Agni - O Significado e a História do Deus do Fogo e Mensageiro Dos Deuses

Agni é uma antiga divindade hindu que é um dos deuses védicos mais importantes. Agni é o deus do fogo, o mensageiro dos deuses, e aceita os sacrifícios feitos a ele por qualquer pessoa devotada ao seu Senhor. Ele era muito importante para as pessoas que viviam nos tempos védicos, e ele têm 200 hinos dirigidos a ele no Rigueveda. Oito dos dez livros começam com elogios a Agni, o deus do fogo.

Curiosamente, o fogo ainda é central para o tema da adoração hindu, com seu papel crucial nos vários yajnas (ritos). E mesmo além de seu aspecto de fogo no domínio terreno, Agni simbolizava outras formas de energia na "atmosfera", incluindo o raio e o sol.

Além disso, Agni era / é também considerado o meio divino que aceita os sacrifícios (feitos durante yajnas) aos deuses hindus, portanto, essencialmente, aludindo ao seu papel inicial como a "conexão" ou mensageiro entre outros seres divinos. Com o tempo, o escopo de Agni, ao invés de uma manifestação física de um deus do fogo, é considerado mais como uma apresentação de energia transformadora que é internalizada. No entanto, o papel do fogo ainda permanece importante no Hinduísmo, abrangendo desde as várias festividades e rituais, como Diwali e cerimônias de casamento.

Agni está presente no coração de todos. Ele deveria ser a centelha vital da vida, e a comida no estômago das pessoas é queimada por Agni. Agni é também o fogo do Sol e dá a ele o brilho e o calor pelos quais o Sol é conhecido. Agni é muito essencial para a sobrevivência e o desenvolvimento dos humanos, e é por isso que as pessoas oram por ele desde os tempos antigos.

Às vezes é dito que Agni é o irmão gêmeo do Senhor Indra, o governante dos céus, e muitas vezes está intimamente associado a ele. Nos tempos védicos, ele ocupava a posição mais importante depois de Indra. Junto com Indra e Surya, ele constitui a sagrada tríade de deuses védicos.

Agni - O Significado e a História do Deus do Fogo no Hinduísmo

Iconografia de Agni

Ele é descrito como tendo duas cabeças. Uma cabeça significa imortalidade e a outra é um símbolo de vida. Ele era um dos deuses supremos do início do período védico, junto com Indra e Varuna. Costuma-se dizer que ele é o elo entre o céu e a terra, os humanos e as divindades. Ele é associado ao sacrifício védico e leva sacrifícios dos devotos aos seus deuses amados e muito respeitados e adorados em seu fogo.

Dizem que sua montaria é o carneiro. As pessoas que viviam no início do período védico, que desenvolveram a adoração do fogo, personificaram-no como o fogo sacrificial. É dito que Agni nasceu em três níveis, terra, espaço intermediário e céu. Ele reflete o ‘fogo doméstico’, o ‘fogo defensivo’ e a ‘oferta de fogo’ em uma casa védica.

Uma vez que Agni ofendeu o sábio Bhrigu, que o amaldiçoou para se tornar o devorador de tudo neste mundo. Aterrorizado com essa maldição, Agni foi até Brahma e pediu-lhe que fizesse algo a respeito, caso contrário Agni teria sido responsável pela destruição do mundo inteiro. Então, Brahma modificou a maldição de tal forma que Agni se tornou o purificador de todas as coisas que ele tocava.

O Nascimento de Agni

A origem de seu nascimento é um mistério. Pessoas diferentes têm ideias diferentes sobre isso. Alguns dizem que seus pais foram os sábios Caxiapa e Aditi, alguns dizem que ele nasceu de Diaus Pita e Prithvi, e alguns dizem que ele era filho de uma rainha que manteve seu nascimento em segredo de seu marido, o rei. Às vezes é dito que Agni é filho de dez mães, todas irmãs, representando os dez dedos de um homem. Suas irmãs são a personificação da noite e do amanhecer, e sua esposa é Svaha. Ele é o pai de Pavak, Pavman e Suchi. Ele recebeu vários nomes ao longo dos anos, como Jivalana, Dhananjaya e Vahni.

Quando Agni é representado em uma forma humanoide, ele tem duas faces, que são untadas com manteiga, para fornecer combustível para a chama. Ele tem sete línguas de fogo e dentes de ouro afiados. Ele tem cabelo preto comprido e é vermelho. Sete raios de luz saem de seu corpo e ele tem sete mãos e três pernas. Muitas vezes é mostrado que ele anda em uma carruagem puxada por carneiros ou cabras, ou às vezes cavalga papagaios.

Agni não faz distinção entre seus devotos e visita o lar de todos, independentemente de sua situação financeira. Para ele, o jovem e o velho, o rico e o pobre, um Brahmin e um Kshatriya, todos são iguais. Muitas vezes ele é considerado um mediador entre o céu e a terra, e é por isso que todos os yajnas acontecem com Agni presente.

Diz-se que, quando as pessoas usam o fogo, devem usá-lo em diferentes direções. Para usar o fogo para oferecer sacrifícios aos deuses, o fogo deve estar voltado para o leste. Quando voltado para o sul, o fogo deve ser usado para oferecer sacrifícios aos mortos. Ao usar o fogo para cozinhar alimentos, a direção deve ser na direção oeste. Agni também tem o poder de reduzir os pecados de uma pessoa após sua morte ou conceder-lhe a imortalidade.

No período védico posterior, sua proeminência reduziu consideravelmente. Ele foi mostrado como uma encarnação de Shiva ou Brahma e, eventualmente, foi convocado por homens que queriam aumentar sua virilidade. Agnicayana e Agnihotra são os rituais védicos usados ​​com Agni.

Agni também é um dos guardiões das direções. Ele é considerado o guardião da direção sudeste. Ele dá a luz do conhecimento e nos conduz ao caminho da verdade. Ele é a boca dos deuses, pois é a personificação divina do fogo sacrificial.

Em Hari-vansa, Agni está vestido de preto e tem fumaça ao seu redor. Ele mostra ter quatro mãos e dirige uma carruagem com quatro cavalos vermelhos. Diz-se que o Agni Purana foi recitado para o sábio Vasishtha pelo próprio Agni. Ele é a luz mais íntima que dá brilho a todos os objetos animados e inanimados.

As Dez Formas de Agni

Diz-se que Agni tem dez formas. Elas são relâmpagos, fogo, sol, fogo absorvente, fogo destrutivo, fogo produzido por gravetos usados ​​para sacrifícios e rituais, fogo dado a um aluno durante sua cerimônia Upanayana, fogo doméstico usado para uso doméstico, fogo do sul de ancestrais usado para alguns tipos de rituais e fogo fúnebre em rituais de cremação.

Nas escrituras hindus, Agni é mencionado como estando presente em todos os momentos durante o nascimento de uma pessoa (lâmpada diya), orações (lâmpada diya), em casamentos, quando a noiva e o noivo circundam o fogo sagrado sete vezes, e na morte, quando uma pessoa é queimada no local de cremação.

Agni - Uma Das 3 Divindades Proeminentes Durante o Período Védico

Nos Vedas, está escrito que Agni, Vayu e Soma são as representações do Fogo, da Água e do Ar. Estes são três dos cinco tanmantras nascidos dos três mundos aquecidos. Eles foram as principais divindades nos tempos védicos. Agni costumava aproximar o sujeito e o objeto e estabelecer uma relação entre eles, conhecida como sambandha. Vayu ajudou no progresso e desenvolvimento dessa relação, conhecida como abhidheya. Soma costumava converter formas em prazer sentido na consciência, conhecido como prayojana.

Muitos sacrifícios de animais também foram feitos a Agni durante os tempos védicos. Agni era considerado a representação de todos os outros deuses, então qualquer um que desejasse orar a qualquer deus tinha que usar Agni para isso. Os animais a serem sacrificados eram frequentemente amarrados a uma estaca octogonal de madeira chamada yupa. Durante uma cerimônia de ashwamedha, os animais eram frequentemente sacrificados ao Soma ou Prajapati.

O Agni Purana, que é oito entre os dezoito Puranas, afirma que ninguém pode se aproximar de nenhum deus sem usar Agni como um meio. Nenhuma divindade pode vir sem a presença de Agni. Também está escrito que Agni era filho de Anguiras, que descobriu o fogo e seus usos. Sua forma mais destrutiva é a forma Kravyad.

Agni teve três nascimentos. Seu primeiro nascimento foi nos céus, quando ele apareceu como um raio. Ele teve seu segundo nascimento entre os humanos como Jataveda, e seu terceiro nascimento ocorreu na água.

Jataveda é a forma usada para levar as oferendas aos deuses por pessoas que realizam yajnas. É identificado com tudo o que é piedoso e sábio. Kravyad é a forma usada para queimar cadáveres de humanos ou animais após sua morte no Pitri-yajna, e Agni é obtido dos raios do sol para esse propósito.

Agni é o mensageiro que leva todas as orações e desejos dos devotos aos deuses. Quando Agni está feliz, os deuses são generosos e ouvem as orações do povo. Junto com Soma, Agni é mais invocado no RigVeda entre todos os deuses. Os aspectos cultivados, cozidos e cultivados do ritual védico são representados por Agni.

De acordo com o Vayu Purana, os três filhos de Agni representam suas três formas. Pavaka representa o fogo elétrico, Pavamana representa o fogo produzido pela fricção e Suchi é o fogo do sol. Diz-se que foram amaldiçoados pelo sábio Vasishtha, e nascem repetidamente neste mundo.

Sendo um dos deuses mais importantes desde os tempos védicos, Agni é sempre importante para os humanos, mesmo agora, e seria muito difícil para a vida na terra se sustentar e se desenvolver com as bênçãos do Senhor Agni, o Deus do Fogo.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem