Dez Criaturas Mitológicas do Folclore Antigo

O mundo está cheio de histórias sobre criaturas míticas, bestas lendárias e seres sobrenaturais e divinos. Por milhares de anos, os humanos em todos os lugares - às vezes inspirados por animais vivos ou até por fósseis - criaram criaturas míticas em histórias, canções e obras de arte.

Hoje essas criaturas, do dragão poderoso à elevada fênix, continuam a nos emocionar, aterrorizar, entreter e inspirar-nos. Alguns, como o monstro do Lago Ness ou o Sasquatch (Pé-grande), continuam a ser "avistados" e procurados até hoje. Embora as origens dessas fabulosas criaturas sejam variadas e muitas vezes disputadas, elas desempenharam papéis significativos na sociedade humana e serviram para estimular a imaginação e o desejo que estão enraizados na natureza humana a experimentar mais do que esse mundo físico.
Dez Criaturas Mitológicas do Folclore Antigo
Se eles realmente existem na forma física é de fato secundário à sua existência nas mentes de tantas pessoas em todo o mundo e através da história.

O lendário Kraken

De acordo com a mitologia escandinava, o Kraken é uma criatura marinha gigantesca (com 1 milha de comprimento) que ataca navios e é tão grande que seu corpo pode ser confundido com uma ilha. É mencionado pela primeira vez no Örvar-Oddr, uma saga islandesa do século 13 envolvendo dois monstros marinhos, o Hafgufa (névoa do mar) e o Lyngbakr (urze-back). O Hafgufa é uma referência ao Kraken. A existência do Kraken foi até mesmo reconhecida em textos científicos, incluindo a primeira edição do Systema Naturae [1735], uma classificação taxonômica de organismos vivos pelo botânico sueco, médico e zoólogo Carolus Linnaeus.

Ele classificou o Kraken como um cefalópode, designando o nome científico Microcosmus marinus. Embora qualquer menção a Kraken tenha sido omitida em edições posteriores do Systema Naturae, Linnaeus o descreveu em sua obra posterior, Fauna Suecica [1746], como um "monstro único" que "diz-se que habita os mares da Noruega". Acredita-se, por muitos historiadores, que os Kraken se originaram das aparições da lula gigante, que pode atingir 18 metros de comprimento.

Grendel, a fera de Hrothgar

Beowulf é um poema épico heroico inglês antigo situado na Escandinávia e citado como uma das obras mais importantes da literatura anglo-saxônica de todos os tempos. Datado entre o século 8 e início do 11, o poema épico conta a história de Beowulf, um grande herói que vem em auxílio de Rodogário, o rei dos dinamarqueses, derrotando uma fera conhecida como Grendel que estava aterrorizando o grande salão de hidromel construído por Rodogário e ameaçando todo o reino.

Pesquisas arqueológicas verificaram que o grande salão comissionado por Rodogário realmente existia, e estava localizado na primeira capital real do país, Lejre, a 23 milhas a oeste da moderna Copenhague. Se Grendel (significando literalmente "o destruidor") originalmente existia de alguma forma menos lendária - talvez simbolizando um espírito malévolo responsável por doença e morte, ou um inimigo humano particularmente de aparência feroz - é ainda desconhecido.

O mitológico Kappa

No antigo folclore japonês, o Kappa é um demônio da água que habita rios e lagos e devora criancinhas desobedientes. O Kappa, uma palavra que significa "criança do rio", é geralmente representado com o corpo de uma tartaruga, um bico e os membros de um sapo, e tem um buraco cheio de água em cima de sua cabeça.

Embora sejam principalmente criaturas aquáticas, acredita-se que ocasionalmente se aventuram na terra. Segundo a lenda, a cavidade deve ser mantida molhada quando o Kappa sai da água, ou perderá seus poderes. O Kappa é uma das lendas populares mais conhecidas no Japão e muitos acreditam que a criatura mítica é verdadeira. De fato, há sinais perto de alguns lagos no Japão alertando as pessoas sobre sua presença. No entanto, outros afirmam que é muito mais provável que a lenda do Kappa esteja ligada a aparições da Salamandra Gigante japonesa, ou "hanzaki", que é conhecida por ser agressiva e agarrar sua presa com suas poderosas mandíbulas.

A lenda de Nian

De acordo com contos e lendas, o início do Ano Novo Chinês começou com a luta contra uma besta mítica chamada Nian, que tinha o corpo de um touro e a cabeça de um leão. Dizia-se que era um animal feroz que vivia nas montanhas e era caçado para viver. No final do inverno, quando não havia nada para comer, Nian viria no primeiro dia do ano novo para as aldeias comerem gado, colheitas e até aldeões, especialmente crianças. Para se proteger, os aldeões colocavam comida na frente de suas portas no começo de cada ano. Acreditava-se que depois que o Nian comeu a comida que prepararam, não atacaria mais ninguém.

Os aldeões viviam aterrorizados durante o inverno, mas com o tempo aprenderam que o feroz Nian tinha medo de três coisas: a cor vermelha, o fogo e o barulho. Então, quando o Ano Novo estava por vir, os aldeões penduravam lanternas vermelhas e rolos vermelhos nas janelas e portas. Eles também usavam fogos de artifício para espantar o Nian. A partir de então, Nian nunca mais foi à aldeia.

Segundo a lenda, o Nian acabou sendo capturado por Hongjun Laozu, um antigo monge taoísta, e Nian se tornou a montaria de Hongjun Laozu. Depois que Nian foi capturado, todos tiveram uma grande celebração e o ritual envolvido em bani-lo foi repetido no ano seguinte, e então o ritual foi passado de geração em geração e o costume de celebrar o Ano Novo com fogos de artifício, barulho e a cor vermelha persiste até hoje.

Naga, a divindade da água

A Naga é uma lendária criatura aquática serpentina que reside em oceanos, rios, lagos ou cachoeiras. Diz-se que as Nagas têm escamas negras e podem atingir centenas de metros de comprimento. As Nagas são tradicionalmente adoradas como personificações de divindades da água e considerados portadores de chuva e nuvens.

Elas são guardiãs de templos e lugares sagrados. A maioria dos Kaliyatran acredita que o Deus superior dirige as ações dos Nagas, e estas serpentes do mar são honradas com muitos títulos, como o "Maharaja Sarpa" e o "Naga que é Deus". Acredita-se comumente que as Nagas vivem em cidades subterrâneas, são capazes de falar e podem usar seus poderes celestiais para controlar o clima e assumir a forma humanoide à vontade.

A Lenda do Piasa

A lenda do pássaro Piasa remonta a muito antes de os exploradores europeus chegaram à região. Foi traçado por um bando de índios Illiniwek que viviam ao longo do Mississippi nas redondezas ao norte da atual Alton. Esta tribo, liderada por um chefe chamado Owatoga, caçava e pescava no vale e o rio e viviam uma vida contente até que a "grande besta" veio, descrita pelo padre missionário francês Jacques Marquette em 1673: “é tão grande quanto um bezerro, com chifres como um roebuck, olhos vermelhos, uma barba como um tigre e um semblante assustador. O rosto era algo parecido com o de um homem, o corpo coberto de escamas e a cauda tão comprida que passava inteiramente ao redor do corpo, acima da cabeça e entre as pernas, terminando como um peixe”.

Tal como com as tribos Illini, podem ser encontradas tradições de grandes pássaros e dragões semelhantes em todo o mundo. A tribo Dakota acreditava que o trovão era um pássaro monstruoso voando pelo ar e alegavam que esses pássaros eram grandes o suficiente para levar os seres humanos.

Nas antigas cavernas budistas da Índia podem ser encontrados vários dragões esculpidos e pintados que facilmente se encaixam nas descrições de Piasa. Alguns questionaram se a chamada criatura mítica poderia ter sido uma antiga espécie de ave que realmente existiu. Que tantas culturas e grupos de pessoas separadas por milhares de quilômetros e anos têm histórias semelhantes de imensas criaturas voadoras é curioso para dizer o mínimo.

O Menehune do Havaí

Na mitologia havaiana, diz-se que os Menehune são uma antiga raça de pessoas de pequena estatura, que viviam no Havaí antes que os colonos chegassem da Polinésia. Muitos estudiosos atribuem estruturas antigas encontradas nas ilhas havaianas ao Menehune. No entanto, outros argumentaram que as lendas dos Menehune são uma mitologia de contato pós-europeia e que tal raça não existia.

A mitologia do Menehune é tão antiga quanto os primórdios da história polinésia. Quando os primeiros polinésios chegaram ao Havaí, encontraram represas, lagoas de peixes, estradas e até templos, todos supostamente construídos pelos Menehune, que eram excelentes artesãos. Algumas dessas estruturas ainda existem e o artesanato altamente qualificado é evidente. Segundo a lenda, cada Menehune era um mestre de um determinado ofício e tinha uma função especial que eles realizaram com grande precisão e perícia. Eles partiriam ao anoitecer para construir algo em uma noite, e se isso não fosse alcançado, seria abandonado. Até hoje, nenhum resto de esqueleto humano de uma raça fisicamente pequena de pessoas foi encontrado em Kauai ou em qualquer outra ilha havaiana.

Embora isso não refute a existência de uma raça de pessoas pequenas, isso põe em questão a verdade por trás da lenda. No entanto, há evidências convincentes, tanto arqueológicas quanto nas numerosas lendas transmitidas ao longo de gerações, que sugerem que havia de fato uma antiga raça de pessoas altamente qualificadas que habitavam as ilhas havaianas muito antes da chegada dos polinésios.

Cipactli, o criador asteca

Os astecas do México acreditavam que a Terra foi criada a partir da destruição de um grande demônio do mar, criado por e conhecido pelos deuses como Cipactli. Cipactli foi descrito de muitas maneiras: um crocodilo com características de sapo e peixe, um demônio do mar ou monstro.

Independentemente da descrição, os astecas consideravam este monstro marinho assexuado como a fonte do cosmos. O apetite de Cipactli era insaciável e cada articulação da criatura tinha uma boca.
Quando os deuses começaram o processo de criação, eles logo perceberam que suas outras criações cairiam no vazio e seriam devoradas pelo demônio, então decidiram destruir Cipactli. Tezcatlipoca atraiu o monstro e perdeu um pé para seu apetite insaciável antes que os deuses pudessem derrotá-lo.

Cipactli lutou, mas no final os deuses prevaleceram. Eles puxaram o corpo de Cipactli em quatro direções e libertaram o universo de seu corpo. Então Tezcatlipoca e Quetzalcóatl criaram os céus e a Terra e tudo o que havia no corpo de Cipactli. A cabeça da criatura tornou-se os treze céus, a cauda o submundo, o meio da Terra.

O majestoso grifo

O grifo é uma criatura lendária com a cabeça e as asas de uma águia e o corpo, a cauda e as patas traseiras de um leão. Como a águia era considerada o "rei dos pássaros" e o leão o "rei dos animais", o grifo era visto como uma criatura poderosa e majestosa. Durante o Império Persa, o grifo era visto como um protetor do mal, da feitiçaria e da calúnia.

Enquanto os grifos são mais comuns na arte e na mitologia da Grécia Antiga, há evidências de representações de grifos na antiga Pérsia e no antigo Egito desde o quarto milênio aC. Na ilha de Creta, na Grécia, os arqueólogos descobriram representações de grifos em afrescos na "Sala do Trono" do Palácio da Idade do Bronze de Cnossos, que remonta ao século 15 aC.

As quatro criaturas mitológicas da China

Na antiga astronomia chinesa, a eclíptica do céu foi dividida em quatro seções. Cada uma dessas seções continha sete mansões e juntas formaram as 28 Mansões. As 28 Mansões podem ser consideradas equivalentes às constelações zodiacais na astronomia ocidental, embora elas reflitam o movimento da Lua através de um mês sideral em vez do Sol em um ano tropical. Isso permitiu que os antigos chineses marcassem as posições de viagem do Sol e da Lua, assim como determinassem o tempo e as estações.

Cada seção do céu é atribuída a uma criatura mitológica, coletivamente conhecida como os Quatro Símbolos. Essas criaturas são o Dragão Azul do Leste, o Tigre Branco do Oeste, a Tartaruga Negra do Norte e o Pássaro Vermilion do Sul.

Além de seu significado astronômico, cada um dos quatro símbolos é cercado por várias associações mitológicas.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!