O Moddey Dhoo (cão negro) do Castelo de Peel remonta pelo menos ao reinado de Carlos II da Inglaterra. Naqueles dias havia soldados estacionados no Castelo de Peel como guardas.

Logo dentro da entrada principal ficava a sala de guarda onde os soldados eram colocados para vigiar. Da sala de guarda, uma passagem levava a uma antiga igreja e, através dela, aos aposentos do Capitão da Guarda.

À noite, quando a noite caía, era dever de um dos guardas trancar o grande portão do castelo e levar a chave pela passagem até o capitão da guarda. Este dever era feito em turnos e quem trancava o portão seria responsável por garantir que a chave fosse levada através da escuridão da passagem e colocada nas próprias mãos do Capitão, antes de voltar a subir a passagem para a sala da guarda.

Nas noites cinzentas, depois que o portão era fechado, os soldados se reuniam na sala de guarda e acendiam um fogo para dissipar o frio e a escuridão. Lá, eles passavam a noite bebendo cerveja e contando histórias.

A Lenda do Moddey Dhoo do Castelo de Peel, Ilha de Man

A Aparência do Moddey Dhoo o Cão Negro

Quando as primeiras aparições de um grande cão negro com um pelagem longa e desgrenhada foram relatadas, alguns relatos disseram que era como um enorme spaniel. Ninguém sabia a quem pertencia, de onde viera ou como chegara ao castelo.

Sua presença era um completo mistério, sempre aparecendo depois que os portões eram fechados. Às vezes, aparecia em um cômodo e, em outros momentos, era visto em diferentes partes do castelo e terrenos.

Todas as noites, depois que o fogo se acendia na lareira da sala de guarda e, à medida que o frio e a escuridão começavam a se dissipar, ouvia se o cão caminhando pela passagem para entrar na sala de guarda.

A enorme criatura ignorava os guardas assustados e não emitia nenhum som na lareira até o amanhecer. Então, pouco antes de o sol nascer, ele se levantava e entrava na passagem e desaparecia até a noite, quando reapareceria novamente.

Dizem que o cachorro tinha uma aparência sobrenatural e, embora os guardas tivessem medo da besta, eles a ignoravam. Em vez de beber e se rebelar, eles tendiam a manter-se sóbrios e quietos para não perturbar, mantendo seu melhor comportamento. No entanto, agora, em vez de apenas um soldado levar a chave para os aposentos do Capitão, dois iam. Ninguém caminhava sozinho pela passagem escura depois do aparecimento do cachorro.

O Soldado Bêbado

Diz a lenda que uma noite após a aparição do cachorro um dos soldados se embebedou e se gabou de que ele levaria a chave na passagem para o Capitão sozinho naquela noite, já que ele não temia nenhum cachorro, mortal ou sobrenatural.

Embora não fosse sua vez de levar a chave e seus colegas soldados fizessem o melhor que podiam para dissuadi-lo, ele não aceitou nada e partiria para a escuridão da passagem sozinho. Para mostrar aos seus companheiros soldados sua coragem, ele provocou a fera, desafiando-a a segui-lo, se ousasse.

Embora os outros soldados tentassem segurá-lo, o bêbado não seria contido e mergulharia na passagem com as chaves, novamente desafiando o cão a segui-lo para ver se era mortal ou sobrenatural. A enorme fera negra levantou-se lentamente e seguiu-o pela passagem.

O silêncio caiu sobre o castelo como um manto negro e aqueles que permaneceram na sala de guarda se amontoaram de medo e não seguiram o soldado bêbado para a escuridão da passagem. O tempo pareceu ficar parado, mas depois do que poderia ter sido apenas alguns minutos, eles ouviram os gritos e gritos mais mortais e terríveis vindos da passagem, mas nenhum deixou a sala do guarda para investigar ou dar ajuda.

O Retorno do Soldado

Logo, da passagem eles ouviram os passos cambaleantes de alguém voltando para eles. O soldado bêbado caiu pela porta da sala, o rosto branco e retorcido de medo, os olhos ardendo de terror, a mente destruída.

A partir de então, ele não pronunciou outro som e não pôde ou não quis dizer o que lhe acontecera. Três dias depois, ele estava morto levando o segredo de sua provação ao túmulo. Depois daquela noite, o cachorro preto nunca mais foi visto na guarita, na passagem ou em qualquer outro lugar do Castelo de Peel.

Poderia Ser Verdade?

Essa certamente é uma boa história! Em muitos lugares diferentes das Ilhas Britânicas existem muitas lendas de cães pretos. Muitos têm associações com assentamentos vikings e os vikings construíram o castelo de Peel, que na verdade está situado na Ilha de São Patrício e é ligado por ponte à Ilha de Man. Na língua Manx, "Mauthe Doog" significa "cão negro" e acredita-se que Moddey Dhoo seja derivado disso.

Na Inglaterra e na Escandinávia, cães fantasmas negros também estão fortemente conectados com igrejas e cemitérios cristãos primitivos, onde um cachorro preto seria enterrado vivo para proteger do diabo a igreja e os terrenos. Dizem que a passagem da sala de guarda atravessava uma igreja antiga.

Postar comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem