Quem é o Anjo Uriel?

Arcanjos são alguns dos mais populares na companhia de Deus, semelhantes à luz, e servem como chefes para outros anjos na corte celestial. Esses seres poderosos e inspiradores são atraentes e evasivos, concedendo bênçãos ou ferindo os iníquos.

Dos sete arcanjos, Miguel, Gabriel e até Rafael assumem papéis principais como arcanjos. Mas e quanto a Uriel? Aqueles que reconhecem Uriel o veem como um anjo de arrependimento e sabedoria. No entanto, muitos indicadores mostram que ele é muito mais do que isso.

Uriel na Companhia Dos Arcanjos

O nome de Uriel se traduz em "Deus é minha luz", "o Fogo de Deus", "Chama de Deus" ou mesmo "a face de Deus". Em sua conexão com o fogo, ele brilha a luz da sabedoria e da verdade em meio à incerteza, ao engano e às trevas. Isso se estende a controlar as emoções, liberar a raiva e superar a ansiedade.

Uriel não compartilha das mesmas honras que outros arcanjos, nem é responsável por nada específico como é o caso de Miguel (guerreiro), Gabriel (mensageiro) e Rafael (curandeiro). Alguém poderia pensar que Uriel tem uma posição marginalizada e só aparece em segundo plano.

Quem é o Anjo Uriel?

Anjo da Sabedoria

Embora visto como um anjo de sabedoria, não há imagem definitiva da aparência de Uriel além de atuar como uma voz que dá visões e mensagens. Mas existem outros textos apócrifos que descrevem alguns de seus feitos e propósitos mais notáveis.

Ser o anjo da sabedoria significa que sua associação coincide com a mente, onde os pensamentos, ideias, criatividade e filosofia se enraízam. Este arcanjo lembra a humanidade de adorar apenas a Deus, não a ele. Uriel fornece orientação, remove obstáculos e oferece proteção, especialmente quando há perigo.

Anjo da Salvação e Arrependimento

Uriel é o caminho da salvação e do arrependimento, oferecendo perdão a quem o pede. Ele está diante dos portões do Céu e guarda a entrada do Sheol, o mundo subterrâneo. Uriel é aquele que aceita ou nega a entrada de uma alma no Reino de Deus.

Uriel no Catolicismo

Uriel é o patrono de todas as formas de arte no entendimento católico, além de ser o anjo da ciência, da sabedoria e do sacramento da Confirmação. Mas a fé católica tem uma história de luta com a crença em anjos, Uriel em particular.

Ao mesmo tempo, a Igreja, liderada pelo Papa Zacarias, tentou esmagar a heresia em torno da oração aos anjos em 745 DC. Embora este papa aprovasse a reverência aos anjos, ele condenou a angelolatria e disse que ela estava muito perto de desobedecer aos Dez Mandamentos. Ele então eliminou muitos anjos da lista, restringindo sua sagrada observância pelo nome. Uriel foi um deles.

Antonio Lo Duca, um frade siciliano do século 16, imaginou Uriel que lhe disse para construir uma igreja em Termini. O Papa Pio IV aprovou e contratou Michelangelo para a arquitetura. Hoje é a Igreja de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri na Piazza Esedra. A proclamação do papa Zacarias não teve repercussão.

Além do mais, este édito papal não impediu o catolicismo bizantino, o judaísmo rabínico, o cabalismo ou o cristianismo ortodoxo oriental. Eles levam Uriel muito a sério e observam os antigos textos apócrifos de maneira semelhante à da Bíblia, da Torá ou mesmo do Talmude.

Uriel em Outras Religiões

Uriel também é mencionado em outras religiões e é visto como um anjo importante.

Uriel no Judaísmo

De acordo com a tradição judaica rabínica, Uriel é o líder de toda a hoste angelical e dá entrada ao submundo e se parece com um leão. Ele é um dos poucos arcanjos, fora dos Serafins, a entrar na presença direta de Deus. Uriel foi o anjo que verificou as portas em busca de sangue de cordeiro durante as pragas no Egito.

Textos talmúdicos e cabalísticos, como o Midrash, a Cabala e o Zohar, confirmam esses conceitos. Eles acreditam que qualquer pessoa que vir as chamas do altar de Deus experimentará uma mudança no coração e se arrependerá. O Zohar também fala de como Uriel tem um aspecto duplo: Uriel ou Nuriel. Como Uriel, ele é misericordioso, mas como Nuriel ele é severo, denotando sua capacidade de destruir o mal ou fornecer perdão.

Cristãos Bizantinos e Ortodoxos Orientais

A ortodoxia oriental e os cristãos bizantinos atribuem a Uriel o verão, supervisionando as flores desabrochando e amadurecendo os alimentos. Eles realizam um dia de festa em novembro para os arcanjos chamados de “Sinaxe do Arcanjo Miguel e dos Outros Poderes Incorpóreos”. Aqui, Uriel é o governante da arte, pensamento, escrita e ciência.

Cristãos Coptas e Anglicanos

Cristãos coptas e anglicanos homenageiam Uriel com seu próprio dia de festa em 11 de julho, chamado de “Homilia do Arcanjo Uriel”. Eles o veem como um dos maiores arcanjos por causa de suas profecias para Enoque e Esdras.

De acordo com esses cristãos, Uriel viu a crucificação de Jesus. Aparentemente, Uriel encheu um cálice com o sangue de Cristo mergulhando sua asa nele. Com a xícara, ele e Miguel correram para espalhá-la por toda a Etiópia. À medida que aspergiam, uma igreja se erguia no lugar de onde uma gota caía.

Uriel no Islã

Embora Uriel seja uma figura amada entre os muçulmanos, não há menção de seu nome no Alcorão ou em qualquer texto islâmico, como ocorre com Miguel ou Gabriel. De acordo com a crença islâmica, Israfil ou Israfel se compara a Uriel. Mas na descrição de Israfil, ele parece mais parecido com Rafael do que Uriel.

Reverência Secular

Existem muitos relatos de pessoas que afirmam ter visto e experimentado Uriel. Surpreendentemente, círculos esotéricos, ocultos e pagãos criaram encantamentos inteiros em torno de Uriel. Eles também o veem como um símbolo de sabedoria, pensamento, arte e filosofia.

Relatos Bíblicos de Uriel

Embora a Bíblia não mencione muito sobre os arcanjos, existem 15 textos, conhecidos como os apócrifos, que oferecem detalhes sobre esses seres.

Uriel não é mencionado pelo nome em nenhum texto canônico, mas ele aparece no Segundo Livro de Esdras, em todo o Livro de Enoque e no Testamento de Salomão. Estes são alguns dos mais atraentes.

Segundo Livro de Esdras

O Segundo Livro de Esdras tem um dos relatos mais interessantes. Esdras, que escreveu o livro, foi um escriba e sacerdote no século 5 aC. A história de Esdras começa com Deus dizendo a ele o quão chateado Ele está com os israelitas e sua ingratidão. Portanto, Deus encarregou Esdras de deixar os israelitas saberem como Deus planejava abandoná-los.

Os israelitas deveriam se arrepender se desejassem se salvar da ira de Deus. Aqueles que o fizessem receberiam bênçãos, misericórdia e santuário. Ao pregar isso, Esdras percebeu como os israelitas ainda estavam sofrendo enquanto os babilônios desfrutavam de grande prosperidade e essa verdade levou Esdras à distração.

Confuso, Esdras faz uma longa e sincera oração a Deus, descrevendo sua perplexidade com a situação em que se encontrava. Uriel então chega a Esdras explicando que, porque Esdras é humano, não há como ele contemplar o plano de Deus. Até Uriel admite que não consegue perceber tudo em sua plenitude.

No entanto, Uriel diz a Esdras que a prosperidade da Babilônia não é uma injustiça. Na verdade, é uma ilusão. Mas as respostas apenas aumentaram a curiosidade de Esdras, levando-o a perguntar ainda mais. A maioria deles envolve o apocalipse.

Uriel parece ter pena de Esdras e dá visões vívidas com explicações como meio de responder às suas perguntas. O anjo revela como o destino dos injustos sofrerá ao se aproximarem do fim dos tempos, bem como descreve alguns dos sinais:

Multidões morrerão de uma vez

A verdade será escondida

Não haverá fé em toda a terra

A iniquidade aumentará

Sangue vai sair da madeira

Rochas vão falar

Os peixes farão barulhos

Mulheres darão à luz monstros

Amigos se enfrentarão

A terra ficará repentinamente nua e infrutífera

O sol vai brilhar à noite e a lua vai aparecer três vezes durante o dia

Infelizmente, as visões de Uriel não acalmam Esdras. Quanto mais ele aprende, mais perguntas ele tem. Em resposta, Uriel diz a ele que se ele jejuar, chorar e orar depois de compreender essas visões, então outra virá como sua recompensa. Esdras faz exatamente isso por sete dias.

Uriel mantém sua promessa a Esdras. Mas cada visão recebida deixa Esdras ansioso por mais. Ao longo do livro, você vê a associação clara de Uriel com sabedoria, eloquência e palavras. Ele usa metáforas coloridas com uma forma poética de falar.

Ele concedeu muitos dons e recompensas a Esdras na forma de visões para responder às suas muitas perguntas. Mas, ele só faz isso quando Esdras mostra humildade e obedece aos pedidos de Uriel. Isso nos diz que é melhor manter a sabedoria sagrada em segredo, pois não podemos entender como Deus trabalha.

Uriel no Livro de Enoque

Uriel aparece em vários lugares ao longo do Livro de Enoque como o guia pessoal e confidente de Enoque (I Enoque 19). Ele é um dos arcanjos que governa a terra e o mundo subterrâneo (I Enoque 9:1).

Uriel suplicou a Deus em nome da humanidade durante o reinado dos anjos caídos. Ele orou pela misericórdia de Deus contra derramamento de sangue e violência. Os caídos pegaram mulheres humanas e produziram abominações monstruosas, chamadas de Nefilins. Essas criaturas trouxeram muito horror para a terra.

Então, em sua misericórdia infinita, Deus encarregou Uriel de alertar Noé sobre o Grande Dilúvio que se aproximava. Posteriormente, Noé comenta sobre os Nefilins e suas atrocidades na terra:

“E Uriel disse-me: Aqui estarão os anjos que se conectaram com as mulheres, e seus espíritos assumindo muitas formas diferentes estão contaminando a humanidade e devem levá-los a se perder em sacrifícios aos demônios 'como deuses', (aqui eles ficarão) até 'o dia' do grande julgamento no qual eles serão julgados até que sejam terminados. E também as mulheres dos anjos que se extraviaram se tornarão sereias”

Uriel no Testamento de Salomão

Como um dos textos mágicos mais antigos, o Testamento de Salomão é um catálogo de demônios. Ele dá instruções sobre como convocar e contra-atacar anjos específicos invocando anjos específicos com a capacidade de afligi-los por meio de orações, rituais e feitiços mágicos.

As linhas 7-12 especificam a conexão de Uriel e o poder sobre um demônio feroz chamado Ornias. O Rei Salomão dá instruções a uma criança que Ornias almeja. Ao jogar um anel especialmente feito no peito de Ornias junto com a recitação de vários versos sagrados, a criança subjuga o demônio e o leva de volta ao rei.

Ao encontrar Ornias, o rei Salomão exige que o demônio diga a ele qual é o seu signo zodiacal. Ornias diz que é aquário e estrangula aquarianas que têm paixão pelas mulheres de Virgem. Ele então fala sobre como ele se transforma em uma bela fêmea e um leão. Ele também afirma que é “filho do arcanjo Uriel” (linha 10).

Ao ouvir o nome do arcanjo Uriel, Salomão se alegra com Deus e escraviza o demônio, fazendo-o trabalhar como cortador de pedras para construir o Templo em Jerusalém. Mas, o demônio teme ferramentas feitas de ferro. Então, Ornias tenta falar uma maneira de sair disso. Em troca de sua liberdade, Ornias faz uma promessa solene de trazer a Salomão todos os demônios.

Quando Uriel aparece, ele convoca o Leviatã das profundezas do mar. Uriel então comanda o Leviatã e Ornias para completar a construção do Templo. Não temos uma descrição de como Uriel se parece, apenas o que ele faz quando ajuda o rei Salomão.

Análise Final

Há muito a dizer sobre Uriel, embora a Bíblia não o mencione pelo nome. Os atos atribuídos a ele por outros textos literários elevam seu status, dando-lhe a posição de um arcanjo. Muitas pessoas ao redor do mundo, seculares e religiosas, reverenciam o poder e a sabedoria que Uriel tem a oferecer.

Ele é reverenciado como um anjo e como um santo por outros. Os relatos nos textos apócrifos nos mostram a grande capacidade de Uriel para misericórdia e redenção. Ele pode controlar demônios e trazer sabedoria, desde que o buscador faça as coisas certas. Uriel ensina a beleza da humildade enquanto está atento à sabedoria dada por Deus e existe para servir aos outros.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem