Deuses Gregos do Amor

Os deuses gregos do amor e do desejo desempenham um papel muito importante na mitologia grega.
Alados ou não, de coração caloroso ou não, os deuses do amor e do desejo causavam a maior alegria e a maior dor entre os deuses e os seres humanos - praticamente o que acontece hoje também.

Aqui vamos apresentar uma lista dos deuses e deusas gregas mais conhecidos do amor; as divindades que inspiraram paixões entre deuses e mortais e, claro, uma série de mitos e histórias na mitologia grega.

Eros, o Deus Grego do Amor e da Fertilidade

Eros, o Deus Grego do Amor e da Fertilidade

Eros era o deus grego do amor e da fertilidade. Os romanos mais tarde o chamaram de Cupido.

Eros tem uma longa história, datando da Grécia Antiga. O deus Eros era um dos deuses mais importantes da Grécia Antiga, uma das três divindades que criaram o mundo segundo a Teogonia de Hesíodo, que descreve a origem dos deuses.

"No começo havia o Caos", diz Hesíodo. Mas três elementos coexistiram: Caos, Gaia e Eros. Eros não deu origem a outros deuses, mas encorajou e facilitou o nascimento e a criação. Do Caos, nasceram Erebus e a Noite e seus filhos eram Éter e Dia.

Particular atenção foi dada a deus Eros dos antigos trágicos. Eurípides separou especialmente Eros em força positiva e negativa, pois podia levar tanto à virtude quanto à miséria. Em tempos posteriores, Eros era retratado como um bebê alado com excesso de peso, carregando um arco que ele usaria para atirar flechas ao acaso, fazendo com que pessoas e deuses se apaixonassem. Novamente, de acordo com o mito, Eros tinha dois tipos de flechas: os pombos alados dourados e as corujas emplumadas. As flechas com as asas dos pombos eram aquelas lançadas nos corações dos mortais e imortais, para estimular sentimentos eróticos.

O mito predominante sugere que Eros nasceu da mistura de Vênus com Marte numa bela noite de verão. Como um verdadeiro filho da Deusa da beleza, Eros era o deus do amor, luxúria e atividade sexual. De acordo com todos os mitos gregos, Eros era bonito, mas também uma fonte constante de problemas para os deuses e mortais.

Irmão do Amor era Anteros e seus colaboradores próximos eram chamados Desejo e Himeros. Um dos mitos mais conhecidos sobre Eros é o mito de Eros e Psique.

Pothos, o Deus Grego da Paixão

Pothos, o Deus Grego da Paixão

Na mitologia grega, Pothos é conhecido como uma divindade, que personificava o anseio erótico por algo além de nossas capacidades. O nome Pothos significa desejo e os antigos artistas retratam Pothos como um homem sem barba.

Pothos era o filho de Eros e Afrodite, ou de acordo com outro mito, o filho de Zéfiros e Iris. Seus irmãos eram Himeros e Anteros.

Pothos queria tornar-se uma das “divindades do amor” de Vênus, mas não poderia conseguir isso, então, na mente das pessoas, Pothos era sinônimo do desejo não realizado.

Himeros, Deus do Intenso Desejo Erótico

Himeros é a personificação do intenso desejo erótico, o desejo erótico. Hesíodo em "Teogonia" refere-se a Himeros como o filho de Afrodite e o deus Marte, irmão de Eros e Anteros. Himeros também é associado com as graças e musas.

Anteros, o Deus Grego do Amor Recíproco

Anteros, o irmão de Eros, era a divindade do amor recíproco, mas também o vingador do amor não correspondido.

Anteros, junto com Eros, foi um dos deuses alados do amor chamado Erotes, plural da palavra Eros em grego traduzindo para “amores”. Erotes eram as duas divindades de amor de Afrodite, e elas geralmente eram retratadas como bebês alados seguindo Afrodite, sua mãe.

Himeneu, o Deus Grego do Casamento

Himeneu era a divindade do casamento e da vida matrimonial. Himeneu participaria de todos os casamentos. Se ele não o fizesse, o casamento estaria condenado. Ele estava sempre presente nos casamentos dos deuses.

Mais tarde, os gregos usaram a palavra Himeneu para descrever um gênero de poesia lírica e canções executadas em casamentos.

Afrodite, a Deusa Grega da Beleza e da Luxúria

Afrodite, a Deusa Grega da Beleza e da Luxúria

Afrodite era a deusa da beleza e do sexo ilícito e, com menos frequência, protegia a vida conjugal. Seus símbolos sagrados eram as pombas brancas, um par de pombos arrastando a carruagem e também a papoula, a flor de romã, a rosa, a murta e a anêmona. Eros era o filho de Afrodite.

As armas da Deusa eram sua beleza cativante e o desejo erótico irresistível. Afrodite com a doce luxúria, que poderia conquistar todos os deuses e mortais, mas também as feras da terra e do mar, tinha grande poder em todo o universo. A maior diversão para ela era possuir os deuses com um desejo erótico por mulheres mortais e as deusas por homens mortais. Ninguém resistiu ao seu chamado!

Deuses e mortais tiveram que se render à jornada divina e colorida dos sentidos, aos rios do desejo, da paixão e do prazer, desfrutando do dom divino do amor, oferecido por Afrodite. Seu nome está associado a numerosos mitos sobre casos de amor, como o mito de Afrodite e Adonis e, é claro, o início da Guerra de Tróia.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.