10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)

Os antigos gregos tinham sede de monstros mitológicos. Essa obsessão se espalhou pelo mundo e continua até os dias atuais. No entanto, muitas das criaturas foram inspiradas não pela imaginação, mas pela ciência e natureza.

Descobriu-se que os locais dos antigos mitos eram frequentemente lugares onde grandes números de fósseis eram descobertos. Ao tentar entender o que estavam vendo, muitos mitos nasceram. Aqui, nós observaremos 10 criaturas mitológicas da Grécia antiga e ao redor do mundo que podem ter tido suas origens na realidade.

Ciclopes

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Na mitologia grega, os Ciclopes (plural de Ciclope) eram criaturas gigantescas com um único olho no centro de cada uma de suas cabeças. Eles eram conhecidos principalmente por sua barbárie, sem medo nem de homens nem de deuses.

O Ciclope mais famoso foi Polifemo, que atacou Ulisses em uma caverna e comeu metade de seus homens. Ulisses cegou o Ciclope ao enfiar uma estaca de madeira através do seu único olho. Então Odisseu e seus homens escaparam amarrando-se à parte de baixo das ovelhas.

Isso pode parecer implausível. Mas por um tempo, parecia haver alguma prova razoavelmente sólida da existência dos Ciclopes. Muitos crânios foram encontrados com uma única cavidade ocular no centro da cabeça.

Acontece que os crânios pertenciam aos elefantes anões. A “cavidade ocular” era a cavidade nasal central e a abertura para o tronco do elefante. Muitos crânios de elefantes anões foram encontrados em Chipre, especialmente em cavernas onde os Ciclopes deveriam ter vivido. Portanto, é talvez natural que um crânio de elefante tenha sido tomado como evidência de uma raça de criaturas gigantes comedoras de homem, com um olho e modos terríveis à mesa. [1]

O Kraken

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Originário do folclore nórdico, dizia-se que o kraken era poderoso o suficiente para arrastar um navio até as profundezas envolvendo seus gigantescos tentáculos ao redor do navio ou nadando em círculos ao redor para criar um turbilhão que arrastaria o navio para baixo.

O primeiro relato escrito do kraken remonta a 1180, e havia muitos relatos de um gigantesco monstro marinho tentaculoso arrastando navios até a sua destruição. Acredita-se que o kraken era capaz de devorar toda a tripulação de um navio em uma só bocada.

É provável que o mito kraken tenha surgido após o avistamento de uma espécie de lula gigante (Architeuthis dux), que pode atingir cerca de 18 metros de comprimento, ou possivelmente a lula colossal (Mesonychoteuthis hamiltoni), que é significativamente maior que a lula gigante e pode crescer até comprimentos desconhecidos. [2].

Poucas lulas colossais foram encontradas intactas, pois vivem nas águas profundas da Antártida. Por essa razão, ficou muito difícil encontrar evidências de como as lulas atacam suas presas. Algumas pesquisas recentes mostram que elas cercam presas com seus tentáculos antes de puxá-lo para eles e comê-lo. Então você nunca sabe.

O ornitorrinco

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Embora seja uma história mais recente do que algumas das outras, o ornitorrinco já foi considerado um animal mitológico. Mas é completamente real, ainda que um pouco estranha.

Descoberto pela primeira vez no século XVIII, foi considerado por muitos como uma farsa ridícula e não sem razão. Esta era uma época em que os naturalistas criavam todo tipo de criaturas estranhas com a ajuda da taxidermia e da imaginação criativa.

Por exemplo, Albertus Seba tinha todo um gabinete de curiosidades. Alguns eram reais e outros não. Por exemplo, a hidra de sete cabeças revelou-se um saco de cobras costuradas no corpo de uma doninha. O ornitorrinco parece tão implausível. Em 1799, o zoólogo inglês George Shaw escreveu que se assemelhava ao “bico de um pato engastado na cabeça de um quadrúpede”.

O ornitorrinco é notável por muitas razões, não apenas pela sua aparência peculiar. Os naturalistas não podiam determinar se a criatura era um mamífero. Ela botou ovos ou deu à luz filhotes vivos? Demorou mais 100 anos para os cientistas descobrirem a resposta para isso. O ornitorrinco é uma das poucas espécies de mamíferos que põem ovos. [3]

Sereias

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Houve lendas de sereias quase desde que as pessoas navegavam pelos mares. Um dos primeiros contos de sereias registrados foi o de Tessalônica. Acredita-se que ela era a meia-irmã de Alexandre, o Grande. Depois de uma aventura cheia de perigos para descobrir a Fonte da Juventude, ele enxaguou o cabelo de sua irmã na água imortal.

Quando Alexandre morreu, sua irmã (que também pode ter sido sua amante) tentou se afogar no mar. Mas ela não podia morrer, então ela se tornou uma sereia. Dizia a lenda que ela gritava aos marinheiros: "O rei Alexandre está vivo?" Se eles respondessem: "Ele vive, reina e conquista o mundo", ela permitia que eles partissem. Mas se eles dissessem que ele estava morto, ela se transformaria em um monstro e arrastaria o navio para o fundo do oceano.

Uma possível explicação para a persistência dos avistamentos de sereias é que os marinheiros estavam confundindo uma sereia, uma criatura fabulosa com o corpo de um peixe, mas a cabeça e torso de uma mulher bonita, com um peixe-boi. É justo dizer que o peixe-boi não é a criatura mais atraente da Terra. Então, como poderiam os marinheiros ter cometido tal erro? [4].

Bem, os peixes-boi podem manter suas cabeças fora da água e virá-los de um lado para o outro da mesma maneira que um humano pode fazer. E visto de trás, a pele áspera pode parecer um longo cabelo. Sabe-se também que marinheiros no mar por períodos prolongados experimentam alucinações náuticas. Então, talvez, se fosse à distância ou com pouca luz, eles poderiam confundir um peixe-boi com uma sereia. Ou talvez fosse o rum.

Vampiros

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
A visão moderna do vampiro começou com o romance de Bram Stoker, Drácula (1897), e mudou muito pouco desde então - um estranho pálido e magro com um sotaque improvável que dorme em um caixão e é mais ou menos imortal.

É bem conhecido que Stoker baseou seu personagem nos relatos históricos de Vlad, o Empalador. Também é possível que Stoker tenha se inspirado nos muitos rumores e superstições que cercaram a morte e o enterro na época, bem como a ignorância sobre como o corpo se decompõe.

Depois da morte, a pele do cadáver encolhe. Assim, seus dentes e unhas se tornam proeminentes e podem parecer ter crescido. Além disso, quando os órgãos internos se decompõem, o líquido de purga pode vazar pelo nariz e pela boca, deixando uma mancha escura. As pessoas podem ter interpretado isso como o cadáver bebendo sangue dos vivos. [5].

Havia também a evidência do próprio caixão. Às vezes, marcas de arranhões eram encontradas no interior dos caixões, o que era tomado como evidência de que os mortos haviam se tornado mortos-vivos e levantado de seus caixões.

Infelizmente, é mais provável que os mortos-vivos tenham morrido e que as pessoas que entraram em coma, por exemplo, tenham sido enterradas na crença equivocada de que haviam morrido. Depois de recuperar a consciência, eles podem ter tentado se libertar.

Acredita-se que o filósofo e monge John Duns Scotus tenha perecido de tal maneira. Dizem que seu corpo foi encontrado em uma cripta do lado de fora de seu caixão com as mãos ensanguentadas e machucadas de tentar escapar.

Gigantes

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Os gigantes fazem parte do folclore há milhares de anos. Na mitologia grega, temos os Gigantes, uma tribo de 100 gigantes que nasceram da deusa Gaia depois que ela foi impregnada de sangue coletado durante a castração de Urano.

Na mitologia nórdica, Aurgelmir foi criado a partir de gotas de água que se formaram quando a terra do gelo (Niflheim) encontrou a terra do calor e do fogo (Muspelheim). Ele deve ter sido bem grande. Depois que ele foi morto pelos deuses, a Terra foi feita de sua carne, os mares de seu sangue, as montanhas de seus ossos, as pedras de seus dentes, o céu de seu crânio e as nuvens de seu cérebro. Suas sobrancelhas até se tornaram a cerca em torno de Midgard, que é o jeito Viking de dizer Terra.

O gigantismo hereditário pode explicar algumas das crenças em gigantes (embora não as mais extravagantes). Os cientistas acreditam que eles isolaram um gene que pode levar ao gigantismo familiar. Segundo os pesquisadores, as pessoas com gigantismo também podem ter um tumor na glândula pituitária que pode estimular o crescimento.

Dizem que o gigante bíblico, Golias, tinha mais de 274 centímetros de altura. Não há uma definição moderna do que a altura nos torna um gigante, já que sociedades diferentes têm alturas médias diferentes, com diferenças de até 30 centímetros.

Um estudo publicado no Ulster Medical Journal sugeriu que Golias, famosamente morto por Davi com uma funda, tinha “uma árvore genealógica identificável sugestiva de herança autossômica dominante”. O pedregulho usado por Davi atingiu Golias na testa. Se Golias estivesse sofrendo de um tumor hipofisário pressionando seu quiasma óptico, ele teria tido distúrbios visuais que dificultariam a visão da pedra. [6]

Banshees

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
No folclore irlandês, uma banshee (que significa "mulher das fadas" em gaélico) era uma bela jovem de cabelos brancos e olhos vermelhos de chorar que "choramingavam" para avisar a pessoa que a ouve que alguém da sua família vai morrer. Em vez de ser considerado uma ameaça, deveria dar às pessoas tempo para se despedirem de seus entes queridos.

Não está claro quando a lenda surgiu pela primeira vez. Houve relatos da banshee em Cathreim Thoirdhealbhaigh, uma história escrita da aldeia de Torlough em 1350, e os relatos ainda estavam sendo contadas em meados do século XIX.

Choramingar era uma maneira tradicional de as mulheres expressarem sua dor. Elas se reuniam no túmulo e lamentavam sua perda. Esta prática gradualmente desapareceu durante o século 19 depois que se tornou uma espécie de atração turística para assistir os mais espertos em um "verdadeiro funeral irlandês". [7].

É fácil ver, no entanto, por que os românticos irlandeses, que estavam sempre prontos para acreditar no sobrenatural, levaria a ideia de uma mulher fada e misturá-lo com a tristeza das mulheres que choravam sobre seus mortos para criar uma bela banshee para chamar a casa da família para dizer seu último adeus.

Hidra de Lerna

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Na mitologia grega, a hidra era uma gigantesca serpente marinha com nove cabeças, uma das quais era imortal. Quando uma cabeça era cortada, mais duas cresciam da ferida fresca.

Matar a hidra foi um dos 12 trabalhos de Hércules. Para conseguir isso, ele contou com a ajuda de seu sobrinho, que cauterizou as feridas quando Hércules cortou as cabeças até restar apenas a cabeça imortal. Hércules também a cortou e enterrou-a sob uma rocha pesada.

O mito da hidra pode ter sido inspirado pela natureza. Houve muitos casos documentados de cobras com múltiplas cabeças (embora nove seria exagero). A incidência de policéfala em répteis parece ser maior do que em qualquer outra espécie.

Foi até mesmo possível para os cientistas estudarem gêmeos siameses criarem animais policéfalos. No início do século 20, Hans Spemann amarrou embriões de jovens salamandras junto com uma mecha de pelos de bebês humanos para produzir bebês com duas cabeças. [8]

Dire Wolves (lobo-gigante ou lobo-terrível)

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Atualmente, lobos-gigantes são mais conhecidos por sua associação com as crianças Stark em Game of Thrones. No entanto, o lobo terrível não é uma invenção da imaginação dos criadores da Game of Thrones.

Muito maior que um lobo moderno, o lobo-gigante viveu nas Américas até sua extinção há cerca de 10.000 anos. Mais de 4.000 restos fossilizados de lobos-gigantes foram descobertos em La Brea Tar Pits, em Los Angeles. Acredita-se que eles podem ter ficado presos enquanto se alimentavam das carcaças de outros animais enlaçados. [9]

O lobo-gigante tinha um crânio enorme, mas um cérebro menor que o lobo moderno. Talvez se os cérebros dos lobos-gigantes fossem maiores, eles teriam percebido que aqueles animais estavam presos nos poços de alcatrão por uma razão. Não há evidências de que um lobo-gigante albino existiu, embora filhotes albinos tenham nascido na moderna população de lobos.

Basiliscos

10 Criaturas Mitológicas Que Realmente Existiram (Mais ou Menos)
Segundo o mito grego e Harry Potter, um basilisco (também conhecido como Cocatrice) era uma serpente com um olhar letal e uma respiração terrível. Diz-se que nasceu de um ovo colocado por um galo e chocado por uma serpente. [10]

Supostamente, temia apenas o canto do galo e a doninha, que é imune a seu veneno (ou a espada de Harry Potter). No mito grego, o basilisco era de tamanho normal, embora tivesse crescido a proporções gigantescas quando chegou a Hogwarts.

Embora seja improvável que um galo ponha um ovo ou que uma serpente escolha incubá-lo, a ideia de um basilisco parece ter alguma base de fato. É provável que o basilisco do mito fosse na verdade uma cobra egípcia, uma cobra particularmente perigosa que assobia continuamente e cospe veneno a uma distância de 2,4 metros (8 pés), enquanto aponta para os olhos de seu inimigo.

Isso pode explicar o mito de que o basilisco matava quem a olhava nos olhos. O maior predador da cobra é o mangusto, que tem uma forte semelhança com uma doninha.

Foi dito que Alexandre, o Grande, usou um espelho para derrotar um basilisco. Quando a cobra olhou para sua própria imagem, ela morreu instantaneamente. J.K. Rowling também usou uma versão dessa história em seus romances.

Um comentário:

  1. Esse conto me deixou muito assustada ou emocionada tanto faz pois eu sou uma criança de 9 anos,

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.