Medusa: O Monstro Que Transformava Homens em Pedra

Se você acha que conhece toda a história da Medusa, pense novamente - aqui está tudo o que você nunca soube sobre a mítica Górgona.

A história da morte do monstro Medusa nas mãos do grande herói Perseu é um dos mitos mais amplamente contados do mundo grego. A imagem do bravo herói matando a fera horrível perdura na arte, na poesia e na música.

A Medusa é lembrada, mais do que qualquer outra coisa, por um rosto tão hediondo que bastaria olhar para ele literalmente transformando homens em pedra.

Com feições monstruosas e cobras no lugar do cabelo, ela era uma criatura assustadora que os gregos acreditavam que poderia assustar até o mal mais potente.

Mas há muito mais na lenda da Medusa do que apenas sua decapitação, e seu legado é muito mais complicado do que o de qualquer outro monstro antigo.

Perdidos na narrativa estão as origens trágicas de Medusa e o destino inacreditável de sua famosa cabeça.

Havia muito mais na Górgona do que apenas as cobras em seu cabelo!

Medusa: O Monstro Que Transformava Homens em Pedra

Medusa já Tinha Sido Linda

Medusa e suas irmãs, as Górgonas, eram as crianças dos deuses primordiais Fórcis e Ceto.

Fórcis e Ceto também eram pais de três outras irmãs monstruosas - as Greias. Seus outros irmãos incluíam os monstros Equidna, Cila e Ladão.

Ceto era sinônimo de monstros marinhos, cujo nome mais tarde foi usado para as grandes serpentes que Poseidon conjurou das profundezas.

As primeiras versões das Górgonas os conectavam a recifes pontiagudos e às tempestades que poderiam levar os navios até elas. Elas estavam associados a rochas que, quando escondidas abaixo da superfície da água, representavam um desastre para os navios que passavam.

Seus pais foram os primeiros deuses do mar, anteriores aos olímpicos. Os Greias representavam a espuma do mar, enquanto os outros filhos de Fórcis e Ceto eram monstros do oceano.

As Górgonas personificavam apenas um dos muitos perigos do mar.

Esteno e Euríale, irmãs da Medusa, eram imortais. Medusa era a única das três que poderia ser morta.

Algumas histórias dizem que havia mais uma Górgona sem nome que era mais velha do que as outras. Ela foi morta por Zeus antes que ele lutasse contra seu pai e os Titãs pelo poder.

Os primeiros relatos colocaram as Górgonas em um lugar distante à beira da noite. Histórias posteriores as contaram morando na Líbia, um cenário favorito para mitos que aconteciam fora do mundo grego e sua influência cultural.

As primeiras histórias da Medusa diziam que ela sempre teve uma forma terrível e desumana. Mas não demorou muito para que isso mudasse.

Já no século 5 aC, havia menções de que Medusa era uma bela mulher em sua juventude. Na época de Ovídio, ela era uma das grandes belezas do mundo.

Segundo ele, como a única mortal Górgona, Medusa também foi a única que não nasceu monstro. Ela tinha muitos pretendentes e era especialmente conhecida por seus lindos cabelos longos.

Medusa nesta narrativa foi separada de seus monstruosos membros da família e viveu uma vida mais humana. Apesar de sua conexão familiar com monstros, ela se encaixava no molde de muitas belas jovens mulheres na mitologia.

Nessas versões de sua história, a beleza de Medusa acabaria sendo sua ruína. Como muitas mulheres bonitas na lenda grega, ela atraiu a atenção de um deus.

Amaldiçoada Por Atena

Mesmo nas histórias anteriores às descrições de sua beleza, a história de Medusa estava ligada ao deus Poseidon.

O deus do mar, como muitos de seus companheiros, tiveram casos frequentes com mulheres mortais e deusas menores.

A versão mais antiga da história descreve a sedução de Poseidon pela Górgona como ocorrendo em um prado repleto de flores. Mas as representações posteriores contam uma história muito mais sombria.

Nestes, Poseidon não apenas tomou Medusa à força, mas o fez em um templo de Atena.

A mitologia grega, como a cultura que a criou, muitas vezes fazia pouca distinção entre sedução e estupro. Os deuses muitas vezes carregavam seus amantes ou usavam engano para conseguir o que queriam.

O sequestro era uma forma válida de casamento na mitologia grega e as mulheres eram frequentemente descritas como fugindo ou temendo os deuses amorosos.

Ovídio, no entanto, deixa muito claro que as ações de Poseidon não foram românticas.

Poseidon não seduziu ou encantou a Medusa nos mitos posteriores. Suas ações foram descritas como uma violação violenta.

Poseidon e Atena estavam frequentemente em desacordo nos mitos, e o desrespeito de estuprar Medusa dentro de seu templo enfureceu a deusa. Como uma deusa virgem, o ato era particularmente repulsivo.

Infelizmente, como costumava acontecer no mundo antigo, a vítima suportava o peso da punição.

Atena descontou sua raiva na Medusa. Ela transformou a jovem em um monstro terrível.

O cabelo notavelmente bonito de Medusa foi transformado em uma massa se contorcendo de serpentes.

Outrora uma beleza renomada, Medusa era agora tão horrível que qualquer homem que olhasse para ela seria transformado em pedra. A mais bela das três Górgonas se tornou a mais hedionda de todas.

Na arte, Medusa e suas irmãs tinham todas as características aterrorizantes que os gregos podiam imaginar.

Além das serpentes em suas cabeças, eles tinham presas como javalis, línguas pendentes e olhos esbugalhados. Algumas imagens lhes deram asas, outras uma espessa barba negra.

Hesíodo disse que ela agitava as línguas, como as serpentes. Ela usava serpentes em volta da cintura em vez de cintos normais.

O corpo da Medusa costumava ser mostrado como anormalmente grande e desproporcional. Sua grande cabeça e pernas grossas lhe davam uma aparência notavelmente desumana que contrastava com as formas perfeitas dos deuses e heróis.

Algumas versões da história afirmam que as irmãs da Medusa passaram pela mesma mudança de belas para horríveis, reconciliando a disparidade de mostrar apenas a própria Medusa dessa forma. Nesse caso, Atena também puniu as irmãs, embora elas não tivessem nenhum envolvimento na profanação de seu templo.

As Górgonas foram enviadas para longe do mundo civilizado para fazer seu covil em uma caverna escura. Enquanto Medusa era a única cujo olhar petrificava os homens, suas irmãs mataram e mutilaram muitos.

Mesmo depois desse terrível castigo, Atena não havia acabado com o castigo de Medusa.

A Morte da Medusa

A história mais famosa de Medusa é a de sua morte nas mãos do grande herói Perseu.

Perseu era filho de Zeus e da mulher humana Dânae. O rei Polidecto desejava se casar com Dânae, mas Perseu, já adulto, se opôs à união de sua mãe com o rei indigno de confiança.

Procurando uma maneira de tirar seu filho adulto do caminho, enviou Perseu em uma busca aparentemente impossível.

Ele desafiou o jovem a matar Medusa e trazer sua cabeça de volta.

Atena se ofereceu para ajudar o herói em sua busca. Ela deu seu escudo de bronze brilhante, a égide, para proteção.

Atena também disse a ele onde encontrar mais assistência. Depois de criar a própria Medusa, a deusa parecia especialmente ansiosa para ajudar o herói na destruição do monstro.

As Hespérides, uma irmandade de ninfas, eram guardiãs de um maravilhoso jardim na extremidade do mundo. Elas possuíam outros itens pertencentes aos deuses que ajudariam Perseu a sobreviver a um encontro com o monstro e suas irmãs.

Sua primeira missão foi encontrar e derrotar as Graias. Só elas sabiam a localização das Hespérides e de seu jardim.

As três irmãs de pele cinza das Górgonas nasceram com apenas um olho que compartilhavam entre si. Passando os olhos para frente e para trás, pode-se estar vigilante o tempo todo.

Elas também dividiam um único dente, revezando-se para fazer as refeições.

Perseu se escondeu, esperando no escuro até que duas das Graias passassem o olho entre si. Rapidamente e habilmente, ele arrancou o olho de suas mãos.

Horrorizados, as Graias exigiram o retorno de sua visão.

Perseu fez um acordo com os monstros. Ele devolveria o olho quando lhe revelassem a localização das Hespérides.

Alguns dizem que ele honrou o acordo e deixou o vigilante graia em paz. Outros afirmam que ele jogou o olho nas profundezas do Lago Tritonis.

De qualquer forma, as graias haviam mostrado a ele o caminho para o jardim escondido das Hespérides.

As ninfas alegremente emprestaram a Perseu os tesouros que Atena o mandou buscar. O primeiro era uma bolsa forte para segurar seu troféu, a cabeça da Górgona.

O segundo tesouro era o capacete mágico de Hades, dado a ele pelos Ciclopes na Titanomaquia. Ele tinha o poder de tornar seu usuário invisível.

O tesouro final das Hespérides eram as sandálias aladas de Hermes.

Perseu foi equipado para matar Medusa.

Quando ele chegou ao covil das irmãs, a Górgona estava dormindo. Perseu usou a mesma discrição que ele praticou com as Graias para se aproximar sigilosamente.

Foi aqui que o escudo de bronze de Atena se tornou inestimável.

Perseu não conseguia olhar para Medusa ou ele seria transformado em pedra. Olhando apenas para o reflexo do monstro no metal brilhante do escudo, ele pode rastejar para frente sem perigo.

Perseu, portanto, com Atena guiando sua mão, manteve os olhos no reflexo em um escudo de bronze enquanto estava sobre as Górgonas adormecidas e, quando viu a imagem de Medusa, decapitou-a.

O último grito da Medusa na morte acordou as Górgonas adormecidas, e as duas irmãs perseguiram o homem que a matou.

Agora, Perseu aproveitou os tesouros que ele conseguiu no jardim.

Usando as sandálias aladas, ele foi capaz de sair da caverna e evitar os monstros furiosos. Colocar o capacete em sua cabeça os impediu de vê-lo, então eles se debateram cegamente de raiva.

Perseu enfiou a cabeça da Medusa na bolsa e fugiu.

Enquanto Perseu fugia da caverna, no entanto, ele e as Górgonas não estavam mais sozinhos.

O sangue que foi derramado da cabeça decepada de Medusa deu à luz dois filhos - Crisaor e Pégaso.

Pouco se sabe sobre Crisaor, pois ele não desempenhou um papel importante nos mitos posteriores, exceto que mais tarde foi pai de um gigante com três cabeças. Mas Pégaso, o cavalo alado, tornou-se uma figura em muitas lendas.

Embora alguns relatos digam que Pégaso ajudou Perseu a escapar, a maioria concorda que o cavalo mítico não seria domesticado até que Belerofonte lutasse contra a Quimera.

Enquanto Perseu usava as sandálias para voar sobre as areias da Líbia, as gotas de sangue que caíam no chão criavam enormes víboras. As criaturas permaneceriam comuns no Norte da África para sempre.

A morte de Medusa teve outro impacto imediato.

Quando Atena ouviu os gritos das Górgonas enquanto choravam por sua irmã, ela procurou imitar seus sons tristes. Ela inventou a flauta para esse fim.

O tipo mais comum de flauta na Grécia antiga tinha dois corpos, um reflexo das duas Górgonas sobreviventes.

Esta foi a última menção de Esteno e Euríale na mitologia. Com a morte de sua irmã mortal, as outras duas Górgonas desapareceram da lenda.

As Aventuras Contínuas da Cabeça da Medusa

Embora a história de sua morte nas mãos de Perseu seja um dos momentos mais famosos da mitologia grega, não foi o fim da história de Medusa. Em uma reviravolta incomum e macabra de eventos, a morte de Medusa foi apenas o começo de suas aventuras.

Quando Perseu fugiu das Górgonas sobreviventes, ele levou a cabeça de sua irmã com ele como prova de seus atos. Mesmo com o monstro morto, o verdadeiro poder da Medusa vivia em seus restos mortais.

Algumas histórias dizem que Perseu usou a cabeça da Górgona pela primeira vez enquanto viajava de volta para sua terra natal. Em suas viagens, ele encontrou o Titã Atlas segurando o mundo nas costas e usou a cabeça para transformá-lo em pedra.

Este mito, uma adição posterior à história de Atlas, explica a criação da cordilheira do Atlas no norte da África. O poder da cabeça da Medusa era tão potente que poderia petrificar até mesmo o maior e mais forte dos Titãs.

Outros contos dizem que a cabeça de Medusa foi usada para destruir o grande monstro marinho que ameaçava devorar Andrômeda. Perseu matou o monstro e mais tarde se casou com a princesa.

Embora esses detalhes nem sempre estejam incluídos na lenda de Perseu, os escritores concordam sobre o que ele fez quando voltou para sua casa na Grécia. Ele transformou o pretendente dúbio de sua mãe, Polidecto, em pedra.

Ele fez o mesmo com muitos cidadãos que apoiaram seu pretenso padrasto, criando o terreno rochoso da ilha de Sérifos.

Perseu mais tarde deu a cabeça a Atena, que a fixou em seu escudo. Muitas representações de Atena mostram a cabeça temível da Górgona em sua égide.

Atena ampliou sua conexão com a Medusa, colocando fileiras de cobras ao redor de suas vestes. Embora elas não tivessem o poder da cabeça da Górgona, elas serviam como um lembrete assustador da maldição de Atena.

Mesmo este não foi o fim da história para a cabeça de Medusa, no entanto. Em muitos mitos gregos, ela reapareceu.

Quando Perseu deitou a cabeça em uma cama de algas marinhas, sua magia fez com que as plantas endurecessem. Isso criou o primeiro coral.

Lutando contra o rei etíope Fineu, Perseu usou a cabeça contra seus inimigos. Duzentos soldados foram transformados em pedra, incluindo pelo menos um de seus próprios homens que acidentalmente olhou para o artefato.

O próprio Fineu foi o último de seu exército a ser morto dessa maneira. Sua petrificação foi lenta e dolorosa.

Perseu mais tarde lutou com Dioniso e usou a cabeça contra o séquito de sátiros do deus. O deus segurou um diamante na frente de seus olhos para se proteger da maldição da cabeça.

Ariadne, a esposa de Dionísio, segundo um escritor do século 5, foi transformada em pedra na guerra entre seu marido e Perseu. Esta história só aparece em uma fonte, no entanto.

Atena deu um pouco do sangue da Górgona ao lendário cirurgião Asclépio. O sangue poderia ser usado para destruir ou restaurar e permitir que ele trouxesse pessoas de volta dos mortos.

Atena também deu a Hércules uma cobra de bronze cortada da cabeça de Medusa em uma jarra. Ele, por sua vez, deu a jarra para Asterope para proteger sua cidade da invasão.

A cabeça da Medusa, a górgona, aparecia constantemente na arte grega. Atena a usava para aterrorizar seus inimigos e mesmo uma representação grosseira disso poderia causar medo em espíritos malignos e seres maliciosos.

A face ameaçadora do monstro tornou-se um totem de proteção.

Até mesmo um pedaço da cabeça de Medusa, como a que Hercules deu a Asterope, era suficiente para repelir inimigos e causar mal-estar, mesmo que não tivesse o poder de petrificar.

Medusa não foi apenas mencionada novamente na terra. No submundo também ela apareceu.

Quando Hércules foi enviado para lá, todas as almas de Hades fugiram dele. O espírito da Medusa ficou e o enfrentou.

O herói desembainhou a espada, preparado para lutar, mas percebeu que ela não era nada mais do que um fantasma vazio.

Medusa é um dos espíritos que frequentemente se diz que se esconde nos portões do submundo, sem vida, mas incapaz de passar totalmente para o próximo reino.

Medusa na Antiguidade Tardia

Enquanto os primeiros gregos descreviam a Medusa como verdadeiramente monstruosa, os artistas posteriores começaram a mudar essa imagem.

Ao mesmo tempo que os escritores começaram a mostrar a Medusa como uma ex-beldade afligida por uma terrível maldição, o rosto da Medusa passou por uma transformação semelhante na arte.

Na escultura, nos mosaicos e na pintura, a Górgona começou a perder seus atributos mais bestiais. Suas feições se suavizaram.

As presas pontiagudas e a língua estendida desapareceram. Seu rosto assumiu uma aparência mais tradicionalmente humana.

Medusa começou a se parecer mais com a mulher que era descrita nos textos.

Na época em que o Império Romano foi estabelecido, o rosto da Medusa era quase indistinguível do de qualquer outra mulher. A única diferença entre Medusa e um humano, ou mesmo uma deusa, eram as serpentes que coroavam sua cabeça.

Mesmo em sua forma mais bonita, o gorgonião era usado como um símbolo para afastar males maiores. Muitas vezes era colocado na entrada de edifícios, em uma escultura em relevo ou em um mosaico no chão, para impedir a entrada de espíritos maliciosos.

Os soldados usavam a cabeça da Medusa em seus escudos e armaduras, emulando a imagem de Atena, na tentativa de evitar a própria morte. A prática era tão difundida que pode ser vista no famoso mural que retrata a batalha de Alexandre o Grande contra os persas.

Nisso, a Górgona não era apenas um símbolo de proteção. Ele ligava o tipo macedônio diretamente à herança grega.

Conforme o mundo romano abraçou o Cristianismo e seus textos, o status maligno da Medusa foi promovido. A crença judaico-cristã sempre viu as serpentes como parte da queda da humanidade da perfeição e seu cabelo de serpente tornava Medusa mais reconhecidamente má do que nunca.

A cabeça da Medusa ainda era tratada como um objeto assustador, mesmo quando era mostrada como sendo quase inteiramente humana.

Imagens da Medusa Hoje

A cabeça da Medusa era o símbolo mais frequentemente usado na arte grega antiga. Por causa disso, tornou-se um ícone amplamente conhecido.

Artistas da Renascença fizeram do assassinato da Medusa um de seus temas favoritos na escultura e na pintura. Para eles, a cena era uma ilustração vívida do triunfo da engenhosidade e do heroísmo humanos.

Perseu permitiu que eles recriassem uma forma masculina que se adequava às noções clássicas de perfeição.

A cabeça decepada da Medusa forneceu o fator de choque de sangue e violência. O sangue e sangue coagulado que escorria de seu pescoço eram retratados em detalhes gráficos.

Além disso, as famosas serpentes em sua cabeça deram aos artistas a chance de mostrar suas habilidades com forma e textura. Os caracóis e curvas do corpo de uma serpente sempre foram um assunto favorito na arte por este motivo, e a figura da Medusa forneceu muitos deles para o artista mostrar sua habilidade.

Foi depois da Revolução Francesa que a própria Górgona começou a adquirir conotações mais heroicas. Ainda retratada como uma mulher humana, embora com um ninho cada vez mais espesso de cobras em seu cabelo, Medusa se tornou um símbolo da facção jacobina.

A conexão com a Revolução Francesa e uma famosa história de decapitação é óbvia, mas Medusa também começou a ser retratada com mais simpatia. Os radicais viam a própria Górgona como um tipo de revolucionária, tirando o poder da monstruosidade que a tornava vulnerável.

Isso contrastava com a liberdade inglesa, que fora retratada como a sábia e poderosa Atena. A liberdade francesa não foi heroica, mas não se contentou em resignar-se à condição de vítima.

A visão da Medusa como vítima da tirania continua até hoje.

A história da punição de Medusa após seu estupro por Poseidon tem um significado muito diferente no mundo moderno do que na época grega. Seu retrato continuado como uma figura mais feminina e humana aumenta essa diferença de interpretação.

Quando o movimento feminista reexaminou a lenda, eles chegaram a uma interpretação da Medusa muito diferente da que os gregos acreditavam.

Ser punida por sua própria condição de vítima fez de Medusa um emblema da discriminação e da violência enfrentada por mulheres reais. Ao transformar os homens em pedra, no entanto, a raiva de Medusa refletia a raiva que as mulheres sentiam sobre essas experiências.

As feministas reinterpretaram Medusa como uma mulher que usava sua raiva para se vingar do olhar masculino. Elas notaram que nos mitos nunca houve um caso de Medusa transformando uma mulher em pedra.

À medida que a interpretação da arte se concentrava nas maneiras pelas quais a arte representava o corpo feminino para a visão dos homens, a capacidade da Medusa de punir os homens por olhar para ela tornou-se um símbolo poderoso.

Embora os homens possam ter achado seu nome sinônimo de monótono, na Medusa as mulheres podiam encontrar um reflexo de sua própria fúria.

A empresa de moda italiana Versace teve uma visão completamente diferente da Medusa quando a fez seu logotipo. Completamente desprovidos de conotações monstruosas, eles explicaram o uso da cabeça da Górgona elogiando sua beleza clássica.

Na cultura popular, a Medusa manteve a dualidade entre uma figura feminina simpática e um monstro perigoso. Ela frequentemente aparece como uma vilã em comidas cômicas, videogames e filmes de fantasia.

Nestes ela assume duas formas. Algumas versões da personagem enfatizam suas características femininas, enquanto ela recebe mais atributos de uma serpente às vezes quando é mostrada como particularmente monstruosa.

A abordagem moderna da Medusa frequentemente enfatiza sua feminilidade, tornando-a uma figura sexual sedutora. De um monstro a uma vítima passiva, Medusa evoluiu para um exemplo do arquétipo femme fatale.

Como uma vilã mais sensual, as serpentes da Medusa estão, mais uma vez, ligadas às noções bíblicas de pecado e mal.

Medusa e as Górgonas são usadas como personagens em histórias com ligações diretas à mitologia grega, mas também em cenários de fantasia e terror em geral. Fora de um contexto especificamente grego, os monstros agora são vistos como um tipo universal.

Nesses papéis, Medusa é um monstro mais ativo do que ela já foi nos mitos gregos.

Na história original, ela foi morta durante o sono, sem chance de revidar, e a maioria das mortes causadas por seus poderes ocorreram quando ela foi usada como arma por outra pessoa.

Enquanto suas irmãs matavam homens com suas presas e garras, o poder de Medusa era passivo. Ela nem mesmo tinha que olhar para sua vítima - era seu olhar que causava sua morte.

Em jogos e livros, no entanto, ela ataca ativamente seus inimigos ou os atrai com sua sexualidade. Ao contrário de Perseu, os protagonistas dessas histórias realmente têm que lutar contra ela.

Seus poderes são expandidos na mídia moderna. Enquanto ela sempre retém o poder de petrificar seus inimigos, agora ela arranha, envenena e agarra também.

A Medusa sobreviveu na arte como um motivo popular na cultura da tatuagem. Combinando duas imagens tradicionalmente populares, a do rosto de uma bela mulher e a de cobras enroladas, ela é escolhida para representar seu poder moderno e seu antigo demonismo.

Seu nome é até usado na política, sendo invocado em descrições desfavoráveis ​​de mulheres políticas. Nesse uso, a imagem da Medusa como uma mulher que pode petrificar os homens assume uma conotação mais negativa do que nos círculos feministas.

Apesar da reinterpretação por feministas e revolucionárias, o nome Medusa mantém suas conotações de monótono e deformidade.

É usado, por exemplo, nos nomes científicos de muitos animais para fazer referência a algumas espécies particularmente feias e, claro, algumas cobras.

Mais do que nunca, a visão popular da Medusa é complexa. A interpretação pode variar por imagem, pessoa e contexto.

Legado Complicado da Medusa

Os antigos gregos viam a Medusa como um monstro lendário particularmente terrível.

Eles continuaram a acreditar nisso mesmo após o desenvolvimento da história que falava de sua punição por Atena. Para eles, a punição inicial e a morte subsequente eram justificadas.

É difícil para um leitor moderno aceitar essa versão dos eventos. A moral do século 21 veria Medusa como uma vítima que merecia simpatia em vez de punição.

O mito da Medusa força os leitores a confrontar uma verdade horrível - a vítima nem sempre é vingada.

O mocinho às vezes não vence e pessoas inocentes às vezes são prejudicadas.

A Medusa é vista por alguns hoje como o primeiro exemplo de culpabilização da vítima. Enquanto Poseidon andava em liberdade, Medusa foi condenada pelo crime de atrair sua atenção.

O estupro costumava ser uma característica da mitologia grega, tanto quanto as histórias o escondem em termos de sedução e casamento. E muitas vezes na mitologia, como na vida, a vítima paga o preço.

As amantes de Zeus eram assediadas por sua esposa ciumenta. As ninfas que fugiam dos deuses eram amaldiçoadas ou se transformavam em árvores e flores.

Era mais raro para uma mulher vitimada ser ajudada e vingada do que punida.

A punição da Medusa foi mais explícita e severa do que a maioria das vítimas nos mitos gregos, mas não estava totalmente fora do lugar.

A natureza complicada do crime e da punição da Medusa é algo com que nossa cultura ainda luta hoje.

De um monstro cruel a um símbolo de ira justificada, as interpretações mutáveis ​​da natureza da Medusa refletem as mudanças na moral e nas visões da própria cultura.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem