Pégaso: O Mítico Cavalo Alado da Mitologia Grega

Provavelmente você viu Pégaso em histórias e arte, então agora aprenda as origens do mítico cavalo voador da mitologia grega.

Praticamente todos estão familiarizados com a imagem do cavalo alado. Pégaso, como essa criatura era conhecida pelos gregos, foi visto na arte e apareceu nas lendas por milhares de anos.

Pégaso é tão conhecido nas obras modernas que é fácil esquecer o quão antigas são suas raízes.

O cavalo alado aparece frequentemente na mitologia grega como o companheiro de grandes heróis e um assistente do próprio rei dos deuses. Um tema favorito dos artistas, sua imagem viveu através dos tempos como uma imagem de graça e beleza.

As origens de Pégaso, no entanto, são muito mais escuras do que sua jaqueta branca e asas angelicais podem sugerir.

Desde seu nascimento invulgarmente violento até sua comemoração entre as estrelas, aqui está tudo o que você nunca soube sobre o famoso cavalo voador Pégaso!

Pégaso: O Mítico Cavalo Alado

O Nascimento de Pégaso

A lenda de Pégaso começou com uma fonte bastante improvável - um dos monstros mais horríveis de toda a mitologia grega.

Medusa já foi uma das jovens mais bonitas do mundo, até que foi estuprada por Poseidon em um templo de Atena. Como punição por contaminar um espaço sagrado, a deusa virgem transformou a menina em um monstro terrível.

Com serpentes no lugar do cabelo e um rosto que podia transformar os homens em pedra, Medusa era uma das criaturas mais temíveis do mundo. Ela e suas irmãs, as Górgonas, viviam em uma caverna no fim do mundo.

Finalmente, o herói Perseu foi enviado para destruir a Medusa. Enquanto suas irmãs monstruosas eram imortais, Medusa poderia ser morta.

Com a ajuda de Atena, Perseu decapitou o monstro. Ele se aproximou dela enquanto ela dormia, usando o escudo brilhante de Atena para olhar seu reflexo em vez de seu rosto petrificado.

Perseu fugiu da caverna, auxiliado pela velocidade das sandálias aladas de Hermes e pela invisibilidade concedida pelo capacete de Hades, quando as outras Górgonas acordaram.

Quando Medusa foi atingida pela espada do herói, seu sangue derramou no chão da caverna em que ela e suas irmãs haviam feito seu covil. Deste sangue nasceram seus dois filhos com Poseidon.

Seu filho, Crisaor, não teria um papel importante nos mitos posteriores. Ele era o pai do gigante Gerião, que foi o sujeito do décimo dos doze trabalhos de Hércules, mas fora isso seu nome sumiu da lenda.

Crisaor geralmente era mostrado como humano, pelo menos em forma, e seu nome indica que ele carregava uma espada de ouro. Sua ausência de mitos posteriores sugere que ele era mortal e eventualmente faleceu.

Pégaso, no entanto, teve um destino muito diferente de seu irmão humanoide. O cavalo imortal que nasceu do sangue da Medusa se tornaria uma das feras mais famosas da mitologia.

O Cavalo das Águas

Como um animal terrestre com asas, Pégaso tinha uma conexão óbvia com a terra e o céu. Mais surpreendente, porém, é sua conexão com a água.

O pai de Medusa era Oceano e sua mãe, Fórcis, era uma deusa do mar primordial. A própria Medusa pode ter se originado como uma representação dos perigos do mar, especificamente rochas ocultas que poderiam causar naufrágios.

Além disso, Poseidon gerou o cavalo alado.

O deus do mar sempre esteve ligado aos cavalos. Muitos mitos dizem que ele havia criado o primeiro cavalo, e muitas vezes ele estava acompanhado pelo meio cavalo meio peixe Hipocampo.

O filho de Poseidon com Deméter, Árion, era outro cavalo imortal. Poseidon se transformou em um garanhão para perseguir Deméter na concepção de Árion.

Pégaso manteve essa conexão familiar com a água. Ele estava mais associado à água doce em vez do mar, especificamente às nascentes de água doce fria que abundavam nas montanhas da Grécia.

Na verdade, pensava-se que o nome Pégaso provinha do local de seu nascimento perto das nascentes, pegai em grego, que eram a origem de Oceano.

Onde quer que os cascos do cavalo batessem na terra, dizia-se que uma nascente se formava. Dizia-se que as águas dessas nascentes tinham qualidades quase milagrosas.

Em sua Descrição da Grécia, o escritor do século 2 Pausânias descreveu uma casa de banhos na cidade de Corinto, perto do templo de Poseidon. Uma das esculturas sobre a qual escreveu foi a de Pégaso, que tinha uma fonte de água fluindo pelos cascos até o poço abaixo, provavelmente uma referência à criação de nascentes por Pégaso.

Pelo menos duas fontes na Grécia eram conhecidas como Hipocrene, ou “Fonte do Cavalo”, por sua conexão com o cavalo mítico.

A fonte de Hipocrene mais famosa foi no Monte Hélicon. A outra fonte famosa da montanha, a Aganippe, também contém a palavra para cavalo em seu nome.

Essas fontes eram famosas por sua conexão com as Musas. Segundo a lenda, as águas do Monte Hélicon foram dotadas com o poder de conceder inspiração.

Os poetas da era antiga frequentemente mencionavam o Hipocrene como a fonte de suas habilidades, e o Monte Hélicon era o centro de devoção às Musas.

Hoje, Hipocrene continua a ser usado como uma palavra para inspiração poética. Dos antigos escritos de Hesíodo às obras mais recentes de Henry Wadsworth Longfellow, os poetas descreveram-se bebendo das águas da nascente.

Outra fonte ligada ao cavalo alado foi a Pirene em Corinto. Tido como seu bebedouro favorito, as visitas constantes do cavalo garantiam que ele nunca secasse.

Esta fonte seria a mais famosa história de Pégaso contada no mundo grego.

Pégaso e Belerofonte

O mais conhecido dos mitos que caracterizam Pégaso é o de Belerofonte.

O herói nascera em Corinto, mas exilado sob a acusação de homicídio. O rei de Tirinto teve misericórdia dele e deu-lhe refúgio em seu palácio, mas o belo jovem atraiu a atenção da rainha durante sua estada lá.

Como um homem honrado, Belerofonte rejeitou os avanços da rainha. Por despeito, ela disse ao marido que o convidado deles havia tentado agredi-la.

O rei não poderia ofender Zeus matando um convidado sob o mesmo teto que o abrigou. Em vez disso, ele enviou Belerofonte ao pai de sua esposa, Ióbates, com uma carta ordenando sua execução.

Ióbates, no entanto, não leu a carta por nove dias. Tendo recebido Belerofonte em sua casa todo esse tempo, ele também estaria violando as sagradas leis de hospitalidade de Zeus se atacasse seu convidado.

Ióbates elaborou um plano e ordenou que seu agora indesejado gestor matasse o Quimera. O rei tinha certeza de que essa tarefa resultaria na morte de Belerofonte sem violar diretamente as leis de hospitalidade.

A Quimera era uma fera cuspidora de fogo que havia devastado o interior de um estado vizinho, a Lícia. Com corpo de cabra, cauda de cobra e cabeça de leão, era uma criatura aterrorizante.

Em seu caminho para confrontar a Quimera, e provavelmente encontrar seu destino, Belerofonte encontrou um vidente famoso, Poliido. Este adivinho salvou a vida do príncipe Glauco de Creta enquanto servia sob o rei Minos.

O homem disse a Belerofonte que, para vencer a luta contra a Quimera, ele precisava buscar a ajuda de Atena para domar Pégaso. Para fazer isso, ele teria que adormecer no templo da deusa.

Belerofonte fez como o vidente recomendou e dormiu na noite seguinte no templo de Atena mais próximo. A deusa apareceu para ele em um sonho e colocou um freio de ouro ao lado dele.

De acordo com algumas fontes, este pedaço de brida mágico foi o primeiro freio inventado.

Atena disse ao herói para fazer um sacrifício a Poseidon, que em algumas versões da história é o pai de Belerofonte, bem como o de Pégaso, e para mostrar ao deus o freio enquanto o fazia.

Quando Belerofonte acordou, a brida dourada estava ao lado dele, exatamente como no sonho.

Na manhã seguinte, Belerofonte fez o sacrifício de um touro branco a Poseidon como Atena o havia instruído a fazer e ergueu o freio para que o deus pudesse vê-lo. Ele também construiu um altar para Atena para agradecê-la por guiá-lo.

Seguindo as visões do vidente, Belerofonte encontrou Pégaso bebendo na fonte Pirene fora de Corinto.

Sem dificuldade, ele foi capaz de montar a besta anteriormente indomada. Quando ele colocou a rédea de Atena no cavalo, ela seguiu suas instruções.

Pégaso voou com seu novo mestre para as terras que haviam sido quase destruídas pelos Quimera. Ao voar em grande velocidade, eles foram capazes de evitar o sopro de fogo do monstro.

Belerofonte atirou flechas contra o grande monstro, mas pouco fez mal a ele. Ele teve a ideia de apontar sua lança com um pedaço de chumbo.

Voando de cima, ele foi capaz de usar sua lança para enfiar o chumbo profundamente na garganta do Quimera. Incapaz de exalar suas chamas, o Quimera foi queimado por dentro e morreu.

Com a ajuda de Pégaso, Belerofonte consolidou seu status como um dos grandes heróis lendários da Grécia antiga.

Hoje, o local da lendária batalha ainda é identificável. A região da Lícia, na Turquia moderna, é conhecida por suas fontes geotérmicas, que disparam fogo eterno do solo.

Acredita-se que essas chamas movidas a metano sejam os restos da destruição de Quimera. Elas eram tão consistentes que os marinheiros antigos podiam usá-las para navegar pela costa da área.

As aventuras de Pégaso com o herói não terminaram com a morte ígnea da Quimera, no entanto. Esse foi apenas o começo da história de Belerofonte e o papel do cavalo nela.

Ióbates encarregou-o, então, de várias empreitadas arriscadas, tentando em vão que ele fosse morto: envia-o em luta contra o povo guerreiro dos Sólimos, que ele derrota; depois, contra as amazonas, que também acontece uma chacina em grande número. Desesperado, Ióbates organiza uma emboscada com alguns dos homens mais corajosos dos lícios, que perecem, contudo, perante a bravura de Belerofonte. Ióbates então, mostra-lhe a carta de Preto, pede para que Belerofonte fique com ele, e dá-lhe a mão da sua filha, Filonoé.

Belerofonte foi capaz de ter sucesso nessas missões apenas com a ajuda de Pégaso. Por exemplo, em sua luta com as Amazonas, ele voou sobre as cabeças das grandes guerreiras e atirou-lhes pedras de cima.

O herói se casou com a filha do rei e recebeu o reinado de metade do reino. Ele enriqueceu com a renda de seus ricos vinhedos e campos frutíferos.

Belerofonte teve pelo menos três filhos. Seu neto, um Glauco mais jovem, lutou na Guerra de Tróia e contou a história de seu avô como uma narrativa embutida na Ilíada.

À medida que a fama do herói aumentava, no entanto, também aumentava seu ego. Eventualmente, Belerofonte tornou-se ambicioso demais.

Depois de tantas grandes vitórias, o herói se convenceu de que havia conquistado um lugar entre os deuses. Montando Pégaso, ele incitou o cavalo a voar em direção ao pico do Monte Olimpo.

Essa arrogância enfureceu Zeus, que enviou uma mosca picadora atrás deles. Quando a mosca picou o cavalo alado, ele resistiu e empinou, jogando Belerofonte de suas costas.

O outrora grande herói caiu por terra, aterrissando aproximadamente nas planícies da Turquia. Cegado por um arbusto espinhoso quando caiu, ele viveu o resto de sua vida na obscuridade e na miséria.

Outras histórias contestam o papel de Zeus na queda de Belerofonte. Dizem que o herói ficou nervoso e duvidoso ao se aproximar do Olimpo, acreditando que não era realmente a casa dos deuses.

Quando ele olhou para a terra abaixo dele, ficou com tanto medo que perdeu o controle sobre Pégaso. Ele caiu para a morte, apenas tímido de alcançar a divindade.

Esta versão da história não admoesta o herói por sua arrogância, mas sim por sua falta de fé. Agarrando-se apenas mais um pouco e não olhando para o que havia deixado para trás, ele teria sido recompensado com a imortalidade.

A história da ascensão e queda de Belerofonte foi o tema de uma peça perdida de Eurípedes. Os fragmentos que sobraram contam uma história trágica da arrogância e falta de fé do herói.

No final da antiguidade, o papel de Belerofonte como domador de Pégaso foi substituído por Perseu. Depois de matar a Górgona, ele imediatamente reivindicou domínio sobre seu filho equino.

A imagem de Perseu cavalgando Pégaso pelo céu perdurou, e o herói foi lembrado de maneira mais vívida do que Belerofonte.

Enquanto Pégaso e até mesmo a Quimera perduraram no folclore e na mídia modernos, o conto de advertência de Belerofonte foi perdido para o ideal heroico de Perseu.

Os Cavalos do Olimpo

Embora Belerofonte tenha sido jogado ao chão lá embaixo, para sua morte ou para anos de sofrimento, Pégaso continuou sua jornada para o Monte Olimpo.

Quando ele chegou, Zeus deu as boas-vindas à besta imortal. Pégaso foi levado aos estábulos do Olimpo para viver uma vida confortável entre os deuses.

Quando Pégaso chegou ao Olimpo, ele se juntou a um estábulo cheio de animais notáveis. Na verdade, os cavalos dos deuses eram figuras bem conhecidas na mitologia.

Esses cavalos imortais, os Hippoi Athanathoi, eram principalmente os descendentes dos deuses do vento.

Embora os deuses dos quatro ventos fossem frequentemente descritos como homens, eles também assumiam a forma de cavalos. Eles eram Bóreas (o Vento Norte), Euros (o Vento Leste), Noto (o Vento Sul) e Zéfiro (o Vento Oeste).

Nesta forma, como o Anemoi, eles puxaram a carruagem do deus do céu Zeus. Como cavalos, eles foram descritos por Platão como tendo asas nas costas, bem como Pégaso.

As contrapartes femininas dos quatro ventos eram as Harpias. Juntos, eles produziram muitos dos famosos cavalos dos atletas olímpicos.

Os cavalos imortais dos deuses incluíam:

  • Árion - O cavalo pertencente a Hércules e mais tarde o herói Adrasto. Ele era filho de Poseidon e Demeter, e portanto meio-irmão de Pégaso.
  • Os Quatro Cavalos de Hélio - Éton, Etíope, Éous e Bronte cresceram a carruagem do deus sol.
  • Os Cavalos de Ares - Conabos, Fobos, Flogios e Eton puxavam Ares para a guerra. Os quatro corcéis imortais sopravam fogo.
  • Lampo e Faetonte - Os cavalos de Eos, a deusa do amanhecer.
  • Os Cavalos de Erecteu - O primeiro rei de Atenas recebeu dois cavalos imortais como presentes de Bóreas.
  • Os Doze Cavalos de Tróia - foram prometidos a Hércules, que sitiou a cidade quando o rei de Tróia se recusou a cumprir sua promessa.
  • Xantos e Bálios - Este par de cavalos foi emprestado a Peleu e a seu filho Aquiles.

Havia outras montarias e animais de carruagem no Olimpo. A carruagem de Apolo era puxada por um par de cisnes gigantes, enquanto sua irmã Ártemis havia domesticado quatro veados com chifres dourados.

Apesar dessas variações, no entanto, os cavalos ainda eram os animais de trabalho favoritos dos olímpicos. Nos estábulos dos deuses, Pégaso estava em boa companhia.

Como parte dos estábulos olímpicos, Pégaso tornou-se associado a Zeus.

O poeta Hesíodo afirmou que o grande cavalo alado se tornou o portador dos raios de Zeus. Pégaso se tornou um dos ajudantes favoritos e mais confiáveis ​​do rei dos deuses.

Entre os famosos cavalos dos deuses e heróis, Pégaso deu seu nome a toda uma linha de cavalos alados. Acredita-se que muitos desses pagasi sejam seus descendentes.

Vários desses cavalos fantásticos estão associados a Poseidon.

Além de seus cavalos-marinhos, o hipocampo com suas caudas de peixe, muitas imagens de Poseidon também mostram sua carruagem sendo puxada por uma equipe de equinos alados. Diz-se que ele deu um par desses animais ao herói Pélope.

Havia também uma raça inteira de cavalos alados com grandes chifres que se acreditava serem nativos da Etiópia. Com o próprio Pégaso nascendo na África de acordo com as tradições da lenda da Medusa, eles podem ter sido parentes dele.

Enquanto todas essas criaturas aladas eram conhecidas como pégasos, Pégaso sempre foi apontado como uma criatura distinta de outros de seu tipo.

Eventualmente, Zeus ficou tão satisfeito com o serviço do cavalo que o colocou para sempre nas estrelas como uma constelação.

Dizia-se que hippos, o cavalo, era sua imagem voando para sempre no céu noturno. Em vez disso, era frequentemente chamado por seu nome.

De acordo com as lendas locais, no dia de sua transformação, uma única pena caiu no chão perto da cidade de Tarso, na Turquia.

A chegada da constelação de Hippos ao céu marcou o início da estação chuvosa da primavera na Grécia. As tempestades sazonais trouxeram o trovão de Zeus e fizeram as fontes associadas ao cavalo alado correrem rapidamente.

A maioria dos mapas estelares antigos retratava Hippos não como um cavalo completo, mas como a metade superior de um cavalo emergindo de baixo d'água.

Os hippos passaram a ser mais comumente chamados pelo nome de Pégaso. Essa constelação ainda é reconhecida internacionalmente com esse nome hoje.

Mais recentemente, a constelação de Pégaso ganhou nova fama como o local do primeiro exoplaneta confirmado encontrado em órbita ao redor de uma estrela semelhante ao sol.

Pégaso na Arte

Uma das razões pelas quais Pégaso permanece uma figura tão conhecida na mitologia grega é porque ele era um dos temas favoritos dos artistas do período.

As façanhas dos heróis costumavam ser ilustradas em cerâmica, mosaicos e afrescos gregos. A cena da morte de Medusa, incluindo o nascimento de Pégaso, combinou os elementos favoritos de um herói lendário e um monstro terrível.

As novas aventuras de Belerofonte forneceram outras oportunidades para retratar o cavalo alado em uma cena de heroísmo. A beleza do cavalo imortal contrastava com a feiura desconexa da Quimera.

Mais tarde, as duas criaturas se tornaram motivos populares por conta própria. A Quimera representava ferocidade, enquanto Pégaso e Belerofonte eram um par heroico.

A história da queda literal de Belerofonte em desgraça era um assunto favorito para obras alegóricas. Nestes, a fuga de Pégaso em direção ao Olimpo representou os riscos da arrogância e da prepotência.

Quando Belerofonte foi substituído por Perseu no imaginário popular, o heroísmo de sua fuga em Pégaso foi apenas reforçado. O aspecto preventivo da história de Belerofonte foi perdido para o espírito de aventura e virtudes de Perseu.

Como parte da comitiva bestial de Zeus, Pégaso e sua prole aparecem com destaque em algumas das imagens mais majestosas do deus. Como o mais reconhecível dos cavalos imortais, Pégaso é identificado com quase todas as imagens das carruagens dos deuses.

Os artistas gregos também retrataram o cavalo como parte de sua cosmologia por sua identificação com a constelação de Hippos. Emergindo da água, o cavalo nos céus manteve sua ligação com Poseidon e as águas mágicas das Musas.

Como fonte do Hipocrene, Pégaso também foi identificado com os dons artísticos inspiradores das Musas, tornando-o ainda mais popular entre os pintores.

Pégaso assumiu um simbolismo na arte independente de sua associação com qualquer mito em particular.

Os gregos gostavam de representar animais híbridos e criaturas fantásticas. Embora muitos deles fossem monstruosos ou perigosos, como a quimera que deu nome a esses híbridos, Pégaso tinha uma caracterização mais positiva.

Apesar de ser um híbrido de características equinas e aves, Pegasus nunca foi descrito como uma quimera.

O cavalo alado ajudou os heróis, mostrando bravura e lealdade contra os inimigos de Belerofonte. Sua associação com as Musas por meio de fontes de inspiração o vinculou à arte, poesia e atividades criativas.

Pégaso era geralmente representado como um cavalo branco, uma cor associada à pureza e à luz. Embora Belerofonte tenha negado a entrada no Olimpo por sua arrogância, o cavalo foi considerado digno e recebeu grandes honras de Zeus.

Enquanto outros animais híbridos, como a Quimera que ele ajudou a destruir, parecem feios e grotescos, Pégaso era uma imagem da graça. Sua força e agilidade no voo, assim como sua bela forma, inspiraram artistas através dos tempos.

Mesmo tendo nascido de um dos monstros mais temíveis da lenda, Pégaso se tornou um símbolo inegavelmente belo de virtude e bondade.

A Continuação do Mito

Pégaso continuou a ser tão popular depois da era greco-romana quanto era durante ela.

Na heráldica, o cavalo alado era usado como um símbolo de energia física e intelectual e o uso dessa energia para se mover em direção à honra. Pégaso era comumente usado como brasão na Idade Média e na Renascença.

Pégaso ainda hoje é visto no brasão e na bandeira da Toscana. Foi adotado depois que a liderança da resistência local o usou como seu emblema na Segunda Guerra Mundial.

Com o surgimento de paraquedistas na Segunda Guerra Mundial, a Força Aérea Real Britânica começou a usar a silhueta de Belerofonte montada em Pégaso como uma insígnia. Embora a insígnia não seja mais amplamente usada, o processo de seleção para a brigada de paraquedas de elite ainda é conhecido como Companhia Pégaso.

Em homenagem ao heroísmo dos paraquedistas britânicos durante a invasão da Normandia, uma ponte importante na região ainda é conhecida como Ponte Pégaso.

A conexão do cavalo mítico com a água ainda existe nos dias de hoje. Vários navios das marinhas dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha foram nomeados em homenagem à descendência de Poseidon.

Pégaso também foi usado como um símbolo corporativo. Várias empresas, principalmente a ExxonMobil, usaram o cavalo alado em seus logotipos e publicidade.

O uso da Pégaso como logotipo corporativo deixou sua marca no mundo urbano. Pegasus Plaza em Dallas, Texas leva o nome do logotipo da Magnolia Petroleum, que mais tarde se fundiu com a ExxonMobil e deu o seu logotipo icônico.

Pégaso tornou-se um elemento comum em filmes e literatura de fantasia, particularmente aqueles que têm outras influências da mitologia grega.

C.S. Lewis, por exemplo, apresentou cavalos voadores junto com deuses e ninfas gregos em As Crônicas de Nárnia. Nos quadrinhos, a Mulher Maravilha vive e luta ao lado de Pégaso como a princesa das míticas Amazonas.

No universo Marvel, o cavalo alado mantém um vínculo com a mitologia, embora não com a Grécia. A valquíria nórdica, uma companheira de Thor, monta um cavalo branco voador para a batalha.

Sua associação com as estrelas também continua. Naves espaciais e galáxias em muitas obras de ficção científica, de Battlestar Galactica a Star Trek, levam seu nome.

Pégaso tornou-se um elemento frequentemente usado em animes e mangás, nos quais é comum combinar criaturas de muitas mitologias mundiais diferentes. Em desenhos animados do faroeste, a criatura fantástica aparece como inspiração para personagens de My Little Pony e vários dos filmes de Walt Disney.

Em Fantasia, um desses filmes, os pégasos aparecem ao lado de outras criaturas híbridas como centauros em uma dança fantástica. No filme Hércules, ele é, ao contrário dos mitos originais, um parceiro desse herói lendário.

Como Perseu, Hércules tornou-se associado ao cavalo voador na imaginação popular, apesar de nunca ter montado nele nos mitos antigos.

Como seus parentes próximos, os unicórnios, os pégasos se tornaram parte da fantasia e da mídia infantil. Embora elementos de heroísmo e graça da criatura tenham permanecido, no entretenimento o cavalo alado se tornou sinônimo de aventuras fantásticas e imaginativas.

A cautela contra voar muito alto como Belerofonte foi perdida. Pégaso hoje é uma criatura de maravilha e liberdade que pode levar seu cavaleiro tão alto quanto as estrelas.

Inspiração de Pégaso

Através dos riachos que ele criou, o Pégaso do mito foi conectado às Musas. Este grupo de semideusas inspirou artistas, poetas e músicos a criar obras inovadoras de beleza.

Hoje, Pégaso continua ligado a esse espírito de bela inovação.

Os artistas continuam a encontrar inspiração na forma do cavalo voador. Seja nas belas-artes ou nos quadrinhos, Pégaso continua a ser retratado como uma criatura de beleza e graça únicas.

Os gregos viram Pégaso nas estrelas quando desenharam suas constelações. Hoje, aeronaves na vida real e na ficção levam seu nome enquanto voam pelos céus.

Para os gregos antigos e para o público moderno, a imagem do cavalo voador é uma maravilha.

Embora sua história possa ter começado com a morte de um monstro terrível, Pégaso se tornou uma imagem duradoura da graça através dos tempos.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem