Como ele manteve a ponte 

Essa história você vai gostar, pois é acerca de três homens corajosos e o nobre feito que realizaram - como eles salvaram Roma de cair nas mãos de seus inimigos, os etruscos.

Horácio Cocles, Espúrio Lárcio e Hermínio viveram nos dias em que Roma era jovem, quando os romanos eram um povo pequeno. Depois de muitos anos, eles cresceram, como você sabe, para ser a maior nação do mundo, a mais poderosa e a mais guerreira. Ainda nesses primeiros tempos eles eram um povo de luta.

Horácio Cocles: Oficial Militar Romano do Século VI a.C.

A Itália foi então dividida em pequenos reinos e cidades, entre uma ou outra das quais quase sempre havia guerra. Os etruscos eram os mais poderosos, e muito ansiosos para conquistar os romanos: de fato, antes de serem finalmente expulsos da Itália, conquistaram para si uma grande parte das posses romanas e forçaram o povo romano a pedir a paz; isso foi depois, e no final eles tiveram que ir.

Na época em que Horácio e seus amigos viviam, havia uma guerra civil em Roma. O povo, liderado pelos nobres, ou os patrícios, como eram chamados, havia se revoltado contra seu tirano rei, Tarquínio, o Soberbo ou Tarquínio, o Orgulhoso.

Tanto sofreram os patrícios sob o domínio do tirano e tão ferozmente o odiaram, que após a revolução eles fizeram o povo jurar nunca permitir que outro rei reinasse em Roma.

Tarquínio fugiu temendo por sua vida - fugiu para Etrúria para pedir ajuda, e ninguém sabia quando ele poderia voltar para tentar reconquistar o reino. Todos tinham certeza, no entanto, de que ele não deixaria a cidade por muito tempo em paz e que os etruscos ficariam apenas contentes com uma desculpa para fazer guerra contra eles.

Assim Roma foi feita república. Júnio Bruto, o líder da revolução, e outro patrício governou como cônsules, isto é, magistrados-chefes. Eles tinham o poder de um rei, mas, sendo dois, o poder era dividido e, portanto, era menos provável que cada um agisse de maneira injusta ou errasse o povo. Eu lhes digo isso porque esses dois foram os primeiros cônsules romanos da grande república romana. Mais tarde foi achado melhor em tempos de guerra dar todo o poder nas mãos de um homem, chamado ditador, já que os cônsules discutiam com frequência entre si e, portanto, ameaçavam a segurança do Estado.

Mas a princípio tudo correu bem: os patrícios estavam contentes, as pessoas não se queixavam: as leis que Tarquínio mudara foram corrigidas de novo: uma trama que alguns amigos do rei haviam iniciado, na esperança de voltar a governá-lo, foi descoberta e os conspiradores foram mortos.

Então eis! Um dia o grito surgiu na cidade: "Armas! Armas! Os etruscos estão aqui!" Apressaram-se os soldados, com o machado de guerra na mão: direto para as margens do Tibre que corriam, para o local onde ficava a Ponte Sublício, por sobre essa estreita ponte de madeira, o inimigo teria de passar antes que eles pudessem chegar à cidade.

Todos os cidadãos seguiram; homens, mulheres, crianças e escravos correram para a margem do rio para ver seus soldados derrubarem a ponte. Só assim poderia Roma ser salva e os etruscos impedidos de entrar na cidade.

Mas já era tarde demais, eu cheguei tarde demais! Tarquínio, o orgulhoso com Lars Porsena de Clúsio na cabeça de um forte exército etrusco estava lá do outro lado pronto para atravessar o rio.

"Eles vão acabar antes que possamos derrubar a ponte!" gritou os soldados.

"Estamos perdidos! Roma será tomada! Os deuses nos abandonaram!" gritou as mulheres descontroladamente e abraçaram os filhos e choraram.

De repente, claro e forte, acima do barulho e do tumulto soou a voz de Horácio.

"A cidade será salva! A ponte cairá! Pelos deuses, eu juro!" ele gritou: "Romanos! Quem vai ficar do outro lado comigo para que ninguém passe enquanto o trabalho estiver terminado?"

"Eu vou!" respondeu Espúrio Lárcio.

"E eu!" disse Hermínio, e levemente e orgulhosamente os três atravessaram a ponte até o fim onde os etruscos estavam.

"Lars Porsena, você não passa por aqui, só se você passar sobre nossos corpos!" eles choraram.

E quando o inimigo ficou parado em espanto,

"Etruscos, você deve ter medo de três romanos!" riu Horácio.

"Frente!" Porsena trovejou, e pressionou os etruscos aos três e aos quatros (pois a passagem era estreita), apenas para serem mortos ou empurrados pelos valentes três, enquanto atrás deles os soldados romanos trabalhavam pela vida, cortando e destruindo a ponte, cuja queda salvaria Roma.

As mulheres que observavam nas margens podiam vê-la cair, vigas por vigas - via a cada momento a brecha se dilatando entre os três bravos homens e a ponte. Mais e mais, cresceu e, com uma só voz, os romanos gritaram: "Salte! Horácio, Lárcio, Hermínio - Saltem enquanto podem!"

Lárcio e Hermínio obedeceram. Novamente levantou o grito —

"Horácio, venha enquanto há tempo!"

"Não até a última viga cair!" respondeu Horácio, e outro etrusco caiu no chão diante dele.

Velozes e furiosos voaram os machados: viga após viga colidia com a água. Finalmente! Finalmente! A ponte estava caída e Horácio, saltando para o rio, nadou para o outro lado, sem ferimentos. Roma foi salva.

Você pode imaginar por si mesmo a saudação que lhe foi dada, como o povo se alegrava, que honras foram dadas a ele e a seus dois amigos, mas para os corajosos a maior recompensa e honra era saber que haviam salvado a cidade que amava tanto.
Postagem Anterior Próxima Postagem