas em sua longa viagem de volta para casa em Ítaca (ou Ithaca).

Na mitologia grega, Odisseu era filho de Laerte e Anticleia e o Rei de Ítaca, líder dos Kefalenos. Casado com Penélope, ele também teve um filho, Telêmaco. O herói também teve a sorte de receber regularmente a ajuda e proteção especial da deusa Atena. Hesíodo descreve Odisseu como "paciente", e Homero na maioria das vezes o descreve como "semelhante a um deus", também como "igual a Zeus em seus recursos mentais" e um orador verdadeiramente notável, cujas palavras persuasivas "fluíam como flocos de neve no inverno".

No entanto, o herói não era apenas um pensador, mas também um guerreiro, e sua coragem e destreza na luta são referenciadas no epíteto homérico "saqueador de cidades". Homero também afirma que o nome Odisseu significa "vítima da inimizade", sem dúvida em referência ao mal-estar que Poseidon dirigia contra o herói.

Odisseu: Mito, Guerra de Tróia e Odisseia

A primeira rica fonte de informações sobre Odisseu foi o relato de Homero sobre a Guerra de Tróia na Ilíada, em que nosso herói é o protagonista. Odisseu esteve envolvido em vários episódios importantes e sua inteligência, sábio conselho e inteligência provaram ser cruciais para o eventual sucesso grego na guerra.

No entanto, Odisseu quase evitou o conflito por completo, pois quando foi chamado por Palamedes (um emissário de Menelau), o rei de Ítaca não gostou de deixar sua esposa e família e, por isso, fingiu ser louco. Ele fez isso de forma convincente arando um campo com um boi e espalhando sal nos sulcos.

Palamedes não se deixou enganar, porém, e ao colocar o jovem Telêmaco no caminho do arado, Odisseu foi forçado a desviar e demonstrar que, afinal, não estava tão louco.

Foi Odisseu quem convenceu o relutante Aquiles a se juntar à expedição grega a Tróia. Escondido por sua mãe Tétis (que sabia seu destino caso participasse da guerra), Aquiles foi criado pela família real de Licomedes na ilha de Esquiro ou Skyros.

No entanto, Nestor, o sábio rei de Pilos, previu que somente com a ajuda do grande guerreiro Aquiles os gregos poderiam ter esperança de conquistar a grande cidade murada de Tróia. Consequentemente, o astuto Odisseu foi enviado para persuadir o maior lutador da Grécia a deixar sua esposa e filho e lutar ao lado das forças lideradas pelo rei Agamenon.

Disfarçado de rico vendedor, o rei de Ítaca tentou Aquiles a abandonar seu disfarce de filha de Skyros e revelar sua verdadeira identidade, apresentando uma variedade de belas armas pelas quais o grande guerreiro não conseguiu esconder o interesse. Com Aquiles também veio seu formidável exército particular, os mirmidões da Tessália.

Odisseu foi mais uma vez escolhido como enviado para persuadir Ifigênia, filha de Agamenon, a se juntar às forças gregas em Áulide. Enquanto caçava, Agamenon matou por engano um cervo sagrado para Ártemis e, de acordo com o vidente Calcas ou Kalchas, apenas o sacrifício da filha do rei apaziguaria a deusa e permitiria aos gregos uma viagem segura até Tróia.

Odisseu então viajou para Micenas e prometeu à mãe de Ifigênia, Clitemnestra ou Clitenestra, que a menina poderia se casar com Aquiles. Satisfeita com a perspectiva de um genro de tão prestígio, a rainha concordou prontamente. Ao chegar a Áulide, porém, os preparativos já haviam sido feitos para o sacrifício e a pobre menina foi imediatamente colocada sobre um altar.

Felizmente, no momento em que Agamenon deixou cair sua espada, Ártemis teve pena da garota, substituiu-a por um veado e levou Ifigênia para se tornar uma sacerdotisa em Táuris, em um dos santuários da deusa.

Os gregos receberam ventos agradáveis ​​e aterrissaram em Tróia. Exceto por um pequeno incidente em que Odisseu e Diomedes emboscaram o jovem Dolon em uma floresta, Odisseu teve pouco a fazer até os estágios finais da guerra.

Após a morte de Aquiles, houve uma espécie de disputa sobre quem deveria herdar a magnífica armadura do herói. Odisseu e Ajax Telamon encaminharam reivindicações, mas a questão foi finalmente decidida em uma votação e com Atena influenciando os procedimentos, Odisseu recebeu as armas e armaduras feitas por Hefesto.

Apesar da perda de seu guerreiro talismânico, a guerra continuou, mas neste ponto os gregos começaram a empregar um pouco mais de pensamento estratégico para o problema de superar as muralhas de Tróia. O vidente Kalchas previu a vitória apenas se os gregos pudessem de alguma forma garantir três coisas.

São elas: a participação do filho de Aquiles, Neoptólemo, na guerra; As lendárias armas de Hércules, então nas mãos de Filoctetes, tinham que ser usadas; e, finalmente, os gregos tinham que capturar o Paládio. Esta última era uma estátua sagrada de madeira de Atena, que se acreditava ter caído do céu e ter sido encontrada por Troas, o fundador de Tróia.

Os troianos acreditavam que esta estátua lhes dava proteção e poder para que, ao roubá-la, os gregos obtivessem uma grande vantagem na guerra.

Odisseu era o homem capaz de realizar todas essas três tarefas difíceis. Primeiro, ele voltou para Siro e convenceu Neoptólemo a se juntar a ele.

Então ele foi a Lemnos para pegar Filoctetes e as armas de Hércules. Este último, porém, ficou mais do que irritado por ter sido abandonado na ilha, mas acabou valendo a pena todos os esforços persuasivos de Odisseu, já que Filoctetes conseguiu matar Paris com suas flechas mortais quase que assim que ele entrou na batalha em Tróia.

Isso deixava a tarefa três a ser cumprida - tirar o sagrado Paládio do coração da cidade. Para encontrar a localização exata da estátua, Odisseu se disfarçou de mendigo e entrou na cidade sem ser detectado.

Uma pessoa reconheceu o infiltrado, porém, e essa era Helena, agora à força casada novamente com outro dos filhos de Príamo e ansiosa para retornar à Grécia. Foi ela quem guiou Odisseu até a localização do Paládio.

Retornando ao acampamento grego com esse conhecimento, Odisseu pediu a ajuda de Diomedes e na noite seguinte, a dupla mais uma vez invadiu a cidade e fugiu com a estátua.

Apesar do roubo do Paládio, a guerra continuou e ficou claro que uma estratégia mais ambiciosa seria necessária se os gregos algum dia quisessem vencer o conflito.

Com inspiração divina de Atena, Odisseu teve a brilhante ideia do cavalo de madeira. Ele mandou carpinteiros construírem um cavalo enorme no qual poderia esconder vários soldados gregos. O truque era persuadir os troianos a levar o cavalo para dentro das muralhas da cidade. Odisseu primeiro fez com que todos os gregos abandonassem o acampamento e saíssem de vista, ancorando ao largo da ilha de Bozcaada, também conhecida como Ténedos ou Tênedos.

Isso deixou apenas o cavalo sozinho na planície com um homem deixado para trás, Sinon. Ele fingiu ter sido perseguido pelos gregos como inimigo e potencial vítima de sacrifício. Ganhando sua confiança, ele então começou a contar aos crédulos troianos uma história de galo e touro sobre Atena estar indignada com o roubo de sua estátua, punindo os gregos e dizendo-lhes que a única maneira de voltar aos seus bons livros era construir um cavalo de madeira gigante em sua homenagem e velejar de volta para casa.

Caindo como patinhos na história, os troianos devidamente arrastaram o cavalo para a cidade para ficar do lado de fora do templo de Atena. Com exceção de Laocoonte e Eneas, os troianos começaram a festejar a noite toda em comemoração à vitória final da guerra.

Quando a festa finalmente terminou e os troianos dormiam em um estupor de embriaguez, Sinon disparou um sinal para os navios gregos que esperavam e eles prontamente voltaram para a costa de Tróia. Odisseu e seus companheiros guerreiros então desceram de dentro do cavalo, abriram os portões da cidade e o exército grego derrotou os troianos, contaminando templos e massacrando impiedosamente a todos.

Uma consequência infeliz do comportamento pouco galante dos gregos em Tróia foi que os deuses os puniram garantindo que muitos de seus navios fossem desastrosos na viagem de volta para casa. Um dos poucos sobreviventes foi Odisseu, mas somente depois de uma viagem incrivelmente prolongada de desvios e desventuras que são recontadas na Odisseia de Homero.

Com duração de dez anos, em sua odisseia para casa, o herói parou em muitos portos, poucos dos quais eram amigáveis. A primeira parada foi na ilha dos Cícones onde, entre outras coisas, o deus Apolo deu ao herói doze frascos de vinho. Então, atingido por uma tempestade, Odisseu e sua flotilha foram levados às costas dos Lotófagos (Comedores de Lótus).

Comer a planta fazia com que a gente se esquecesse de sua pátria, então o herói recusou a oferta de hospitalidade e rapidamente prosseguiu com sua viagem.

A próxima parada foi a ilha dos Ciclopes - os gigantes de um olho só - que viviam pacificamente cuidando de suas ovelhas. Por sorte, porém, Odisseu esbarrou com o devorador de homens Ciclope Polifemo, filho de Poseidon, deus do mar.

O gigante gostou dos gregos viajantes e os prendeu em sua caverna, comendo dois rapidamente como aperitivo. Vendo a gravidade da situação, Odisseu imediatamente traçou um plano astuto de fuga. Tentando Polifemo com vinho até que o Ciclope ficasse bêbado, o herói ordenou a seus homens que transformassem o bastão de oliveira de Polifemo em uma estaca, que eles endureceram no fogo e usaram para cegar o Ciclope enquanto ele dormia.

Incapaz de ver e compreensivelmente lívido com seu tratamento, Polifemo tentou pegar os gregos viajantes apalpando suas ovelhas quando saíam da caverna para pastar. Odisseu então instruiu seus homens a se amarrarem às barrigas das ovelhas enquanto ele escolhia uma ovelha para esse propósito, e assim eles escaparam para continuar a viagem. No entanto, o Ciclope amaldiçoou Odisseu, prevendo a perda de seus homens, uma viagem cansativa para casa e um desastre quando ele finalmente chegasse lá. Pedindo a ajuda de seu pai Poseidon, Polifemo garantiu que haveria muitas tempestades e dez longos anos antes que Odisseu chegasse a Ítaca.

Seguiram-se outras aventuras. Entre eles estava uma parada em Eólia ou Eólida onde o deus dos ventos, ou Éolo, deu a Odisseu um frasco que continha todos os ventos, exceto aquele que o levaria para casa, mas, infelizmente, alguns membros de Odisseu. a tripulação permitiu que a curiosidade levasse o melhor deles e, à vista de Ítaca, eles abriram a garrafa. Como resultado, os ventos contrários escaparam e os navios sacudidos pela tempestade de Odisseu foram varridos de volta para Eólia. Retomando a viagem mais uma vez, mais paradas infelizes ocorreram em Lestrigonia onde os gigantes locais, liderados por Antiphates, atacaram e mataram muitos do grupo atirando-lhes pedras enormes. Os poucos sobreviventes então conseguiram chegar em um único navio a Ea, Eéa, Eana, Eeia ou Aiaia uma ilha pertencente à feiticeira Circe, onde mais problemas aguardavam os viajantes sitiados. A deusa transformou um grupo de viajantes em porcos e Odisseu só conseguiu resolver a situação com um presente de Hermes.

O deus mensageiro deu ao herói molibdênio, uma planta que o tornou imune aos feitiços de Circe. No entanto, os dois se deram muito bem e tornaram-se amantes, o que fez com que Odisseu estendesse sua estada por um ano inteiro. Por fim, decidindo continuar sua jornada de volta para casa, Odisseu foi aconselhado por Circe a visitar o submundo e buscar o conselho do vidente tebano Tirésias, que lhe daria instruções de viagem. Em sua jornada para lá, o herói conheceu sua mãe, Anticleia, que havia morrido de tristeza pela ausência contínua de seu filho.

Ele também conheceu muitos heróis caídos, como Hércules, Aquiles e Agamenon. Ao retornar ao mundo dos vivos, Circe deu a Odisseu um último conselho. Para tomar cuidado com as sereias - criaturas pássaros com cabeça de mulher - que enredavam os transeuntes com seu canto belo e encantador. Consequentemente, quando o navio do herói passou pela ilha da sereia, ele instruiu sua tripulação a bloquear os ouvidos com cera enquanto ele próprio estava amarrado ao mastro do navio para que pudesse ouvir o canto divino, mas não ser preso por ele.

Passando com sucesso pelas sereias, o herói e seus poucos tripulantes restantes tiveram que negociar os mares terríveis entre duas rochas habitadas pelos monstros Cila (que tinha doze pés, seis cabeças e comia marinheiros para se divertir) e Caríbdis (que engoliu os mares três vezes e cuspiu-os três vezes para criar redemoinhos assustadores). Mais seis tripulantes foram perdidos aqui, mas o navio sobreviveu para continuar sua viagem de volta para casa.

Uma breve parada em Thrinacia se transformou em uma estadia de um mês devido ao mau tempo e os gregos ficaram sem comida. Apesar do conselho anterior de Tirésias de não tocar nos rebanhos de Hélios, alguns dos tripulantes famintos, liderados por Euríloco, mataram vários dos animais para comer. Indignado, Hélios fez o navio virar ao deixar Thrinacia e o único sobrevivente do desastre foi Odisseu, que, após nove dias à deriva, apareceu nas costas de Ogígia.

Lá, o herói passou cinco anos preso, mas também desfrutando dos encantos da Ninfa Calipso e com ela tendo um filho, Nausínoo. No entanto, crédito ao nosso herói, apesar da oferta da imortalidade e da juventude eterna, Odisseu decidiu que deveria tentar mais uma vez retornar à sua terra natal. Calipso, instigada pela intervenção divina, ajudou o herói a construir uma jangada na qual partiu para Ítaca mais uma vez. Poseidon, no entanto, mais uma vez interveio maldosamente e causou uma terrível tempestade que despedaçou a jangada.

Odisseu então foi levado pela água, espancado e nu, na ilha de Feácia, lar dos feácios, diretamente aos cuidados simpáticos de Nausícaa, filha do rei ou Alcino. Com a saúde e o vigor completos restaurados, o herói recebeu um dos navios mágicos da Faia que não precisava de capitão para governar. Com este navio, Odisseu finalmente conseguiu voltar para Ítaca. No entanto, assim como Polifemo havia prometido, nem tudo estava bem no palácio do rei.

Depois de dez anos longe, Odisseu havia sido esquecido, apenas sua esposa Penélope manteve a fé no rei. Atena deu ao herói uma atualização sobre tudo o que havia acontecido em sua ausência. Considerado morto há muito tempo, muitos pretendentes procuraram a mão de Penélope e os pretensos reis (todos os 108) haviam estabelecido residência no próprio palácio. Penélope adiava constantemente a decisão de se casar novamente e esperava, contra todas as esperanças, que seu marido ainda estivesse vivo em algum lugar.

Consequentemente, para levar a situação a uma crise, os pretendentes planejaram matar seu filho Telêmaco assim que possível. Seguindo o conselho de Atena, e exercitando sua famosa inteligência ágil, Odisseu se vestiu de mendigo e visitou o palácio pessoalmente para avaliar a situação. Apenas Euricleia, a velha solteirona de Odisseu, reconheceu o herói (por causa de uma cicatriz característica em sua perna) e também seu fiel e velho cão, Argos, conhecia seu velho mestre, mas morreu tragicamente assim que os dois se reuniram.

Revelando-se para seu filho Telêmaco (que acabara de voltar de Pilos), Odisseu planejou uma estratégia para libertar o palácio de todos os parasitas e recuperar sua autoridade legítima. O herói, ainda em seu disfarce de mendigo, foi maltratado pelos pretendentes do palácio e foi alvo de muitos gracejos cruéis, mas a vingança logo viria.

Penélope desafiou os pretendentes que se um deles pudesse amarrar o enorme arco que pertencera ao velho rei e depois atirar uma flecha através de doze pontas de machado, ela se casaria com ele. Claro, nenhum dos desafortunados pretendentes tinha a força necessária para esticar o arco, muito menos atirar com ele.

Então, o mendigo subiu e, para um coro de zombarias céticas, inacreditavelmente, amarrou o arco com facilidade e disparou uma flecha bem direta nas pontas dos machados. Tirando o disfarce, Odisseu revelou sua verdadeira identidade e espalhou o pânico entre os pretendentes. Não haveria escapatória para os intrusos, pois, conforme planejado, Telêmaco havia fechado todas as portas e retirado as armas montadas nas paredes. Odisseu então casualmente matou os pretendentes, um por um, com seu arco temível e, assim, recuperou seu reino há muito abandonado.

O casal real, juntos novamente após dez longos anos de separação, viveram felizes para sempre, ou não completamente. Pois em uma trágica reviravolta final, o velho Odisseu foi morto por Telégono, seu filho com Circe, quando ele chegou em Ítaca e em batalha, sem saber, matou seu próprio pai.

Odisseu é um tema popular na arte grega antiga, aparecendo em vasos, moedas, esculturas, tripés e faixas de escudos de toda a Grécia e é frequentemente identificado por seus pilos - um chapéu de feltro cônico.

Cenas em cerâmica com figuras vermelhas e pretas do século 7 ao 5 a.C. retratando Odisseu incluem a missão de Aquiles, a disputa com Ajax pela armadura de Aquiles, o roubo do Paládio, cegando o Ciclope, lavando-se nas margens de Feácia ou Scheria, e se vingando dos pretendentes de Penélope. O tema do cavalo de madeira é surpreendentemente incomum na arte grega, mas é notoriamente representado em um pithos em relevo de argila de Míconos c. 670 AC. Uma célebre representação de Odisseu e as sereias é encontrada em um estamno ático de figura vermelha de Vulci c. 450 AC.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem